História Para sempre seu I Malec - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Crônicas de Bane, Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Jace Herondale (Jace Wayland), Magnus Bane, Personagens Originais, Simon Lewis
Tags Alec Lightwood, Caçadores De Sombras!, Magnus Bane, Malec, Romance Gay, Shadowhunters, Yaoi
Visualizações 174
Palavras 1.684
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Fantasia, Magia, Romance e Novela, Saga, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi para o último cp 😿
A música do cp é : Say you won't let go (James Arthur)

Eu adoro essa música é será mais empolgante o cp com ela❤

**Deem uma olhadinha nas notas lá em baixo**

Capítulo 3 - Capítulo 3



Alec acordou e se sentia cansado, mesmo tendo dormido por quase 24 horas. 

Assim que abriu os olhos sentiu olhares voltados para si, era Izzy.

— Oi irmãozinho — abriu um sorriso caloroso.

— Oi — falou ele mas sem dar aquele sorriso. Afinal das contas, estava ferido e fraco e sua missão de ir ver Magnus para resolver toda história de Camille não foi bem sucedida. — E então, o que eu perdi?

— Tirando o Magnus, Jace está se culpando por ele ter....

— Como assim Magnus? — Alec não pensava que Jace tinha contado para sua irmã — Jace...

 Ele não precisou, achei isso aqui... e fique curiosa — Izzy deu de ombros e levantou um papel que parecia que havia escrito coisas lá há muito tempo, a letra era elegante e perfeita, ele sabia de quem era.

Ele passou os olhos pelo papel lendo as palavras que automaticamente lhe abalaram.

Magnus havia escrito que não era o melhor para ele, e isso o deixou mais ainda no chão. Ele queria gritar, queria saber porque esse amor o afetava tanto.

Não deveria ser assim, ele deveria ter sentido pelo menos alguma coisa pelo mundano. Mas não, isso era impossível, tudo nele era diferente.

Seus toques eram brutos e apressados, beijos rápidos, e mesmo sendo bom, não chegavam aos pés de seu feiticeiro.
Que tinha calma, era delicado e delicioso, eram os melhores momentos de seu dia, seus toques eram como chamas mas que ao envés de queimar lhe causava arrepios, seus beijos tinham uma explosão de sabores.

— Alec — Izzy chamou seu irmão que estava perdido em pensamentos e nem escutava o que sua irmã dizia...

— Eu preciso fazer uma coisa — falou o moreno já levando da cama indo em direção ao banheiro para tomar um banho. — Diga a Jace que não precisa se culpar, se fosse comigo, talvez aconteceria o mesmo.

Isabelle ia contestar a saída de seu irmão por ainda estava fraco, mas ela sabia que ele estaria em boas mãos, ele iria atrás de Magnus e ela mais que ninguém torcia para isso dar certo.

.

— Me desculpe irmão — disse Jace entrando no quarto vendo que Alec estava se arrumando.

Parando o que estava fazendo Alec olhou para seu parabatai

— Não foi sua culpa, você a ama e queria se certificar que ela estava segura.

— Eu não deveria ter me distraido — o loiro dizia ainda inconformado com a sua ação, ou melhor, com a falta dela.

— Eu sei o que é temer por alguém, você é meu parabatai, eu te entendo, já passamos por coisas piores — Alec abriu um breve sorriso. — E você já salvou minha vida muitas vezes, não é sempre que se ganha.

Jace acompanhou seu irmão no sorriso e o abraçou.

— Está bonito — Jace falou depois que se soltaram, saindo do quarto e Alec agradeceu seu elogio — E não faça nada que eu não faria.

.

Alec estava nervoso, não sabia o que ia fazer ou dizer quando visse o feiticeiro.

.
    

Ele não havia batido na porta, temia por ser ignorado, está como se seu coração fosse pular para fora, suas mãos estava suadas, até parecia um adolescente no seu primeiro encontro.

O apartamento do feiticeiro, pode-se dizer que estáva irreconhecível. Móveis quebrados e cacos de garrafas de whisky no chão.

O feiticeiro estava a preste a quebrar outro armário de vidro com toda força que seus poderes tinha, quando viu que alguém havia entrado em seu apartamento, virou se e viu que era Alec, no memento em que seus olhos se encontraram seu coração acelerou. Ele estava ali, a sua frente, com àqueles olhos azuis e suas marcas angelicais, ele queria deixar tudo para lá e simplesmente correr para os braços do cara em sua frente, o mesmo que estava desacordado em seus braços horas antes. O que o havia feito morrer de preocupação, aquele que fazia seu coração bater aceleradamente, quem o fazia uma pessoa melhor. Quem ele amava.

Mas apanas se conteve no lugar, enquanto encarava o garoto do outro lado da sala.

Alec encarou Magnus, seu olhos estavam vermelhos e por mais que eles estivessem distante um do outro, ele pode perceber que havia lágrimas que escorria pelo seu rosto.

— Magnus — Lightwood sussurrou baixo, mas sabia que ele havia escutado.

— Talvez fosse melhor você ir embora. Talvez eu não seje o melhor para você — Magnus falou firmemente.

Essas palavras fez o moreno arfar de dor, não era uma dor sentida, era algo que latejava no fundo se sua alma.

Mais ele não iria, não podia, tinha juntado coragem e não podia simplesmente ir em bora.

— Eu sei o quê é o melhor para mim — Deu alguns passos para frente enquanto Magnus se mantinha no mesmo lugar. — É você. Me desculpa, eu não devia ter ficado com outro cara, eu só estava... — ele não sabia o que dizer. — Tentando fugir.

Magnus se manteve calado, agora todos seus sentimentos estavam expostos, toda sua fraqueza.

— Eu sei que duvidei de você, me perdoa. — Alec agora estava desesperado, não podia perder Magnus — Não desiste de mim.

Magnus havia prometido a si mesmo que não iria atrás de seu anjo, talvez até tentaria esquece-lo mesmo sabendo que iria fracassar. Mas agora ele estava ali fazendo de tudo para te lo.

O moreno se aproximou mais, e a cada passo a pulsação do feiticeiro aumentava.

Os dois estava a uma distância mínima, e em um gesto rápido, Alec cola seus lábios nos do homem que estava a sua frente, ficando aliviado por ter sido correspondido. Mas desviar não passou pela cabeça do feiticeiro, ele queria isso. Precisava disso.

Foi um beijo calmo e intenso, cheio de saudade e satisfação, que se misturavam com suas lágrimas, e que logo ficou descompensado por continuarem mesmo com a falta de ar.

.

Magnus guiou seu amado para o quarto, um dos únicos lugares da casa que não havia coisas quebradas.

O deitou na cama enquanto o beijava calorosamente, 
e assim já começava a tirar sua jaqueta e sua blusa. Alec deu um jeito de tirar seus sapatos, e uma de suas mãos já estavam na coxa de Magnus, gesto que o fez arrepiar só o deixando mais faminto. Ele estava com saudades do moreno, dos seus lábios e seu toque.

Magnus foi depositando beijos pelo pescoço e abdômen do mais novo fazendo o respirar pela boca pesadamente com os arrepios que lhe causava, antes que Bene abrisse sua calça Alec parou e por alguns momentos Magnus ficou confuso, mas se surpreendeu com o Lightwood invertendo as posições e ficando por cima o fazendo dar uma risada.

Alec tira todas as camadas de suas exóticas roupas do feiticeiro e as joga no chão o deixando apenas de cueca. Começando a dar beijos e lambidas em seu abdômen e descendo, a medida que isso acontecia Magnus arfava com o toque dos lábios em seu corpo lhe proporcionando muitos prazeres.

Alec havia chegado a base de sua cueca quando o feiticeiro diz

— Injusto — Magnus disse vendo seu amado ainda com suas calças e então a desabotoou com magia e fez algo mais que fez Alec arfar de prazer. O moreno entendeu o recado e acabou de despir-se.

Magnus aproveitou que o mais novo estava ajoelhado na cama e envés de esperar ele deitar, ficou de joelhos também e começou o beijar assim, os beijos eram intercalados com chupões no pescoço, deixando os dois já totalmente eretos.

Alec mordeu suavemente a orelha de seu feiticeiro o fazendo ronronar em seu pescoço. Isso o deixou querendo mais. Ele foi passando os lábios pelo pescoço de Alec descendo parando em seus mamilos e brincando com eles com seu dente o fazendo soltar gemidos.

Continuou pela barriga do moreno até chegar em seu membro e depositar beijos naquele local também fazendo sua respiração sair descompensada, logo colocando sua boca no membro tentando chupar a maior extensão que podia. fazendo com que as penas do filho de anjo bambeassem e ele soltasse um gemido.

— Magnus... — disse Alec em forma de gemido e colocando suas mãos no cabelo já bagunçado do feiticeiro ajudado a intensificar os movimentos.

Alexander já estava chegando no seu limite mas ainda queria mais, tirou seu membro da boca do feiticeiro que fez um bico de desaprovação, Alec riu e em seguida o jogou na cama, ele queria sentir seu amado por inteiro, queria ele dentro de si.

Com movimentos leves o mais novo tira a peça de roupa que faltava em Magnus e apertou seu membro o fazendo arfar com o toque.

Magnus se ajeitou na cama encostando suas costas na cabeceira enquanto Alec vinha ficando com as pernas uma de cada lado de sua cintura. Ambos não aguentavam mais a separação, mesmo estando colados, não era o suficiente.

Magnus então pediu para que Alec chupasse dois de seus dedos e os colocou na entrada do mais novo só para não o pegar desprevenido e logo depois de ver que ele havia se acostumado, separou ainda mais as nádegas de Alec, posicionou seu pênis e o aprofundou. Fazendo os dois soltar suspiros de prazer.

E com o tempo as estocadas ficaram mais rápidas e firmes com isso acertando o ponto certo. Alec chupava e mordia o pescoço de Magnus enquanto seu membro era masturbado pelo mesmo.

Era um explosão de sentimentos e sensações coisas prazerosas que faziam seus corações baterem rápidos e felizes. Não demorou muito pra chegarem ao limite.

O moreno deitou no peito do feiticeiro exausto, tudo que se ouvia era as batidas aceleradas de seus corações e suas respiração descompensadas.

Ficaram assim por bastante tempo, sem dizer nada, apenas sentindo seu batimentos acalmarem.

Magnus sabia o quanto seu anjo gostava quando suas mãos estavam nos seus cabelos os alisando as vezes ele fazia isso até seu amado durmir.

Magnus pensou que seu pequeno anjo havia dormido com seu cafuné, e disse baixo para si mesmo.

— Te amo Alexander

— Aku sinta kamu — Sussurrou Alec que já estava pegando no sono.

Agora havia lágrimas nos olhos do feiticeiro, mas eram de alegria. Nunca em sua existência sentiu algo assim por alguém, ficou feliz por ter encontrado seu pequeno pedaço do céu...

.

Fim.


Notas Finais


Notas fofinhas dá autora...

Estou triste que tenha acabado....

Obrigado por ter lido, eu adorei escrever essa fic e espero que vocês tenham gostado de ler.

    Eu estava pensando que eu podia fazer a continuação, (porque eu realmente quero ver eles se casando hahahaha) Sem contar a Lua de mel 🌚❤

  Mas agora darei um tempinho apenas para ler alguns livros. (Não muito tempo)

(Eu sei que eu fiz o Alec passivo... Mas é que para mim o personagem precisava disso, precisava sentir o outro, sentir que Magnus estava tendo o prazer que merecia)😦🍭

    Agradeço aos votos de quem gostaram.... Vocês são incríveis ✨❤


** Eu adoro escrever.. mas as vezes não tenho inspiração.. se vocês tiverem uma ideia podem me mandar uma mensagem que eu talvez possa fazer histórias, fics ou até one shots do que vocês falarem**
Insta: jujubinha_sad 🍭

Me desculpem pelos erros...😐❤

Até mais ❤✨🍭


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...