História Paradox. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Jimin, Min Yoongi, Paradoxo, Realidade Paralela, Sexo, Suga
Visualizações 43
Palavras 1.692
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Hentai, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, pessoinhas! ❤

Aproveitem esse capítulo com um ponto de vista mais que especial no final.

Capítulo 5 - Sobre gordurinhas, monstros e paixão pelo real Min Yoongi.


Fanfic / Fanfiction Paradox. - Capítulo 5 - Sobre gordurinhas, monstros e paixão pelo real Min Yoongi.

Abri meus olhos, a dor estava parando. Pude jurar que percebi preocupação nos olhos de Yoongi, mas, isso desapareceu. Jimin estava me segurando.

— Eu... Consigo ficar em pé sozinha...

Jimin me largou, mas, ao dar o primeiro passo minhas pernas falharam e eu me vi indo de encontro ao chão. Eu soube que se eu caísse eu iria desmaiar. Só fechei os olhos.

Mas eu não desmaiei. Senti claramente duas mãos firmes em minha cintura. Mas eu não quis abrir os olhos. Estava exausta. Senti o cheiro do perfume de Yoongi próximo a mim. Alguém me pegou no colo.

— Coloca ela ali no sofá, hyung! Ah, meu Deus!

Yoongi estava me segurando? Mas... O quê?

[...]

Senti o macio do sofá, e minha blusa subindo um pouco.

Senti minha blusa sendo levantada e tentei abrir os olhos, mas estavam extremamente pesados. Meu corpo inteiro estava pesado.

— J-Jimin... C-Cadê?

— Cadê o que, hyung?

— As... As gordurinhas dela...

— Yoongi, pare de zoar! Não vê que ela está realmente mal?

— Não. Eu não estou falando por mal. Olha isso, a pele dela... Jimin, há uma semana atrás estava muito diferente. As costelas dela estão aparecendo... S-Será que foi pelo que eu falei...?

Senti outra pessoa se aproximar e soube que era o Jimin. Ele passou os dedos pela minha barriga, depois arregaçando a manga e vendo como meu pulso estava.

— Eu estou preocupado, hyung — disse Jimin. — Nós não costumávamos conversar muito além de eu tê-la ajudado em filosofia, mas por conta da sua idiotice nos aproximamos nos últimos dias.

— Minha idiotice?

— Ah! Fala sério, Min Yoongi! Você não tem noção do quanto machuca ela. O dia que você fez ela tragar o teu cigarro, quando você apertou a barriga dela, quando você a bateu! Todos os empurrões. Eu amo você, hyung. Mas, se eu estivesse no lugar dela, eu não hesitaria em te denunciar por agressão física, e você seria condenado pela lei Maria da Penha.

Yoongi ficou em silêncio.

— O que está acontecendo com ela? — pediu Yoongi. Me impressionei, pois o tom de voz dele estava diferente. — E... Quem é Suga? Ela tem namorado...?

Por que ele hesitou?

— Eu não faço ideia de quem seja Suga. Você acha que isso tem algo a ver com ela estar perdendo a noção do tempo?

— Que tipo de namorado faria isso?

Jimin soltou uma risada sarcástica.

O tipo de Min Yoongi.

[...]

Acordei. Estava deitada em uma cama, incrivelmente os travesseiros tinham o cheiro do Yoongi, o que me levou a pensar que aqui seria o quarto de hóspedes, e não o quarto do Jimin. A cama estava tão quentinha e aconchegante que me relaxou até o último músculo.

Me virei e caí da cama com o susto que eu levei. Yoongi estava ao meu lado na cama, dormindo serenamente. Entrei em choque.

Ele não abriu os olhos, mas estendeu o braço, provavelmente para conferir se eu estava ali. Quando ele não sentiu nada, abriu os olhos rapidamente e me viu ali no chão, encolhida contra a parede. Ele arregalou os olhinhos e levantou imediatamente.

— Jimin! Vem cá! Ela acordou! — gritou. — Ei, calma aí.

Ele me pediu calma, pois a cada passo que ele dava em minha direção eu me enfiava mais contra a parede. Estava com medo dele. Destrancou a porta. Por que estava trancada?

— Garota, calma!

— N-Não... Por favor, senhor Min, não me m-machuque...

Eu tinha medo de que se eu o chamasse pelo nome ele me repreendesse com um tapa.

— Senhor Min...?

Ele repetiu minhas palavras e parou onde estava. Me olhou confuso.

— D-Desculpe! Eu não f-falo mais com você, isso! S-Só não me machuca.

Ele tinha uma expressão indescritível no rosto.

— Hyung? Oh, (s/n)! O que foi? — olhou para Yoongi, que ainda estava com a mesma expressão. — Yoongi? O que aconteceu?

Yoongi piscou duas vezes. Parecia atordoado. Olhou para mim mais uma vez e desviou o olhar para Jimin.

— Eu... Eu vou embora...

Ele saiu rapidamente do quarto.

— Hyung!

Yoongi respondeu algo que eu não entendi e Jimin voltou ao quarto.

— Como você está se sentindo?

— E-Estou... Estou bem. Eu acho.

Jimin sorriu e sentou ao meu lado.

— Você não acredita! É o babado do ano!

Sorri. Ele estava me tratando como alguém normal. E isso aqueceu o meu coração.

— O que foi?

— O pior casal ever teve uma DR hoje.

— Quem?

— Yoongi e Hyuna.

Arregalei os olhos.

— Por quê?

— Bom... Eles tinham algo marcado hoje a noite, e por algum motivo, Yoongi decidiu ficar aqui e esperar você acordar. Ele não disse nada. Eu me ofereci para dormir com você para que ninguém usasse o sofá, mas ele entrou no quarto correndo e trancou a porta.

Estava deveras confusa.

— Posso lhe perguntar algo pessoal?

— Claro, Jimin.

— Quem é Suga?

— Sabe... Aquela hora que eu abracei o Yoongi... Eu tinha me lembrado do Suga.

Jimin estava confuso.

— Eles são parecidos?

Respirei fundo.

— Eles são iguais, Jimin.

[...]

— Ok... Deixe-me ver se eu entendi. Suga é o Yoongi, mas em uma outra dimensão e de outra personalidade? Como um universo paralelo?

— Sim.

— E você vai para lá pelo seu armário.

— Exato.

Jimin ficou alguns segundos em silêncio, mas depois sorriu.

— Tudo bem. Um dia você me leva para conhecer esse lugar, já que é tão bonito assim! Preciso ver de perto! Quem sabe eu não faça amizade com o Suga, huh?

Abracei Jimin. Ele não me acha louca.

[...]


P. O. V. Min Yoongi

Saí daquela casa com algo no peito. Algo que doía. Doía muito. Ver ela com medo de mim me fazia sentir prazer antes, machucá-la. Isso me enchia de tesão.

Mas, isso não acontece mais.

A dor dela nunca me importou de verdade, mas recentemente eu me sinto estranho toda vez que eu a faço mal. O dia que ela disse pra que eu fosse embora e não voltasse... Isso me matou.

Não que eu sinta algo por ela, acho que não, mas... Me preocupou ver ela daquela maneira.

No começo, era só culpa por ver ela faltar na aula uma semana depois que eu tinha dito que, se ela morresse, eu não me importaria.

Mas depois essa culpa se tornou algo diferente, e isso começou no dia que ela apareceu na aula.

Estava pálida, a pele seca. Não tinha mais aquele ar indestrutível que me excitava. Pelo contrário: ela parecia totalmente destruída.

Me lembrei de como me senti quando encontrei minha mãe morta no quarto. Talvez por isso eu tenha me tornado alguém horrível.

Meu celular tocou alguns minutos depois que eu encontrei uma praça e me sentei.

— Yoongi!

— Aconteceu algo com ela, Jimin?

— Onde você está? Precisamos conversar. Ela precisa de ajuda. Urgentemente.

[...]

— Ela está maluca, hyung.

— Como assim?

Jimin me contou toda a história e tudo o que ela falou: sobre o armário, sobre o paraíso escondido, sobre o tal do Suga e como ele era igual a mim.

— Ela parece apaixonada.

Por mim? — sorri por algum motivo desconhecido.

— Não. Pelo Suga.

— Mas ele não sou eu?

— Sim, mas é diferente. É carinhoso, atencioso, lindo e blá blá blá. Todas essas coisas de quando estamos gostando de alguém.

— É, ele realmente deve ser um gato — brinquei, disfarçando o desconforto que senti. — Mas... Essa história é muito estranha.

— E pior: a última vez que ela entrou lá... Passou uma semana sem que ela tivesse noção. Uma semana! O corpo dela está refletindo essa outra realidade.

— Então ela tem que parar de ir.

Jimin me olhou de forma triste.

— Como podemos pedir para que ela não vá mais se o Suga é o que tem a mantido viva, hyung?

Me incomodei com isso. Um cara igual a mim? Por que não se apaixona pelo Yoongi de verdade de uma vez?

— A não ser que...

O rosto de Jimin pareceu se iluminar.

— Quê...?

Você a conquiste.

Fiquei alguns segundos parado.

— Está tirando com a minha cara? — pedi. — Como vou fazer isso?

— Tenta perceber as qualidades dela! Ela é linda, Yoongi. Extremamente inteligente, esperta, atenta! Não é difícil ter um afeto por ela.

— Ela nunca se apaixonaria por mim. Ela me odeia.

— Você acha isso, mas... Yoongi, ela te abraçou aquela hora pois pensou que era o Suga. Da próxima, retribua o abraço, compre flores e a peça desculpa pelas agressões, compre chocolates e diga que as gordurinhas dela são a parte mais bela do seu corpo. Faça ela se apaixonar por alguém real, Yoongi.

— Eu realmente não consigo idealizar alguém apaixonado por mim, ainda mais ela, que já sofreu tanto por mim. Não consigo imaginar alguém pensando em mim antes de dormir, ou contando para os seus amigos sobre mim com um sorriso bobo. Eu não consigo imaginar alguém nas nuvens porque eu disse um “oi” ou qualquer coisa assim. Não consigo imaginar alguém sorrindo para a tela do computador quando a gente está conversando. Sei lá, só não consigo.

— Tudo bem. Só... Não a machuque mais. Ela não aguenta mais. E em eu.

Fiquei pensativo.

Que tipo de monstro eu me tornei? E se minha mãe me visse agora, o que pensaria de mim?

Aos poucos estou matando cada sonho dentro de mim. Estou me tornando na pessoa em que, justamente, eu não queria ser.

Jimin tem razão e parte de mim o admira por continuar aqui.

O celular de Jimin tocou e ele assumiu uma feição preocupada.

— Você me prometeu que esperaria para vê-lo! Não! Você não está entendendo. E se passar de uma semana! Não! Não vá! Eu não posso ir aí agora!

Minha cara de confusão foi épica. Até que Jimin me olhou e seu rosto se iluminou.

— Acho que sei quem pode te ajudar a não ir ver o Suga. Espere só mais um pouquinho, por favor!

Ele desligou e me olhou.

— Vá fazer companhia a ela hoje? Eu pedi para que ela não fosse mais para aquele lugar por hora, mas ela diz que precisa de alguém, e que não consegue pensar em ninguém além do seu amado "Yoonnie". Você é perfeito para o cargo! Pode fingir ser o Suga só por hoje?

Passei a mão no rosto nervosamente.

— E como diabos eu vou fazer isso?! Ele não é o cara perfeito?!

— Chama ela de amor, de linda. Abraça ela. Acaricia. Só até ela dormir, Yoongi. Por favor. Esquece quem ela é por uma noite, ela precisa da nossa ajuda.

Respirei fundo.

— Tudo bem.


Notas Finais


Ahhhhh, prevejo fogo no próximo capítulo. Não disse aonde.

Podem comentar a vontade. ❤

Beijinhos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...