História Paradoxo - Capítulo 2


Escrita por: ~

Exibições 72
Palavras 2.374
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Hentai, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


GENTE!!!
OIE!
Eu quero muito mesmo me desculpar por toda a demorar em atualizar isso aqui, e eu vou me justificar, da pior forma, mas vou.
Primeiro que eu tenho essa fic toda planejadinha no papel, mas esse negócio de planejar tudo não tava funcionando de forma alguma, então joguei tudo pro ar, deixei o roteiro de lado e me permitir deixar fluir, e funcionou. Além do mais, e estive com um bloqueio longo e terrível, com TODAS as minhas fics. O que é terrível a níveis catastróficos. Mas, eu consegui fazer o que eu queria, e aqui estamos nós.

MUITO OBRIGADA AOS COMENTÁRIOS E FAVORITOS!! ♥
A Moka aqui ta felizona, e agradece a todo o apoio.
Preparados pro seguimento?

~ Boa leitura, e divirtam-se! ♥

Capítulo 2 - 02 - Velhos conhecidos.


Capítulo 02 - Velhos conhecidos. 
~~~

 

As batidas insistentes na porta o fizeram se remexer na cama. Não queria levantar, e muito menos continuar a ser perturbado pelo som das batidas contra a porta de madeira. Abriu os olhos a contra gosto, e encarou o relógio em seu criado-mudo. O relógio marcava dez e quarenta e cinco da manhã, e o que se ouviu em seguida fora um resmungo de Jiyong. Ainda de bruços, ele virou o rosto para o outro lado da cama, vendo o corpo desacordado de uma mulher que ele até então não se lembrava de conhecer, ou de ter levado pra casa. Suspirante, ele resolveu se levantar, e percebendo-se nu, ele vestiu a primeira coisa que encontrou sua pelo chão do quarto e caminhou até a porta. 

- O que foi? - perguntou, ao abrir minimamente a porta. 

- O que foi? - o tom de indignação da mulher era claro. Jiyong suspirou. - Você faz ideia de que horas são? Era pra você está na empresa com seu pai, há mais de uma hora, Jiyong. 

- Tenho certeza que o papai não vai se importar se eu me atrasar um pouco.

- Jiyong! - a mulher disse nervosa e respirou fundo antes de fechar a porta e ignorar a presença dela e as batidas que voltaram a ser ouvidas, até que cessaram. 

Jiyong espreguiçou-se e caminhou pelo quarto, catando as roupas femininas pelo chão. Pelo visto a garota tinha sono pesado. Ele riu e deixou as roupas dela sobre a cama e caminhou até o banheiro anexo ao seu quarto. Parou em frente ao espelho e encarou-se. Estava tão nítido que ele tinha passado mais uma noite na fara, como sua mãe e irmã gostavam de dizer. Jiyong riu sem vontade e lavou o rosto, escovando os dentes em seguida. Regulou o chuveiro e tomou um banho gelado, pra começar bem o dia, ou pelo menos tentar. 

Voltou ao quarto com uma toalha enrolada em seus quadris e percebeu que a mulher com quem tinha acordado - e pra ser mais específico, dormido -, acordava e olhava ao redor como quem tentava reconhecer onde estava. Quando seu olhar parou sobre ele, ela sorriu e ajeitou o lençol da cama em volta de si, levantando-se. 

- Pode me lembrar como chegamos aqui? - a morena perguntou, pondo os cabelos curtos atrás da orelha. 

- Eu não faço a menor ideia. - respondeu sincero e caminhou até a porta do closet, tirando a toalha de seus quadris e a largando no chão. - E você, quem é? 

- Ia te perguntar a mesma coisa. - ela disse rindo. - Me chamo Kiko. 

- Kiko. - disse pensativo e começou a se vestir. - Belo nome. 

- Obrigada...

- Jiyong. - respondeu e ela deu um riso nasalado. 

- Posso usar o seu banheiro? - perguntou voltando a cama, pra pegar as roupas que já estavam ali quando ela acordou. 

- A vontade. 

Kiko entrou no banheiro e Jiyong terminou de se vestir. Caminhou até as roupas que ele havia usado na noite anterior e procurou por sua carteira, tirando de lá uma boa quantidade de dinheiro, deixando junto a bolsa da mulher. Ajeitou os cabelos e a gravata, e verificou a hora em seu relógio. Pelo visto, ficaria para almoçar em casa. Ligou pra companhia de táxi, pedindo um para o seu endereço e então desligou o telefone o guardando no bolso. Pegou seu paletó e esperou mais um pouco até que viu a mulher deixar seu banheiro perfeitamente vestida.

- Chamei um táxi pra você. Espero que não se importe. - a morena assentiu indo até sua bolsa e vendo o dinheiro ali. Com o cenho franzido ela o encarou e ergueu as notas confusa. 

- Acha que sou algum tipo de garota de programa? 

- Ah, não. - caminhando até a porta do seu quarto ele a abriu. - Isso é uma cortesia, por eu não fazer ideia de como vinhemos parar sem roupa na minha cama. Considere como o meu pedido de desculpas. 

- Não preciso do dinheiro. Eu também não lembro de muita coisa. - estendeu as notas pra ele que riu. 

- Se não quiser, é só deixar por aí. Agora, vamos. Eu tenho muito o que fazer hoje. 

Ele tinha a leve certeza de que ela não negaria o dinheiro, e suas certezas foram confirmadas minutos depois, quando ela saiu da casa com o dinheiro em sua bolsa. Satisfeito quando o táxi saiu, ele voltou pra dentro de sua casa e seguiu pra sala de jantar, onde a mesa já começava a ser posta para o almoço. Pegou uma pera na fruteira bem arrumada sobre a mesa e considerou que aquele seria seu café da manhã. 

- Vejam só se não é o meu maninho! - Dami disse e seu tom de voz carregava um sarcasmo que ao ver de Jiyong era cômico. - Apareceu na empresa hoje? Não te vi... 

Virando-se pra ela, Jiyong sorriu e abriu os braços. 

- Noona. - ele disse ainda sorrindo. - Eu sinto tanto não poder comparecer pela manhã. Espero que não tenha acontecido nada de muito importante na minha ausência, estava ocupado. 

Dami sabia bem os motivos pelo qual seu irmão vivia a se atrasar, ou a não comparecer a empresa, mesmo que por ordens estritas de seu pai. Ela sabia bem das ameaça do mais velho de deserdar seu irmão, caso ele não arcasse com as responsabilidades que tinha. Sabia também que Jiyong sempre foi mimado demais, e até "solto" demais, e não entendia bem como seu pai iria confiar a empresa a ele. Conhecia o histórico problemático dele como ninguém, mas como o velho dizia, está na hora de ele se tornar um homem. 

- Espero que não tenha nada pra fazer está noite. - ela disse caminhando até ele e ajeitando melhor a gravata, que ao ver de Jiyong estava perfeita em si. 

- E por que não? 

- Quero me acompanhe hoje. Tenho um evento pra ir e sou um mulher solteira, que precisa de acompanhante, e ninguém melhor que meu irmãozinho pra fazer esse pequeno favor. - ela diz e sorri, dando dois tapinhas sobre o peito dele. 

- Não é um dos seus eventos chatos, é? - ele perguntou terminando de comer a fruta que tinha em mãos. - Tem que me garanti que terei algum tipo de diversão por lá. 

- Ah, claro que terá. - ela assegurou. 

 

Como previsto, ele almoçou em casa, e quase não ouviu a voz de sua mãe durante o almoço. Ela realmente havia se irritado com o comportamento dele pela manhã, mas Jiyong não estava muito interessado em se justificar. Ele não queria dizer que não abriu a porta por ter uma mulher nua em sua cama, e também não queria dizer que havia fechado a porta em sua cara, só pra não ter que ouví-la resmungar o que ele já sabia. Ele não se considerava um filho ruim, mas também se considerava pouco expressivo, ou achegado a sua mãe. 

Depois do almoço, ele e Dami seguiram em carros separados até o prédio da Diamonds Comporation. Não negava e deixava bem claro que adorava ser herdeiro de tudo aquilo ali. E também gostava muitos dos privilégios que vinham no pacote. Jiyong tinha plena consciência de que grande parte das mulheres com quem dormia esperavam mais dele do que diversão, sexo. Por isso fazia questão de tratar elas como elas se mostravam querer ser tratadas. Ao fim de cada noitada com um garota diferente, ele lhe deixava uma quantia e inventava uma desculpa pra deixar o dinheiro. Mas no fim, ele realmente só as estava pagando por terem dado a ele, o que ambos queriam. 

Era uma adorador das mulheres, não fazia o que fazia por mal, só achava injusto que todo o esforço delas fosse em vão. Vez ou outra abandonava as roupas, os relógios e os carros de luxo, e vestia-se o mais casual e surrado possível, se metia numa festa qualquer, com pessoas que ele sabia que não o conheciam e se aventurava a estar com pessoas e mulheres que queriam estar com ele apenas por sua presença, e até, charme. 

Vez ou outra cogitava a ideia de realmente ser um desprovido dos privilégios do berço de ouro. Já havia sido ameaçado de ser deserdado tantas vezes, que acreditava que seu pai só estava esperando que ele desistisse mesmo de tudo por si só. E ele pensava nas vantagens de tudo isso. Não que a vida humilde lhe fosse tentadora, mas a vida sem seus pais lhe enchendo, e sua irmã deixando claro seu descontentamento com ele lhe parecia ótima. 

- Sr. Kwon, o Sr. Lee o aguarda em sua sala. - Jan-Di, sua secretária avisou e Jiyong sorriu galanteador pra ela, e agradeceu. - Devo levar chá ou café. 

- Café. Forte, e sem açúcar. - ele pediu e ela assentiu. 

Pigarreando, Jiyong tocou a maçaneta e abriu a porta de seu escritório, esboçando seu melhor sorriso. 

- Sr. Lee. Espero não tê-lo feito esperar muito. - disse caminhando até o homem e apertando sua mão quando ele se ergueu da poltrona. 

- Apenas um pouco. - o home disse sorrindo sem verdade para Jiyong. 

- Por favor, sente-se. - pediu para o mais velho, e sentou-se a sua frente. - A que devo a sua visita, Sr. Lee? 

- Bem... Eu falei com seu pai recentemente. - ele começou. - Ele me disse que tem interesse em uma fusão em nossas empresas, e eu fiquei particularmente muito contente. Mas você sabe, no meio em que trabalhamos, é muito difícil confiar nas pessoas, mesmo com um contrato e assinaturas. - sorriu. - Eu informei ao seu pai, que teríamos de firma isso de outro modo, e ele sugeriu algo interessante... 

Jiyong não precisou ouvir o resto, já havia deduzido que ideia havia sido proposta. 

- Ele quer que eu me case? - Jiyong riu. 

- A princípio ele sugeriu que a Srta. Dami casa-se, no entanto, eu não tive a sorte de ter filhos. Apenas uma filha que acredito ser muito nova pra casar com você, e eu sinceramente não quero dá-la em casamento a um como você. - disse direto. 

- Então com que propósito veio me ver? Não é todo dia que o Sr. Lee JinKi tira tempo pra uma conversa sem propósitos. 

- Ajude-me, Jiyong. Nós sabemos que você não quer nada disso aqui. Ficar preso atrás de uma mesa rodeado de papéis o resto da vida. Além dos mais, como sucessor, você precisa ser um homem de confiança. Não acredito que seus empregados confiem em você, e futuramente pode ser que confiem muito menos. 

- E porque o senhor diz isso? - Jiyong o encarava sério. 

- Não é todo dia que um ex-delinquente assume uma empresa de tão grande porte, não é mesmo? - o homem riu, vendo Jiyong semicerrar os olhos. - Eu sei do trabalho que seu pai teve pra esconder tudo o que você aprontou, e como bom amigo eu quero ajudá-lo a manter isso assim, mas eu não vou conseguir fazer isso sozinho, Jiyong. 

O Sr. Lee sorria calmo, e disse todas as palavras numa naturalidade que irritava Jiyong profundamente. 

- Sr. Lee. Acredito que saiba que sou um homem muito ocupado, e como todo homem ocupado, o meu tempo é muito curto. - Jiyong disse se levantando e abotoou o paletó. - Eu fico muito feliz que tenha vindo em contatar diretamente pra falar sobre o assunto, mas acredito que não poderia lhe dar um resposta hoje. 

- Ah, por favor. Tire o tempo que precisar. - JinKi levantou-se. - Só não demore muito, meu jovem. 

Despedindo-se o mais velho saiu, e foram questões de segundos até Jiyong esmurrar a primeira parede que viu a sua frente. Odiava ser ameaçado, e odiava muito menos saber que o Lee JinKi sabia de coisas que não deveria saber. 

 

- Você me disse que não seria um dos seus eventos chatos, Dami. - Jiyong resmungou acompanhando a irmã que por conta do salto parecia ter o mesmo tamanho que ele. 

- E não é! Não se deixe enganar pelo que você nem viu ainda. - comentou rindo. - Venha, tenho amigos a lhe apresentar. 

- Não tenho interesse nos seus amigos. Só em bebida, e alguém pra me acompanhar está noite, depois que você largar do meu pé. 

- Você já foi mais amoroso e cavalheiro comigo, maninho. - Jiyong podia sentir o deboche da mais velha em seu tom de voz. 

- Você era menos chata e fingida, e era mais divertida também.

- Não é porque eu não apoio mais as suas burradas que me tornei menos divertida. Eu só me tornei mais responsável que você. 

Jiyong desistiu daquela conversa que se seguia praticamente entre sussurros enquanto Dami e o guiava por entre as pessoas. Era uma festa na piscina, muito diferente das que Jiyong preferia. As pessoas estavam bem vestidas, e as bebidas eram servidas por garçom. A música não era agitada, e ele não via ninguém se jogando na piscina que parecia só servi de enfeite e pretesto pra festa. 

- Sandara! - Dami chamou uma mulher magra e baixa que se virou e sorriu quando a viu. 

- Dami-ah! - ela disse e então a abraçou. - Pensei que não viesse. Deixe-me te apresentar. - ela disse virando-se e puxou uma loira que fez Jiyong sentir que já a conhecia. - Essa é a minha amiga da qual te falei. Chaerin. - a loira sorriu. - Chaerin, essa é a Dami. Fizemos faculdade juntas. 

- Obrigada por me conseguir o convite. - Chaerin agradeceu e sorriu. - É um prazer conhecê-la. 

- Não há de quê. Fico feliz em finalmente te conhecer. - Dami a abraçou brevemente. - Esse daqui é o meu irmão, Jiyong. Ele não queria vir, mas... 

- Ainda bem que vim. - ele finalmente se pronunciou e recebeu a atenção de Chaerin e Dara. Chaerin o encarou, ela o conhecia de algum lugar, só tinha que se lembrar de onde. - Acho que nos conhecemos, não? 

- De algum modo, sim. - ela sorri. 


Notas Finais


Hei ho! Pra quem esperava ver mais da Chaerin nesse capítulo, lamento que tenha visto tanto do Jiyong, mas não se preocupem, tem muitos capítulos vindo aí pra saberem muito mais deles.
Vamos entender os segredos desses dois juntos, pouco a pouco. <3
Não se esqueçam de deixar esse apoio maravilhoso que você me dão nos comentários, ta legal?
Comentem!
~ Bjks da Moka e até mais! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...