História Paris Blues


Escrita por: ~


Sinopse:
Ele era adepto a genialidade naturalmente transcendental, submisso a cultura, o poder da fala sábia fluindo de sua mente distinta, era adorado e odiado na mesma frequência, carregava seus seguidores como Messias, pregava a paz e a liberdade, não queria ser como ninguém, construía sua própria filosofia, odiava a manipulação, o instrumento da alienação, abominava cada pingo de preconceito, só queria que fundássemos nossa própria base intelectual, era tudo o que precisávamos na época, embora fosse um dos vilões para o país, mediante ao que estávamos vivendo, ele era o meu salvador, o meu líder culto, a minha religião, por ele eu me ajoelharia, venderia minha alma ao diabo e beberia seu sangue pecaminoso, mataria e roubaria para ter sua essência em meus braços.
Ele era o verme a dilacerar-me com a pele de vidro, transpondo a cascata proibida que era teu ser, sugou-me a essência afetiva perante o mundo em perfeitas circunstâncias que não me deixaram ir embora.
Tudo não passou de uma ilusão passageira que a brisa da estação tentou levar.
Iniciado
Atualizada
Idioma Português
Categorias The Doors
Personagens Jim Morrison
Tags Jim Morrison, The Doors
Exibições 50
Comentários 5
Palavras 9.271
Terminada Sim

Fanfic / Fanfiction Paris Blues
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Poesias, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Lista de Capítulos

Capítulo
Palavras
1.
Vapor Barato
5
50
9.271

Gostou da História? Compartilhe!

Comentários em Destaque

Postado por ~Lady_Zeppelin
Capítulo 1 - Vapor Barato
Usuário: ~Lady_Zeppelin
Usuário
Esta é a sua terceira fanfic do the doors que eu leio e tenho a impressão de que escreve todas elas com mais carinho e dedicação escreve pra ele ler e não pra nós, admiro esse amor que tem por ele e o pouco que conversei com você já vi como ele era importante na sua vida, achei loucura mas lendo essa história e lendo as outras só consigo ver uma devoção verdadeira
Passei uma hora lendo essas 9000 palavras e nem vi o tempo passando
Como disseram no comentário abaixo "continue escrevendo" certeza que ele está lendo
Postado por ~publicenemy
Capítulo 1 - Vapor Barato
Usuário: ~publicenemy
Usuário
Minha linda, ainda bem que te descobri. Você tem uma escrita tão diferente que encanta e demonstrou plenamente em Paris Blues.

Continue escrevendo ❤
Postado por ~IsahSama
Capítulo 1 - Vapor Barato
Usuário: ~IsahSama
Usuário
E mais uma vez o poder das suas palavras me atingiram como o recente gosto de nicotina tragado pela primeira vez em anos, me deixando desorientada e com um sentimento misto de loucura e satisfação.

Eu me sinto plena quando leio sua histórias. Elas me fazem quere voltar a um tempo a qual não pertenci e desejar cada palavra proferida por Jim à jovem Lis, uma garota sentindo na pele a rebeldia intensa de sua época.

Encontrei nessa fanfic duas coisas que me chamaram atenção. Em uma, sou completamente diferente e na outra me vejo totalmente em Lis.

"Meus pais não são muito ligados em musica"

Esse definitivamente não é o meu caso. E se existir alguma força maior, agradeço-a em segredo. Eu vim de uma família de Roqueiros. A linhagem da minha avó dava aos Beatles e aos Stones os títulos de Deuses. Sempre a frente do seu tempo, sem se importar com as barreiras impostas pela época fria da ditadura.

A linhagem da minha mãe era o retrato da metamorfose. Com uma mistura peculiar variando entre Gótica e Hippie minha mãe escutava tanto Led Zeppelin que comparava Plant e seus cabelos dourados a manifestação do Sol poente.

Com um tio Punk Rock, com espirito anarquista e o outro totalmente ligado ao psicodélico, os dois disputavam a atenção em meio ao caos dos vinis ensurdecedores.

E uma Tia Louca, que se deixava consumir pelos livros de poesia suja e empoeirada nos guardados da minha avó, devota do Heavy Metal e ao mesmo tempo apaixonada por The Doors e o tom de voz firme e sexy de Jim...

E finalmente a minha geração. Tão perturbada quanto a anterior, eclética quanto o assunto é rock e seguindo os princípios impostos por Janis Joplin "Viva uma vida efervescente". Vivendo como típicos Rockstars do anos 80 levamos a vida como um sopro... Um sopro de nicotina...

E a outra coisa? Ah,sim: A dificuldade de ser aceita na sociedade. Não importa o quanto o tempo passe, nunca vou me encaixar. Eu sinto isso. As pessoas não gostam de quem é original. Elas querem cópias perfeitas e manipuláveis. Mas eu não sou de me levar pelos caprichos do mundo. Eu tenho os meus. E eles já são bastante difíceis de lidar.

Jim Morrison, Mr. Mojo, Rei Lagarto, o Dionísio de uma geração. A atração por esse homem é compartilhada pelas mulheres da família. E assim será por muitos anos, enquanto eu viver.

Da sua leitora devota, que se deixou levar pelos sentimentos hoje, e não pela loucura habitual, Isadora.

See you again, My Queen.