História Park Chanyeol Next Door - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Baekyeol, Chanbaek, Kaisoo, Menção Hunhan, Stalker, Xiuchen
Exibições 1.022
Palavras 3.763
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


MAIS DE 1K DE FAVORITOS!
EU JÁ AGRADECI? ACHO QUE NÃO! MAS QUALQUER COISA, MUITO OBRIGADA SEUS LINDOS PELO AMOR QUE DÃO A ESSA FIC <3
Tô tão emocionada que até voltei na época certa, apesar de estar em semana de prova <3
Boa leitura!

Capítulo 14 - Fourteen


Fanfic / Fanfiction Park Chanyeol Next Door - Capítulo 14 - Fourteen

 

Baekhyun as vezes apertava os dedos de Chanyeol com força, descontando no maior um pouco de seu desconforto.

- Tem certeza que quer ficar aqui? - Perguntou o maior, vendo a insegurança do loiro.

- Sim, eu disse que poderia me levar para onde quisesse.

- Ótimo, vamos na barca! - Gritou Chanyeol como uma criança.

Quando o loiro aceitou ir em um encontro, imaginou que Chanyeol o levaria em algum lugar clichê, na verdade, esperava por isso. Esperava viver algo que nunca viveu antes na adolescência. Mas, naquele parque de diversões tinham muitas pessoas por perto.

Poderia ser coisa da cabeça do menor, mas ele jurava sentir os olhos ao redor sobre si, o julgando, fazendo-o se sentir sufocado no começo. Mas, ao ver o sorriso grande e infantil do Park, o coração de Baekhyun se derreteu. Chanyeol andava de um lado para outro, cheio de ingressos na mão, querendo levar o menor em todos os lugares, querendo se divertir e dar a ele uma tarde cheia de alegria.

E foi exatamente isso que aconteceu.

Quando deixou seus receios de lado, perdido na felicidade do maior, Baekhyun conseguiu sorrir também.

- Vamos em algo mais devagar primeiro. - Pediu Baekhyun, meio assustado com aquele enorme barco de madeira que subia e descia em uma altura alarmante.

- Está com medo, pequeno? - O Park perguntou com uma risada gostosa, não era debochada, era divertida.

- Eu não tenho medo. - Respondeu o menor, com um bico nos lábios.

- Então vamos, o próximo você escolhe! - Chanyeol o puxou até a fila que esperava para ir na próxima vez. - Quando estivermos lá em cima, pode segurar minha mão se quiser. - Ele sussurrou para Baekhyun que se arrepiou com a voz rouca em seu ouvido e a respiração quente em um local tão sensível.

O menor assentiu, com o rosto todo corado, mas Chanyeol não pareceu perceber todo o desequilíbrio que provocava no baixinho, pois o abraçou por trás, escondendo do rosto na curva de seu pescoço. O programador adorava sentir o cheirinho de Baekhyun e este tentava se controlar para não suspirar com o contato.

Quando chegou na vez deles, Chanyeol puxou o menor para a ponta da barca. Logo a ponta! Baekhyun pensava que o meio seria mais seguro e quando disse isso ao maior, o ruivo riu e balançou a cabeça.

- Aqui tem mais adrenalina.

Quando o brinquedo começou a se mover, Baekhyun fechou os olhos e agarrou a mão de Chanyeol, se sentindo inseguro com tudo aquilo. Seu coração batia tão forte que chegava a doer, ele sentia o vento nos seus cabelos e ouviu a gargalhada gostosa ao seu lado.

- Relaxa e abre os olhos Baek, é legal! - Gritou Chanyeol.

Ainda receoso, o menor abriu um dos olhos no momento que a barca estava descendo. Um grito escapou de seus lábios, junto com toda a adrenalina de ver quase todo o parque ao mesmo tempo que ia em direção ao chão. Logo o brinquedo voltou e um frio percorreu a espinha de Baekhyun. Era estranho e assustador, mas delicioso.

O Byun não conseguiu evitar a comparação do seu relacionamento com o Park. Porque, assim como se sentia prestes a cair e tinha medo de se machucar, também não conseguia evitar se apaixonar por ele e adorava todas as reações que ele despertava em seu corpo.

Então, Baekhyun continuou com os olhos abertos durante os poucos minutos que continuaram no brinquedo, se arriscando até a misturar sua gargalhada a de Chanyeol.

- Viu, eu disse que era legal! - Disse o maior quando saíram do brinquedo. Ele tinha o cabelo apontando em todas as direções devido ao vento, um enorme sorriso no rosto e os olhos faiscando felicidade. Nada poderia ser mais lindo.

- Tudo bem, admito, foi legal.

- Legal? Foi demais! - Falou como uma criança empolgada. - Onde quer ir agora, pequeno?

O Byun tentava não suspirar, mas adorava a forma como Chanyeol o chamava de pequeno, era um apelido bobo, mas dava a sensação de aconchego, de carinho. Ele é o pequeno de Chanyeol e de ninguém mais. Baekhyun olhou ao redor, querendo pensar onde ir e sorriu ao ver o trem fantasma.

- Ali!

- Mas… - O programador arregalou os olhos e o menor riu, sabia que ele era um medroso. - Ali não Baekkie.

- Você disse que eu poderia escolher e “ali tem mais adrenalina”. - Ele imitou o outro que bufou, fazendo um bico chateado e seguiu com Baekhyun para a fila.

Durante o percurso, o Byun ria de toda a artificialidade do local “mal-assombrado” e de Chanyeol, que gritava com o sangue falso, pessoas com máscaras e aranhas de plastico.

Baekhyun saiu do brinquedo gargalhando enquanto Chanyeol tinha uma expressão irritada.

- Minha vez de escolher e vamos ali!

- Ali?

- Sim, não quero nada traumatizante depois dessa experiência horrível.

- Não foi tão ruim.

- Foi sim! - O maior disse com a voz infantil, Baekhyun controlou o riso e pegou a mão de Chanyeol, apertando seus dedos com carinho e sorriu para ele.

- Me desculpe, não sabia que tinha tanto medo. - Ao ver aqueles lindos olhos castanhos o fitando com intensidade, o sorriso levemente retangular e sentir a maciez dos dedos do menor entrelaçados com os seus, Chanyeol não conseguiu ficar irritado.

Ele estava perdidamente apaixonado por Baekhyun.

- Tudo bem, vamos.

Então, como o maior escolheu, eles foram no carrossel.  Baekhyun se sentia constrangido de estar entre crianças, mas a verdade é que Chanyeol parecia uma criança com quase dois metros de altura. No fim, ele só pode se agarrar ao seu cavalinho, olhando - com um carinho quase palpável -  para o maior que sorria e parecia se divertir horrores.

Ao sair do brinquedo, o maior pegou sua mão e correu para outro brinquedo. Uma luz fez Baekhyun piscar e olhar ao redor, mas não soube o que era, parecia um flash de câmera, mas quase todos ali tiravam milhares de fotos.

Foi uma tarde deliciosa para Baekhyun, eles comeram doces e foram em quase todos os brinquedos do parque, correndo como crianças, rindo sem medo e vivendo aquele encontro como se fosse o último dia de suas vidas. Porque, talvez, aquele realmente fosse o último encontro de ambos.

Afinal, Chanyeol partiria em quatro dias, mas naquela tarde não falaram sobre aquilo, apenas aproveitaram ao máximo a tarde e a companhia.  

Quando o sol começava a desaparecer, Chanyeol arrastou Baekhyun para roda gigante e o menor arfou com a visão linda de todo o parque de diversão sendo banhado por uma rio dourado. O Sol ia embora aos poucos, fazendo o céu mesclar em tons rósea, laranja e azul; diante daquela imagem e estando ao lado do homem por quem está apaixonado, Baekhyun se sentiu a pessoa mais sortuda do mundo.

- Baek? - O menor se virou para o outro, sentindo a cabine do brinquedo balançar lentamente. - Esse é o melhor dia da minha vida e não só porque estou me divertindo, mas por me divertir com você.  

O coração do menor se encheu de felicidade e quando novamente eles chegaram ao topo do brinquedo, o Sol os acariciou de forma morna e gostosa, mas eles não viam aquele lindo espetáculo da natureza, pois estavam submersos nos próprios sentimentos. Mergulhados na essência alheia e no amor que os dominava por inteiro.

Eles se beijavam com amor, carinho, desejo de estar sempre perto, uma saudade desconhecida de tudo que ainda não viveram, mas também cheio de esperança;

Baekhyun e Chanyeol compartilhavam mais do que um beijo, eles dividiam o mundo, eles se entregavam de corpo e alma. Quando se afastaram, meio sem fôlego, os dois sorriam um para o outro. Aquele tipo de sorriso completo de quem tem a certeza de ter encontrado o amor verdadeiro.

 

(...)

 

Dizem que o universo é justo, ou seja, tudo que ele dá tem um preço. A tarde mais feliz do mundo, veio acompanhada de um tapa de realidade.

Depois de se divertirem como nunca, Chanyeol e Baekhyun comeram besteiras na rua e voltaram para o apartamento do menor, com a intenção de verem um filme e dormir juntinhos, ambos aproveitando os resquícios dos sentimentos bons, vivenciados naquele dia.

Porém, quando chegaram no andar do menor, foram presenteados com uma cena inusitada.

Sehun estava parado em frente a porta de Baekhyun e Luhan tinha os braços cruzados em uma expressão raivosa.

- Sai da frente, eu sei que ele está em casa e me ignorando! - Exclamou, mas sua fala estava embolada e Baekhyun soube que o outro estava bêbado.

- Eu já disse que o Byun saiu e você está novamente fazendo escândalo na porta dele quando não tem ninguém em casa.

- Como uma pessoa que nunca sai de casa pode estar na rua justo nas duas vezes que eu venho até aqui?

- Está bêbado garoto, está passando vergonha, vá embora.

- Eu estou perfeitamente bem! - Disse em tom desafiante. - Olha só…

Luhan tentou fazer um 4 com as pernas mostrando sua sobriedade, porém, por não estar nem um pouco sóbrio, ele acabou caindo e batendo com a cabeça em um som oco no chão. Baekhyun, sem conseguir se conter, correu até o castanho com os olhos preocupados.

Apesar de tudo, o Byun tinha um coração puro que não conseguia ser indiferente a dor alheia.

- Luhan? O que está fazendo? - Sussurrou, ajudando o outro a se sentar no chão.

- Você estava realmente na rua? Com o estranho? - Disse novamente com a voz embargada e o loiro fechou a expressão.

- Vá embora, Luhan.

- NÃO! É a segunda vez que venho aqui e você tem que me escutar.

- Eu não tenho e não quero, só vá…

- Baek, não acha melhor ouvi-lo? Ele não parece que vai desistir tão cedo.

- Lembra do que aconteceu da ultima vez que o ouvi? - Disse o loiro e depois olhou decepcionado para Luhan. - Você não mudou, se não consegue o que quer, fica igual uma criança birrenta.

- Eu não sou uma criança birrenta! - Disse se levantando e tropeçando nos próprios pés, fazendo Sehun o segurar pelos braços.

- Quer que eu o coloque para fora? - O síndico perguntou quando Chanyeol e Baekhyun abriam a porta do apartamento e entraram.

Luhan arregalou os olhos e se virou para o Byun que suspirou, preocupado com o que aconteceria com o outro jogado na rua naquele estado, então deu passagem para os dois.

Sehun grunhiu irritado, ele não queria se meter naquilo, mas de alguma forma já parecia envolvido, então levou Luhan para o apartamento de Baekhyun.

Lá dentro, o menor mexia um copo de água com açúcar para o modelo, esperando ele ficar um pouco melhor para ir embora. Toda a leveza daquela tarde foi dizimada enquanto Sehun e Chanyeol estavam sentados no sofá e Luhan na cadeira do computador de Baekhyun, vendo seus rascunhos e admirando a letra bonita do loiro.

- Beba e depois vá embora. - Falou o Byun, entregando o copo de água para o castanho que deu um gole e o encarou indignado.

- Você precisa me ouvir!

- Luhan, chamar Junmyeon já não foi bom o bastante? Gosta tanto de me humilhar assim?

- NÃO! - O castanho se levantou, seguindo até o outro. - Eu nunca quis te humilhar Baekhyunnie.

- Não me chame assim.

- Mas nós sempre fomos isso para o outro, não é? Você era meu Baekhyunnie e eu era seu Luhannie.

- Luhan, pare de tentar voltar para a minha vida como se o passado não tivesse acontecido! - Se irritou Baekhyun.

Chanyeol achava que aquilo era bom para seu pequeno, parar de fingir, parar de esconder seus sentimentos, ele tinha que enfrentar o seu passado com Luhan, dizer tudo que está em seu peito.

- Mas, como eu poderia te encarar sem fingir que nada aconteceu, hein? - Gritou o castanho, seus lábios tremiam. Ele tinha passado parte daquela tarde em um bar, se afogando em bebidas para esquecer a pessoa horrível que tinha se tornado.

- Quê?

- Como te encarar admitindo nosso passado e ter nos ombros a culpa de tudo? Isso quer dizer enfrentar tudo que eu sempre fugi. E eu sempre fugi de você Baekhyun.

- De mim? Por que fugiria de mim?

- Porque te olhar doía tanto, ver o que faziam contigo na escola era como levar uma facada!

- ENTÃO POR QUE NUNCA ME AJUDOU? POR QUE NUNCA FICOU AO MEU LADO? -  Se irritou o loiro diante de todas aquelas palavras, ele conhecia Luhan bem o bastante para saber que ele é do tipo de bêbado sincero, isso significa que suas palavras são verdadeiras.

- PORQUE EU TE AMAVA! - Falou o modelo, pegando todos desprevenidos, principalmente o Byun. - Eu te amava tanto Baekhyun…

- Como? - Disse trêmulo.

- Era irônico, pois eu poderia ter a atenção de todos da escola, mas a única pessoa que eu precisava que me visse, que era meu melhor amigo, sequer olhava duas vezes na minha direção… Lembra do dia que brigamos? Que me contou sobre o seu beijo? Era o dia que eu iria me declarar para você, tinha até seu bolo preferido na mesa, com não viu? Porra Baekhyun, você era, você é, tão bonito que quando eu dizia para não ir muito arrumado para escola, não era por temer minha popularidade, era só por ter medo das pessoas repararem demais em você e o tirarem de mim!

- Não entendo Luhan.

- Como não entende, Baek? Eu sempre fui óbvio demais. - Luhan suspirou. - Na minha mente tudo estava certo, tudo estava pronto. Eu iria me declarar para você, mas você iria fugir, porque eu te conheço e sei que sempre tenta afastar alguém quando se apaixonada, você até ficou uma semana sem ir para escola depois que começou a gostar do nosso professor.

Chanyeol ouvia aquilo, com um peso no coração. Ele sentia ciúme, obviamente, mas Luhan parecia tão destruído, parecia tão sincero e tão cheio de cicatrizes quanto o próprio Baekhyun. Ele lembrava de todas as vezes que seu pequeno tentou afastá-lo também.

- Então eu insistiria em você. - Continuou o modelo. - Uma hora iria ceder, porque você me amava também, Junmyeon era só uma paixãozinha e por isso eu o trouxe naquele dia, para você ver que ele não significava nada. - Luhan suspirou. - Se toda aquela loucura não tivesse acontecido, eu iria te pedir em namoro, nós dois passaríamos para a mesma faculdade, como planejamos nossa infância toda, dividiríamos um apartamento porque seus pais nunca aceitariam nosso relacionamento, mas eu não me importava, só queria tirar você de lá. Seríamos eu e você contra o mundo para sempre, mas quando me contou sobre o beijo, eu senti tanto ódio Baek.

Os ex-melhores amigos se encararam naquele momento, o loiro vendo como o castanho estava machucado.

- Eu senti tanta raiva de você, meu primeiro beijo era para ser seu e o seu era para ser meu, então eu fiz besteira, sei disso, mas nunca imaginei que as coisas pudessem ficar tão fora do controle, nunca fui atrás de você por medo, por vergonha. Eu sou uma pessoa lamentável, Sehun estava certo, eu sou digno de pena.

- Você tinha planejado todo um futuro para nós, para mim, sem ao menos saber se era isso que eu queria e ficou irritado quando estraguei seus planos? - Baekhyun perguntou indignado.

- Não diga como se fosse apenas isso! Eu também sou uma pessoa totalmente diferente do que eu pensei que me tornaria Baekhyun…

- E está me culpando?

- Não! Sim! Eu não sei! - Luhan suspirou novamente. - Ficar sem você me destruiu, me deixou sem chão, mas não sabia o que fazer… De verdade, eu não sabia do internato nem nada disso, eu só pensei que você nunca mais queria me ver e não procurar você foi a única atitude altruísta que eu tomei na vida. Eu queria te ver, mas não queria fazê-lo sofrer ainda mais com a minha presença.

Baekhyun estava trêmulo.

Amor.

Dizem que o amor destrói tanto quanto constrói. Essa frase não poderia estar mais certa.

Baekhyun jamais pensou que tudo tinha começado porque Luhan o amava mais do que como um amigo. E isso o destruiu; isso os destruiu.

- Não posso te perdoar assim Luhan, eu não posso simplesmente esquecer tudo.

- Eu sei.

- Minha vida sem você foi um desastre também, eu te amaldiçoava por tudo que aconteceu, mas ao mesmo tempo eu só queria que estivesse lá… comigo.

- Baekkie… - Luhan chamou, só então percebendo como as lágrimas escorriam por seu rosto, ouvir os soluços altos e sofridos fez com que Baekhyun, pela primeira vez em muito tempo, chorasse aquele tipo de choro conjunto, compartilhando as dores, abrindo o coração, disposto a tentar… a perdoar; a abrir a porta de sua vida para todas as improbabilidades. Estava cansado de se esconder, de temer. Chanyeol estava o ensinando a amar e ser feliz, mas viver significa muito mais do que momentos bons. Significa saber encarar os momentos ruins

E, abrir os braços para Luhan naquele momento, foi o mesmo que abrir sua alma para o universo. Tinha a mesma sensação de entrega, de medo do desconhecido, de dar um passo sem poder voltar atrás. Sentir o castanho se aconchegar em seu abraço, chorando e pedindo incontáveis desculpas, fez um peso sair de suas costas, foi como se fizessem o primeiro movimento não ensaiado para uma dança louca que mudaria suas vidas.

Sobre o ombro do modelo, Baekhyun viu - em meio as suas próprias lágrimas - um sorriso orgulho de Chanyeol e só então percebeu que Sehun ainda estava ali, mas ele também sorria e parecia feliz com aquela cena.

Não era um perdão, mas definitivamente era algo.

 

(...)

 

Acordar com Chanyeol ao seu lado, fez tudo parecer ainda mais irreal.

Baekhyun tinha um sorriso nos lábios, ele não sabia dizer qual foi a última vez que acordou tão bem. Sem o medo do passado bater em sua porta, pois na verdade, o passado esteve em seus braços na noite passada.

Depois de chorar por um bom tempo, Luhan se recompôs. Ele sorriu e ficou constrangido, fazendo Baekhyun rir e se sentir tímido também, ele então disse que iria embora mas jurou mandar uma mensagem para Baekhyun que concordou com aquilo. Sehun se dispôs a levar o modelo para casa, pois ele ainda poderia sofrer um acidente em seu estado, mesmo que não tão embriagado.

Chanyeol fez um biquinho e falou que Baekhyun era bonito demais e ficava chamando sempre atenção desde jovem e isso fez o loiro rir do ciúme bobo. Os dois dormiram juntos, com o menor encaixado nos braços de Chanyeol e não poderia existir melhor lugar no mundo.

Depois de fazer café da manhã para os dois, enquanto o outro ainda dormia, o Byun pegou o celular. Ele viu novamente uma notificação daquele fórum que posta notícias do Park e entrou com a intenção de desativar sua conta, não queria mais ver o tipo de coisa. Então algo chamou sua atenção.

Fotos suas.

Tinham fotos do dia anterior que em que estava com Chanyeol no parque de diversão, seus dedos entrelaçados, ambos sorriam. Eram fotos de um momento íntimo demais para que estivessem expostas assim.

Quem é esse?”, alguém perguntava.

“Não sei, mas não é a primeira vez que estão juntos”, alguém respondeu e o menor viu fotos de semanas atrás, de quando foi na praia arrastado com Chanyeol. Assim como fotos aleatórias dos dois no mercado da rua ou no carro do maior.

Baekhyun sequer sabia que estavam sendo observados, ele lembrava do outro falando, vez o outra, que alguém os observava, mas não pensou que era real. Indignado por ter sua privacidade violada de forma tão brusca, Baekhyun saiu daquele fórum e esperou Chanyeol acordar para tomarem café juntos.

- Vamos na empresa comigo? - Ele pediu.

- Por quê?

- Vão mostrar me mostrar o livro para o lançamento de amanhã, acho que deveira ver também como me ajudou com ele sem falar que devo passar um bom tempo lá e queria ficar com você. - Foi sincero, deixando menor desconcertado.

O Park tinha a mania de acabar com todas as suas estruturas. Com um aceno Baekhyun concordou em passar o dia com ele.

Então, ambos foram para a empresa do maior e o loiro tentava conter o sorriso diante do olhar entediado que Chanyeol mantinha em toda reunião, mas todos os músculos do seu corpo tencionaram quando sentiu a mão do programador descansar em sua coxa debaixo da mesa, despertando novamente aquelas sensações impuras em seu corpo, ele fazia um carinho casto, quase inconsciente, mas que deixou Baekhyun alerta e quente.

Depois da reunião, os dois almoçaram juntos e Chanyeol insista para ambos irem ao cinema, mas Baekhyun riu, dizendo que precisava adiantar parte do seu trabalho que estava acumulado, afinal, só porque trabalha em casa não quer dizer que pode se dar ao luxo de deixar tudo de lado.

- Vamos fazer assim, eu passo a tarde terminando meu trabalho e você pode assistir TV ou jogar algo lá em casa, de noite nós vamos ao cinema, ok? Se não, eu vou ter que virar a noite outra vez e…

- Tudo bem! Não gosto quando você dorme debruçado naquela mesa. - Falou o maior em tom preocupado e Baekhyun sorriu ao mesmo tempo que corava. Chanyeol cuidava de si.

Ambos ainda não tinham falado sobre a partida iminente do maior, no dia seguinte seria o lançamento do livro e dois dias depois ele iria partir. Baekhyun queria conversar, mas temia o futuro de ambos. Porém, ele estava disposto a ser sincero com Chanyeol, diria o quanto está apaixonado e tentaria encontrar uma solução para os dois naquele futuro incerto.

Contudo, todos os planos de conversar, ou fazer qualquer outra coisa, sumiram da mente do menor ao chegar em seu andar.

- O que é isso? - Chanyeol quis saber irritado.

Ambos encaravam as letras vermelhas pintadas na porta de Baekhyun. O programador viu os dedos do menor começarem a tremer e o abraçou, escondendo o rosto alheio em seu peito, não queria que ele continuasse encarando as letras que formavam uma única palavra, mas que tinha o poder de destruir o Byun.

Na porta do menor estava escrito de forma chamativa: “MORRA”.

 


Notas Finais


AAAAAAAAAAAAAH, só mais três capítulos!
E agora, o que vc vai fazer Becca? Vai dar mais uma lição de moral? Não basta falar de agorafobia e cyberbullying/bullying? Sim, vou falar de mais uma das coisas que me incomodam! Vão entender melhor no próximo capítulo ;)
Espero que tenham gostado *0*

PESSOAS LINDAS QUE AMAM CHANBAEK! Eu fiz um OS desse couple lindo, amei escrever, quem quiser ler tá aqui o link:
https://spiritfanfics.com/historia/momentos-7059461

Anna, obg por sempre me ajudar a betar essa fic <3

EEEEEEEEEEEEEEEEEE

ALGUÉM AQUI QUER UMA PALINHA DA MINHA PRÓXIMA LONG? Sim, como essa está na reta final, eu já tô pensando na próxima, pq n consigo ficar sem escrever long :/
Enfim, eu tô com 5 plots de long, depois de muito perturbar o marido (@freed-dreyar, te amo!) decidi qual deles desenvolver... E é sobre família! Ela é uma mistura bem legal de fofura com drama e eu to amando desenvolver, olhem a sinopse e me digam se gostam ou não.

Sinopse: Um acidente tirou a vida Baekbeom, trazendo para Baekhyun muito mais do que a dor de perder um irmão; tal tragédia também trouxe a responsabilidade de cuidar dos gêmeos, seus sobrinhos órfãos. O Byun tem uma vida em prol de sua carreira e nunca almejou uma família, então se vê desesperado com aqueles meninos que agora vivem em sua casa; e sem saber como cuidar deles, decide procurar ajuda.
Dessa forma Park Chanyeol entra na vida de Baekhyun, um universitário no último ano de pedagogia, alegre, brincalhão e ótimo com crianças, talvez por seu próprio espírito ser juvenil.
Baekhyun ainda não sabia, mas Chanyeol estava prestes a destruir todas as suas convicções e bagunçar cada um de seus planos.

Talvez eu mude a sinopse, talvez não, mas enfim... esse é o tema da minha próxima long ;)
Vou postar semana que vem, pq minhas provas acabam essa semana, graças a Santansoo <3

Tento voltar em breve!
Beijos sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...