História Parkpool - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Lu Han
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Lu Han, Sehun, Xiumin
Tags Chanlu, Deadpool, Luchan, Luyeol, Romanceaguacomaçucar
Visualizações 52
Palavras 1.255
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Bishounen, Colegial, Comédia, Crossover, Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente socorro eu to aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa ta muito ruim isso aqui perdão D:

Capítulo 2 - Parte 2


Fanfic / Fanfiction Parkpool - Capítulo 2 - Parte 2

Correr nunca tinha sido algo vantajoso pagn. Primeiro que ele tinha aqueles problemas respiratórios todos que ele nunca descobriria quias eram por simplesmente se negar a ir no médico e, segundo, ele detestava correr daquele jeito, com o braço sendo puxado com certa força em direção ao outro lado do colégio – diga-se de passagem que ele ocupava um quarteirão inteiro. Não que estivesse reclamando, mas não podia nem jogar seu amado futebol sem ter que parar nos primeiros 10 minutos para apoiar as mãos nos joelhos, suado e completamente sem fôlego; estava começando a sentir seus pulmões reclamarem pelo esforço que fazia.

Entretanto, foi começar a pensar em avisar o outro de sua condição que sentiu sua mão ser largada. Automaticamente levou ela até o peito, sentindo seu coração bater rápido enquanto recuperava o oxigênio com sugadas fortes no ar; olhou para o garoto que o observava em silêncio ainda usando aquela máscara e cogitou perguntar como ele conseguia respirar debaixo daquilo, mas deixou para lá quando o viu apontar para a escada de emergência que ia até o telhado.

– Você não quer que eu suba nisso, né? – apontou para a escada, olhando horrorizado para o falso Deadpool.

– Cara, não precisa olhar para baixo, eu vou estar logo atrás – disse calmo.

– Mas...

– Vamos lá! Você veio até aqui, não vai desistir agora vai?

Luhan já tinha desistido no momento que viu a escada, ele nunca tinha gostado muito de lugares altos, sempre ficava o mais longe possível de tudo que medisse mais que três metros de altura. Todavia, ouvindo o outro falar daquela forma, repensou se valia ou não a pena subir aquela escadinha do mal. Não podia negar que queria saber quem era o garoto.

– Tá, tá! – levantou as mãos, rendido ao pedido alheio. – Vou subir, mas só porque o Kaneki subiria – falou, arrancando uma risada alta do outro.

Aproximou-se da escada e começou a subir devagar, como lhe tinha sido recomendado pouco antes. As mãos seguravam com firmeza cada barrinha de ferro que alcançava, cada degrau que pisava era um uma vozinha se repetindo internamente que ele não deveria olhar para baixo em hipótese alguma, e ele a ouviu pelo que pareceu durar uma eternidade até que alcançasse a beirada do telhado e pulasse o murinho de concreto onde a escada se prendia. Foi sentir o chão sob seus pés que pode soltar um suspiro aliviado.

– Está vivo, cidadão, pode parar de tremer.

A risada fez com que Luhan se virasse e encontrasse o corpo do outro bem mais próximo do que poderia ser considerado seguro. Deu um passo para trás no susto e riu para tentar disfarçar.

– Agora que estamos aqui podemos conversar melhor, huh?

Luhan assentiu, seguindo o outro até que ambos se sentassem o mais distante possível da beirada. O silêncio ficou um pouco incômodo conforme os minutos passavam e, como o estranho não falava nada, Luhan ficou olhando para a lua que brilhava solitária entre algumas nuvens. Ele começava a pensar na possibilidade do garoto ser algum maníaco querendo o levar para um lugar deserto para esquartejá-lo e enterrar seus pedaços em lugares diferentes para que nunca fosse encontrado, mas, bem, o outro parecia legal e não tinha como aquilo acontecer ali em cima já que seria meio difícil não ser visto com um corpo ali. Talvez estivesse pensando demais e devesse parar antes que começasse a achar aqueles pensamentos possíveis.

Desviou o olhar para o mascarado e então lembrou que ele mesmo tinha uma pendurada no pescoço, quis colocá-la, mas seu pulso foi segurado por uma mão e isso o fez olhar novamente para o garoto sentado ao seu lado.

– O que...

– Não coloque ela  – disse simplista.

– Mas você está usando uma – apontou para a mesma. – E eu ainda nem sei quem você é...

– Costuma seguir estranhos por aí? – riu fraco, soltando o pulso alheio e se aproximando. – Isso não é muito inteligente.

Luhan rolou os olhos e desviou o olhar para o céu, dando de ombros para o que lhe era dito.

– Sua fantasia é maneira.

– Me seguiu por causa da fantasia?

– Basicamente.

– Então você realmente não é inteligente.

– Não é como se você fosse um maníaco queren-...

Sua frase morreu ao olhar para o lado e ver o rosto alheio sem nada o escondendo. Os olhos rasgadinhos e grandes, o sorriso curto nos lábios cheios e o cabelo castanho caindo meio bagunçado para todos os lados. O ar pareceu ficar trancafiado no peito de Luhan e sua boca, ainda aberta, continuou assim até que a mão do outro fosse até sua franja e a bagunçasse com os dedos.

Poderia ser algum tipo de brincadeira de Baekhyun, certo? Não. Nenhum de seus amigos sabia sobre o que sentia em relação ao primo do Byun, não tinha como ser uma brincadeira. Então por quê? Claro, a pergunta não saiu em voz alta como pensou ter saído, por isso Chanyeol apenas ficou lhe encarando enquanto não conseguia formular uma motivo para tê-lo ali ao seu lado na noite de Hallowen.

– Han? – A voz meio sussurrada conseguiu interromper a falta de raciocínio do outro. – Está tudo bem?

Pigarreou, tossiu, desviou o olhar mais uma vez e assentiu freneticamente.

– Tudo ótimo, só estou surpreso que seja você, tipo, mal nos falamos e...

– Seus amigos que bolaram tudo – interrompeu-o. Luhan o olhou confuso e o viu dar levemente de ombros e sorrir meio abobado. – Você não sabe disfarçar, sabe? Era meio óbvio que estava sentindo alguma coisa por mim.

– Mas... mas eu não estou sentindo nada!

– Vai negar que ficava me caçando nos intervalos? Ou que perguntava de mim sempre que ia na casa do Baekhyun? Ou se eu iria com meu primo para algum encontro com seus amigos?

Ok, Luhan estava sem argumentos. Será que tinha mesmo sido tão óbvio assim? Tudo bem, todas as situações citadas pelo outro eram verdades, mas não achava que estava tão na cara assim. Talvez fosse ruim em disfarçar quando tinha interesse em alguém. Talvez fosse muito, muito, muito ruim.

Com as bochechas meio coradas e um suspiro pesado saindo, Luhan apenas ficou em silêncio. Não sabia exatamente o que poderia falar já que o outro parecia saber de tudo. Sequer sabia o motivo dele ter se dado esse esforço todo apenas para falar que já sabia do que sentia. Tipo, não fazia sentido.

– Hey – chamou Chanyeol. – Está pensando em quê?

O garoto tinha os olhos fixos no rosto do que estava vestido de personagem de anime. Observava as feições tímidas com um ar meio risonho, mas não queria deixá-lo mais constrangido do que já parecia estar.

– Em nada demais – falou baixo.

– E o que seria "nada demais"?

– O motivo de você ter feito isso. – Sua voz denunciava seu constrangimento, era baixa e receosa, não parecia o garoto confiante que segurou sua mão na saída do festa e o seguiu até ali. – Ainda não entendo o porquê.

Chanyeol riu baixinho e se aproximou ainda mais de Luhan, que levantou o olhar para ver o outro bem mais perto do que seria algo amigável. Seu rosto foi segurado por uma das mãos do mais alto e engoliu a seco quando ele diminuiu ainda mais o espaço entre eles. Um sorrisinho maldoso no canto dos lábios. Um olhar intenso. Um carinho gostoso em sua bochecha com o polegar.

– Porque eu queria te beijar há mais tempo do que imagina – murmurou. – E eu não podia perder essa oportunidade.

E, bem, quando os lábios se encostaram, Luhan teve certeza do que sentia pelo garoto que andava mexendo com seu coração.


Notas Finais


Foi um final bem bobinho, sem algo direto e etc, mas é bem fluffy mesmo e, bem, quem sabe não sai mais Chanlu....
Obrigada por lerem <3 por mais Chanlu na nossa vida, amém? Amém.

xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...