História Passando por uma prova de amor. - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce, Eldarya
Personagens Agatha, Alexy, Ambre, Armin, Bia, Castiel, Charlotte, Dajan, Dakota, Debrah, Ezarel, Iris, Jade, Kentin, Leiftan, Leigh, Li, Lysandre, Melody, Nevra, Peggy, Personagens Originais, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Senhora Shermansky, Violette
Visualizações 26
Palavras 1.346
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olaaa leitores do meu ❤.
Me desculpem pela demora de novo 😐, leiam as notas finais para entenderem bem o que se passa...espero que gostem do cap.

Capítulo 24 - Discussões inesperadas.


Fanfic / Fanfiction Passando por uma prova de amor. - Capítulo 24 - Discussões inesperadas.

Alice- S-sim.

Em seguida Kentin volta com o violão em suas mãos.

Nevra- Cade minha água?

Kentin- Está na cozinha, vá buscar.

Nevra- Nossa...

Alice- Não enrola e pegue o violão de uma vez.

Nevra- Calma.

Ele bufou antes de pegar o objeto, e, após posicioná-lo em suas pernas, começou a tocar a música Kid in love e, em seguida, começou a cantar.

Após encerrar a música, posicionou o violão no sofá, enquanto Alice o aplaudia sorrindo.

Alice- Você canta tão bem! Me impressionei.

Nevra- Você já tinha me ouvido cantar antes.

Alice- Sim mas, quando éramos crianças somente.

Nevra- Hm, então, você teve mais uma oportunidade para apreciar minha linda voz.

Alice- Não exagere, sua voz não é tudo isso, ela é apenas aceitável.

Nevra- Aceitável é minha camisa, minha voz é maravilhosa.

Alice- Nossa, quando exagero.

Kentin- Não precisam descutir, todos nós sabemos que quem tem voz linda aqui sou eu.

Alice- Vish, coitado.

Nevra- Ei, que tal saírmos um pouco?

Kentin- Ótima ideia, onde vamos?

Nevra- Na verdade eu quis dizer, só eu e a Alice.

Kentin- Já percebi tudo, estou incomodando aqui ne?

Alice- Você precisa arrumar alguém Ken.

Kentin- Não pretendo namorar mais ninguém, depois do que passei.

Alice- Sim mas, as pessoas não são iguais, só porque uma não te deu valor, vai perder a chance de outra te dar?

Kentin- É...mas eu estou bem assim, eu decidi adotar um cãozinho para não me sentir tão só.

Alice- É uma ótima ideia, mas pense no que eu disse ok? Eu ainda quero ser titia, e você não pode passar o resto de sua vida apenas com a companhia de um cão.

Kentin- Claro que posso, mas vou pensar sim...agora se não se importam, eu vou subir para meu quarto.

Após ele dizer isso, Alice e Nevra olharam ele subindo as escadas lentamente, e após Kentin subir o último degrau, eles se olharam sem saber o que dizer um para o outro.

Nevra- Bom...vamos?

Alice- Sim.

Ele empurrou a cadeira cuidadosamente até a porta para saírem, e em seguida a levou em vários lugares, e antes de irem no último lugar para logo irem embora, eles passaram em uma lanchonete onde, pediram alguns lanches e sentaram-se nas mesas do lado de fora, Alice queria sentir o vento em seu rosto, lugares fechados a sufocava, fazia com que milhares de coisas sobre seu passado, misturado com a tragédia que lhe ocorrera invadissem sua mente, a deixando confusa...ar puro seria o melhor remédio para ela que, enquanto tomava seu suco meio desanimada, Nevra a olhava sorrindo.

Alice- O que foi?

Nevra- Nada, só estou reparando no quanto você é linda.

Alice- E você...é grudento.

Nevra- Nossa, o que houve?

Alice- Eu só...estou cansada de coisas ruins invadirem minha vida.

Nevra- Coisas boas virão logo, você vai voltar a andar.

Alice- Você sempre tenta ser otimista mas Nevra, vamos tentar ser um pouco realistas, eu nunca mais vou andar e estou ciente disso, não é necessário que fique tentando me reanimar.

Nevra- Isso não é verdade, eu vou pagar a cirurgia, não importa como, mas vou...

Alice- Por favor pare, você acha mesmo que, esta cirurgia vai adiantar alguma coisa?

Nevra- Se custa tão caro assim, é pra adiantar Alice!

Alice- ...Eu estou tão nervosa.

Nevra- Calma, eu já disse que eu vou passar isso com você, você vai andar novamente, eu tenho certeza.

Alice- ...Eu não sei.

Nevra- Eu estou aqui com você.

Alice- ...Obrigada.

Ele sorriu sem mostrar os dentes para ela, e em seguida Lysandre entra no local, encarando o chão e, quando percebe a presença de Nevra e Alice, abre um sorriso e vai em direção à eles.

Lysandre- Olá.

Alice- Oie.

Lysandre- Como se sente Alice?

Alice- Ah, está meio difícil me acostumar à isto mas, estou bem e você?

Lysandre- Também, me perdoe pelo que aconteceu.

Alice- Você não tem culpa de nada, eu que desobedeci o Leigh, e saí correndo com a Lysa.

Nevra- Lysa?

Alice- É o nome da égua.

Nevra- Hm.

Lysandre- Mas se talvez eu não tivesse te convidado para conhecer meus pais eu...

Alice- Eu amei conhecer seus pais Lys e não me arrependo de ter ido para lá, eu só gostaria que o final tivesse ocorrido diferente.

Lysandre- ...

Nevra- Bom mas, Lysandre me desculpe por ter te encarado e te dito tudo aquilo no hospital, eu estava nervoso.

Lysandre- Eu imagino, mas que bom que estão todos bem, eu preciso ir agora.

Eles se despediram e os dois saíram da lanchonete indo, desta vez, para a praça andar um pouco, onde algumas garotas encaravam Nevra, e Alice as olhava feio querendo dizer "É bonito né? Mas é meu!"

E Nevra ria meio envergonhado da situação, e eles decidiram ir embora, passando assim por, uma pequena casa simples, mas tão bem decorada, com flores brancas decorando a madeira marrom claro que brilhava, Alice encarava aquela casa e, Nevra percebendo parou a cadeira.

Alice- ??

Nevra- Eu reparei que estava encarando esta casa, e hoje, quando saí à procura de um apartamento, ao olhar este imóvel, fiz a mesma expressão que você...foi esta casa que aluguei para morar.

Alice- Sério? Ela é linda.

Nevra- Imaginei que fosse gostar mas, não é certeza que irei morar aqui, ainda preciso resolver algumas coisas com o dono dela.

Alice- Tomara que de certo!

Nevra- Sim.

Alice- Não podemos olhar?

Nevra- Agora não, ele não está aqui e, não tenho as chaves, mas amanhã, se tudo ocorrer bem, eu te trago aqui para vê-la.

Alice- Okay.

Eles sorriram um para o outro e seguiram caminho à casa de Alice e, após chegarem, Nevra sentou-se no sofá colocando Alice entre suas pernas, e colocando as mesmas delicadamente no restante do sofá.

Alice- Ei.

Nevra- Fale.

Alice- Eu tive uma visão um dia desses, muito estranho, foi com uma cobra amarela de olhos amarelados também, em seus olhos, havia uma cruz vermelha, e tinha você também, que estava chorando. No outro dia, tive essa mesma visão mas, a cobra desta vez era marrom de olhos castanhos.

Nevra- Bom, a cruz vermelha e eu chorando deve ter sido após o acidente que significa hospital, mas a cobra eu não faço ideia do que possa ser, mas geralmente, pensamentos ou sonhos com cobras, significam "traição".

Alice- Eu fico imaginando se teve alguém por trás disso.

Nevra- ...

Alice- Pois, cara é coincidência demais uma cobra passar por lá, exatamente na hora em que eu estava andando, na verdade correndo por lá.

Nevra- É estranho mas, deve ter sido apenas coincidência.

Alice- Eu não estou muito convencida disso, é muito estranho eu ter tido essa visão com essas cobras, e ter passado justamente uma cobra na minha frente.

Nevra- Então por que na sua visão ela mudou de cor?

Alice- Isso que eu estou tentando descobrir.

Nevra- Você já contou isso pra alguém?

Alice- Apenas pra minha mãe.

Nevra- Ah, eu lhe ajudo a descobrir, vou pensar no que posso fazer para saber de algo.

Alice- ...

Nevra- O Nathaniel vivia te pertubando não é?

Alice- Mas ele está mudado...

Nevra- E se não estiver?

Alice- Já conversamos sobre isso.

Nevra- Ta mas, você não sabe o que se passa na cabeça das pessoas, e se não sabe, existem pessoas que fingem ser o que não são.

Alice- Mas eu vi sinceridade em suas palavras.

Nevra- Ou então, você viu errado, pois sinceridade, foi algo que nunca vi naquele cara.

Alice- Por que desconfia tanto dele?

Nevra- Por que? Ah, deve ser porque ele te maltratava, te odiava, e te trancou em uma sala sozinha sem celular nem nada, quem é capaz de fazer isso Alice, é capaz de fazer muito mais.

Alice- Bom, pode ser também mas, sabe de quem eu desconfio?

Nevra- De quem?

Alice- Da Melina.

Nevra- Por que?

Alice- Por que? Ah deve ser porque ela gostava de você, e aparenta ser uma psicopata, me fazendo mal para te ter só para ela.

Nevra- Alice, não viaja, Melina apesar de ser estressada, era e ainda é uma boa pessoa, não teria coragem de fazer mal à ninguém.

Alice- Está defendendo-a?

Nevra- Alice, você está desconfiando de alguém que eu conheço faz anos, e sei que ela não seria capaz de fazer isso, nem com o seu pior inimigo.

Alice- O Nathaniel também.

Nevra- Mas você não o conhece, nem sabe de suas intenções.

Alice- Você ainda gosta dela não é?

Nevra- Por favor, não confunda as coisas, eu só estou querendo lhe proteger, mas pelo que parece você é que está gostando do Nathaniel.

Alice- Eu não gosto dele, mas eu entendo ele, por estar passando pelo mesmo que eu passei.

???- Parem com isso, os dois estão errados!








Notas Finais


Espero que tenham gostado ❤.
E me desculpem pela demora novamente, estou meio perdida nos dias que tem que postar a fic, estou tentando me organizar, e vai levar um tempinho, mas logo logo postarei em dias certos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...