História Passive Aggressive - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Asking Alexandria, Bring Me The Horizon
Personagens Ben Bruce, Danny Worsnop, James Cassells, Oliver Sykes
Tags Olimes
Exibições 54
Palavras 1.167
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Essa fanfic não seria postada agora, mas algo entre a ansiedade, falta do que fazer e nervosismo me fez estar aqui.

Eu odeio o fato de /romantizarem/ tanto um relacionamento assim, que além de não fazer bem para nenhuma das partes, prejudica mais pessoas em volta.

E mesmo sendo Olimes, não foi o objetivo romantizar /absolutamente/ nada.


Boa leitura ~~

(。。)~

Capítulo 1 - James Cassells era bom demais


Fanfic / Fanfiction Passive Aggressive - Capítulo 1 - James Cassells era bom demais

                             PASSIVE AGGRESSIVE

    —comportamento passivo-agressivo é um traço de personalidade que se manifesta como uma resistência difusa em satisfazer expectativas de relações interpessoais ou envolvendo o cumprimento de tarefas, caracterizado por atitudes negativas indiretas e oposição velada.

       Quando Oliver pediu para que ficasse, quando Oliver chorou dizendo que o amava, e quando Oliver sorriu ao beijá-lo, James sabia que as coisas, mais uma vez, não ficariam bem. Ninguém consegue, por tanto tempo, esconder os problemas e fingir que nenhum deles existe pelo bem de uma relação. Oliver era louco e prendia James a ele por algemas que antes não existiam, mas que agora apertavam mais do que nunca.

''Você sabe o quanto te amo''

James sabia, de cor e salteado, que Oliver sempre usaria aquela frase, pois sabia que James sentia pena de si e o amava por ser amado. O amava por correspondência, por obrigação, porque era bom demais para deixar Oliver sozinho e desamparado, perdido mentalmente e acabado fisicamente. James Cassells era bom demais.


''Mas nós sempre passamos por problemas, nosso amor é capaz de resolver todos eles.''

Oliver sorria, brincava com os cachorros e sempre dizia que tinha tomado todos os remédios, e que não os jogara no lixo do banheiro, mas as pílulas brancas e rosadas que James via no lixeiro, não eram remédios para dor de cabeça, nem mesmo remédios vencidos. Ele pintava vez ou outra, comia uma coisa ou outra, cantava vez ou outra mas tudo o que fazia ao redor de James eram apenas ações que sugavam o melhor que havia no loiro, tudo o que ele era estava aos poucos indo embora, indo para Oliver. Indo para Oliver para que seu ego ficasse maior, para que assim o moreno pudesse sentir-se amado e finalmente bem. Mas todos sabiam que Oliver nunca ficaria bem, e ele se conformara com a pena, se conformara com todos cedendo a ele. Oliver nunca fora bom, nunca estivera bem.

''Você sabe o quão ruim isso está sendo para você? Toda essa bolha em que Oliver te colocou está te sufocando, e o pior é que você sabe.''

Sim, Danny. Ninguém sabia mais do que James o que ele estava passando. Oliver nunca fora o que ele procurava em um relacionamento, ele era o estrangulador que o asfixiava e era tudo o que lhe tirava a paz, pois se tornara um cuidador. A passividade com que Oliver encarava as coisas chegava a ser comparada com inocência quando na verdade não passava de um joguinho para mantê-lo preso. Danny avisava, Hannah já havia desistido vendo como Oliver se comportava perante ela, e Ben não falava mais consigo.

''Não basta praticamente nada para perder todos os amigos, Jay''

    Sim, outra vez, Danny. O ruivo tinha razão, Oliver os espantava, fazia piadas indelicadas, confissões vergonhosas e sempre era responsável por tirá-los do sério. Danny era o único, aquele que nunca se torceu por Oliver, aquele que sempre o enfrentava, o que tirava Oliver de seu pedestal. James o agradecia, pois sabia o quanto Ben estava sofrendo com tudo aquilo.


''James, diga-me onde está, não quero que chegue tarde, sinto sua falta''

Não, ele sentia falta daquele que sempre voltava para casa disposto a discutir, brigar e descontar tudo em meia hora de sexo. Oliver queria que James chegasse no limite, que ele gritasse, que fosse indelicado para depois encher-se de culpa. Queria saber onde estava, mas não por saudade, por puro luxo, pois queria controlá-lo. Não queria que chegasse cedo por segurança, mas para que tivesse mais tempo para irritá-lo, para ter outra desculpa para dizer-lhe que não havia tomado nenhum dos remédios do dia. Gritar que sua vida era uma completa desgraça por estar com James. James nunca fora o que Oliver esperava, mas estava torcendo-o, moldando-o e machucando-o, chamando-o de amor enquanto beijava-o, enquanto fazia questão de provocá-lo durante uma transa, dizendo que ele não prestava.

''Vamos lá, você não é nenhum santo, Jamie. Você não está afim disso? Sabe que se eu sumir, ninguém vai te aceitar de volta pois você mudou, está mais horrível que antes. Era para você está batendo em mim, mas você sequer serve para uma tarefa fácil''

Era isso o que ele pretendia, queria andar pelas ruas com cachecóis no verão, queria ver sua mãe perguntar, preocupada, que marcas estranhas eram aquelas em seus braços e onde tinha adquirido o olho roxo. Oliver riria para ela, diria que não havia sido nada e olharia de soslaio para James ainda com um sorriso. 

Mas estava farto, não queria ser moldado, dobrado e machucado por alguém que não entendia o amor, e nem o que era amar. Pois Danny estava certo, Ben estava certo, Hannah estava completamente certa em dizer que James era bom demais para Oliver, que Oliver nunca seria capaz de amá-lo de um jeito bom. Nunca seria capaz de deixá-lo livre, de deixá-lo viver sem toda a responsabilidade que não cabia a ninguém. Estava há tempo demais sendo estrangulado e algemado.

''Eu nunca mais irei pedir por sua misericórdia, não consigo passar pelos problemas como você, não sei tocá-lo como quem toca um prostituto qualquer em uma casa de show qualquer! Não sei viver uma vida onde tudo o que posso fazer, será para uma pessoa que não se esforça por mim. Não sei para onde irei se continuar sendo tudo o que você precisa e esquecendo de mim. Eu não entendo como pode dizer que me ama. Não entendo como eu posso ter dito que te amava enquanto transávamos depois de uma briga onde tudo o que você falou de mim, correspondia a quem você é! Se quer sofrer, sofra sozinho. Não vou mais implorar de joelhos e nem me desculpar por tudo o que eu não posso fazer para você virar um deus. Eu estou abandonando você, eu estou deixando você com sua própria agressividade disfarçada de doença psicológica incurável.''

Oliver chorou, jogou-se no carpete da sala, ajoelhou-se e pediu para que tentasse apenas mais uma vez, para que James não jogasse tudo pela janela do quarto andar, para que pensasse em tudo de bom que já haviam vivido. Levantou-se, beijou-o desesperado, com lágrimas ainda caindo e empurrou o corpo de James para o sofá e socou seu rosto. James merecia acordar, merecia aqueles dois socos que cortaram seu lábio e sua bochecha mas sabia que nunca mais iria tocar em Oliver, nunca mais voltaria. Não adiantava o mais velho provocá-lo com palavras roucas em seu ouvido, nem colocar suas mãos em sua cintura, nem mesmo dizer que queria ser fodido por ele com toda a raiva que estava sentindo.

O que James sentia por Oliver não era desejo, nem pena, nem se tratava de submissão, nem mesmo dominância.

James amava-o, mas não podia amar por dois, não podia dividir algo que só vinha dele, e não podia mais ficar em uma casa onde a imagem de amor que sempre tivera, fora totalmente destruída por um sádico, passivo-agressivo, esquizofrênico que dizia amá-lo mais do que amava a si mesmo.


Notas Finais


Existe isso também, quem era pra ser "algemado" seria o Oliver, mas pode acontecer as duas coisas, de diferentes formas.

Obrigada por lerem até aqui ~~

⁺✧.(˃̶ ॣ⌣ ॣ˂̶∗̀)ɞ⁾


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...