História Patient Zero - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Aaron, Abraham Ford, Beth Greene, Carl Grimes, Carol Peletier, Daryl Dixon, Enid, Eugene Porter, Glenn Rhee, Hershel Greene, Jessie Anderson, Lori Grimes, Maggie Greene, Merle Dixon, Michonne, Morgan Jones, Negan, O Governador, Paul "Jesus" Monroe, Personagens Originais, Rick Grimes, Sasha
Tags Ação, Aventura, Daryl Dixon, Rick Grimes, Twd, Violencia
Visualizações 431
Palavras 2.521
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OLÁ QUERIDOS!!! SÓ ESTOU AQUI POR QUE FIZEMOS 200 FUCKING FAVORITOS! Isso mesmo! Eu devia estar dormindo, mas fiz esse sacrifício!
AAAAAAAH TÔ É MORTA! QUE VENHAM OS 300, 400...
AMO VOCÊS!
Bom capítulo!

Capítulo 34 - Conversa de Irmãos


Fanfic / Fanfiction Patient Zero - Capítulo 34 - Conversa de Irmãos

Zona Segura de Alexandria – 2016.

 

Jessie examinou Pandora de cima a baixo por alguns segundos. A mulher loira se virou para o filho e sussurrou algo em seu ouvido. O garoto estranho, Ron apenas assentiu se virou para Pandora a fuzilando com os olhos por alguns segundos e foi embora sem dizer mais nada.

Jessie se virou para Pandora novamente e apenas suspirou cansada.

- O que você quer com isso? – ela perguntou, tentando se manter calma. – Você veio aqui para reconquistar Rick de alguma forma?

Pandora apenas prendeu o riso e cruzou os braços.

- Por que eu tenho que te avisar. – Jessie continuou. – Nós nos damos muito bem, ele me defende e é bom para mim. – ela disse. – Eu gosto dele, e acredito que ele também goste muito de mim. Então sinto muito por você.

Pandora sorriu diabolicamente, começando a se movimentar ao redor de Jessie Anderson enquanto a mulher a olhava quase em fúria. Pandora sorriu mais ainda quando viu a mulher revirar os olhos e se inclinou um pouco em direção a ela, pousando seus lábios quase no ouvido de Jessie.

- Quem sou em para separar um amor tão bem...construído. – ela disse, ironicamente, se afastando um pouco de Jessie. – Na verdade, fico muito feliz por Rick, já que ele parece realmente recuperado de seus traumas e neuroses.

Pandora riu um pouco quando viu que Jessie havia arregalado os olhos.

- Ele era um homem muito traumatizado quando eu o conheci. – ela dizia, calmamente. – Foi traído pelo próprio melhor amigo, e é claro, teve Lori... – Jessie franziu a testa, se perguntando mentalmente que foi Lori. – Mas agora, ele parece ocupado demais tentando resolver os seus problemas para resolver os dele. – Pandora riu um pouco. – E se você não está nem aí para o que ele sente por dentro, é por que ele realmente deve estar curado. – ela comentou, sarcasticamente. – É um milagre!

Jessie rangeu os dentes, e estava prestes a responder. Porém foi interrompida por Carl Grimes que havia surgido correndo do meio da multidão, e clamava pelo nome de Pandora euforicamente.

Pandora desviou o olhar dos olhos de Jessie lentamente, e olhou em direção a Carl que parava ofegante perto das duas. A garota exibiu um sorriso plano e feliz ao ver o garoto, bem diferente dos sorrisos extremamente venenosos que exibira para Jessie alguns segundos atrás.

- E aí, pirralho? – ela disse, enquanto bagunçava os cabelos castanhos do garoto casualmente.

Jessie sorriu levemente para Carl e acenou para ele. Porém o garoto, não se importando muito, se virou para Pandora. Não que Carl odiasse Jessie, mas achava que todo o relacionamento que a mulher tinha com seu pai, o deixava pior, paranoico e nervoso. E ainda mais com a chegada de Pandora, Carl achava que a única coisa que impedia Rick de se aproximar da garota novamente era Jessie.

- Meu pai está em reunião na casa da Deanna. – ele disse, euforicamente. – Estão todos indo para lá, você sabe algo sobre isso?

Pandora arregalou os olhos.

- Deus. – Jessie disse, já rumando para a casa da líder.

Pandora começou a seguir a mulher, porém foi interrompida por Carl que queria segui-la.

- Você tem que ficar aqui Carl. – ela disse, calmamente, enquanto o garoto a olhava indignado – Acho que seu pai não gostaria de ver você lá.

- Mas...

- Eu prometo que te conto a fofoca inteira quando sair de lá. – Pandora o interrompeu rapidamente.

Carl suspirou e apenas assentiu a contragosto. Pandora lhe deu um breve abraço e correu atrás de Jessie a seguindo de longe e a acompanhando para a casa de Deanna Monroe que ficava em na principal rua de Alexandria.

-Minha proposta... – a voz cheia de sotaque de Rick atingiu os ouvidos de Pandora quando ela adentrou a casa. Estava cheia, todos os líderes e pessoas mais importantes em Alexandria estavam lá. – Sei que é arriscada, mas já tem walkers saindo. – ele disse, enquanto olhava de esguelha para Jessie e Pandora que ia em direção a Michonne. – Um dos caminhões que mantêm os walkers dentro pode despencar a qualquer momento. Quem sabe depois de um temporal. – ele disse. – Isso vai fazer com que eles venham diretamente até nós.

Pandora olhou para Carol que estava parada em um canto vestida em roupas comportadas. Aquilo foi o bastante para que Pandora soubesse que Carol estava atuando, se fingindo de fraca e assustada para aquela sociedade.

- Isso é... assustador. – ela disse em um tom amedrontado de voz e Pandora quase riu. – Não tenho outra forma de descrever: é assustador. – ela disse, olhando para Pandora pela primeira vez e desviando o olhar logo em seguida ao vez que a garota segurava o riso. – Mas não parece ter outro jeito.

Um homem que estava parado do outro lado da sala, a encarou preocupado por um momento.

- Talvez tenha. – ele disse, pensativamente. – Não podemos reforçar os pontos fracos? Eu trabalhei na construção do muro, junto a Reg. Posso fazer um plano.

Rick negou com a cabeça.

- Mesmo se pudesse, o som dos walkers vai atrair cada vez mais deles. – ele disse, negando a oferta do homem. – Reforçar as saídas não vai mudar isso.

- Faremos o que Rick disse. – Deanna, que estava até aquele momento calada e virada de costas para o pessoal, disse. – O plano está feito.

Rick assentiu, voltando a olhar para todos os presentes. Pandora se sentiu inquieta quando o homem passou o olhar azul sobre ela. Não sabia se aquele olhar fora de ódio, indiferença ou súplica, mas Michonne percebeu a inquietação da amiga e pegou sua mão fortemente.

- Como eu disse a todos, - ele disse e apontou para Daryl, que estava esparramado feito um gato preguiçoso no peitoril da janela mais próxima. – Daryl irá atraí-los.

Daryl assentiu minimamente, esboçando um olhar confiante. Enquanto Pandora tremia de cima a baixo ao pensar na possibilidade de Daryl estar sozinho e sendo seguido por milhões de walkers.

- Eu também. – Sasha, sentada ao lado de Michonne e Pandora, disse. – Vou de carro, ao lado dele. Não pode ser apenas ele.

Pandora a olhou, e pegou sua mão a apertando levemente. Obrigada, ela dizia mentalmente à Sasha.

- Vou com ela. – disse Abraham, o homem ruivo e grandalhão que jazia sentado e contemplativo em uma poltrona. – É estrada demais para ir sozinho.

Rick assentiu levemente.

- Teremos duas equipes. – ele disse. – Uma de cada lado da floresta ajudando na execução. Algumas pessoas ficarão de vigia de agora em diante. – ele disse, apontando para três pessoas. – Rosita, Spencer e Holly. Então, eles estão fora.

Pandora fez uma cara de nojo ao ouvir o nome do filho da líder.

- Quem topa? – Rick perguntou, olhando em volta.

Michonne deu de ombros.

- Eu. – ela disse.

Pandora abriu um sorriso e levantou o braço, animadamente, atraindo a atenção para ela.

- Vocês, meros mortais, não irão me deixar de fora de toda a diversão. – ela disse, enquanto Rick tentava não sorrir com o jeito de falar da garota. Era algo involuntário dela, disso ele sabia bem. – Estou dentro.

- Eu topo. – Glenn, que por algum motivo possuía o rosto todo machucado, disse.

O padre que Pandora descobriu se chamar Gabriel, levantou o dedo.

- Quero ajudar. – ele disse um pouco tímido.

- Não. – Rick o cortou, imediatamente. – Quem mais?

O homem de antes negou com a cabeça, um pouco desesperado.

- Deve haver outra maneira. – ele disse. – Não podemos controlar tantos assim...

Rick suspirou.

- Como eu já disse, walkers formam bandos, seguindo aquilo que os atrai. – Rick disse. – É assim que vamos tirá-los de uma só vez.

O homem estreitou os olhos para Rick.

- E daí? Devemos aceitar sua palavra? – ele perguntou. – Devemos ficar do seu lado depois que...

- MEU DEUS COMO VOCÊ É ESTÚPIDO! – a voz do homem foi interrompida pelo grito de Pandora que já se encontrava de pé, olhando furiosamente para o homem. – Você não vê? Ele está tentando ajudar vocês! Salvar vocês! – ela disse, atraindo toda a atenção para ela. Inclusive a de Deanna, que a olhava com um pequeno sorriso no rosto. – Se ele matou o seu amigo é por que ele mereceu!

O homem ergueu o queixo e a olhou atrevidamente.

- E você por um acaso conhecia Pete tão bem assim? – ele disse. – Acho que não, já que chegou quando ele já estava morto.

Pandora suspirou.

- Eu conheço Rick Grimes. – ela disse, entredentes. – Ele é um homem de bom coração, mesmo que tente negar, ou que as vezes seja louco, neurótico, rude... e Deus sabe como ele é rude! – ela debochou. – Mas ele está sempre aqui para botar a cueca por cima da calça e ser a porra de um super herói capaz de resolver milhões de problemas, mesmo que estes problemas nem mesmo sejam dele.

Pandora olhou no fundo dos olhos do homem e soltou um sorrisinho. Dobrou o braço e o abriu bruscamente, sentindo o chicote se desenroscar de seu braço direito e parar em sua mão. O estalou no ar audivelmente, como uma ameaça.

- Então, pense bem antes de falar desse idiota. – ela apontou para Rick, sem nem mesmo olhá-lo. – Ou você terá que lidar com o meu chicote. – ela disse, ironicamente. – E não do jeito divertido.

***

 

Arredores de Alexandria – 2016.

Rick observava, enquanto Deanna e os demais arregalavam os olhos para a pedreira repleta de milhares de walkers. Rick havia sugerido que eles fossem até o local para verificar o terreno e mostrar à líder a gravidade da situação.

Rick Grimes havia convencido a todos, principalmente depois do show de ameaças que Pandora havia protagonizado no meio da sala de estar de Deanna Monroe. Depois de tudo aquilo, Rick ainda não sabia como se sentia a respeito disso.

- Tem certeza de que o plano irá funcionar, Rick? – Deanna perguntou, um pouco duvidosa após olhar para o mar de walkers lá embaixo.

Rick coçou a nuca.

- Eu espero. – ele disse.

Deanna o olhou atentamente, e colocou a mão sobre o ombro do homem.

- Eu depositei toda a minha confiança em você. – ela disse, suavemente. – Não me desaponte.

Rick assentiu lentamente e olhou ali em volta, seu olhar pousou por alguns segundos em Pandora, que permanecia parada com seu chicote como se sentisse incomodada com o ruído ensurdecedor que os walkers produziam. Mas logo depois, seu olhar se desviou para Jessie, que o olhava temerosa.

- Temos que checar a situação exata daquele caminhão que corre o risco de desabar. – ele disse, e se virou para sua arma. – Pandora?

A garota o olhou e caminhou até ele lentamente, arrastando a ponta de ferro do chicote no chão.

- Achei que nunca fosse me pedir, querido. – ela disse, ironicamente. – Quer que eu conte quantos walkers há também? Posso levar uma calculadora.

Pandora, vendo que Rick se mantinha sério, mesmos depois de sua piada, deu de ombros e se virou para o penhasco e pulou, derrapando com seu sapato sobre as pedras e logo parando lá embaixo entre os mortos. Enquanto as pessoas lá em cima exclamavam surpresos e assustados.

- Você não brincou quando disse que a garota era imune. – Deanna disse de olhos arregalados ao ver Pandora avançando entre os walkers sem que nenhum deles lhe dignasse um misero olhar.

Rick a olhou por um momento, enquanto via que Pandora havia gritado um “cala a boca” e todos os walkers haviam parado de grunhir no mesmo instante. Mesmo depois de anos, ela não deixava de ser surpreendente.

- Eu nunca mentiria se tratando de uma coisa assim. – ele disse, olhando para Pandora que ao longe acenava para eles.

***

Zona Segura de Alexandria – 2016.

Pandora aninhava Judith em seus braços, enquanto ia para o andar de baixo da casa. Já era tarde da noite, e depois de algumas tentativas frustradas de dormir, ela havia se levantado e visto que Judith estava tão atenta quanto ela.

Rick por outro lado, parecia morto em sua cama, dormindo tão profundamente que não escutara o choro de sua filha. Pandora entendia, e apenas pegou a garotinha nos braços e saiu do quarto de Rick com ela, deixando com que ele dormisse em paz.

Quando a garota chegou à varanda na frente da casa, viu que Daryl estava ali, sentando nos degraus da frente, limpando calmamente suas flechas. Sorriu, levemente e andou até ele, se sentando ao seu lado com Judy em seu colo.

Daryl brincou alguns segundos com a garotinha, antes de se virar para Pandora.

- Foi uma cena incrível de se ver. – ele disse. – Você entrando no meio dos walkers na pedreira, quero dizer. Todos ficaram boquiabertos.

Pandora sorriu levemente.

- Obrigada. – ela disse, olhando para a frente, para as ruas desertas de Alexandria.

Daryl coçou um pouco a nuca, parecendo pensativo.

- Rick me contou. – ele começou. – Ele me disse que você o contou o que Oliver fez com você...

Pandora revirou os olhos, soltando uma risada nasalada.

- Ele não deveria ter feito isso. – ela comentou. – Ele me odeia.

Daryl suspirou, negando com a cabeça.

- Ele não te odeia. – ele disse. – Ele tem raiva de você e mágoa. Mas ele jamais te odiaria. Ele se preocupa com você. Nós nos preocupamos.

Pandora olhou para o homem por um momento. Passou os dedos em uma das mechas de cabelos castanho que cobria os olhos de Daryl, e sorriu carinhosamente.

- Você precisa de um corte de cabelo. – ela disse, suavemente. – Isso, e começar a se abrir com as pessoas. Converse comigo sobre Beth. Eu sei o quanto sofreu e ainda sobre por isso. Está nos seus olhos.  – ela disse. – Você a amava?

Daryl se remexeu, bagunçando os cabelos e negando com a cabeça.

- Ela era apenas uma criança. – ele disse, um pouco triste. – Uma criança que eu falhei em proteger.

Pandora pegou uma das mãos de Daryl.

- Você tem que parar de se culpar por tudo, irmãozinho. – ela disse, suavemente. O chamou de irmão tão naturalmente que Daryl estranhou. – Você precisa de alguém, todos nós precisamos. Não é bom estar sozinho hoje em dia. – ela disse. – E o sexo também é um ponto positivo se quer saber.

Daryl soltou uma risada, e desviou os olhos para Judith. Se preparou para levantar, porém foi impedido por Pandora, que o segurou pelo pulso e o manteve no lugar. A garota se inclinou sobre ele e beijou suavemente a testa do homem, o liberando para se levantar logo em seguida.

- Você deveria dormir. – ela comentou, brincando com Judith. – Amanhã o dia será cheio.

Daryl assentiu e bagunçou os cabelos de Pandora, entrando na casa e deixando a garota junto a Judith do lado de fora.

Pandora ficou por mais algum tempo sentada nas escadas, enquanto tentava sem sucesso fazer com que a garotinha dormisse. Tudo o que fazia era em vão, então se contentou em ficar brincando com a bebe.

Pandora realmente não estava preparada para enfrentar aquilo. Brincava com a garotinha casualmente, mas o choque veio em tamanha proporção que a garota paralisou e ficou olhando fixamente para Judith, que em sua vozinha infantil, havia acabado de a olhar e dizer uma palavra:

Mamãe. 


Notas Finais


Pandora defendendo o Rick! Humm sei não hein! Ele é um idiota? É! Mas é dela, só ela pode xingar KKKKKKKKKKKKKKK
Enfim!
Comentem e favoritem!
Até o próximo!
- Duda.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...