História Peça-me o que quiser - Camren - Capítulo 203


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dylan O'Brien, Fifth Harmony, Logan Lerman
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Logan Lerman, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren, Hot
Exibições 1.682
Palavras 2.139
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 203 - Capítulo 203


Riviera Maya — Hotel Mezzanine

Praia de areias brancas... Águas cristalinas... Sol agradável... Coquetéis deliciosos... ... e Lauren Jauregui. Insaciável!

Essa é a palavra que define perfeitamente o tesão que sinto por ela. Pela minha impressionante, bonita, sexy e excitante esposa. Ainda não acredito. Estou casada com Lauren! Com Icegirl.

Estamos em Tulum, México, aproveitando nossa lua de mel, e eu gostaria que ela nunca acabasse. Como é confortável estar numa espreguiçadeira maravilhosa, fazendo topless. Adoro sentir os raios do sol no meu corpo enquanto minha Icegirl está falando ao telefone bem perto de mim. Pela expressão que faz com as sobrancelhas, sei que está concentrada nos assuntos da empresa. Sorrio.

Lauren está bronzeada e muito gata com o short jeans e uma blusa soltinha. Fico olhando e, quanto mais a observo, mais gosto dela e mais ela me excita. Será o efeito Jauregui?

Com curiosidade, vejo que umas mulheres sentadas no belo bar do hotel estão olhando para ela também. Não é pra menos. Reconheço que minha esposa é uma delícia para os olhos e, achando graça, sorrio, embora esteja a ponto de gritar: “Eiii, suas periguetes, ela é toda minha!” Mas sei que não preciso. Lauren é toda, absolutamente toda minha, sem necessidade de que eu grite isso aos quatro ventos.

Três dias depois do belo casamento em Munique, minha esposa incrível me surpreendeu com uma romântica e sensacional viagem de lua de mel. E aqui estou eu, em Tulum, uma praia exótica do Caribe mexicano, curtindo paisagens lindas e ansiosa para voltarmos à intimidade do nosso quarto.

Com sede, me levanto e tiro os fones do iPod. Ponho a parte de cima do biquíni amarelo e me dirijo ao bar da praia.

Que tempo divino! Sorrio ao ouvir a voz de Alejandro Sanz e cantarolo, enquanto vou caminhando.

Ya lo ves, que no hay dos sin tres,

Que la vida va y viene y no se detiene...

Y qué sé yo...

Não há dois sem três, a vida dá muitas voltas? Vêm dizer isso pra mim?

A brisa suave balança meu cabelo, e sigo cantarolando até o bar.

¿Para qué me curaste cuando estaba herido

Si hoy me dejas de nuevo el corazón partío?

¿Quién me va entregar sus emociones?

¿Quién me va a pedir que nunca la abandone?

¿Quién me tapará esta noche si hace frío?

¿Quién me va a curar el corazón partío?

Peço ao garçom uma Coca-Cola tamanho gigante com bastante gelo. Quando tomo o primeiro gole, sinto que braços enlaçam minha cintura e alguém diz em meu ouvido:

— Já estou aqui, pequena.

Sua voz... Sua proximidade... Sua maneira de me chamar de “pequena”...

Uhm... me deixam louca. Com um sorriso enorme, observo como as mulheres no balcão ficam ruborizadas com a chegada de Lauren. Não é para menos! E eu, feliz da vida, apoio a cabeça no peito dela e ela me beija a testa.

— Quer Coca?

Ela se acomoda no banco ao meu lado e pega o copo que lhe ofereço. Depois de beber um bom gole, murmura:

— Obrigada. Estava com sede. — E, com um sorriso brincalhão, depois de passear seu olhar esverdeado por meus seios, pergunta: — Por que botou a parte de cima do biquíni? Assim me priva de uma bela vista.

— Não gosto de ficar com os seios de fora aqui no bar.

Lauren sorri. Sua sensualidade me atravessa. De repente a música muda, começa uma bem romântica. Vivam as músicas românticas! Que coisa essas canções! Quanto sentimento!

Nunca imaginei que eu pudesse gostar tanto.

Lauren, que na intimidade é a pessoa mais romântica que conheci, ao ouvir a canção me olha sedutoramente, me agarra pela cintura com ar possessivo e convida:

— Vamos dançar, moreninha?

Ai, vai me dar uma coisa! Ela que se cuide comigo! Adoro quando ela relaxa e só pensa na gente.

Então toca uma música que Dexter nos dedicou no casamento. Sempre que a ouvimos, dançamos muito derretidas.

Louca... Apaixonada até a raiz dos cabelos... Boba de tão alegre...

Desço do banco e ali, no meio do bar da praia, sem nos importarmos com os turistas nos observando, derretidinhas, dançamos diante da cara de inveja das mulheres, enquanto Luis Miguel canta.

Si nos dejan, nos vamos a querer toda la vida.

Si nos dejan, nos vamos a vivir a un mundo nuevo.

Yo creo podemos ver el nuevo amanecer de un nuevo día.

Yo pienso que tú y yo podemos ser felices todavía.

Minha nossa, que momento maravilhoso! É isso que eu quero, que nos deixem ser felizes ou, digamos melhor, que nós mesmas nos deixemos. Porque se uma coisa está clara é que somos o fogo e a água e, embora nos amemos com loucura, somos duas bombas a ponto de explodir. Não discutimos desde o casamento. Agora é só paz e amor. Parece que estamos numa nuvem, só nos beijamos, dizemos coisas bonitas e nos dedicamos uma a outra. Viva a lua de mel!

A música ainda está tocando, e nós, apaixonadas, continuamos a dançar. Lauren me faz feliz. Curtimos esse momento. Dançamos, esquecemos do mundo e nos fitamos olhos nos olhos com verdadeira adoração.

Seu olhar verde me atravessa, me diz o quanto me ama e deseja. Quando a canção acaba, minha esposa, minha amante, minha louca alemã me beija. Quando me sento de novo no banco, ela sussurra pertinho de minha boca:

— Como diz a canção, vou te amar por toda a minha vida.

Minha nossa! Dá vontade de apertar ela todo de tão linda que é!

Cinco minutos depois, quando por fim deixamos nossos doces e deliciosos carinhos, diante dos olhares indiscretos de umas mulheres, pergunto:

— Era Dexter no telefone?

— Não, era o sócio dele. Quer que nos reunamos amanhã no escritório dele pra tratar de uns assuntos.

— Onde fica?

— A uns 30 minutos daqui. Na Praia do Carmen. Então, amanhã de manhã vamos a...

Corto:

— Vamos? Não, não. Você vai. Eu prefiro esperar aqui.

Lauren levanta as sobrancelhas, nada convencida. Sorrio.

— Sozinha?

Acho graça de sua expressão e respondo firme:

— Lauren, não vou ficar sozinha. O hotel está cheio de gente e a praia também. Não vê?

Ergue a sobrancelha. Icegirl está de volta!

— Vai ficar sozinha, Camz! Não acho graça nenhuma nisso.

Caio na risada.

— Mas, querida...

— Não, Camz. Você vai vir comigo. Tem predadores demais por aí, atrás de uma mulher bonita, e não vou permitir que seja a minha — insiste, ansiosa.

Isso me faz rir às gargalhadas. Ela, não, claro.

Seu lado ciumento me excita. Levantando do banco, chego mais pertinho dela e a abraço pelo pescoço:

— Nenhum predador chama minha atenção fora você. Minha grande predadora! Portanto, calma, que eu sei me cuidar. Além do mais, conhecendo você, vai sair de madrugada, né? — Minha linda concorda e me agarra pela cintura. E concluo, bancando a princesinha charmosa: — Não quero levantar cedo, quero dormir e, quando levantar, quero pegar um sol até que você volte. Qual o problema?

— Camz...

Eu a beijo — adoro beijá-la. Por fim, com um sorriso ingênuo, digo:

— Vamos pro quarto.

— Estamos falando de...

— É que quando te vejo tão séria e tão possessiva — eu a interrompo —, fico louquinha de desejo.

Lauren sorri. Óóóótimo! Me segura pela nuca e me beija — me beija com verdadeira adoração, deixando as mulheres do bar admiradas. Morram de inveja, suas intrometidas!

Depois, sem se importar com as pessoas olhando, me pega no colo e vamos para o quarto. Quando chegamos, minha predadora particular já está a mil. Rindo, abro a porta com o cartão e Lauren a fecha com o pé. Não me solta. Me leva até a cama.

— Vou encher a jacuzzi.

Observo-a. Caminha até a banheira que fica a poucos metros da cama e, depois de abrir as torneiras, me olha excitada.

— Tira o biquíni ou ele acabará em pedaços.

Uauuuuu! Não é preciso dizer que o tiro rapidamente e com um sorriso sensual. O biquíni é sensacional, é o máximo!

Comprei ontem numa loja caríssima de Tulum. Não quero que acabe como a maioria da minha lingerie.

Lauren sorri da minha pressa. Morde o lábio me observando e, quando me vê nua, me chama com o dedo indicador. Obedeço. E quando meus seios tocam seu abdômen perfeito, Lauren murmura com voz rouca:

— Me mostre o quanto me deseja.

Sim, meu amor, claro que sim!

Toda excitada, desprendo o botão do short jeans. Meto as mãos por dentro dela e me abaixo até ficar de joelhos diante de Lauren. Depois que lhe tiro o short que escondia perfeitamente seu membro , levanto os olhos e observo o pênis. Fascinante!

Me dá água na boca: está preparado para mim. Lá de baixo, observo Lauren, que diz:

— Sou toda tua, pequena.

Seguro então seu pau duro e o passo por meu rosto, por meu pescoço, enquanto observo a expressão de desejo de Lauren. Com muita vontade de saborear essa delícia, passeio a língua, de cima abaixo, estimulando-o.

Lauren sorri. Eu, excitada, dou umas mordidinhas com os lábios, sem desviar os olhos de Lauren. Então ela solta um gemido de satisfação e pousa uma das mãos em minha cabeça. Minha respiração se agita. Eu desejo Lauren! E, superansiosa, coloco na boca sua ereção, enquanto sinto que suas mãos se enredam em meu cabelo e a ouço gemer. Oh, sim!

Adoro seu pênis, rígido, ardente, mas suave. Nossa brincadeira continua por uns minutos até que sinto que Lauren não aguenta mais. Me agarra pelo cabelo, puxa-o para que a olhe e ordena com a voz carregada de tensão:

— Deita na cama.

Obedeço. Levanto e meus joelhos tremem, mas chego à cama. Então Lauren, minha poderosa deusa do amor, se aproxima e, com a respiração entrecortada, ordena:

— Abra as pernas.

Arquejo, a respiração agitada. Sei o que vai fazer e fico louca. Lauren me beija. Como uma leoa sobre mim, de quatro, aproxima várias vezes sua boca da minha, provocante. E eu sinto uma ânsia viva por devorá-la.

Beijos, mordidinhas e tesão. Sim, é tesão que minha esposa provoca em mim. Quando percebe que estou totalmente disposta a fazer tudo que ela quer, desliza por meu corpo até ficar entre minhas pernas. E me faz gritar.

Sua boca — oh, sua boca! — já está em meu clitóris, mexendo, exigindo. Seus dedos abrem meus lábios e, em seguida, entram em mim inúmeras vezes, enquanto gemo e suspiro.

— Não pare.

Santo Deus, não me obedece. Estou a ponto de matá-la. De repente, sua língua, sua molhada e maravilhosa língua, entra em mim e me faz amor. Sim, sim, como ela faz bem!

Ofegante, agarro o lindo lençol cor de marfim e me contorço, enquanto gemo sem parar e me entrego ao meu amor, minha esposa, minha amante. Quando acho que já não aguento mais, Lauren levanta a cabeça, me olha, se inclina sobre mim e me penetra de um modo seco e forte. Eu me arqueio para recebê-la, morta de prazer.

Sem me dar trégua, suas mãos agarram meus quadris ao mesmo tempo que me possui uma vez depois da outra. Duas, três, vinte... E eu me grudo nela, para recebê-la. Minhas pernas tremem. Meu corpo vibra enlouquecido e, quando a excitação, a loucura e a paixão me dominam, ouço um gemido longo, másculo e satisfeito. Instantes depois, outro gemido sai de minha boca. Suando com tanto esforço, minha linda cai sobre mim.

Trinta segundos mais tarde, acalorada por ter minha gigante sobre meu corpo, murmuro:

—  Lauren... Não consigo respirar.

Rapidamente, ela rola para meu lado direito na cama. Nesse movimento, me leva com ela. Fico por cima. Com um sorriso maravilhoso, Lauren me diz:

— Te amo, pequena. — E, como sempre, pergunta: — Tudo bem?

Ai, que irresistível!

Feliz da vida com meu amor, sorrio.

— Tudo perfeito, Icegirl.

Entre risos e brincadeiras, passamos a tarde, sozinhas em nosso ninhozinho de amor particular. Lauren me demonstra seu carinho, eu lhe demonstro o meu, e a felicidade entre nós duas é mágica e maravilhosa, enquanto repetimos nossos encontros calientes.

À noite, depois de um jantar maravilhoso no restaurante do hotel, toca o celular de Lauren. Ela atende. Em seguida, o deixa na mesa e me explica:

— Era Roberto. Marquei com ele às oito da manhã no escritório.

Eu a fito brincalhona.

— Já sabe, amanhã você madruga!

Ao entender o que eu disse, vai falar, mas eu a interrompo:

— Ah, não. Eu já disse que não vou. Quero me bronzear.

— Camz...

— Deixe de ciúme bobo, querida. Quero dormir e depois pegar um sol. — E me aproximando de minha esposinha carrancuda, sugiro sedutora: — Então, quando você voltar, iremos pro nosso quarto pra nos divertirmos de novo, só você e eu. Que acha do meu plano?

Lauren sorri. Sabe que não vai me convencer. Finalmente diz:

— Combinado, sua teimosa. Voltarei com uma garrafa de rótulo rosa, está bem?




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...