História Peça-me o que quiser - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Shay Mitchell
Tags Voyeur
Exibições 128
Palavras 1.162
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura 📖

Capítulo 16 - Deixa eu cuidar de você


Fanfic / Fanfiction Peça-me o que quiser - Capítulo 16 - Deixa eu cuidar de você

Às sete da noite, estou sentada no sofá da casa da minha irmã.

Meu celular toca. Meus amigos me chamam para ir à praça Cibeles comemorar o título da Eurocopa. Mas não estou em clima de festa. Desligo o celular. Não quero saber de nada nem de ninguém. Estou triste, muito triste. Meu melhor amigo, com quem eu dividia todas as minhas tristezas e alegrias, me abandonou. Choro... choro e choro.

Minha irmã me abraça, mas, inexplicavelmente, sinto que preciso do abraço de certo cara atrevido. Por quê?

Deixamos minha sobrinha na casa de uma vizinha. Não queremos que ela nos veja assim. Já foi bem difícil lhe explicar que o Trampo foi para o céu dos gatos, e não seria nada bom que ela agora nos visse aos prantos. Meu cunhado José chega e também fica triste. Nós três choramos. E, quando ligo para o meu pai e dou a notícia, já somos quatro. Isso tudo é muito triste!

Às nove da noite, ligo o celular e recebo uma ligação de Fernando. Minha irmã tinha telefonado para ele, e agora ele está se oferecendo para vir a Madri me consolar. Rejeito a oferta e, após falar com ele por alguns minutos, encerro a ligação e desligo. Janto qualquer coisa e decido voltar para casa. Preciso enfrentá-la: a ela e à solidão.

Mas, quando entro, uma emoção estranha toma conta de mim. Tenho a sensação de que a qualquer momento Trampo, meu Trampinho, vai surgir em algum canto da casa e ronronar para mim. Fecho a porta e me apoio nela. Meus olhos se enchem de lágrimas e não me contenho mais.

Choro, choro e choro, e desta vez sozinha, que me cai melhor.

Com os olhos inchados e sem conseguir me controlar, ando até a cozinha. Observo a tigela de comida de Trampo e me abaixo para pegá-la. Abro a lixeira e jogo fora os restos de comida que havia ali. Coloco a tigela na pia e a lavo. Após enxugá-la, olho para ela sem saber o que fazer com isso. Deixo-a em cima da bancada. Depois pego o pacote de ração e os remédios. Junto tudo e volto a chorar como uma boba.

Alguns segundos depois, escuto a porta da rua sendo aberta. É minha irmã. Ela vem e me abraça.

— Eu sabia que você estaria assim, maninha. Vamos, por favor, pare de chorar.

Tento dizer que não consigo. Que não quero. Que me recuso a acreditar que Trampo não voltará, mas o choro me impede de dizer qualquer coisa. Meia hora mais tarde, eu a convenço a ir embora. Escondo suas chaves para que não leve com ela e não volte a me incomodar. Preciso ficar sozinha.

Quando ando até o banheiro para lavar o rosto, vejo a caixa de areia de Trampo e caio no choro outra vez. Sento no vaso, disposta a chorar por horas e horas, quando ouço batidas na porta. Convencida de que minha irmã se deu conta de que não está com as chaves e resolveu voltar, abro a porta, mas é o senhor Bieber quem aparece na minha frente, com cara de poucos amigos.

O que ele está fazendo aqui?

Me olha surpreso. Sua expressão muda por completo e, sem se mexer, pergunta: — O que houve, Jud?

Não consigo responder. Meu rosto se contrai e eu começo a chorar outra vez.

Fica paralisado e então eu me aproximo dele, de seu peito, e ele me abraça. Preciso desse abraço. Ouço a porta se fechando e choro mais ainda.

Não sei por quanto tempo ficamos assim, até que de repente percebo que sua camisa está encharcada de lágrimas. Finalmente me afasto dele.

— Trampo, meu gato, morreu — consigo murmurar.

É a primeira vez que digo essa palavra terrível. Eu a odeio!

Minha cara se contorce de novo e eu caio em prantos outra vez. Ele me puxa para si e me leva até o sofá. Tento falar, mas os soluços de tristeza não me permitem. Só consigo articular palavras entrecortadas, enquanto meu corpo se contrai involuntariamente e eu vejo que Eric está desconcertado. Não sabe o que fazer. Por fim se levanta, pega um copo e o enche de água. Coloca nas minhas mãos e me obriga a beber. Cinco minutos depois, estou um pouco mais calma.

— Sinto muito, Jud. Sinto muitíssimo.

Faço que sim com a cabeça, enquanto aperto meus lábios e engulo a enxurrada de emoções que novamente imploram para sair de dentro de mim. Abraçada a ele, apoio minha cabeça em seu peito e sinto minhas lágrimas rolando descontroladas. Desta vez não estou soluçando, e o simples fato de sentir sua mão acariciando meu cabelo e meu braço me reconforta.

Por volta da meia-noite, a tristeza ainda me domina, mas já sou capaz de controlar meu corpo e minhas palavras, então me afasto um pouco e olho para ele.

— Obrigada — digo.

Sinto que se comove; seus olhos revelam isso. Aproxima sua testa da minha e sussurra: — Jud... Jud... Por que você não me disse? Eu teria te acompanhado e...

— Eu não estava sozinha. Minha irmã ficou comigo o tempo todo.

Justin balança a cabeça, compreensivo, e passa seus polegares por baixo dos meus olhos para retirar as lágrimas.

— Você precisa descansar. Está exausta e sua mente tem que relaxar.

Faço que sim com a cabeça. Mas então me dou conta de que seu rosto está contraído.

— Você está bem? — pergunto.

Surpreso com a pergunta, ele olha para mim.

— Sim. Só estou com um pouco de dor de cabeça.

— Se você quiser, tenho aspirina no armário do banheiro.

Vejo que ele sorri. Em seguida me dá um beijo no alto da cabeça.

— Não se preocupe. Vai passar.

Preciso dormir, mas não quero que ele vá embora, então seguro sua camisa para tentar impedi-lo de sair.

— Gostaria que você ficasse aqui comigo, apesar de saber que não dá.

— Por que não dá?

— Não quero sexo — murmuro, com uma sinceridade esmagadora.

Eric ergue a mão e toca meu rosto com uma ternura que nunca havia demonstrado antes.

— Vou ficar aqui contigo e não tentarei nada até você me pedir. Isso me surpreende.

Levanta-se e me estende a mão. Eu a pego e ele me leva até o quarto. Assustada, vejo-o tirando os sapatos. Eu faço o mesmo. Depois tira a calça. Eu o imito. Deixa a camisa em cima de uma cadeira e fica vestido apenas com uma cueca boxer preta. Sexy! Levante as cobertas e se enfia nelas. Sem esquecer o que lhe pedi, tiro a blusa e o sutiã, e pego embaixo do travesseiro minha camiseta de alcinha e o short de dormir. É do Taz, do desenho animado. Vejo que ele sorri e faço cara de emburrada.

Depois de vestir o pijama, abro uma caixinha redonda, retiro um comprimido e o tomo.

— O que é isso?

— Meu anticoncepcional — explico.

Instantes depois, me deito ao seu lado, e ele enfia o braço embaixo do meu pescoço. Chego mais perto e ele me beija na ponta do nariz.

— Dorme, Jud... dorme e descansa. Sua proximidade e sua voz me relaxam, e, abraçada a ele, acabo adormecendo.


Notas Finais


Momento ooown, vooltei hahahah espero que gostem, E DESCULPEM SE FICOU PEQUENO, beeeijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...