História Peça-me o que quiser - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção
Personagens America Singer, Aspen Leger, Carter Woodwork, Celeste Newsome, Kriss Ambers, Marlee Tames, Maxon Calix Schreave, Personagens Originais, Rainha Amberly, Rei Clarkson
Tags Aseleção, Pmoq
Visualizações 130
Palavras 1.011
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Sim, acabei de postar outra capa!, Estou apaixonada por tantas fotos que eu não consigo me decidir porém gostei muito dessa!
Agora nesse momento acabamos a maratona!..
100 COMENTÁRIOS?, CARAMBA!
Me digam qual parte foi a favorita de vocês!?,pois ainda muito por vir, posso prometer a vocês uma maratona por mês, irei marcar a data no meu Twitter ❤

Capítulo 18 - Capítulo 17


Fanfic / Fanfiction Peça-me o que quiser - Capítulo 18 - Capítulo 17

Aquilo me deixa sem palavras. Não sei o que responder.

- Talvez seja eu quem esteja fazendo você sofrer - digo, com toda a petulância de que sou capaz.

Olha para mim... eu olho para ele...

Após um silêncio incômodo, meu celular toca. É Miriam, minha amiga de Barcelona. Me levanto, atendo o telefone, digo a ela que estou em Madri e que daqui a pouco ligo de

volta. Maxon não se move. Limita-se a olhar para mim quase sem piscar. Meu braço está melhor. Já não está doendo, então volto ao ataque.

- Por que você acha que pode me fazer sofrer?

- Eu não acho... eu sei.

- Essa resposta não vale. Me diz: por quê?

Maxon me observa em silêncio. Tenho a sensação de que estou prestes a explodir, como uma cafeteira italiana.

- Você é uma garota ótima que merece alguém melhor.

- Alguém melhor?

- Sim.

Me mexo inquieta. Sei do que ele está falando, mas quero que se expresse com clareza.

- Quando você se refere a alguém, é...

- Me refiro a alguém que cuide de você e que te trate como você merece. Talvez esse tal de Aspen...

Escutar esse nome me deixa sem palavras.

- Não coloque Aspen nessa história, ok?

Maxon faz que sim com a cabeça. Um silêncio constrangedor volta a se instalar entre nós.

- Você merece alguém que te diga lindas palavras de amor.

- Você já faz isso,Maxon.

- Não, Ames, não minto, você sabe que não faço isso.

Tento relaxar o ambiente, que está ficando pesado.

- Tá bom... você nunca me disse coisas carinhosas, mas me trata bem e vejo que se preocupa comigo. Por que está dizendo isso tudo?

-Ames... seja realista -Maxon endurece a voz. - A palavra "sexo" te dá alguma pista?

Sorrio com amargura. Ele percebe.

- Sim, claro que me dá pistas - digo, interrompendo o que ele estava a ponto de dizer. - Me indica que foi o sexo que nos uniu. Mas, quando duas pessoas se conhecem e se atraem, a primeira coisa que precisa surgir entre elas é química. E nós dois temos química.

- Com esse tal de Aspen também existe química?

De novo menciona Aspen. Isso me incomoda. Me enfurece. Por que não para de falar no Aspen?

- Estou aguardando sua resposta, Ames- insiste, quando vê que eu não respondo.

- Vem cá, você pode esquecer o Aspen de uma vez por todas? Isso é da minha vida particular. Por acaso eu te pergunto sobre sua vida particular? - Ele nega com a cabeça e continuo: - Não entendo aonde você quer chegar, não acho que eu tenha te pedido nada e...

- Não vou te dar nada que não seja sexo.

Sua resposta é irrebatível e minha respiração fica entrecortada. Não entendo suas mudanças de humor. Uma hora ele me olha com devoção e logo depois diz que entre nós só haverá sexo.

- Não tem problema,Maxon. Sou suficientemente crescida para poder escolher com quem vou pra cama e com quem não vou.

- Claro, e espero que você faça isso mesmo. Mas eu não te dei opção.

- Ah, não?

- Não, Ames. Simplesmente gostei de você e te procurei. É o que sempre faço quando alguém me atrai.

Essa resposta me atinge em cheio.

- Babaca! - grito enfurecida. - Agora você está se comportando como um verdadeiro babaca.

Não se move. Não responde.

Maxon se limita a me olhar e a aceitar meus insultos.

-Ames... pode me xingar se quiser, mas você sabe que é verdade. Fui eu que desde o primeiro dia que te vi provoquei tudo o que houve entre a gente. No arquivo. No restaurante aonde te levei. No quarto do meu hotel, quando fiquei assistindo enquanto outra mulher te possuía. Na casa de swing de Barcelona. Você nunca tinha feito nada disso. Mas eu te levei pro meu mundo. Admite, pequena.

- Mas Max...

- Há pouco tempo você disse que não quer participar das minhas brincadeiras, esqueceu?

Está certo... de novo ele está certo.

- Gosto de tudo que faço com você - respondo, perdendo toda a razão que ele disse que tenho. - Seu jogo me atrai e...

- Eu sei, pequena, eu sei - diz, colocando a mão na minha perna. - Mas isso não me impede de pensar que não sou o homem que te merece e que talvez outra pessoa te faça mais feliz. - Está claro em quem Maxon está pensando, mas desta vez não toca no nome dele. - Olha, Ames, gosto de sexo, gosto de jogos eróticos e pervertidos, e adoro ver uma mulher sentir prazer. Neste momento, essa mulher é você, mas algo me diz que preciso parar, que você não deveria entrar no meu jogo ou...

- Não sou a santa que você supõe. Já tive várias relações e...

Meu comentário o faz sorrir e ele me interrompe:

-Ames... para mim você é uma santa, sim. O que você fez nas suas relações anteriores não tem nada a ver com o que quero que você faça comigo.

Meu estômago se contrai.

Só de pensar no que ele quer fazer comigo, fico com a boca seca.

- O que você quer fazer comigo?

- Tudo, Ames , com você eu quero fazer de tudo.

- Estamos falando só de sexo?

A pergunta o pega de surpresa.

Seus olhos não me enganam. Sei que há algo que guarda para si e preciso saber o que é.

- Não. E esse é o problema. Não posso permitir que você fique muito envolvida comigo.

- Mas por quê?

Não responde.

Apenas encosta sua testa na minha e fecha os olhos. Não quer olhar para mim. Não quer responder. Sei que está acontecendo com ele o mesmo que comigo. Sente algo mais, mas não quer admitir.

Permanecemos assim por alguns minutos, até que aproximo minha boca da sua e sussurro:

- Eu te desejo.

Maxon continua com os olhos fechados. De repente, parece muito cansado. Não entendo o que está acontecendo com ele.

- Hoje não, pequena. Um movimento errado e posso acabar machucando seu braço.

- Mas nem está doendo mais... -explico.

-Ames...

- Eu te desejo e quero fazer amor com você. É pedir muito? Daqui a pouco você vai embora e, considerando tudo o que disse, não sei se quando você voltar estaremos juntos de novo.

Minhas palavras o comovem. Consigo ver em seu rosto.


Notas Finais


Comentem aqui a última chance!
Time

1- Espanha! ( Time America!)
2- Alemanha! ( Time Maxon!)

Dá-lhe FANFIC'S


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...