História Peça-me o que quiser - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Austin & Ally, Peça-me o que quiser
Personagens Ally Dawson, Austin Moon, Dez, Personagens Originais
Tags Auslly, Lauramarano, Raura, Rosslynch
Visualizações 130
Palavras 1.568
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Quero pedir que comentem,estou meio desanimada com a fanfic.
Agradeço aos comentários.

Capítulo 7 - Capítulo 7



Nua e com seu corpo rígido sobre o meu, tento recuperar o controle da minha respiração.
O que acabou de acontecer foi fantástico! Acaricio a cabeça dele, que descansa sobre meu corpo, e aspiro seu perfume. É viril e eu gosto. Sinto sua boca sobre meu peito e
isso também é gostoso. Não quero me mexer. Não quero que ele se mexa. Quero aproveitar este momento um pouco mais. Mas então ele gira para o lado direito da cama e olha para mim.
— Tudo bem,Ally?
Faço que sim com a cabeça. Ele sorri.
Instantes depois ele se levanta e sai do quarto. Ouço o chuveiro. Quero tomar banho com ele, mas ele não me convidou. Me sento na cama, que está úmida de suor, e vejo no relógio digital que são sete e meia.
Quanto tempo ficamos tran/sando?
Minutos depois ele aparece nu e molhado. Um te/são! Me surpreendo ao ver que ele pega a cueca e se veste.
— Ontem à noite vocês perderam o jogo contra a Itália. Sinto muito! Mandaram vocês de volta pra casa.
Austin me olha e diz:
— Sabemos perder, eu te disse. Fica pra próxima.
Continua se vestindo sem se perturbar com o que acabo de dizer.
— O que você está fazendo? — pergunto.
— Me vestindo.
— Por quê?
— Tenho um compromisso — responde secamente.
Um compromisso? Vai embora e me deixa assim?
Irritada por sua falta de tato, após o que houve entre nós dois, visto a camiseta e a calcinha.
— Vai repetir com minha chefe? — provoco, incapaz de segurar a língua.
Minha pergunta o deixa surpreso.
Ai, meu Deus! O que é que me deu?
Sem mexer um só músculo de seu rosto, Austin vem até mim apenas de cueca.
— Eu sabia que você era curiosa, mas não a ponto de ler cartões que não são pra você — reage, me examinando com o olhar.
Isso me deixa constrangida. Acabo de me dar conta de que sou uma intrometida. Mas continuo incapaz de controlar minha língua.
— Não me importo com o que você pensa — digo.
— Deveria se importar, pequena. Sou seu chefe.
Com um atrevimento inacreditável, eu olho para ele, dou de ombros e respondo:
— Mas não me importo mesmo assim.
Levanto da cama e vou até a cozinha.
Quero água, água! Não champanhe com aroma de morango. Quando volto, ele está bem atrás de mim.
— Por que você ainda não se vestiu nem foi embora? — pergunto sem me perturbar e erguendo a sobrancelha.
Não responde. Apenas me olha de rabo de olho, de um jeito desafiador.
Furiosa, eu o empurro e saio da cozinha.
Volto ao meu quarto e sinto que ele vem atrás de mim.
— Vista-se e saia da minha casa — grito, virando-me na direção dele. — Fora!
—Ally.. — eu o ouço dizer baixinho.

— Pare de me chamar assim! Quero que vá embora da minha casa. E, aliás, por que você veio mesmo?
Me olha de um jeito que me faz ter vontade de lhe dar um soco. Mas me contenho. É meu chefe.
— Vim você sabe para quê.
— Sexo?
— Sim. Prometi ensinar você a usar o vibrador.
Diz isso e continua imperturbável. Cara de pa/u!
— Mas você me acha tão idiota assim, a ponto de nem saber como se usa um vibrador? — grito mais uma vez, irritada.
— Não, Alls — responde com ar distraído, ao mesmo tempo que sorri para mim. — Eu apenas queria ser o primeiro.
— O primeiro?
— Sim, o primeiro. Porque tenho certeza de que a partir de agora você vai usá-lo muitas vezes enquanto pensa em mim.
Essa certeza cheia de ironia me mata e, contrariada, eu rebato, disposta a tudo:
— Mas que convencido! Metido! Vaidoso e pretensioso! Quem você pensa que é? O centro do mundo e o homem mais irresistível do planeta?
Com uma tranquilidade que me desconcerta, responde enquanto veste a calça:
— Não, Ally. Não me acho nada disso. Mas fui o primeiro a brincar com um vibrador no seu corpo. Isso, goste você ou não, é algo que você nunca poderá negar. E, mesmo que no futuro você brinque sozinha ou com outros homens, sempre... saberá que fui o primeiro.
Ouvir isso me deixa excitada.
Me dá calor.
O que eu sinto por esse homem?
Mas não estou disposta a cair na sua armadilha.
— Tá bom, você foi o primeiro. Mas a vida é muito longa e eu te garanto que não será o único. Sexo é uma coisa maravilhosa e sempre consegui tran/sar com quem eu quis, quando quis e como quis. E você tem razão, senhor Moon . Tenho que agradecer ao senhor. Agradeço por não ter me dado de presente um buquê de rosas insonso e, em vez disso, me presentear com um vibrador que com certeza será muito útil quando eu estiver fazendo sexo com outros homens. Obrigada por alegrar minha vida sexual.
Escuto seu suspiro. Ótimo. Estou conseguindo irritá-lo.
— Um conselho — responde, me pegando de surpresa. — Leve sempre na bolsa o outro vibrador que te dei. Parece batom e é bem discreto para que ninguém, a não ser
você, saiba do que se trata. Tenho certeza de que será de grande utilidade e que você encontrará lugares adequados para usá-lo sozinha ou acompanhada.
Seu comentário me tira dos eixos. Esperava que ele me mandasse à merda, mas não isso.
Mal-humorada, me preparo para rodar a baiana, quando de repente ele me pega pela cintura e me atrai para si. Eu olho para ele e, por um momento, me sinto tentada a dar
uma joelhada no saco. Mas não. Não posso fazer isso. É o senhor Moon, e gosto muito dele. Então põe a mão no meu queixo e me faz olhá-lo nos olhos. E, antes que eu
possa dizer ou fazer qualquer coisa, passa a língua pelo lábio superior da minha boca.
Depois lambe o inferior e, quando sinto sua ereção contra mim, murmura:
— Quer que eu te coma?
Quero dizer que não.
Quero que vá embora da minha casa.
Eu o odeio por me sentir usada!
Mas meu corpo não responde. E se nega a me obedecer. Tudo o que consigo fazer é continuar olhando para ele enquanto um desejo imenso cresce com força dentro de mim e eu nem me reconheço mais. O que está acontecendo comigo?


 

— Alls, responde — exige.

Convencida de que só posso dizer sim, balanço a cabeça concordando e ele, sem rodeios, me vira entre seus braços. Me faz caminhar junto com ele até o aparador do quarto. Apoia minhas mãos nele e me inclina para a frente. Depois arranca minha
calcinha de uma só vez e eu solto um gemido. Não posso me mexer enquanto sinto que ele pega a carteira no bolso de sua calça e, de dentro dela, uma camisinha. Tira a calça e a cueca com uma das mãos, ao mesmo tempo que massageia minha bun/da com a outra.
Fecho os olhos, enquanto imagino que ele está colocando o preservativo. Não sei o que estou fazendo. A única coisa que eu sei é que estou à mercê dele, pronta para deixá-lo fazer o que quiser comigo.
— Abra as pernas — sussurra em meu ouvido.
Minhas pernas têm vida própria e fazem o que ele manda enquanto acaricia meu traseiro com uma das mãos e, com a outra, enrola meu cabelo para me segurar forte.
— Isso, pequena, assim.
E com uma forte investida ele me penetra e eu escuto um gemido ofegante no meu pescoço. Isso me atiça. Em seguida me dá um tapinha caprichado. Gosto disso!
Me seguro no aparador e sinto as pernas fraquejarem. Ele deve ter notado, porque me agarra pela cintura com as duas mãos de modo possessivo e começa a enfiar seu pê/nis
com uma intensidade incrível dentro e fora de mim. Uma vez, outra vez. Uma vez, outra vez.
Naquela posição e sem salto alto, me sinto pequena diante dele. Mais que isso, me sinto como uma boneca que movimentam em busca de prazer. De repente, as estocadas
desaceleram e sua mão abandona meu quadril e desce até minha vagi/na. Enfia os dedos
dentro e procura o clitóris. Minha respiração fica entrecortada.
— Algum dia — diz — vou te comer enquanto te masturbo com o presentinho que te dei.
Digo que sim. Quero que ele faça isso.
Quero que faça agora. Não quero que vá embora. Quero... quero...
Seu movimento vai ficando cada vez mais lento e eu me mexo nervosa, estimulando-o
a aumentar o ritmo. Ele sabe. Ele intui e pergunta no meu ouvido com sua voz rouca:
— Mais?
— Sim... sim... Quero mais.
Uma nova estocada até o fundo. Estou ofegando de prazer.
— Quê mais você quer? — acrescenta, apertando os dentes.
— Mais.
Grito de prazer com sua nova investida dentro de mim.
— Seja clara, pequena. Você está úmida e quente. O que você quer?
Minha mente funciona a uma velocidade doida. Sei o que quero. Então, sem me importar com o que vai pensar de mim, imploro:
— Quero que me penetre bem fundo. Quero que...
Um grito escapa da minha boca ao sentir como minhas palavras o atiçam. Sinto que ele respira ofegante. Minha frase o deixa louco. Suas estocadas fortes e profundas recomeçam e eu me contorço disposta a mais e mais, até chegar ao clímax. Segundos depois, ele goza também e solta um gemido de prazer enquanto me penetra uma última
vez. Exausta e saciada, seguro o aparador com força. Sinto-o apoiado nas minhas costas e isso me reconforta.
Passado um tempo, me recupero e suspiro, e decido tomar um ar. Estou com calor.
Agora sou eu quem caminha até o chuveiro, onde me delicio sozinha com a água deslizando no meu corpo.
Demoro mais que o normal. Só espero que ele não esteja mais em casa quando eu sair.


Notas Finais


Espero que tenham gostado ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...