História Pedido à Estrela - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Sehun
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Exo
Exibições 775
Palavras 5.070
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Estou aqui com uma ChanBaek, não se preocupem por ela estar em andamento, no meu pc está terminadíssima, então não vou enrolar vocês.

Esse capítulo é maior que os outros porque tentei explicar as coisas direitinho, espero que gostem.

Capítulo 1 - Meu cão virou humano!


Fanfic / Fanfiction Pedido à Estrela - Capítulo 1 - Meu cão virou humano!

Sabe aquele dia que você simplesmente quer ficar em casa, então, era o que eu tentava explicar ao Sehun no telefone.

- Baek, vamos sair hoje? Todo mundo vai, só falta você.

- Sehun.... Tenho tanta coisa da faculdade pra fazer, uns trabalhos atrasados e tal..

- Isso daí é desculpa Byun, você quer é ficar sozinho.

- E qual o problema de gostar disso? Credo Sehun.

- Ficar sozinho às vezes é uma coisa, ficar sempre é outra.

- Então eu arrumo um cachorro, sei lá, só não tô afim de sair, tá bom? Beijo...tchau – Eu disse desligando na cara do Sehun.

Que gente chata, não entendem que algumas pessoas são autossuficientes. Qual o problema de ser um homem de 23 anos que não curte muito sair? Eu até vou com eles de vez em quando, mas sair sempre é chato demais. Gosto de ficar em casa sozinho, assistir Netflix, comer uma pipoca.

Pensando bem, a parte do cachorro não seria tão ruim...

Não deve ser muito difícil cuidar de um, certo? Tem gente que tem uns 4 ou 5 cães, eu quero um só...

 Vou adotar um, melhor do que comprar, e não, eu não sou mão de vaca, mas o cachorro que você compra vive em condições muito boas na maioria das vezes, um cão adotado pode ter sofrido muito quando abandonado.

Então acho que está decidido, vou adotar um cãozinho!

~~~

Demorei uma semana, mas encontrei um lugar o qual posso adotar um bichinho. Resolvi ir lá no sábado seguinte para conhecer o lugar.

- Bom dia senhor, posso ajudar? – Uma moça me atendeu assim que entrei pela porta.

- Sim! Eu gostaria de adotar um cachorro.

- Todos os nossos cães foram resgatados das ruas, foram tratados e alguns ainda estão se recuperando, o senhor se importa?

- Não, não. Eu quero adotar um independente da onde ele venha.

- Ok, então me siga por favor.

O caminho que percorremos foi até meio triste, pude ver algumas salas com veterinários cuidando de animais que tinham acabado de chegar, outros bichinhos numa área isolada porque estavam doentes. Chega a ser um absurdo a quantidade de cães abandonados, além de absurdo, é de uma crueldade assustadora, porque se a pessoa tem coragem de fazer isso com um animal que não faz nada além de te tratar bem, o que mais ela não faria?

- Chegamos.

Ela me levou até um espaço aberto, e tinha muitos cães brincando lá. Dá até uma felicidade saber que todos esses bichinhos hoje estão bem, contudo, vi um num cantinho, meio amuado.

- O que houve com aquele grandão ali?

- Ah, ele chegou a pouco tempo. A família maltratava o pobrezinho, e depois o deixou na rua, mas ele não quis nem sair da porta de casa. Quase morreu de fome, e ele não sabe socializar muito com os outros cães, então prefere ficar sozinho.

Seria eu mesmo só que em forma de cachorro? Lógico que minha família não me abandonou, nem me bateu, mas eu me identifiquei.

- Posso ir até ele?

- Claro! O nome dele é Chanyeol. Foi a família antiga que deu o nome, e ele não aprende outro, só responde por esse.

Me aproximei devagar, ele era grande, com o pelo marrom e olhos tão tristes. Estava sentado alheio a qualquer coisa que acontecia, acho que nem percebeu que eu chegava, então chamei seu nome.

- Chanyeol? Oi menino, posso fazer carinho? – Estiquei a mão pra ele cheirar. Depois de levar uma puta de uma mordida do cachorro de Jongdae, nunca mais passo a mão num cão sem deixar que ele me cheire primeiro.

Chanyeol nem se mexeu, então me sentei em sua frente e fui com a mão em direção a sua cabeça, o que partiu meu coração foi que ele fechou os olhinhos, como se fosse apanhar sabe? Então comecei a passar a mão de levinho em sua cabeça e ele ficou me olhando.

- Você é tão lindo menino, tenho vontade de te apertar de tão fofo, mas acho que você vai se assustar né? – Sim, eu converso com animais, e vocês deviam conversar com o de vocês, eles podem não entender o que está dizendo, mas reconhecem o som da voz.

Fiquei um tempo acariciando o pelo do cão, ele parecia até mais animadinho, e nem por um segundo considerei adotar outro bichinho.

- Hm.... Moça? Quero ficar com Chanyeol.

- O senhor tem certeza?

- Sim, por que? – Me afastei do cão em direção a moça e Chanyeol me seguiu.

- Ele é muito complicado, é bem difícil fazê-lo comer, bem quieto, não vai querer brincar muito até se acostumar com o senhor... Ele não está totalmente recuperado dos maus tratos que recebeu.

- Então pretendo ajudá-lo, não vou desistir de Chanyeol.

- Ok senhor, mas se não o quiser mais, por favor não o deixe na rua, apenas traga de volta e poderemos encontrar outro para o senhor.

Eu não respondi nada para não ser indelicado, minha vontade era perguntar pra aquela mulher se ela comia bosta dos cães que estavam lá. Como eu faria isso com o cãozinho? Pegar um cão que uma vez já foi abandonado e abandoná-lo novamente? Esse é o problema das pessoas em relação a animais, elas olham pra eles como descartáveis. Tá doente? Deixa morrer. Late muito? Sacrifica. Briga com outros cães? Doa. Cresceu e não é mais aquele filhote fofo? Vende. Não, animais criam vínculos com as pessoas, não é tão simples assim para eles.

Sim, eu sou um defensor dos animais. Já vi muito cachorro apanhando na rua pra defender todos os ideais, e até os que já me morderam não eram ruins. Aprendam: não existe cachorro mau, existe cachorro que não teve uma criação boa.

ENFIM.

Assinei uns papeis, Chanyeol passou por um veterinário para ter certeza que estava tudo certo, fui avisado que ele já tinha tomado todas as vacinas então podia andar na rua sem medo de pegar alguma doença. Antes de sair da casa de adoção, meu telefone tocou.

- Fala Kyungsoo, sua praga.

- Nossa Byun, credo, cadê o respeito?

- Eu sou mais velho que você, cadê você me chamando de hyung?

- Ok hyung. Te liguei para a gente almoçar juntos hoje, tá afim?

- Acabei de adotar um cachorro Soo, não quero deixá-lo sozinho agora. Tenho que comprar ração, pote e tal, e ele não conhece meu apartamento...

- UM CACHORRO? VOCÊ É DOIDO? VOCÊ MORA EM APARTAMENTO SUA ANTA.

- Pelo amor de deus não berra na minha orelha seu louco. Sim, um cachorro. Eu conversei com o síndico, vou ter que pagar uma taxa a mais, mas tá tudo certo. E pretendo levar Chanyeol pra passear.

- Ai eu quero conhecer ele, vou pra sua casa.

- Há 3 segundos atrás você estava berrando comigo Kyungsoo. Deixa ele se ambientar primeiro, depois eu chamo todos vocês lá.

Desliguei o telefone, Chanyeol estava sentadinho do meu lado, olhando para minha cara.

- Vamos Chan, quero comprar umas coisinhas pra você.

Depois de gastar metade do salário com ração, brinquedos, coleira, potinho pra por a comida, enfim, coisas de cachorro, cheguei em casa.

- Chan, vou deixar sua caminha perto da minha tá?

Ele era uma gracinha, me seguia de um lado pro outro. Coloquei ração pra ele, mas ele nem tchum, pensei que não estava com fome e deixei lá. Lavei as mãos e fui fazer comida pra mim.

Depois do almoço tentei brincar um pouco com ele, mas ele só deitou e ficou me olhando com aqueles olhos grandes.

- Tudo bem Channie, um passo por vez.

~~~

A primeira semana que Chanyeol começou a morar comigo passou depressa, nos primeiros dias ele não quis comer, liguei desesperado pro lugar onde o adotei, eles falaram pra eu misturar aquelas comidas prontas de cachorro, e até que deu certo. Com o passar dos dias eu fui diminuindo a quantidade e ele passou a comer a ração pura. O que cortava o coração, era sair pra faculdade de manhã. Chanyeol sempre me acompanhava até a porta e chorava, qualquer momento que eu passasse perto daquela porta ele gania, como se eu fosse o abandonar. Dava vontade de nem sair.

Quando eu chegava do meu trabalho de meio período ele fazia um escândalo. Latia, saia correndo, pulava em cima de mim e todas as vezes eu caía no chão por conta do tamanho dele.

No primeiro sábado que eu passaria com ele, Kyungsoo me manda uma mensagem.

“Byun, hoje você não vai nos enrolar, somos todos solteiros e vamos numa balada, você também. ”

“Que bom que você faz todas as decisões por mim Soo, fico muito feliz. ”

“Quero nem saber, esteja pronto as 22 horas que vamos passar pra te pegar. ”

“Não posso deixar o Channie... Ele fica tão tristinho quando eu saio, dá uma dó.”

“Agora nunca mais vai sair de casa por causa de um cachorro? ”

“Ei ele é família! Dessa vez eu vou só pra vocês pararem de me encher o saco. ”

Deixei o telefone de lado, levei Chanyeol para passear e tentei ficar o máximo que podia com ele, a noite foi chegando e eu comecei a me arrumar. Quando deu a hora dos meninos chegarem eu fui em direção a porta, Chanyeol deitou no chão e começou a chorar.

- Não Channie, não faz isso comigo. Eu vou voltar, prometo, nem vai ser muito tempo.

Fiz carinho, o enchi de beijos e saí.

Na balada, pra variar, estava todo mundo bêbado. Eu só conseguia pensar no meu cão, e como ele estaria na minha ausência.

- Byun, você não tomou nem uma cerveja – Sehun disse me abraçando – Bebe um pouco, tenta relaxar – O moreno começou a me dar uns beijos no pescoço.

- Hm, Sehun? O que você está fazendo?

- Você está tão gostoso com essa calça justinha hyung, quero arrancar ela inteira – Sehun falou no meu ouvido.

- Eu não vou comer ninguém nesse banheiro da boate, muito menos dar lá, coisa suja.

- Vamos pro carro do Kyungsoo, ele não vai se importar.

Até pensei em rejeitar, mas eu estava tão estressado, quem rejeita uma foda que promete ser boa assim? Sehun pegou as chaves com o Soo, que ficou olhando confuso, fomos pro carro e começamos a nos beijar.

Mesmo bêbado Sehun beijava muito bem, estávamos no banco de trás e ele movia seu corpo contra o meu e eu arfava baixinho. Quando o maior ia começar a tirar minha roupa, Kyungsoo nos interrompeu.

- Baekhyun estava passando mal né, Sehun? Você tá tirando a febre dele como? Com a língua? Sai do meu carro, não quero isso aqui com porra dos outros.

- Você não perguntou pra ele, Sehun?

- Não porque ele não ia deixar.

- Ai meu deus – Revirei os olhos – Desculpa Soo, achei que tinha deixado.

- Em que planeta eu ia deixar você transar no meu carro?

- Não sei.... Me leva pra casa? Tô cansado, ou eu chamo um taxi mesmo.

- Eu te levo, são 3:30 ainda, tá cedo, mas eu levo.

Sehun já veio de graça pro meu lado e eu mandei ele caçar outra pessoa na balada. No caminho eu percebi que Kyungsoo queria perguntar algo, mas estava enrolando.

- Desembucha coruja.

- Você ia dar pro Sehun mesmo?

- Ué quem disse que eu ia dar? Podia comer...

- Aham, do jeito que eu vi vocês ele tinha cara que ia dar pra você, claro.

- Fiquei afim, qual o problema?

- O problema é que você muitas vezes se apega a quem você transa, sabe deus o porquê disso, mas fica. E Sehun é daquele jeito lá, bebe, sai bastante, come tudo que se move...

- Eu só estava afim de transar, Kyungsoo.

- Correção, você estava afim de carinho. Desde que Xiumin te chutou, você tá assim, por isso pegou o cachorro.

- Não fala dele pra mim... E eu amo meu cachorro tá? Ele não me abandona.

- Não fica assim Baek, Xiumin não te merecia ok? Chegamos, vai deitar, descansa e vê se não dá pra pessoas que vão te magoar depois nesse meio tempo tá? Se for fazer merda me liga que eu empato sua foda.

Dei risada, agradeci Kyung por me deixar em casa e segurei o choro até entrar no meu apartamento. Como sempre, Chanyeol veio pulando, mas eu o ignorei, comecei a tirar as roupas até ficar só de cueca e me deitei na cama. Meu cãozinho estava me olhando e abanando o rabo, esperando que eu o acariciasse.

- Vem cá – Eu bati a mão na cama, ele subiu e se deitou ao meu lado, eu o abracei e comecei a chorar – Por que você não é humano? Você não me abandonaria, e eu também não faria isso com você – Me levantei pra pegar meu celular e vi uma estrela cadente passar pela janela – Olha só Chan, uma estrela cadente. Se eu pudesse pedir apenas uma coisa nesse mundo, seria que você fosse humano Chanyeol, mas infelizmente pedidos as estrelas não funcionam.

Chanyeol tentava lamber meu rosto quando voltei a me deitar, entrei debaixo das cobertas e adormeci.

No dia seguinte acordei e dei um puta de um grito. Tinha um homem pelado na minha cama, meu deus, eu transei com alguém ontem e esqueci? Mas eu nem tinha bebido, como pode isso? Fui sair da cama e ele acordou, deu o maior sorriso do mundo e ficou olhando pra mim, como se esperasse alguma coisa.

- Q-quem é você?

- Baek, o que foi Baek? Por que parece assustado? Não vai me fazer carinho? Senti tanto a sua falta – O homem disse e veio mais perto de mim, eu instantaneamente saí da cama.

- Quem é você? Como entrou aqui e por que está pelado??

- Sou eu, Chanyeol!

- O que? Eu preciso me sentar.

Me sentei na cama, de costas pro homem. Como assim ele era Chanyeol? Inclusive, cadê meu cachorro? Me levantei desesperado.

- Chanyeol, Chanyeol onde você está? Vem cá meu anjo, onde você está? – Comecei a procurá-lo pela casa inteira e nada, o mais desesperador é que a porta estava trancada, como eu deixei ontem.

- Estou aqui, estou aqui! – O homem veio atrás de mim.

- Mas você é humano!

- Que coisa né, eu não sei o que aconteceu.

- O que você fez com o meu cachorro?

- Sou eu, Chanyeol – Ele respondia tudo com um sorriso bobo no rosto. Como isso pode acontecer? Ele era um cachorro e....

- O que você sabe sobre mim? – Tentei testá-lo.

- Sei tudo, seu nome é Baekhyun, você sempre me faz carinho e me dá comida, fico muito feliz quando me faz carinho. Todo dia de manhã você me abandona, eu choro e você nem liga, vai embora mesmo assim. De noite você volta e eu te recebo sempre na porta. Às vezes água sai do seu olho de noite, que nem ontem, eu tento tirar, mas você não deixa! Me faz carinho por favor?

Ele colocou sua cabeça debaixo da minha mão e ficou me olhando, comecei a acaricia-lo de leve e o suposto Chanyeol fechou os olhos, com um sorriso no rosto.

Como isso pode acontecer? Meu cachorro virou humano!

- Ok, vamos resolver algumas coisas primeiro.

- Por que será que estou nessa pele? Estou com tanto frio.... Cadê meu pelo?

- Vem, eu vou te dar roupas.

Chanyeol me seguiu, e ele era bem mais alto que eu, então foi complicado arrumar algo pra ele vestir. Peguei uma cueca, uma calça de moletom, a maior camiseta que eu tinha e meu moletom de dormir.

- Toma, coloca isso.

Fui pegar algumas roupas pra mim também, quando virei Chanyeol tinha colocado a cueca na cabeça e tentava passar a blusa pelas pernas.

- Não Channie!

- Desculpa!!! – Ele se curvou um pouco e fechou os olhos, como se eu fosse bater nele.

- Está tudo bem, desculpa ter falado alto. Você está vestindo errado, deixa eu te ajudar.

Ele ficou me observando enquanto eu o vestia, foi até engraçado a cara que ele fazia.

- Chan, presta atenção pra você fazer sozinho depois.

- É estranho isso, o que você tá fazendo comigo?

- Estou te vestindo, humanos precisam usar roupas, não podem ficar pelados assim.

- Mas eu sou cachorro!

Depois de vesti-lo, o levei até o espelho e tentei explicar algo que nem eu podia compreender ao certo.

- Olha só Chanyeol, somos iguais. Viu? Braços, pernas.

- Você é nanico. É um filhote?

- Não Channie, eu sou humano adulto, que nem você, mas as pessoas têm alturas diferentes.

- Estranho, tô com fome – Ele virou as costas e saiu do quarto.

Quando percebi que ele ia comer a ração que estava no prato, eu dei um grito.

- NÃO CHANNIE!

- O que eu fiz? O que eu fiz?

- Não come isso!

- Mas você fazia carinho em mim quando eu comia, por que está brigando comigo?

- Eu vou fazer outra coisa pra você. Senta ali – Apontei pro sofá e ele me obedeceu. Enquanto fazia algo pro Chanyeol comer, mandei mensagem para o Kyungsoo.

“Soo.... Preciso de ajuda. ”

“O que houve Baek??”

“A quanto tempo nós nos conhecemos? ”

“Há muitos muitos anos, talvez uns 6”

“Qual a coisa que eu mais odeio? ”

“Mentiras. ”

“Ok, então você sabe que eu não minto, correto? ”

“Sim Baek, você é irritantemente verdadeiro e honesto, o que aconteceu? Tô preocupado! ”

“Eu tô interrompendo alguma foda? ”

“BAEK DESEMBUCHA. ”

“Tem como você vir aqui? ”

“Estou a caminho. ”

Terminei de fazer um sanduíche para Chanyeol, com um copo de suco. Coloquei tudo na mesa e chamei para ele se sentar, depois disso ele foi tentar enfiar o rosto no lanche.

- Não Channie – Eu falei dando risada – Pega com as mãos, assim – Mostrei a ele como fazia e depois ensinei a pegar o suco. Assim que ele terminou de comer, eu pedi para que ficasse no sofá, liguei a tv e deixei em qualquer canal enquanto esperava Kyungsoo.

O porteiro nem me pergunta mais se Kyung pode subir, apenas abre a porta. Então como Soo já tinha a chave, foi entrando.

- O que houve Byun? – Soo perguntou, nisso Chanyeol começou a ficar muito animado.

- Gente nova? Gente nova? Quem é ele? Não conheço, quem é?

- Chanyeol, senta aí no sofá. Kyung, vem comigo – Arrastei meu amigo até meu quarto e fechei a porta.

- Você quis que eu conhecesse sua nova foda ou...? Espera. Chanyeol não é o nome do seu cachorro?

- Kyungsoo, nem eu tô entendendo o que está acontecendo aqui. Ontem eu fiz um pedido a estrela cadente que passou para que Chanyeol fosse humano, eu estava triste e pensando em Xiumin, foi algo inocente e besta. Essa manhã eu acordei, meu cachorro tinha sumido e tinha um homem moreno, com a mesma cor de cabelo e olhos que Chanyeol tinha, totalmente pelado, deitado na minha cama!

- Calma aí, você quer me dizer que seu cachorro é um humano?

- SIM PORRA. Ele age como cachorro, mas é humano, agora pouco foi tentar comer a ração.

- Mas como isso é possível Baek hyung??

- Como eu vou saber? Nunca mais faço pedidos a uma estrela.

- ME AVISA QUAL ESTRELA QUE ERA QUE EU PEDIA PRA FICAR RICO! TANTA COISA PRA PEDIR E VOCÊ PEDE QUE O CACHORRO VIRE HUMANO? PEDE PRA TRANSAR COM ALGUÉM FAMOSO SEU BOSTA.

Antes que Baek possa responder, Chanyeol estava arranhando o outro lado da porta.

- Baek? Está tudo bem? Ouvi um som alto. Está tudo bem? Aquele homem está te machucando? Abre a porta, eu não consigo.

- Viu!! – Eu disse baixinho e fui em direção a porta – Channie, para abrir uma porta você precisa só girar a maçaneta assim – Chanyeol entrou e pulou em cima de Kyungsoo – NÃO CHANYEOL, CHANYEOL SENTA.

Ele saiu de cima do meu amigo e se sentou.

- Ele não estava me machucando não.

- Ah ok então, desculpa moço – Chanyeol disse e ficou sorrindo, acredito que se ele fosse cachorro, abanaria o rabo.

- Que susto da porra.

- Porra? O que é porra?

- Kyungsoo, olha o que você fala perto dele!!

- O que é Kyungsoo?

- É o meu nome. Eu sou o Kyungsoo, sou amigo do hyung

- Não! Eu sou amigo dele.

- Channie, vai lá pra sala vai? Eu já vou lá com você – Chanyeol se levantou e parou na minha frente, fiz carinho nele e ele foi embora.

- O que eu faço Kyungsoo? – Fechei a porta novamente.

- Eu não sei. Desejos de estrela tem prazo de validade? Sinceramente não sei – O telefone do Soo tocou e ele atendeu, infelizmente eu pude ouvir Sehun falando.

- KYUNGSOO, VOCÊ ME DEIXOU PELADO SOZINHO NO SEU APARTAMENTO SEU CUZÃO.

- Baek precisou de ajuda, já vou voltar aí, te tranquei né? Já tô indo. – O moreno me olhou corado até não dar mais.

- Ah eu não posso foder o Sehun mas você pode né seu puto?

- N-não é isso Baek, não fica bravo, eu bebi e acabou acontecendo....

- Não estou nem um pouco bravo, como que foi?

- Que? Não tá bravo?

- Não, você estava certo, não devo me envolver com ele, ainda estou chateado por causa do Min, mas me conta tudo.

- Eu voltei pra festa, bebi um pouco mais... Ele pediu pra dançar comigo, acabamos nos beijando e depois fui pra casa com ele.

- Eu não quero a versão +12 anos, quero a +18, me conta direito viado.

- Não vou ficar comentando disso não, ele é bom, foi gostoso, mete bem e pronto.

- Nossa você não serve pra nada mesmo.

- Vai assistir pornô, eu não vou deixar você imaginar minha foda com o Sehun, agora tchau porque eu tranquei ele em casa.

- Mas mas mas....

- Mas o que?

- O que eu faço cacete? Com ele....

- Ensina ele a ser humano.

Kyungsoo saiu pela porta, eu até deitei na cama pra ver se colocava as ideias no lugar. Ensinar ele a ser humano.... Isso vai ser difícil. Enquanto estava viajando, sinto algo do meu lado, quando olho Chanyeol está se aninhando junto a mim.

- Estava com saudade. Você estava com saudade? Por que me deixou só tanto tempo? Não me deixe.

Comecei a dar risada, é realmente engraçado como os cães pensam.

- Me manda pro petshop? Preciso de banho.

- Você agora pode tomar aqui em casa Channie. Vem, vou te ensinar, e depois vamos comprar roupas do seu tamanho.

Levei ele até o banheiro, ajudei o a tirar as roupas, era até engraçado se não fosse trágico. Ele parecia um bebê enorme, mas o corpo era de homem feito, e que homem.... Não posso pensar nisso, ele era meu cachorro, vocês parem em.

- Toma comigo, me ensina.

- Q-que? Tomar banho com você? Humanos normalmente não fazem isso Channie... Só ficam ahm.... Sem roupa na frente de outras pessoas que eles gostam.

- Eu já te vi sem roupa antes, e outra coisa, você não gosta de mim? – Ele me deu um olhar tão triste, que nem estava no dia que o encontrei.

- Gosto Channie, mas...

- Então vem logo.

Não adiantava discutir com o cachorro, ou humano, não sei. Tirei as roupas e fui tomar banho também, ensinei pra ele como fazia, porque ele estava num corpo gosto demais pra eu fazer isso por ele. Nos secamos, e foi engraçado porque ele tentou chacoalhar o corpo, mas o sequei com a toalha e ele teve que voltar a usar as roupas de antes, porque eu não tinha mais nada que caberia nele.

- Vem cá, senta aqui na cama que eu vou secar seu cabelo.

- Ah não, é aquilo que fica assoprando no meu rosto? Eu odeio aquilo.

- É o secador Chan – Respondi dando risada – Não é tão ruim, vem.

Ele se sentou na minha frente, eu estava com o secador em mãos, liguei e ele até olhou feio pro objeto, eu estava quase passando mal de tanto rir.

- Calma Channie, abaixa a cabeça e chega mais perto, você é muito grande.

Passava a mão no cabelo dele enquanto secava, era tão gostoso, e isso foi dando sono no maior, que deitou no meu colo enquanto eu terminava de secar seus fios. Desliguei o secador e continuei fazendo um cafuné nele, Chanyeol dormiu e eu fui tentar sair devagar, mas ele acordou e pegou no meu braço.

- Vem dormir comigo? Tô com soninho.

- Tentador, mas precisamos comprar roupas pra você.

- Gosto das suas, tem o seu cheiro.

- É...ahm... Mas elas são pequenas demais pra você. Vamos passear? Vai ser legal.

- Passear? Eu quero! Por que não disse antes? – Chanyeol saiu correndo e voltou segurando sua guia e coleira.

- Channie.... Humanos não usam coleira na rua.

- Mas e se eu me perder? E como as pessoas vão saber que eu pertenço a você? Como vão me devolver?

- Calma, eu vou estar do seu lado o tempo todo, não vou te perder.

- Tá...

- Vamos então.

Saímos e entramos no meu carro, eu tentei discutir com Chanyeol que humanos não ficam com a cabeça pra fora da janela, mas vai tentar explicar isso pra alguém que até ontem era cachorro.

- Chegamos – Disse assim que terminei de estacionar o carro na rua – Fica parado pra eu tirar o cinto, por que está tão agitado?

- Um gato, eu vi um gato, quero pegar ele.

- Chanyeol, você não ouse correr atrás do gato! Tá me ouvindo? – Ele fez que sim com a cabeça e saímos do carro.

Depois de passarmos em algumas lojas, já estávamos com uma sacola e nossa, como era difícil achar roupa pra ele, aquele homem era imenso. Quer dizer, talvez eu que seja pequeno...

- Baek Baek – Ele me chamou.

- O que foi?

- Por que aquelas duas pessoas estão grudadas?

- Estão de mãos dadas Channie, significa que eles são um casal.

- Nós somos um casal?

- Não, eles têm um romance.... Ahm procriam, sabe?

- Eles fazem isso aqui no meio da rua também? Que nem nós cachorros?

- É um pouquinho mais complicado Channie.... Os humanos eles não fazem só isso, quando eles gostam um do outro, querem estar perto, saem juntos e fazem sexo não só pra procriar, entende?

- Ah, então podemos fazer? Eu gosto de você.

- Não Chan, é um outro tipo de gostar... Ahm, é difícil te explicar, as pessoas têm que se amar.

- Mas eu te amo.

- Ai Chan, depois eu te explico melhor tá bom?

- Baek, eu preciso fazer xixi, como que faz isso sendo humano?

Ai jesus cristo me ajuda!

- Acho que se eu te explicar você não vai entender, vamos num banheiro mais reservado.

Entramos numa lojinha e eu perguntei se podia usar o banheiro, a mulher deixou e assim que ela voltou pra atender uma pessoa eu entrei rapidinho com o Channie lá, se ela visse ia achar que era um casal gay doido pra transar em qualquer canto mas ok. Ensinei a ele como fazia, quase morrendo de vergonha, mas ensinei, de agora em diante ele que se vire porque eu não quero ficar vendo o pinto dos outros não. Quer dizer, eu gosto de pinto, mas não nessa situação. Ele lavou a mão, eu até comprei uma besteirinha da loja pra agradecer a moça (que graças a deus não me viu saindo do banheiro com ele) e voltamos pra casa quase de noite.

- Vou arrumar espaço pra você no meu armário, fica aí na sala vendo tv que eu já venho fazer algo pra gente comer, ok? – Ensinei ele a mexer no controle da tv e fui pro quarto, quando voltei estava tão cansado que só pedi uma pizza, melhor do que realmente cozinhar – O que está assistindo? – Perguntei me sentando ao lado dele.

- Não sei, só deixei aí. O que eles estão fazendo?

- Se beijando.

- O que é isso?

- Isso é uma das coisas que as pessoas fazem quando namoram. Lembra do casal que vimos antes? Eles devem fazer isso também. Hm, sabe quando você tenta lamber a mim? É tipo isso, afeto.

- Hmm... Onde você vai? Fica fica – Ele perguntou assim que eu fui atender o interfone.

- Eu comprei comida pra gente Chan, calma, só vou lá embaixo buscar e volto.

Assim que entrei em casa, Chanyeol correu pra me abraçar.

- Que saudade, onde você foi? Que demora!

- Chanyeol! Eu desci por 10 minutos, nem isso.

Ele me largou e me deu um olhar triste. Eu preciso começar a ser mais paciente com o coitado, afinal eu não brigava com ele toda vez que o Chanyeol versão cachorro me atacava na porta.

- Desculpa, vamos comer hum? Vou tentar te ensinar a usar garfo e faca.

Nem preciso dizer que foi um desastre né? Cortei em pedaços pra ele aprender ao menos usar o garfo, depois lavei a louça e peguei sorvete pra dividir com ele.

- Quer? Isso aqui é de chocolate.... Quando você era cachorro, eu não podia te dar porque faz mal, mas agora que é humano, não deve dar problema. É bem gelado, pega pouquinho.

Esperei ele provar, pra ver a reação dele, e foi muito bonitinha, ele fez uma carinha tão feliz.

- Que gostoso, o que é isso?

- Sorvete. Pega com a colher assim olha – Mostrei pra ele e comi um pouco.

Ficamos um tempinho dividindo o sorvete, quando acabou ele lambia a colher, eu tentei não pensar besteira, mas aquela anta lambia a colher toda, de cima a baixo, e tava com a boca toda suja...

- Baek? Por que está me olhando assim?

- Q-que? Ah.... Sua boca tá suja, vou pegar o guardanapo – Coloquei a louça na pia, guardei o pote do sorvete e voltei pra limpar a boca dele.

Ele se aproximou e eu pude ver o quão linda aquela boquinha era. Passei o guardanapo com cuidado e depois joguei na mesinha de centro.

- Baek... Posso te beijar?

 

Continua.......


Notas Finais


Aos guerreiros que chegaram até aqui, obrigada.
Quem puder deixar um favezinho e um comentário eu fico muito feliz <3

se quiserem falar comigo, me chamem no twitter @pcyjdae

Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...