História Pela Janela - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Fugaku Uchiha, Hidan, Itachi Uchiha, Izumi Uchiha, Kakuzu, Kisame Hoshigaki, Konan, Mikoto Uchiha, Sasori, Sasuke Uchiha, Yahiko
Tags Akatsuki, Itachi, Kakukisa, Kakuzu, Kisaita, Kisame, Kisamexitachi, Romance
Exibições 75
Palavras 8.958
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi Meus Lindos e Lindas, gome nasai pela demora mais tem explicações para isso.

Primeiro o capitulo estava pronta quarta passada as 4 da madrugada sim, eu havia acabado mais a, o Word da tia quis trolar ela, falando que a chave do produto estava vencida,resumindo a tia perdeu tudo, tive que refazer essa semana, então perdoa por favor rsrs.

Segundo, porque não reescrevi no fim de semana, simples foi o primeiro niver do meu pequeno então momento novata em festa de aniversario, não sabia que era tão difícil então desculpas novamente, mas....

Sem mais delongas espero que gostem de coração.

Boa Leitura :*

Capítulo 12 - Apenas faça-o Feliz


Fanfic / Fanfiction Pela Janela - Capítulo 12 - Apenas faça-o Feliz

Meus olhos ardiam, a chuva havia engrossado, o aperto no volante era necessário pois a pista parecia que havia óleo, os limpadores já não ajudavam muito, o ar em meus pulmões entrara com dificuldade, meu lábio já machucado de tanto que o morde para não chorar, mas era em vão foi tolo em achar que poderia ser feliz sem fazer os outros sofrerem, foi impensado achar que apenas o teria para mim, mas o ver daquela forma, daquele jeito, nunca senti uma dor tão agoniante, uma dor que passara como uma lamina em meu peito, as lagrimas morriam em minha camisa, o finos fios que rasparam em meu rosto pareciam laminas, mordi meu lábio novamente sentindo o gosto do ferro, logo avistei a casa mal podia ver sua cor direito, o número grande indicava que aquele era o lugar, o portão estava aberto, entrei com meu carro o estacionando, desliguei o mesmo parando por alguns minutos, peguei meu celular vendo seu número no visor.

Itachi: Gome Kisa....                     

Passei a mão em meu rosto descendo do carro, as gotas cariam forte em minha blusa, um arrepio de medo e ansiedade dominava meu corpo, caminhei a paços lentos ate aquela grande porta na cor azul escura, subi as pequenas escadas vendo que estava tudo em um completo silencio, se não fosse pelo meu pai não saberia onde ele morava, fechei meus olhos deixando a ultima lagrima cair, bate na porta, não ouvindo nada, meu peito doía, meu corpo retraia em pensar que estava ali, bati novamente ouvindo algo de dentro da casa, engoli em seco me lembrando dele, Kisame estava chorando, o desespero era nítido em seu rosto, eu havia o abraçado, mais as lagrimas não sessavam, sua pele estava fria, seu rosto um pouco inchado, sua boca machucada, mas ele não ligava não se importava, ele me abraçou dizendo que nada disso era culpa minha, mas no fundo eu sabia, sabia que tudo oque ouve com ele foi por minha causa, por ter aparecido em sua vida, então o único jeito e saindo dela, ouvi a porta se ranger e o moreno aparecer em minha frente, seus olhos verdes estavam avermelhados, o cabelo desgrenhado, a roupa amassada.

Kakuzu: Oque você esta fazendo aqui? –Diz ríspido.

Itachi: Precisamos conversar! Digo serio.

Kakuzu: Conversar ?!

Itachi: Kakuzu só me escuta.

Kakuzu: SAI DAQUI!!!

Itachi: Não, não vou sair daqui enquanto você não me ouvir!

Ele se aproximou trincando seus dentes, meu corpo inteiro dizia que eu iria apanhar, mas não moveria um músculo se ele o visse-se.

Kakuzu: É oque um merda como você quer me dizer, que e bom transar com ele?-Sorriu de escarneio.

Ele esta bêbado, mas não será agora que voltarei atrás.

Itachi: Vim pedir para você ir falar com ele.

Kakuzu: Como?-Sorriu com desdém.

Itachi: Ele esta triste Kakuzu.

Kakuzu: E dai, agora ele tem um puto particular.

Itachi: .....

Kakuzu: Some daqui....

Itachi: Kakuzu.

Ele se virou de uma única vez socando meu rosto, com força acabei cambaleando e me escorando na viga atrás de mim, senti minha boca dormente e logo a dor se fez presente, meu rosto doía, olhei para ele novamente mais logo o outro lado do meu rosto foi acertado, meu corpo pedia para sair dali, melhor revidar, acabar com ele de uma única vez, mas não o faria, não conseguia, segurei na viga novamente sentindo sangue em minha boca, o mesmo desceu pelos meus lábios, olhei para ele que segurou em minha blusa me puxando, logo foi jogado contra a parede, suas mãos apertaram fortemente minha blusa, uma delas se soltou fechando em um punho, fechei meus olhos sentindo meu rosto latejar novamente, minha face estava dormente, minha cabeça começou a doer, olhei para baixo vendo meu sangue em seu punho, forcei meus olhos o olhando, seus olhos estavam lagrimejando, Kakuzu trincou seus dentes forçando sua mão, logo veio em meu estomago me fazendo cuspir  sangue, minhas pernas protestaram o peso do meu corpo, cai de joelhos no chão tentando puxar o ar que me faltara, logo senti meu cabelo ser puxado com força.

Kakuzu: Porque não revida Uchihazinho merda!

Trinquei meus dentes com o aperto exagero em meu cabelo, o ar entrava com dificuldade o sangue saia pela minha boca junto da saliva, Kakuzu se levantou mas rapidamente senti uma dor maior em minhas costelas, o sapato fino chutara com força meu estomago, passei minhas mãos mais acabei caindo com a dor dilaceradora que senti, meu corpo inteiro estava fraco, minha cabeça doía, senti seu pé vir ate meu estomago me virando, apertei o tecido fino sentindo meu estomago revirar, Kakuzu me olhava com raiva ódio, fechei meus olhos me lembrando do motivo de estar ali, do porque vim pedir ao menos para ele falar com o Kisame, a lembrança das lagrimas descendo em seu rosto, o lábio inchado que sumira com o sorriso que tanto amo, abri meus olhos novamente vendo Kakuzu sentar em cima de mim, o peso do seu corpo havia me imobilizado.

Kakuzu: Sei que você pode se defender porque não o faz então?-Disse serio.

Itachi: Nunca irei tocar em você Kakuzu....

Minha voz saiu fraca, minha garganta doía a cada tentativa de falar, sua mão veio em minha garganta a apertando.

Kakuzu: E porque?

Itachi: Ts.....ele ama você......

Senti o aperto se desfazer, olhei para ele o vendo ainda com o senho franzido.

Kakuzu: E por acaso você sabe oque e isso?

Itachi: Ele...te ama...mas não do jeito que você ama ele......

Ele ficou imóvel me olhando.

Itachi: Eu...não queria fazer você...passar por isso Kakuzu nem...muito menos o velo assim..

Sua mão se afastou do meu pescoço.

Itachi: Eu só quero velo feliz, e se para isso, eu precisar sumir eu o farei....

A dor voltou em meu peito, a ardência em meus olhos já não me importava, fechei os mesmo sentindo as lagrimas descerem, logo os abre sentindo minha cintura livra, olhei para ele que desviou o olhar.

Kakuzu: Faria isso por ele?

Apoiei-me na parede ficando de pé, a dor dificultava ficar ereto, passei minha mão em meu estomago tentando normalizar minha respiração.

Itachi: Sim, apenas quero velo feliz......

Ele me olhou franzindo o senho, sabia que não ouviria uma resposta mais seus olhos me dizia que era isso o que deveria fazer, abaixei minha cabeça sentindo meu peito arder de novo.

Kakuzu: Faça!-Diz frio.

Itachi: Por favor, só o faça feliz.....

Me afastei indo ate as escadas.

Kakuzu: Porque não tocaria em mim Uchiha!?

Virei-me o olhando de canto.

Itachi: Eu nunca machucaria alguém que ele ama.

Continuei a andar, as gotas batiam contra meu rosto que já começara a inchar, abri a porta do carro entrando na mesma, olhei para a porta vendo Kakuzu me olhar, seu semblante estava diferente confuso, dei partida no carro saindo de sua casa, dirigi um pouco ate chegar em uma rua deserta, estacionei o carro o desligando o barulho da chuva batia forte contra o metal, apoiei minha cabeça no volante deixando as lagrimas caírem.

Itachi: Por favor me desculpe, Kisame me perdoa!

Meu peito doía, doía tanto que chegara a me sufocar, peguei meu celular vendo seu número uma ultima vez, tirei a tampa de traz do mesmo pegando meu chip, as lembranças do seu sorriso, do seu cheiro, dele em seu trabalho, sorri amargo ao menos lembrando que foram poucos dias, mas os únicos dias que podia realmente sorrir por estar feliz, abaixei o vidro sentido as gotas entrarem molhando minhas roupas, quebrei o chip o jogando pela janela, me escorei no banco sentindo meu corpo pesado, meu rosto estava latejando, liguei o carro novamente vestindo a marcara que meu pai sempre me obrigou a usar, minha vida inteira tive que fingir, fingir estar feliz, fingir saber oque significava do amor, mas só foi saber oque e isso quando o vi, e só senti oque e a dor quando o vi chorar, dirigi novamente pelas ruas desertar, ate chegar em minha casa, o portão já estava aberto, entrei pelo  mesmo o fechado, estacionei, olhando para minha janela,  meu corpo se arrepiou em medo, -Kisame, a cena dele sorrindo e dizendo que também me amava tomou conta da minha mente, passei a mão em meus cabelos o desamarrando, como isso podia doer tanto, destranquei a porta descendo do carro, fechei o travando, andei ate  a porta a abrindo, a casa estava no completo silêncio,-Melhor assim, subi as escadas me deparando com uma silhueta branca no meio da escuridão, Sasuke me encaro com o senho franzido.

Sasuke: Foi ele quem fez isso?

Neguei para ele continuando a andar, o ouvi resmungar algo e entrar em seu quarto, entrei no meu fechando a porta, a penumbrava tomo conta do quarto, liguei a luz olhando para a cama, a cena de nos dois na mesma, dele se segurando veio forte em minha mente, olhei para o canto vendo a caixinha que ele me dera como punição sorri amargo, fechei a porta andando ate o banheiro, comecei a tirar minhas roupas as deixando no chão, liguei o chuveiro entrando no box, a água quente me vez arrepiar com o contato repentino, fechei meus olhos deixando a água cair em meu rosto, a dor se fez presente, a lembrança do dia que o conheci não saia da minha cabeça, sentir seus dedos juntos do meu quando entreguei o celular a ele, não aguento mais, fechei minhas mãos a batendo no azulejo frio, me permite pela primeira vez chorar, a dor era tanto que não consegui deixa-lo apenas em meu peito, minha garganta doía, as lagrimas se misturavam com a água do chuveiro.

Itachi: Droga, droga........

Escorreguei me sentando no chão, juntei minhas pernas juntos dos meus braços sentindo a água bater contra meus cabelos, logo ouço a porta ser aberta junto do vidro do box, olhei para cima vendo Sasuke vir me abraçar, o abracei de volta o sentindo tremulo.

Sasuke: Tachi........

O apertei fortemente em meus braços, precisava disso, precisava de alguém, a água agora molhara suas roupas, seus braços finos me apertavam mais tremiam ao mesmo tempo, fechei meus olhos me sentindo quente, meu peito não doía tanto mais, mas a maldita dor não saia de mim.

Sasuke Oque ouve?

Neguei em seu ombro me negando a dizer, não era hora para isso, talvez nunca tivesse uma hora, a única coisa que eu queria era sumir, era chegar nele e dizer que sinto por sumir da sua vida, mas prefiro velo feliz ao lado dele, do que infeliz ao meu lado.

Pov’s Kisame On...

Hidan: MAS QUE MERDA!!!!

Yahiko: Cala essa boca!-Diz ríspido.

Sasori: Vocês gritam de mais....

Deidara: Hun, onde será que ele pode estar...

Abaixei minha cabeça me sentando no sofá, já havia pensando em vários lugares, mas nem um deles ele estava, puxei o ar para meus pulmões, vendo que o mesmo não dobrava, minha cabeça já lateja, olhei na direção do Hidan vendo que o mesmo estava machucado, -Kuzu, fechei meus olhos sentindo a dor em meu peito aumentar, a lembrança dele chorando veio forte em minha mente, não queria que as coisas fossem assim, nem muito menos  queria um dia ouvir aquelas palavras dele, meus olhos voltaram a arder, senti um peso do meu lado no sofá, olhei sentindo a mão do Yahiko vir em meu ombro.

Yahiko: Vou tentar de novo!

Confirmei para ele na esperança que ele descobrisse onde ele pode-se estar, apenas quero saber se ele esta bem, o barulho do carro derrapando no chão, seus olhos vermelhos destacando o verde, levantei a cabeça vendo os pedaços do globo de neve perto da TV, fechei meus olhos permitindo as lagrimas descerem.

Yahiko: INFERNO FALA LOGO ONDE VOCE ESTA PELO MENOS!!!!

Olhei para o Yahiko que colocou no viva voz.

Kakuzu: CAPETA, PARA DE ME ATORMENTAR, ESTOU NA MINHA ANTIGA CASA E NÃO QUERO NEM UM DE VOCES AQUI!

Hidan: Custo dizer seu bosta!

Respirei mais aliviado ao saber onde ele estava, meu corpo pedia para ir ate lá, mas sabia que se o fisse-se so pioraria a situação, Kakuzu não e muito de pensar e sim de agir, sorri fraco ao menos sabia que lá ele ficaria bem.

Kakuzu: Tenho 26 anos não preciso de babas!

Sasori: Somos seus amigos não babas seu imbecil!

Kakuzu: Vai pro inferno!

Kisame Vai ficar bem?

Minha voz saiu baixa e fraca, minha garganta já doía, minha cabeça parecia que iria explodir, ele demorou o silencio era a única coisa que se ouvia naquela sala, apoiei minha cabeça em meus braços que estavam em meus joelhos.

Kakuzu: Me da um tempo Hoshigaki!

A ligação foi encerada, meu estomago doía, ele estava com raiva, estava me odiando, depois daquelas palavras, não sabia se meu peito doía pelas palavras ou por telo deixando assim, não queria, não queria que as coisas fossem assim.

Deidara: Ao menos ele respondeu, Kisame vou indo nessa amanha tenho que trabalhar. -Sorriu fraco.

Seus dedos passaram pelo meu cabelo sorri lateral para ele, logo Sasori passou acenando.

Hidan: Você vai ficar bem?

Yahiko: Vou ficar com ele!

Olhei para o Yahiko que sorriu.

Kisame: Acho que sou eu quem tem que fazer essa pergunta!

Hidan abriu um sorriso fraco confirmando, -Mentiroso, logo saiu pela porta a fechando.

Yahiko: Serei sua baba que constrangedor!-Diz desanimado.

Kisame: Valeu!

Ele sorriu sincero, e logo passou seu braço em torno dos meus ombros.

Yahiko: Sei que amar e difícil mais no seu caso e testar ate aonde vai esse amor!

Kisame: Nunca pensei que ele ficaria assim. -Sorri descrente.

Yahiko: EU já sabia, o amor do Kakuzu e doentio.

Olhei para ele franzindo o senho.

Yahiko: Calma, só quero dizer que ele morreria por você se necessário Kisame, isso qualquer um pode notar.-Disse serio.

Fitei o chão me lembrando de como o conheci, como era nossa vida quando era apenas so nos dois, Kakuzu sorria constantemente, quando saímos e as garotas queriam ficar com agente fingíamos ser um casal quando não queríamos saber disso, ao menos eu fingia, Kakuzu sempre foi a família que nunca tive, o irmão que sempre quis, a pessoa pela qual eu podia me preocupar e me sentir bem ao velo sorrir, enquanto algumas parte da minha vida eu poderia ter caído, ele sempre me levanto, mesmo que eu tenta-se fazer as coisas sozinho ele não deixava dizendo que ele nunca me abandonaria.

Flash Back Dia de Neve...

A neve caia forte la fora, hoje infelizmente era o aniversario dele, não que eu estava mal com isso, mas estou mal em não poder dar nada a ele, graças ao Kakuzu consegui o emprego que ele dissera, e agora morando nesse apartamento que fica perto do meu trabalho ajuda bastante, soprei o vapor quente que saia da xicara, mas mesmo com esse emprego não consegui sequer juntar um dinheiro digno para comprar algo pra ele, passei a mão em meus cabelos desfazendo o penteado,-Odeio isso, olhei para a porta de vidro vendo a neve se acumular no chão, -Kakuzu, abaixei a cabeça na balcão sentindo a madeira fria, senti meu celular vibrar, passei a mão no bolso o pegando.

Kakuzu: Ocupado?

Kisame: Não só tomando chocolate quente.

Sorri fraco ao ouvir ele suspirar do outro lado.

Kakuzu: Posso ir para ai, to cansado de ficar aqui em casa!

Kisame: Não pode não!

Kakuzu: Ts....

Kisame: Que pergunta idiota, sabe que pode vir quando quiser!

Kakuzu: Me da 15 minutos!

Me levantei rápida do balcão me lembrando havia algo que eu podia fazer e sei que seria uma coisa que ele iria gostar.

Kisame: 20 minutos!-Sorri

Kakuzu: Hun... esta bem kkk daqui 20 minutos estou ai!

Desliguei o celular dando a volta no balcão, ao menos prezo isso e muito, sou bom na cozinha, peguei os ingredientes necessários para fazer bolinhos de chuva, dia frio e bolinhos que ele ama, arrumei o açúcar refinado em um prato e comecei a fazer a massa dos bolinhos, peguei uma jara de metal a coloquei com leite, comecei a fritar os bolinhos os jogando no açúcar, abri um dos armários pegando uma vasilha vermelha com detalhes em branco, os coloquei ali, olhei vendo que ficaram parecendo flocos de neve gigantes, sorrio com o meu pensamentos, fritei mais alguns vendo o leite ferver, coloquei leite condensado e um pouco de chocolate, arrumei eles em dois copos grande, peguei meu celular passando uma mensagem para ele.

Mensagem: Traz filmes depois te pago!

Mensagens Kakuzu: A merda com o pagar, irei levar sim, oque você esta aprontando?

Mensagem: Nada!

Deixei o celular em cima do balcão acabando de arrumar o chocolate quente, deixei todo em cima do balcão arrumando a bagunça da cozinha, porque nunca vi uma pessoa tão desajeitada como eu, acabei de arrumar tudo indo para o meu quarto, peguei um cobertor junto com dois travesseiros, segui em sentido a sala os colocando no chão no canto, andei ate o sofá o puxando, o mesmo virara um sofá cama um pouco grande, o suficiente para se ficar confortável , estendi o cobertor que era todo preto junto dos travesseiro os colocando um de cada lado, andei ate o balcão novamente pegando a vasilha de bolinhos a colocando no meio, junto com os copos um de cada lado do braço do sofá, sorri ao menos não ficara tão mal assim, andei ate meu quarto pegando uma faixa preta dentro do meu guarda roupas, havia ganhando junto com uma blusa, que nunca entendi o porque da faixa mais que nessas horas ela ajudava bastante, ouvi a companhia tocar suave, sai do meu quarto indo ate o pequeno corredor, abri a porta minimante passando para fora.

Kakuzu: Hun.....oque você esta aprontando? –Sorriu.

Kakuzu estava com um moletom igual o meu só que preto, enquanto o meu e cinza, na blusa estava com as letras GAP escritas em dourado.

Kisame: Nada de mais, ganho muito presente?-Sorri.

Kakuzu: Um carro, blusas, uma relógio da Oka-san, e uma viajem nada de mais. -Disse desanimado.

Franzi o senho com minha ideia estupida, abaixei a cabeça me sentindo um idiota, ele ganho um carro, oque fiz não chega a ser, na verdade não chega a ser nada.

Kakuzu: Kisa...

Olhei para ele de novo, respirei fundo me sentindo mal, mas ao menos e oque  esta a meu alcance e quem não arisca não chega a lugar nem um, enfiei a mão em meu bolso tirando a faixa, ele franziu o senho, a estiquei em minhas mãos, aproximei de seu rosto a amarrando um pouco firme atrás de sua cabeça o fios castanho escuro fizeram um contraste perfeito tenho que admitir, abri a porta atrás de mim dando a volta atrás dele, passei minhas mãos em seus ombros os sentindo tenso, Kakuzu respirou fundo, comecei a empurra-lo devagar, passamos pela porta,  fechando a trancando, o empurrei mais um pouco ficando rente a sala, deslizei meus dedos em seu braço vendo seu pescoço ficar arrepiando, sorri de canto, tirei a sacola de suas mãos, inclinei deixando minha boca próxima ao seu ouvido, o cheiro de seu perfume veio forte, sempre gostei desse perfume.

Kisame: Gome nasai não ter te dado um presente, mas ao menos quero te recompensar de outra forma.

Kakuzu: Não irei te responder, sabe que não ligo para bens matérias!

Sorri ao ouvi-lo dizer isso, desfiz o nó atrás deixando a venda deslizar sobre seu rosto.

Kisame: Sei que não e muito mas.... pode passar o resto do dia comigo.

A respiração dele havia acelerado, olhei para ele vendo seus olhos lacrimejarem um sorrio bobo se fez em seus lábios.

Kakuzu: Acabei de ganhar o melhor presente. -Sorri.

O abrasei fortemente, seus braços passaram em minhas costas, o calor de seu corpo havia me esquentado, -Sempre quente, me distanciei vendo o verde agora mais intenso, a lagrima descia devagar em seu rosto, a beijei sessando seu trajeto, Kakuzu passou sua mão no meu cabelo beijando me rosto de leve, ao menos consegui o deixa-lo feliz, mesmo que não seja muito, ele se afastou indo ate o sofá, pegou um bolinho parecendo uma criança, ele sorriu pegando outro,-Guloso, andei ate a TV pegando os DVDs dentro da sacola, Resident Evil qual o problema dele com zumbis, balancei a cabeça o colocando no DVD, liguei a TV deixando os trailers do filme passar primeiro peguei meu copo tomando um pouco, ainda estava bem quente, tirei o cobertor me deitando, Kakuzu já estava debaixo das cobertas, puxei o mesmo vendo Kakuzu comer os bolinho, o açúcar grudara no canto de sua boca, neguei com a cabeça sorrindo para ele que franziu o senho, passei o dedo em sua boca tirando o açúcar o levei ate minha boca lambendo, ele se deitou um pouco acabei por fazer o mesmo, o filme havia começado contando a historia de como tudo havia começado, das mutações ate os mutagênicos,  e que avia uma cura, assistimos o filme em completo silêncio, admito que não gostava muito desse gênero mais se era ele que queria ver não me importava, olhei para ele que estava comendo o ultimo bolinho, ele se virou para mim mordendo uma parte e me oferecendo a outra, o mordi raspando meus dentes de leve em seus dedos, o sorriso sincero em seus lábios sempre será único pra mim, meu peito havia disparo o vendo feliz, passei meus dedos distanciando a mexa do fio de seu cabelo o colocando atrás de sua orelha.

Kakuzu: Kisa arigato!-Sorriu

Kisame: Aishiteru!

Me inclinei dando um beijo em sua testa, os créditos começaram a subir no filme, acabei por perder o final, ele se deito virando o rosto, logo ouço batidas na porta e a voz estridente de uma garota me chamando, Kakuzu iria dizer algo mais me inclinei um pouco por cima o silenciando com um dedo, ele me olhou o verde de seus olhos estão mais intensos, senti minha respiração travar, Kakuzu tirou minha mão de sua boca entrelaçando nossos dedos, o calor de sua mão me fez arrepiar, senti sua outra mãos vi em minha nuca me fazendo estremecer.

Kakuzu: Aishiteru  Kisame!-Sussurrou.

Seus lábios se aproximaram dos meus em um selinho seus lábios estavam quente, me afastei olhando para os mesmo, me aproximou novamente os selando, pedi passagem que fora concedida, Kakuzu me puxou mais contra seu corpo, me ajeitei ficando por cima dele, passei uma de minhas pernas no meio das suas aproximando nossos corpos, o calor do seu corpo me fez estremecer ainda mais, aprofundei o beijo sentindo sua língua deslizar na minha, a dança que travamos sempre eram únicas, lentas prazerosas, nunca sei dizer se e apenas amor, ou outra coisas, mais beijar ele sempre me fazia sentir vivo, me sentir bem, apertei meus dedos em suas mãos sentindo meu sangue quente, sua outra mão deslizo subindo um pouco a blusa de frio, a temperatura de seus dedos me fez arfar ao senti-los passar por minha espinha, Kakuzu começou a vasculhar minha boca com desejo, senti ele sugar minha língua com vontade, minha mente começou a ficar nublada com seus toques, afastei sua outra perna ficando entre elas, nossas ereções se chocaram o fazendo gemer, sessei o beijo vendo seu rosto corado, os lábios inchados seus olhos trasbordando luxuria me ajoelhei tirando a blusa de frio ficando apenas com a blusa de mangas, logo voltei a tomar seus lábios em um beijo desejoso, aprofundei mordendo seus lábios, Kakuzu arfava com tudo oque eu fazia, deslizei minha mão debaixo de sua blusa indo ate o coss de sua calça.

Kakuzu: Kisa....

Meu corpo inteiro se arrepiou ao ouvi-lo sussurro entre o beijo, aprofundei minha mão sentindo sua box molhada, apertei forte seu membro sentindo minha língua ser mordida, se havia alguém na porta nesse momento nem me importava mais, sessei o beijo passando a língua por seu pescoço, suas unhas arranham minhas costas devagar, meu membro já latejava dentro do box apertada, sua mão saiu das minhas costas indo para o meu membro o apertando arfei em seu pescoço me sentindo dopado, mordi a peça de roupa querendo mais daquele contato, Kakuzu se remexeu em baixo de mim, me afastei o olhando, seu rosto estava completamente corado, seus lábios inchados, apertei seu membro o vendo vibrar, tirei minha mãos de seu membro saindo do meio de suas pernas sua mão saiu de imediato do meu membro, fiquei de pé ofegante o olhando.

Kakuzu: Kisa....

Kisame: Me desculpe, Kakuzu por favor me desculpe!

Ele tombou a cabeça estranhando minha atitude, -Mas que merda eu iria fazer, eu quase transei com ele, não eu ainda quero transar com ele, levei minhas mãos em minha cabeça fechando os olhos, eu não posso fazer isso, eu não conseguiria, como posso transar com meu irmão, a única família que eu tenho, senti suas mãos quentes virem sobre as minhas abri meus olhos sentindo meu peito disparar.

Kakuzu: Oque foi?-Preocupou-se.

Kisame: Kakuzu eu quase transei com você!

Kakuzu: Hunn..Kisame relaxa nos provocamos assim a um tempo, oque realmente ouve?

Kisame: Eu.....eu......

Kakuzu: Quer ir ate o fim?-Sorriu.

Seus lábios inchados, o verde de seus olhos, me escorei na parede me sentindo sujo.

Kisame: Me desculpa!-Digo fraco.

Senti sua mão vir em meu rosto o deixando rente ao seu.

Kakuzu: Você quer mesmo isso?

Kisame: Kakuzu meu corpo quer mas não vou conseguir!

Kakuzu: Porque?-Diz serio.

Kisame: Porque eu nunca me perdoaria se um dia fizesse isso, você e muito importante pra mim Kuzu!-Digo sincero.

Ele sorriu selando nossos lábios, logo sessou me olhando.

Kakuzu: Se um dia quiser não hesite em me pedir, eu nunca me arrependeria disso!

Meu peito se aqueceu ao ouvi-lo dizer isso, mas, eu não conseguiria, o abracei sentindo seus braços atrás do meu corpo, o aperto foi forte, o cheiro de seu perfume sempre me acalmo, respirei fundo sentindo a textura de seus cabelos o cheiro sempre me lembro erva doce, nos distanciamos, Kakuzu seguiu para o banheiro, me senti sujo ao deixa-lo assim, eu definitivamente não presto, mas so de pensar que iria ir ate o fim com ele tenho medo, medo de perde-lo, medo de o ferir, medo que as coisas mudem, me escorei na parede novamente sentindo meu corpo esfriar.

Flash Back Dia de Neve Off....

Me levantei do sofá indo ate a cozinha.

Yahiko: Se quiser posso ir la falar com ele?-Disse baixo.

Kisame: Melhor não!

Olhei para o copo enquanto a água entrava por ele, fechei a torneira tomando o mesmo, a água descia queimando minha garganta, parei de beber olhando o resto no copo, -Kakuzu, porque você não consegui me entender, eu nunca deixaria você, nunca.

Flash Back Sorveteria On.....

O dia estava extremamente quente, e por incrível que parece consegui arrastar ele ate essa sorveteria, sei que ficara do outro lado da cidade mais sempre gostei dela, a parte da frente era todo como se fosse um quiosque e a vista era oque mais amava, dava para ver o porto e o mar, o azul sempre me animou por ser minha cor favorita, olhei para ele que pedia um copo de milk shek enquanto eu ainda comia as 5 bolas de sorvete varias em minha taça, olhei para ele que estava com sua típica carranca, sorri para mim mesmo o vendo se sentar.

Kakuzu: Serio que estou aqui?-Diz com desdém.

Kisame: Sim rsrsrs

Kakuzu: Meu amor por você deve ultrapassa barreiras.- Diz indignado.

Corei com seu comentário mais acabei sorrindo, olhei um grupo de meninas que não paravam de nos olhar, mas estranhei Kakuzu estar incomodado com isso, seu senho estava franzido, passei meus dedos nos seus atraindo sua atenção.

Kisame: Oque foi?

Kakuzu: Nada!-Diz ríspido.

Kisame: Fala logo!

Kakuzu: Por isso foi contra a ideia de você fazer academia!

Kisame: Re......

Kakuzu: Acha mesmo que elas estão olhando pra mim?

Olhei novamente vendo uma das loiras de cabelos curtos sorrir para mim, logo a outra cruzou suas pernas as deixando mais expostas, o short curto destacava seu bumbum.

Kakuzu: Isso, da moral idiota!-Diz serio.

Kisame: Você fica lindo com ciúmes kkkk- Sorri.

Kakuzu: Vai se ferrar.

Kisame: Sabe que não vim aqui pra isso, já transei de mais na festa de ontem.

Kakuzu: Insaciável!

Kisame: Só porque peguei 5 oque tem kkkk

Kakuzu: Acha isso normal? –Olhou descrente.

Sorri para ele levando outra colher em minha boca, fomos interrompidos por uma das garçonetes que lhe entregou um papel, Kakuzu franziu o senho, ele colocou o copo em cima da mesa o amassando.

Kakuzu: Já volto!

Ele se levanto da mesa e seguiu em sentido a saída do lugar, franzi o senho estranhando aquela atitude, acabei de tomar um pouco do sorte, porque provavelmente podia ser uma garota mais tímida querendo falar com ele, acabou passando-se 5 minutos e nada, vi uma das meninas ficar nervosa olhando para mim, peguei o papel em cima da mesa lendo.

Papel:

Vou te ensinar a dar de cima da garota dos outro babaca, estou te esperando do lado de fora.

Fransi o senho me levantando, peguei o dinheiro em meu bolso o deixando em cima do balcão, passei pelas portas de vidro vendo uma roda mais a frente, havia 4 caras Kakuzu batia em um enquanto os outro olhavam, logo os outro se meterão o acertando, fechei minhas mãos me aproximando, Kakuzu acabou por cair no chão peguei na gola de um de camisa azul o puxando, que acabou caindo o chão, chutei seu rosto o fazendo ficar desacordado, peguei pelos cabelos do outro lhe dando um soco no estomago que acabou caindo de joelhos, dei um soco no rosto do outro que ira pra cima dele novamente, ele iria revidar meu soco mais acabou errando peguei em seu braço o imobilizando, um moreno que havia brigado mais com o Kakuzu gritava pra mim, empurrei o cara que havia imobilizado lhe dando outro soco em seu rosto que o fez cair, olhei para o cara que estava com os lábios brancos olhando para seus amigos, minhas vistas estavam nubladas.

Kisame: Se a sua namorada e uma puta, não vem descontar nos outros, seja um corno assumido!

Sorri de escarneio o provocando, e surgiu o efeito que eu queria o cara feio pra cima de mim na intenção de me chutar, peguei em seu pé socando seu rosto com força, o sangue de sua boca voou longe pois o Kakuzu já havia o machucado bastante, o mesmo cambaleou se escorando na parede, olhei para o lado vendo Kakuzu se levantar devagar com o mão no estomago, peguei em seu braço o passando em meu ombro.

???: ISSO NÃO VAI FICAR ASSIM!!

Olhei para ele que congelou no lugar, franzi o senho sorrindo em seguida.

Kisame: Será um prazer te mandar pro inferno!

Kakuzu riu com um pouco de sangue em seu rosto, caminhamos devagar ate a praça que havia a frente da sorveteria, o coloquei sentado abaixo de uma árvore, segui ate a sorveteria vendo que os cara carregavam o desacordado enquanto o outro dizia que havia avisado para não mexer com agente, entrei novamente pedindo uma garrafa de água e um pano, a moça foi ate os fundo pegar, olhei para minhas mãos que estavam tremulas, fechei meus olhos respirando fundo, nunca havia brigado assim, so na escola mais brigas bobas, quando o vi cair no chão minhas vistas ficaram escuras, respirei fundo ouvindo a moça, paguei a água e o pequeno pano, sai da sorveteria o vendo rir, me ajoelhei sentando do seu lado, peguei um pouco da água gelada a jogando no pano.

Kisame: Porque não me falo!-Digo serio.

Kakuzu: Porque queria fazer isso sozinho!-Sorriu.

Bati o pano em seu rosto com a água gelada, ele franziu o senho fechando seus olhos, o choque térmico o fez arrepiar, olhei para a garrafa em minhas mãos sentindo meu peito  apertado, soltei a garrafa fechando minhas mãos, as mesma estavam tremulas, trinquei meus dentes querendo pela primeira vez bater nele.

Kisame: Você perder o juízo!-Digo serio.

Minha garganta doía, pois não queria dizer aquilo, mas a dor em meu peito só aumentava, e se aqueles cara soubessem brigar, e se o tivesse feito desmaiar ou pior o batido tanto que entra-se em coma.

Kisame: E se algo pior tivesse acontecido, e se eles estivessem armados??!!!!

Suas pupilas dilataram, seus lábios inchados ainda havia um sorriso prepotente, seu olho começara a inchar.

Kakuzu: Kisa...

Kisame: Não Kakuzu por Kami, você agiu como um completo idiota!!!!

Me levantei saindo de perto dele, ou acabaria dizendo besteira, andei ate próximo da praia que havia ali, passei as mãos em meus cabelos os desgrenhando, respirei fundo sentindo a dor no meu peito me sufocar.

Kakuzu: Gome.

Kisame: Não e caso de pedir desculpas Kakuzu você poderia ter se machucado sério ou ter parado no hospital ou coisa pior!!!

Minha voz saiu tremula, ele se aproximou de mim devagar sua mão foi no meu rosto a mesma estava quente, meus olhos ardiam, as lagrimas desceram queimando meu rosto o vento quente  me castigava ainda mais.

Kakuzu: Kisame me perdoa por favor, eu só...... eu...

Kisame: Você não entente não é.

Olhei para ele sentindo as lagrimas desceram, ele se espantou.

Kisame: Kakuzu eu não vivo sem você!-Sussurrei.

Ele me olhou espantado, logo seus braços me envolveram em um abraço apertado, o abracei afundando meu rosto em seu pescoço.

Kakuzu: Nem eu vivo sem você Kisa....

O apertei mais forte contra meu corpo, chorei em seu ombro o molhando, sua mão veio em meu cabelo a passando de leve a caricia acabou por apagar o aperto que estava em meu peito, me distanciei um pouco dele deixando nossos rostos próximos.

Kakuzu: Gome...

Sorri para ele que selou nossos lábios em um selinho, sorri ao sentir seus lábios contra os meus, eram sempre nesses momentos estranhamos que acabo vendo que ele sempre estaria ao meu lado, e eu nunca o abandonaria.

Flash Back Sorvete Off....

Kisame: Vou me deitar, fica há vontade...

Coloquei o copo na pia seguindo para meu quarto.

Yahiko: Beleza qualquer coisa pode me chamar!

Confirmei para ele entrando no quarto, me joguei sobre a cama passando meu braço sobre meu rosto, as lagrimas não sessavam mais como já estava tarde o peso do sono começou a me incomodar, senti meu corpo pesado, mas nada disso se comparava ao aperto que estava em meu peito, fechei meus olhos engolindo em seco, quando isso iria acabar, quando irei o ver sorrir novamente, o sentir perto de mim, meus olhos já ardia, senti uma presença, tirei meu braço vendo o Yahiko na porta.

Kisame: Quer me colocar na cama agora? –Digo sorrindo fraco.

Me sentei na cama o vendo se aproximar, Yahiko se sentou na beirada encarando o chão.

Kisame: Oque foi?

Yahiko: Isso tudo foi culpa minha não foi?-Diz baixo.

Kisame: Como assim?

Yahiko: Kisame foi eu quem mandei você abrir os olhos, mesmo que....

Sorri o vendo me encarar.

Kisame: Para, isso não tem nada a ver com você, se não fosse com o Itachi seria com outro, infelizmente eu já sabia disso, só não achei que seria dessa forma!

Yahiko: Mas....

Kisame: Relaxa, vou ficar bem!

Yahiko: Você mente muito mal....

Desviei o olhar dele sorrindo fraco, senti sua mão vir em meu rosto a passando de leve, olhei para ele me surpreendendo um pouco.

Yahiko: Pode contar comigo ta bom?

Kisame: Admite que gosta de mim!-Sorri.

Ele fechou a cara e se levantou.

Yahiko: Gosto mais não quero você dentro da minha bunda!

Rir com seu comentário, Yahiko saiu deixando a porta escorada, me deitei novamente sorrindo um pouco, mas logo o sessei, mesmo que ele tenha vindo apenas para ver se me distraí a dor não me deixaria esquecer tão cedo, ou melhor ela não iria embora enquanto não o visse novamente me deitei de lado sentindo meu corpo se enrijecer, olhei para a janela vendo a chuva ainda cair forte.

Flash Back Ajuda On.....

Hidan: Na boa como você conseguiu crescer tão rápido?

Kisame: Genética boa?!

Yahiko: Sortudo mesmo!

Coloquei o peso nas figas me sentando no aparelho, Yahiko estava levantando outro do outro lado com a ajudo do Hidan, logo ele se sentou passando a toalha no suor que escorria em seu rosto.

Kisame: Vou ter que aumentar o peso, já não esta fazendo mais tanta diferença.

Yahiko: Vai se ferrar, nem cheguei na metade do que voce levanta.

Hidan: Kisame vai pro inferno!!!!

Sorri os vendo frustrados, logo nossa atenção e tomada por uma loira que fazia agachamento com pesos.

Hidan: Tadinha devo ajudar?

Yahiko: Uiii.

Kisame: Desse jeito me anima a vir para a academia kkk

Yahiko: KKKK.

Levantei-me do aparelho pegando minha água junto do celular, senti o mesmo vibrar, olhei na tela atentando.

Kisame: Oi sumido!

Kakuzu: Nos falamos a 3 horas Kisame, pode me ajudar?

Kisame: Oque foi?

Kakuzu: Não consigo trocar a porcaria desse maldito pneu.

Kisame: kkkk estou indo onde você esta?

Kakuzu: No cemitério!

Sessei o sorriso dizendo que estava indo, me despedi do dois vendo Hidan ir encher o saco da garota, tadinha ira se arrepender de ter feio  agachamento, sai da academia deixando minha fixa e  jogando a pequena garrafa fora, atravessei a rua onde havia um moto taxi, disse onde queria ir e logo ele me deu um capacete, passei a mão em minhas meias onde havia deixado o dinheiro e entrei o pagando, coloquei o capacete subindo na moto, logo saímos passando pelo centro da cidade, o cemitério que o Tayga havia sido enterrado ficara do outro lado, abaixei a cabeça me sentindo mal, esqueci por completo que hoje fazia 2 anos de sua morte, não demorou para avistar o carro negro estacionado mais a frente, o cara parou rapidamente, entrei o capacete a ele que logo o coloquei em seu braço e saiu pilotando, comecei a caminhar em sentindo a eles, uma garota de cabelos alaranjados curtos com um corpo escultural estava de braços cruzados perto do carro, deve ser a tal garota que ele queria me apresentar, me aproximei acenando para ele, Kakuzu estava com um terno preto mais apenas com a calça pois o paletó estava jogado sobre o capo sua blusa branca social estava manchada pelo suor visto que hoje estava quente, seus fios estavam grudados em sua testa.

Kakuzu: Arigato!

Kisame: Sabe que não precisa disso!-Sorri.

Kakuzu: Já estou aqui a uns 15 minutos tentando.

???: 20 meu querido!

Olhei para o lado vendo a garota melhor, a mesma tinha um corpo escultural, a cor de seu cabelo destacava seus olhos cor de mel, a mesma estava apenas com um short preto e um toper branco.

Kakuzu: Essa e a Maiko a garota que te falei, Maiko esse e o Kisame meu irmão!

Senti meu peito acelerar como o cômodo que ele me apresentou, sempre gostei de ouvir ele dizer isso, olhei para a menina sorrindo, Maiko me olhou dos pés a cabeça mordendo o lábio, fechei o senho desviando o olhar, vi as ferramentas no chão junto do pneu, passei a mão na barra da camisa que já estava me sufocando, o suor estava fazendo ela pregar em meu corpo, tirei ela a jogando em cima do capo, me agachei vendo os parafusos, peguei a ferramenta colocando ele, fiz força vendo os mesmo não se mexerem, me levantei forçando com o pés o vendo girar, me agachei acabando de tira-lo.

Kisame: Gome.

Kkauzu: Hun...

Kisame: Eu..... acabei me esquecendo, desculpa...

Olhei para ele que sorriu pra mim.

Kakuzu: Não sei o porque das desculpas mais tudo bem!

Kisame: Hoje faz 2 anos não é?-Digo receosos.

Os outros parafusos estavam mais fáceis, acabei de tirar todos tirando a roda do lugar, peguei o outro pneu o colocando, a graxa sujou minhas mãos.

Kakuzu: Você esta cuidando perfeitamente da loja Kisame, isso e normal de acontecer!

Comecei a apertar os parafusos de vagar, Kakuzu se inclino me entregando um.

Maiko: Vai demorar?

Olhei para a garota fechando o semblante admito não gostei dela, voltei a olhar para ele que estava com uma veia soltando de sua testa, acho que não sou o único a não gostar muito dela.

Kakuzu: Maiko pela ultima vez se esta achando ruim vai de apé!

Kisame: Isso não e desculpa para esquecer Kuzu...

Kakuzu: Hoje durmo na sua casa e ficamos kits!

Sorri para ele confirmando, acabei de trocar o pneu me levantando, peguei as ferramentas as guardando no porta malas junta da roda.

Miako: Kakuzu você não iria nos levar para jantar hoje?-Fez beicinho.

Kakuzu: Iria mais perdi a vontade.

Seu telefone começou a tocar, Kakuzu se afastou o atendendo.

Maiko: Ts irritante!!

Kisame: Se o acha irritante anda não viu nada!!!-Sorri.

Maiko: Hun talvez você posso animar minha noite, já que seu ‘’irmão’’ não quer!

Abri minha boca incrédulo serio isso, estão esta explicado o porque de não ter ido com a cara dela des do inicio.

Kisame: Não obrigado!

Sai de perto dela.

Maiko: A qual é nem irmão de sangue vocês são!

Kisame: Garota sem querer ofender mais para de ser puta!-Digo provocando.

Maiko: COMO É!-Diz irritada.

Seu semblante fico irritadinho.

Kisame: Você não merece ele!

Maiko: Isso não e uma cosia que você possa decidir intrometido!

Kisame: Infelizmente não porque se pode-se você não estaria aqui!-Rebati.

Kakuzu: Alguns problema?

Ela correu ate ele o abraçando.

Maiko: Ele estava dando de cima de mim Kuzu!

Comecei a rir com aquele comentário, Kakuzu arqueou uma sobrancelha pra mim.

Kakuzu: Estava é?-Diz com desdém.

Maiko: Sim, eu disse que não mais ele esta insistindo.

Kisame: Sabe Kuzu odeio levar fora!-Sorri de canto.

Kakuzu: Hun.... Kisame que tal conversarmos?-Diz ríspido.

Kisame: Claro so se for do seu jeito!

Ele a afastou andando um pouco mais a frente, o sorrisinho de vitória da garota e bem nítido, me aproximei dele ficado rente.

Kakuzu: Não quero essa garota!-Sussurrou.

Kisame: Então porque esta saindo com ela?-Digo baixo.

Kakuzu: Porque você acha, Oka-san me infernizo para sair com ela, agarota e insuportável!

Kisame: É você quer que eu dou um jeito?-Sorri de canto.

Kakuzu: Mulheres como ela tem repulsa de certas coisas.

Ele mordeu o canto de sua boca, admito que gostei da ideia, olhei para a garota que estava escorada no carro vendo suas unhas, me pois atrás do Kakuzu inclinando ate seu pescoço.

Kisame: Tem certeza?-Sussurrei.

Kakuzu: Não faz isso...-Diz tremulo

Ele tombou o pescoço me dando acesso livre a sua pele, lambi seu pescoço devagar.

Kisame: Maiko!-Gritei.

Ela nos olhou arregalando seus olhos cor de mel.

Kisame: Eu seria muito idiota de desejar uma mulher como você, tendo esse moreno ao meu lado, não acha?

Seus lábios ficaram brancos.

Passei minha mão em seu corpo nos aproximando, deslizei meus dedos em seu pescoço virando seu rosto, seus olhos estavam nublados, e isso estava me excitando, me inclinei lambendo seu lábio, Kakuzu abriu sua boca minimamente me dando passagem, invadi sua boca deslizando minha língua na sua me arrepiei ao sentir a mesma quente, deixei nossos lábios se encontrarem em um beijo mais profundo, nossas línguas alisavam uma na outra, deslizei meus dedos para os fios castanhos os entrelaçando, o apertei mais contra mim sentindo seus músculos relaxarem, esfreguei meu membro em sua bunda o sentindo vibrar, sua língua entrou forte em minha boca me fazendo gemer entre o beijo, Kakuzu sessou o beijo puxando meu lábio, olhei em seus lábios vendo a saliva escorrer no canto, lambi a mesma olhando dentro dos olhos da Maiko que estava paralisada.

Maiko: Isso.......isso e muito NOJENTO!!!!!!!!

Ela saiu correndo passando pelos matos que haviam ao redor, comecei sorri vendo a reação dela.

Kakuzu: Preconceituosa.

Kisame: Mas você também não presta!

Afastei dele sentindo meu corpo quente, Kakuzu olhou para minha ereção desviando o olhar, corei com aquilo.

Kakuzu: Vamos embora, não irei pra casa mesmo!

Kisame: Mas.....

Kakuzu: Nada de mais, você tem que recompensar o falta hoje esqueceu?

Confirmei me dando por vencido Kakuzu se aproximou do carro abrindo a porta me olhando, dei a volta no mesmo abrindo a porta  me sentando.

Kisame: Se reclamar do cheiro de suor depois juro que te bato rsrsrs

Kakuzu: Nunca reclamaria do seu cheiro-Sussurrou.

Ri anasalado com tal respostas, ele ligou o carro e saímos do cemitério desculpa pela imoralidade Tayga, mas seu filho e louco, sorri com meu pensamentos, Kakuzu olhou para mim de maneira doce, ao menos não me sinto tão culpado pelo oque fiz, aquela garota não o merece apenas esta com ele por status, vi as casas passarem rapidamente, as vezes me pego pensando como seria se não tivesse o conhecido, como seria realmente minha vida, desviei o olhar olhando para minhas mãos a graxa estava grudada, apertei as mesmas sentindo meu peito doer com esse pensamento, e estranho pensar que um dia poderia não o ter conhecido, vejo a mão morena passar por cima da minha entrelaçando nossos, dedos.

Kakuzu: Ta pesando besteira de novo não é?

Kisame: Foi mal, e que as vezes penso como seria minha vida se não tivesse te conhecido....

Kakuzu: Não gosto de pensar nisso pra ser sincero!

Kisame: Tem razão....

Intensifiquei o aperto em nossas mãos, sempre quente, olhei para ele que estava sorrindo, realmente não quero nem pensar em como seria não telo conhecido.

Flash Back Ajuda Off........

Abri meus olhos com dificuldade, a luz que entrava pela janela me incomodava, -Sol, me sentei na cama esfregando meus olhos, vi melhor, -Ts acabei dormindo, me levantei indo ate a porta, abri a mesma vendo os raios de sol entrar pela porta da sacada, me aproximei  vendo uma cabeleira alaranjada no canto do sofá, andei devagar  vendo Yahiko dormir um pouco encolhido, dei a volta pegando a coberta que cairá do seu corpo, o cobri vendo seu corpo se remexer um pouco, seu rosto estava suave, me afastei voltando para o meu quarto, senti meu celular vibrar no bolso da minha calça, passei a mão o pegando, vi que era o mensagem do Deidara.

Mensagem: BORA LEVANTAR!!!!

Precisamos de você na loja, sabe que aqui não anda sem você!

Sorri ao ver aquela mensagem meio motivadora.

Mensagem: OK

Estou indo, so vou tomar um banho!

Deslizei meu dedo ate a agenda vendo o número do Itachi, des de ontem não falo com ele, coloquei para chamar o colocando em meu ouvi.

???: Este número que você ligou esta fora de aria ou desligado.

A ligação deu-se por encerrada estranhei aquilo, olhei no relógio vendo que já era 7:34 talvez teve ter descarregando quando ele foi pra faculdade, mas, ele não estava de férias, balancei a cabeça negando mais tarde tentearia ligar para ele novamente o joguei sobre a cama, andei ate o banheiro tirando as roupas as jogando no canto, entrei no mesmo fechando a porta, abri o chuveiro sentindo a água fria bater em meu corpo,-Kuzu hoje talvez o veria mais qual seria a reação dele, será que iria falar comigo ou não, meu peito se apertou com esse pensamentos, tomei um banho rápido pois ja estava quase atrasado, acabe de me ensaboar me enxaguando, desliguei o registro, passei a mão na toalha ao lado, sequei meu corpo mais ou menos passando ela em minha cintura, me aproximei do pequeno espelho olhando as olheiras que haviam em meu rosto, me inclinei começando a escovar meus dentes, enxaguei minha boca sentindo o canto doer, passei a mão me lembrando do soco que havia levado, abri a porta me deparando com um ruivo em minha cama segurando uma xicara quente, junto estava uma bandeja com biscoite e outro copo, sorri para ele que sorriu de volta.

Yahiko: Bom dia!

Kisame: Te acordei?-Digo receoso.

Yahiko: Não estava dormindo apenas relaxando, fiquei acordado a noite toda!

Kisame: Porque?

Yahiko: Preocupado, vai que você iria tentar alguma besteira.

Kisame: rsrs não precisava, não sou tão louco assim....

Yahiko: Hun.....

Me aproximei do guarda roupas abrindo as portas peguei meu uniforme junto de uma box branca e um par de meias, peguei todo jogando em cima da cama.

Kisame: So por isso não dormiu?

Yahiko: Sim e por qual outro motivo seria?

Kisame: Não sei, vai que queria ficar me observando!- Sorri fraco.

Yahiko: Sai dessa kkkk

Kisame: Se vira ou ira ver algo que não quer!

Ele virou o rosto para o rumo da porta tirei minha toalha vestindo a box, em seguida peguei a calça a vestindo, peguei minha blusa a vestindo abotoando em seguida.

Yahiko: Da pro gosto!

Olhei para ele que me observava, me sentei na cama pegando a xicara que tinha um pouco de café pela metade.

Kisame: Obrigado!

Yahiko: Desponha, come devagar irei te levar ate seu trabalho. -Diz desanimado.

Soquei seu ombro o vendo me olhar.

Kisame: Relaxa.....

Ele confirmou se levantando, esta na cara que ele esta se sentindo culpado, mas na verdade ele não tem nada a ver com isso, um dia essa confusão iria acontecer, mas só não achei que seria desse jeito, deste modo, comi alguns biscoite e acabei de tomar o café, acabei de ajeitar minha roupa, calcei as meias juntos dos sapatos, andei ate o guarda roupas, arrumando meu cabelo passando meu perfume, fechei o armaria vendo o colar da semelhada dependura, peguei o mesmo devagar o olhando, o passei pela minha cabeça o colocando por dentro da blusa, andei ate a cama pegando meu celular, peguei a maleta ao lado da cama olhando para o canto da mesma, a fita que prendera o cabelo do Itachi estava ali, peguei ele o colocando em cima da cama, logo sai do mesmo me deparando com o Yahiko encostado na parede já pronto, passei por ele pegando as chaves do comercio que ficou em cima do balcão, passei por ele que me seguiu, abri a porta sentindo a brisa fria, logo ele passou, fechei a porta a trancando, andamos sem dar uma única palavra, chegamos próximo ao seu carro ele destrancou entrando, entrei do outro lado o ouvindo ligar.

Yahiko: Me desculpa...

Kisame: Já falei pra relaxar....

Ele saiu dirigindo rapidamente pegando a via principal, olhei para fora vendo algumas pessoas correndo para pegar o ônibus e outras andando tranquilamente, não demorou para chegar em meu trabalho ele estacionou na vaga, passei a mão na porta ouvindo um chiado, olhei na direção dele que estava com o rosto virado, passei minha mão em seu queixo o obrigando a me olhar.

Kisame: Yahiko.

Me espantei o vendo chorar, nunca tinha o visto assim.

Yahiko: Me desculpas, eu... eu te influencie e destruí a sua amizade com o Kakuzu eu...... eu não sei oque fazer Kisame me desculpe!

Sua voz saiu tremula, passei meus dedos em seu rosto sessando as lagrimas, ele olhou para mim receoso, me aproximei beijando sua bochecha o senti arrepiar.

Kisame: Relaxa e para de pensar que a culpa e sua, você não tem nada a ver com isso pela ultima vez. –Sussurrei.

Ele olhou para mim negando, sorri com sua teimosia, desci do carro o vendo me olhar, acenei para ele andando ate a porta, passei a mão na maçaneta respirando fundo, adentrei o lugar recebendo bom dia, cumprimentei alguns clientes e entrei pelo balcão sorri mínimo para todos ao menos para passar confiança a mesma que não tenho, entrei na cozinha, vendo Deidara sorrir para mim, ele falou baixo perguntando se estava tudo bem, apenas confirmei  subindo as escadas, logo me deparo com a perolada.

Hinata: Bom Dia Kisame-san como esta?

Kisame: Bem, e você?

Hinata: Bem senhor.

Kisame: O Kakuzu já chegou?-Perguntei receoso.

Ela negou indo ate sua mesa, pegou alguns papeis me entregando, entrei em minha sala sentindo um clima vazio, ignorei isso me sentando na cadeira, comei a agilizar alguns papeis rapidamente, pois estava uma pilha em cima da mesa, passei alguns para o computador, e outros arquivei em pastas, atendi algumas ligações resolvendo alguns imprevistos outras eram apenas pedidos maiores, peguei um pedido de uma bolo e doces para casamento, fiquei quase 30 minutos no telefone so resolvendo isso, logo chegou alguns clientes que foram mandados a minha sala, alguns tirando duvidas e outros querendo organizar eventos, acabei por marcas mais 5 só essa semana e ainda 3 casamentos, essa semana sera bem puxada, logo minha sala ficou fazia novamente, senti meu celular vibrar no bolso, peguei o mesmo com um pouco de esperança mas a desfiz ao ver quem era.

Deidara: Não vai almoçar ?

Kisame: Mas...

Olhei no relógio do computador vendo que já era meio dia, neguei para mi mesmo pois ainda tinha muito coisa para fazer.

Kisame: Não ainda tenho algumas coisas para fazer!

Deidara: Não quer que eu compre?

Kisame: Não Obrigado.

Ele concordou e logo desligou, na verdade não sei se terei fome tão cedo, olhei mais alguns papeis vendo um que estava com o cadastro pela metade, me levantei indo ate a recepção.

Kisame: Hinata poderia...

Olhei para ela que estava branca.

Kisame: Esta tudo bem esta se sentindo mal?

Hinata: Kakuzu-san chegou......

Olhei para a porta da sala, so pelo estado dela que esta em completo medo, balancei a cabeça me tirando desses pensamentos, ele pediu um tempo, então e melhor esperar mais um pouco, entreguei o papel a ela, a mesma me explicou detalhado do que se tratava, andei de volta para a minha sala parando no portal, ouvi sua porta ser aberta, Kakuzu saiu para mesma trajando um terno preto.

Kakuzu: Hinata canse li a reunião das 6 e remarque para o início da manha.

Hinata: Mas, senhor aquele cliente..

Kakuzu: Não me interessa, mande o Kisame ficar encarregado dos casamentos!-Diz ríspido.

Desviou o olhar o sentindo passar por mim, entrei em minha sala fechando a porta, dói, me escorei na porta sentindo meus olhos arderem, as lagrimas escorregavam pelo meu rosto, abri minha boca com a dor que se fez em meu peito, apertei a folha entre o descido do meu peito a amaçando.

Kisame: Me perdoa....-Sussurrei.

Pov's Kisame Off......

 

Continua..............


Notas Finais


Desculpe novamente pela demora, espero que tenham gostado, e obrigada por sempre comentarem, obrigada mesmo, são todos muito importantes para mim.

Beijos Roubados:* *Cereja em calda*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...