História Pela Metade! - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cúmplices de um Resgate
Tags Drama Refira Família
Exibições 41
Palavras 2.464
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Mistério
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Coisa Linda


E no dia seguinte a família sai de casa bem cedo como de costume e Aurora também resolve sair e chama a mãe de Regina pra ir com ela pra ajuda lá em umas coisas, deixando Regina e Suzana sozinhas com os capangas de Fortunato e os outros empregados.

Regina então passa pela cozinha e vê um notebook em cima da mesa e resolve usar pra tentar encontrar alguma notícia de sua filha.

Regina: Eu espero que dê certo, e que ninguém me veja aqui –diz e logo depois digita algumas coisas

E ela fica procurando até perder a noção do tempo e nem percebe Suzana descendo as escadas e parada á sua frente.

Suzana: Mas você é muito abusada mesmo né? –diz alto fazendo Regina levantar rapidamente da cadeira em que estava sentada de susto.

Suzana: Posso saber o que você estava fazendo mexendo nesse computador?, que alias não é nem seu pra inicio de conversa

Regina: Eu não posso contar, é uma coisa muito particular me desculpe

Suzana: Ah não pode?, pois eu posso muito bem contar pro seu Fortunato o que vi agora e ai você vai ser obrigada a resolver essa sua coisa particular bem longe daqui que tal?

Regina: Não, por favor, dona Suzana não conta nada pra ninguém, eu e minha mãe não temos pra onde ir

Regina: Eu faço o que a senhora quiser –diz vendo que ela não tinha a convencido

Suzana: O que eu quiser?

Regina: Sim –diz já um pouco arrependida de ter dito aquilo

Suzana: Bom pra provar que eu não sou essa pessoa ruim que você está pensando eu vou mandar você fazer uma coisa bem fácil, tenho certeza que você já deve ter feito isso várias vezes e já deve estar bem acostumada.

Regina: Ah que bom, eu acho

Suzana: Eu já volto –sai da sala deixando Regina preocupada

Ela volta logo depois trazendo um avental, um pano e um produto de limpeza

Regina: Eu vou ter que limpar a sala

Suzana: Não só a sala como a casa toda, ainda hoje

Regina: A CASA TODA?!, mas essa casa é enorme

Suzana: É isso ou você e a sua mãezinha querida podem dizer adeus pra essa casa ainda hoje

Regina: Me dá logo essas coisas

Suzana: Isso mesmo é assim que se fala, quanto mais rápido você começar mais rápido você termina olha que bacana

E Regina se ajoelha no tapete e começa a passar o pano com o produto na mesinha de centro

Laura: Ué porque que a Regina tá fazendo o meu serviço? – pergunta trazendo uma bandeja com um sanduíche e um suco

Suzana: Quem foi que te chamou aqui criatura? Fala

Laura: A senhora pediu um lanche eu vim trazer

Suzana: Tá bom deixa ai

Laura: Porque que ela tá tirando o pó?

Suzana: Ela que pediu pra fazer, vai entender né?

Laura: Mas...

Suzana: Já chega Laura você já falou demais vai embora

Laura: Sim senhora – e ela sai

Laura: Tadinha da Regina, a mãe dela não vai gostar nada disso –diz já longe das duas

Suzana: Tá com fome? –pergunta vendo ela olhar pra bandeja com olho grande e Regina confirma com a cabeça com a esperança de parar pra poder comer

Suzana: Quando você terminar de limpar você come, anda continua limpando

E ela termina de limpar a sala e depois ela vai pro quarto de Suzana e a mesma manda Laura levar todas as coisas dela pra Regina limpar

Laura: Olha tá aqui o resto – diz entrando no quarto com duas caixas

Regina: Resto?

Laura: É, ela disse que você tem limpar os chapéus dela também – e Regina faz uma cara desanimada

Laura: É a vida não tá fácil pra ninguém né?

Regina: É –diz triste

Suzana: Laura

Laura: Sim dona Suzana

Suzana: Vai pra cozinha, a Regina precisa de espaço, parece que ela tem uma longa lista de tarefas pra hoje

Suzana: VAI –grita

Laura: Sim senhora

Suzana: E você presta atenção assim que você terminar de limpar tudo por aqui você vai lá fora limpar os vidros entendeu?

Suzana: Eu realmente espero que sim senão quem vai sofrer as consequências é você mesma –diz e sai do quarto, e logo depois Regina começa a chorar enquanto limpa

Regina: Não, para com isso Regina, não chora, você não pode se entregar assim não pode

Regina: É o emprego e o teto da sua mãe que está em jogo –diz limpando o rosto molhado com as costas das mãos e voltando a limpar os sapatos de Suzana

Um tempo depois...

Ofélio: O que aconteceu pra dona Suzana tá obrigando você a fazer isso? –pergunta enquanto Regina molha o rodo que estava passando no vidro num balde com água e sabão

Regina: Por uma bobagem, eu vi um computador em cima da mesa de jantar e resolvi mexer ela viu e deu nisso.

Regina: Agora eu daria tudo pra não ter tido a ideia de mexer naquele computador

Ofélio: Não devia ter tido mesmo, onde já se viu mexer nas coisas dos patrões assim do nada

Regina: Você não tá ajudando Ofélio

Ofélio: A me desculpe é que eu fico com pena de ver você trabalhando tanto

Regina: É eu nunca tinha reparado a quantidade de janela que a essa casa tem, parece que eu não vou terminar nunca

Regina: E eu to morrendo de fome

Ofélio: Aquela bruxa ainda não te deu nada pra comer? –Regina nega

Ofélio: Eu não acredito nisso, olha eu vou te ajudar

E Regina acaba derrubando o balde de água e sabão na cabeça do Ofélio e a mesma começa a rir

Regina: É... desculpa Ofélio, foi sem querer –diz ainda rindo

Ofélio: Aé, daqui então um abração no tio dá sua tampinha sem vergonha

Regina: Não para hahahaha, para

Vargas: oooh pode parando com isso, que isso? que brincadeira é essa?

Vargas: Ô Regina é pra você tá aqui trabalhando é pra limpar todos os vidros não é pra brincar não entendeu?

Vargas: E você Ofélio a dona Suzana mandou você vigiar a baixinha –e Regina olha pra ele de cara feia por ter á chamado de tampinha

Ofélio: Não mas eu posso te explicar amigão sabe o que aconteceu, é que eu tava ali limpando o carro ae eu vi ela fazendo o que ela tem que fazer e aproveitei assim pra dar uma força pra ela, uma ajudinha

Vargas: Ah sei entendi, oh eu vou falar pra você a ordem que a dona Suzana passou pra mim e mandou passar pra você que é pra ela fazer sozinha, ou seja sem a ajuda de ninguém

Ofélio: Mas isso é trabalho escravo não tá certo

Vargas: Não gostou não?

Ofélio: Claro que não

Vargas: Então vai lá falar com a dona Suzana reclama com ela, vai lá você

E o tempo passa a noite chega e Regina ainda continua limpando os vidros sob a supervisão de Vargas

Regina: Ai que frio –diz passando as mãos nos braços enquanto se direcionava pra começar a limpar a outra janela

Vargas: Pra te aquecer pequenina –diz colocando sua blusa no ombro dela

Regina: Obrigada Vargas –agradece sorrindo sem mostrar os dentes e sem animo

Vargas: Dinada, falta muito?

Regina: Agora não

Mais um tempo depois...

Vargas: Saúde –diz pela terceira vez enquanto Regina estava sentada sem conseguir parar de tossir e espirar

Suzana: Ah tá chega de drama, pode parar de se fazer de vitima que ninguém aqui tá com dó de você

Regina: Eu não to me fazendo de vitima

Suzana: Acho bom porque você só ia perder seu tempo, você só sai daqui depois de terminar o último vidro

Regina: Eu já limpei tudo esses foram –espirro-

Regina: Os últimos

Suzana: Ai que nojo criatura espirra pra lá

Regina: Desculpa

Suzana: Agora some da minha frente com essa cara de mosca morta vai sai

Regina: Obrigada Vargas –diz entregando a blusa pro mesmo

Suzana: Ai que coisa linda ajudando a filhinha da empregada –diz fingindo estar com dó

Vargas: Ô dona Suzana ela tava morrendo de frio

Suzana: Ah jura?, pena que eu não pedi a sua opinião

No dia seguinte...

Rosângela: Bom dia filha –diz abrindo a cortina

Rosângela: Acorda Rê

Rosângela: Vamo preguiçosa rs –diz rindo e estranha ao tocar no braço da filha e ver que ele estava muito quente

Rosângela: Meu Deus do céu, você tá pelando de febre meu amor

Rosângela: Acorda meu amor fala com a mãe

E Regina se mexe um pouco na cama e tenta abrir os olhos

Rosângela: Como é que você tá se sentindo?

Regina: Tô com muita dor no corpo –fala com muita dificuldade

Rosângela: Você tá muito quente deve tá com febre alta, vem cá senta um pouquinho pra comer –diz indo pro lado dela na cama e ajudando ela a ficar sentada

Rosângela: Toma, bebe um pouco de suco, vai te fazer bem – E ela bebe um pouco e devolve o copo pra mãe

Regina: Não quero mais –e se deita de novo deixando Rosângela preocupada sem saber o que tinha acontecido pra filha estar naquele estado

Rosângela: Pode entrar –diz depois de escutar batidas na porta

Aurora: Bom dia

Rosângela: Bom dia –diz ainda preocupada

Aurora: Desculpa entrar no quarto de vocês assim mas é que vocês demoraram pra acordar e eu resolvi vir aqui pra ver se tinha acontecido alguma coisa

Rosângela: Que isso pode ficar a vontade até porque a casa é sua né?, e sim aconteceu sim

Aurora: O que?

Rosângela: Minha filha acordou pelando de febre, eu não sei o que aconteceu ela estava tão bem quando eu sai com a senhora ontem

Aurora: Deixa eu vê, ai ela está quente mesmo precisamos leva-la pro hospital imediatamente, eu vou falar pro motorista ir tirando o carro –diz saindo do quarto de empregada

Rosângela: Muito obrigada Dona Aurora, de verdade

Rosângela: Vem filha vamo se trocar que nós vamo pro médico

Regina: Hum, eu não gosto de hospital mãe –diz e se joga nos braços de Rosângela por não conseguir parar sentada

Rosângela: Mas você vai ter que ir, querendo ou não

Rosângela: Vem a mãe te ajuda a se trocar

E Rosângela coloca um roupa em Regina e carrega ela até a sala

Aurora: O motorista já está esperando

Fortunato: O que significa isso?

Aurora: Depois eu te explico Fortunato

Safira: Mas eu quero saber agora o que aconteceu com a Regina mãe

Aurora: Ela tá muito mal e precisa ir pro hospital agora mesmo

Safira: Então vamos, eu vou junto

Fortunato: Nada disso Safira

Fortunato: SAFIRA –grita vendo que ela sai com as três e não lhe ouvidos

Fortunato: Vocês viram isso né? , ela nem ligou pra o que eu falei

Priscila: Ai vô calma ela parecia não estar bem mesmo, o que tem de mais a minha mãe ir junto?

Suzana: Tem que ela é filha dos patrões e ela não tem nada que ficar andando com as empregadas da casa, não pega bem –diz tomando um copo de suco

Enquanto isso no hospital Raul examina Regina e constata que ela estava com pneumonia e Safira que estava esperando liberarem o horário de visita pra poder ver Regina vê um vasinho de flores vermelhas na mesa da recepção e resolve falar com a mulher que estava atendendo.

Safira: Olá tudo bem?

Recepcionista: Oi, tudo sim no que posso ajudar?

Safira: É eu não sei nem como dizer mais é que uma pessoa muito especial pra mim tá doente aqui nesse hospital e eu queria saber se você poderia me dar essas flores que estão no vaso rs

Recepcionista: Ah pode sim claro

Safira: Eba –diz rindo

Recepcionista: Olha eu tenho até um lacinho pra ajudar o seu buque ficar mais bonitinho –diz mostrando pra ela um laço rosa

Recepcionista: Posso fazer?

Safira: Claro

E ela coloca o laço no vaso dá pra Safira a mesma agradece e o horário de vista é liberado.

Regina: Obrigada são lindas Safira

Safira: Fico feliz que você tenha gostado

Aurora: Ela não via a hora de te entregar essas flores

Safira: Mãe –diz rindo e Regina ri também

Regina: Obrigada de novo Safira,dona Aurora eu fiquei muito feliz que vocês vieram

Aurora: Aposto que você já tá até se sentindo melhor com a nossa presença

Regina: Com certeza

Rosângela: E não me dá mais outro susto desse pelo amor de Deus hein filha –diz dando um beijo na testa dela

Regina: Tá bom mãe –diz rindo e Safira e Aurora se olham e sorriem

E uma enfermeira entra no quarto avisando que o horário de visita tinha acabado e Aurora se despede de Regina e sai

Safira: Eu prometo que isso nunca mais vai acontecer com você tá? –diz pegando na mão de Regina e fazendo carinho

Safira: Tchau –diz dando um beijo na bochecha dela

Regina: Tchau –diz sem conseguir parar de sorrir

Mais tarde...

Rosângela: Filha eu vou conversar com o médico sobre o seu estado de saúde se importa de ficar um pouco sozinha ?

Regina: Não, pode ir mãe sossegada assim eu aproveito e continuo a ler meu livro –diz sorrindo e pegando o livro

Rosângela: Tá bom,já volto

Regina: Tá

E ela pega seu óculos de grau que usava pra ler e começa a ler

Safira: Oii

Regina: Safira –diz sorrindo feliz

Safira: Posso entrar?

Regina: Claro não precisava nem perguntar né?

Safira: Então você já tá se sentindo melhor?

Regina: Tô sim obrigada por perguntar

Regina: As flores que você meu deu ficaram muito bonitas aqui, deu até uma cor pro quarto

Safira: É verdade rs

Regina: Sua mãe falou que você canta isso é verdade?

Safira: Ah não acredito que ela te falou isso rs, é verdade sim

Regina: Canta pra mim?

Safira: Não melhor não

Regina: Ah porque não?

Safira: Porque meu show é só lá no meu chuveiro, eu vou passar vergonha haha

Regina: Para vai eu queria tanto te ouvir cantando, eu tenho certeza que eu me curaria bem mais rápido, por favor  

Safira: Tá

Regina: Então começa logo eu quero te ouvir

 Safira: Linda
Do jeito que é
Da cabeça ao pé
Do jeitinho que for
É, e só de pensar
Sei que já vou estar
Morrendo de amor
De amor

Coisa linda
Vou pronde você está
Não precisa nem chamar
Coisa linda
Vou pronde você está

Linda 
Feito manhã
Feito chá de hortelã
Feito ir para o mar

Linda assim, deitada
Com a cara amassada
Enrolando o acordar
O acordar

Ah...
Se a beleza mora no olhar
No meu você chegou e resolveu ficar
Pra fazer teu lar
Pra fazer teu lar

E Safira sorri pra ela nessa parte e ela retribui encantada

Coisa linda
Vou pronde você está
Não precisa nem chamar
Coisa linda
Vou pronde você está....
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...