História • Pequena Nerd • - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 102
Palavras 1.565
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Escolar, Fantasia, Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 21 - 21° você fez a escolha certa.


Fanfic / Fanfiction • Pequena Nerd • - Capítulo 21 - 21° você fez a escolha certa.

Depois de pesquisar tudo sobre a facção fui dormir, não vou gastar meu tempo com isso, eles estão monitorando tudo, não posso dar bandeira, todo cuidado é pouco, vou mudar aquele segredo de lugar, todas as provas pra botar eles no buraco estão lá, tenho que tomar cuidado, quando eu estiver na rua, vou ter wue prestar bastante atenção.

Levantei, e fui pro banheiro, peguei uma roupa toda preta (mídia), sai e fui tomar café, não é muito comum eu comer todo o café, então vou levar alguma coisa na minha mochila, sai de casa e peguei minha moto, sim sou muito indecisa em questão de qual veículo usar, mas eu prefiro a moto, é mais legal.

Cheguei na escola, fiz as mesmas coisas, no caminho notei que tinha um carro preto me seguindo, e ainds tinha uma águia no capô, eles não confiam em mim, é até bom, sem aquela puxasão de saco, mais tarde vou fingir que irei na casa de uma amiga, vou em uma das casa dos meus pais, como a facção na sabe, e deixo o segredo lá, eu falo segredo mas é todas as provas dos crimes deles, inclusive dos de quando eu não estava, sou uma hacker.

Bateu o sinal, neste exato momento estou batendo a caneta na mesa, o por que?! O professor está fazendo revisão da matéria, e isso é a coisa mais chata, por mim é desnecessário, mas muita gente precisa, por exemplo, o Lucas volto hoje, ele está de muleta, esse não era meu objetivo, mas o estrago também foi ótimo, ele vai ficar um bom tempo de muletas.

Enquanto o professor está explicando, eu finjo estar anotando, mas na verdade eu estou escrevendo meu plano, eu tenho que tomar muito cuidado, também tenho que tomar cuidado quando eu for na "sede" da facção, eles devem saber que eu tenho provas o suficiente pra acabar com eles, que eu me lembre eles tinham aquele bagulho de vê se você tem ferro, eles tem, ou seja, arma, pistola nem pensar, vou ter que pensar, quer saber, vou levar um canivete, eles devem saber que não tem só eles atrás de mim, segurança nunca é pouco.

Bateu o sinal, e hoje eu não vi o Danilo, achei estranho, ele não falta a não ser que tenha um motivo muito bom, vou mandar mensagem, quem sabe ele não vê.

Mensagem:

Beca bipo facção:
Girafa, por que nn veio hj? O prof passou a revisão, achei q vc precisa se, ent anotei algumas coisas.

Beca bipo facção:
Girafa, eu to ficando preocupada, vc nn veio hj, e nem on vc tá.

Beca bipo facção:
E sério, nn brinca com isso. Fala logo comigo.

Girafa doida:
Vc sabe aonde me encontrar, venha aqui, e SEM polícia.

Beca bipo facção:
Aprenderam com a chefe, pegar o ponto fraco, muito bem, me aguardem.

Otimo, pegaram o Danilo, por isso ele não venho, agora vou ter que ir lá, que ótimo, que vontade de gritar, mas eu não posso, devem estar me vigiando. Agora vou ter que ir lá, eles não podem machucar o Danilo, eles sabem o bem valioso que eu tenho nas mãos.

Quando me dei conta estava indo pro meu armário, abri e tirei coisas desnecessárias da minha mochila, na verdade, enfiei minha mochila lá, todos viam que eu estava com raiva, quando terminei de colocar minha mochila, bati o armário e sai, todos levaram susto, até por que eu quase levei o armário junto comigo.

Subi na minha moto e fui em casa, claro tenho que ter algo pra me defender, não adianta eu ir lá, com certeza eles vão estar com armas pesadas, eu vou estar em desvantagem, mas pelo menos vou ter com o que me defender. Cheguei em casa e já fui subindo pro meu quarto, não posso enrolar, entrei, fechei a cortina e peguei minhas armas, eles devem ter colocado câmeras no meu quarto, mas eu tenho um aplicativo que tira o sinal de qualquer coisa que eu quiser, eu botei pra câmeras e microfones, o do computador também vai ficar sem sinal, não posso fazer nada. (N/a: não existe esse app, não tente procurar)

Peguei e sai, chegou a hora, tenho que repassar o plano, um erro e vai ter duas vudas em risco, Beca do mal, por favor não me desaponte, o vida do Danilo está em risco, e quem sabe, a minha, preciso muito de você agora, não amarele.

Cheguei no nosso ponto de encontro, desci da moto e entrei, aqui é a espécie de uma fábrica abandonada, faz séculos que não venho aqui, que saudade.

Sem distração, precisamos salvar o Danilo, e a nós também.

Ok, vamos lá, só preciso saber em qual das alas eles estão, com certeza vai ser uma armadilha, eles são muito imprevisíveis. Estou neste momento entrando em uma.das alas que tem, passo pela porta e começo a andar, quando piso vejo um pouco mais a frente uma linha, e bem no final da sala o brilho da mira da arma, tão amadores, vou chegar próximo a linha, mas não vou pisa-lá.

Dei um passo a frente, olhei diretamente pro cara/moça a minha frente, e claro dei uma olhada pela sala, fingindo procurar algo, dri um passo pro lado, e logo, ouvi alguém trancar a respiração, ótimo, peguei um ferro e voltei pro meio.

Beca: Ei, eu estou vendo sua mira, -disse apontando- e também ouvi alguém daqui, -disse apontando- prendendo a respiração, vamos parar de brincadeira, vamos, saiam do esconderijo, eu sei que tem mais gente.

Logo, todos saíram apontando as armas pra mim, sabia que eu ia estar encurralada, ele não polpa esforço pra me manter distante, melhor eles desembuchar logo, vim aqui por um motivo, e não saio daqui sem ele.

Beca: Que foi? O gato comeu a língua de vocês?

Marcos: Não, eu mandei eles ficarem de boca fechada.

Beca: E também mandou eles manter distancia? Pensei que fosse mais corajoso.

Marcos: Eles são, mas eles tem família, prometi entregar eles vivos.

Beca: Agora pega família também, bom saber. Mas gente um aviso, nunca confie numa promessa de um chefão de facção, eles não sao bons em manter promessa.

Marcos: Ora, vamos lá morena, não seja tão fútil, nao engane eles, você me traiu.

Beca: Ao contrário de você, eu não prometo, mas eu sim, faço o possível pra ajudar.

Marcos: Olha, claro, a menininha volto.

Beca: Ora, ela não volto, mas se o senhor pensa assim, pelo menos é melhor do que ter uma filha que fica na esquina com um short no útero.

Marcos: Não ponha minha menininha no meio, ela nunca te causo nada.

Beca: Ho, claro, esqueci que ela é a santa do pau oco. Enfim, nao vim aqui pra isso, me entregue o que é meu.

Marcos: Morena, você sabe que as coisas não funcionam assim.

Beca: Meu bem, mas vai mudar, e hoje, ou você esqueceu que eu tenho provas suficientes pra botar você e esses mongolóides no buraco?! -ele ficou quieto- Bom saber, então, me devolva o Danilo, ou aquelas provas, não estaram mais comigo, e sim, com a polícia.

Marcos: Primeiro eu quero algo, em troca, te darei seu amigo.

Beca: O que é essa algo, posso saber?

Marcos: Eu quero que você queime essas provas, na minha frente.

Beca: Ok, quando posso pegar o Danilo, não tenho o tempo do mundo meu bem.

Marcos: Levem ela lá, quero que você me apareça, meia noite, aqui.

Beca: Eu entendi, só espero, que não tenha outra "emboscada" igual a essa, vocês são muito fútil.

Ele ficou quieto, como sempre, deixando ele sem palavras, me levaram ate uma ala, desconhecida pra mim, entendi o por que de ser este lugar, mal sabe eles que estão trazendo um inimigo pra dentro do território deles.

Beca: Ele tá aqui? -ele acenou com a cabeça- Espero que ele esteja mesmo aqui, há, e mande pararem de vigiar minha casa, já não basta os paparazzis.

Marcos: Ok, vai logo, antes que eu perca minha paciência.

Entrei sem falar nada, não por que fiquei sem o que falar, mas por que da última vez que eu enchi a paciência dele, eu tive que dá um tiro nele, por que? Por que ele veio me bater, enfim, vamos logo.

Dei uma olhada na sala, o Danilo estava em uma cadeira amarrado, o e seu celular no chão, sempre.

Beca: Não sei pra que amarrar você, você não tem nenhum perigo pra sociedade.

Danilo: Beca, Ho meu Deus Beca, que bom que você chegou, eu não me lembro como eu vim parar aqui, mas minha cabeça está doendo.

Beca: *risos* Vamos logo seu molenga, não podemos enrolar, mas veja por um lado, você não acordou todo sujo.

Danilo: Isso lá é hora pra fazer piadinha?! Tá bom, foi um pouco engraçada.

Saímos e fomos na minha moto, levei ele na minha casa, claro que antes, passamos na casa dele, ele precisava falar pra mãe dele que  ia lá pra casa. Ficamos o dia todo conversando, tudo aleatório, não tocamos no assunto do sequestro, acho até que eles contaram minha estória pra ele.

Passamos o dia juntos, beijos pra cá, beijos pra lá, conversa vai, conversa vem, foi muito legal, claro que eu levei o Danilo pra casa dele, ele estava sem carro, mas tirando o sequestro, o dia foi legal.

To be continue.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...