História Pequeno amor - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seraph of the End (Owari no Seraph)
Visualizações 299
Palavras 2.739
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, gente!
Fiz pesquisas sobre o chocolate para cães e gatos, ele podem comer os especialmente feito para eles, os que nos comemos, não. Sim, pode matá-los. Exagerei um pouco para dar ênfase ao drama.
Espero que gostem!

Capítulo 20 - Descumprindo promessas - parte final


Depois de pegar um copo d’água para o pequeno e voltar para o quarto, Mikaela sentou-se e passou a mão no pelo de seu gato para acordá-lo e contar para ele que havia reconciliado com Yuu e que era chamado pelo nome por parte do moreno.

- Maru-chan? - percebeu que algo estava muito estranho com o bichano e o pegou no colo, estava respirando, mas muito fraco.

- O que foi, Mika? O Maru não está bem? - Yuuichirou perguntou preocupado.

- Ele está mole - apertou com cuidado a barriga e o animal reagiu com um miado sofrido - preciso levá-lo ao veterinário, isso não é normal.

- Eu vou com você.

- Certo - depositou o gato na cama e começou a trocar de roupa - aguente, Maru-chan, vai ficar tudo bem.

- Você conhece algum veterinário vinte e quatro horas? Ainda são três da manhã.

- Eu sei, mas eles não podem me negar ajuda. É uma emergência.

- Vamos até a Universidade, lá deve ter algum aluno ou professor.

- Sim, deve ter alguém lá - disse com temor.

Com Yuuichirou escondido em sua mochila e o gato enrolado em um lençol, Mikaela foi o mais rápido que pode, sem correr para que não acontecesse de machucar tanto o pequeno quanto o felino. Ao chegar no campus da veterinária, encontrou, com muita sorte, dois alunos e um professor que tomavam conta de uma égua que estava para parir.

- Por favor, me ajudem - disse sem demora - o meu gato, ele não está bem…

- Dê-me aqui - o mais velho do grupo falou e Mika entregou, assim que foi tocado em uma região o animal miou chorando - isso não é bom…

- O que o Maru-chan tem? - perguntou apreensivo.

- Vamos examiná-lo melhor - chamou os dois alunos e falou para um - você fica vigiando a Pegasis, e se ela entrar em trabalho de parto ajude-a se necessário, consegue fazer isso?

- Sim, senhor! - respondeu como se o professor fosse um general.

- Ótimo, caso precise de nós estaremos lá dentro.

Um temor invadia Mikaela, visto que imaginava o pior para seu amigo felino.

- E-ele vai ficar bom?

- Sim - falava convicto e caminhava rapidamente com Mika e sua outra aluna acompanhando, quando chegaram orientou que o loiro ficasse aguardando no corredor - fique aqui e espere.

- Salve o meu amigo, sensei - implorou.

- Eu vou - entrou numa sala.

- Ele vai - a aluna disse.

Não tardou muito e o professor partia para atacar Mikaela.

- Você é um péssimo dono!

- E-eu?

- Como pôde dar chocolate para ele?

- Eu não… - falou assustado.

- E ainda deixou comer com papel alumínio!

- Acalme-se, sensei. Com certeza foi um descuido - a aluna tentou acalmar os ânimos - o senhor mesmo examinou como o gato estava com o pelo bem tratado e em boa forma.

- Mas ele deu chocolate! - apontou o dedo para Mika.

- Eu não… - lembrou-se dos doces caídos e da briga com Yuuichirou - eu não percebi o Maru-chan comer enquanto recolhia os bombons do chão.

- Então você confessa!?

- E lá vamos nós - a moça revirou os olhos e falou com calma para Mikaela - acidentes acontecem, mas você deve ter mais cuidado com o seu bichinho de estimação, a sorte é que só deu uma indigestão, mas se ele tivesse ingerido mais doses de chocolate, que possuem enzimas tóxicas para cães e gatos, poderia ser letal. Agora o Maru-chan está sedado, fizemos lavagem e ele ficará um pouco grogue, é bom que o deixe repousar até que você possa levá-lo para casa…

- Ele não vai levá-lo - o professor falou - eu, como protetor dos animais indefesos…

- Não vai deixar esse malfeitor maltratá-los - completou a aluna - nós já sabemos.

- Isso mesmo - colocou a mão na cintura, parecia sem graça e sussurrou para que Mikaela não ouvisse, mas foi falho - não precisa falar assim frente dos outros, Aiko.

- Sim, sim - começou a empurrar o Mestre e falou para Mika - vamos ver como a Pegasis está, você pode ficar um pouco com o Maru-chan, logo voltaremos.

Mais aliviado, mas com muita culpa, Mika entrou na sala onde o animalzinho estava e o encontrou dormindo.

- Oh, Maru-chan, me perdoe - chorou e começou a passar a mão em seu pelo - tenho sido um péssimo dono, um péssimo amigo.

- Mika, eu quero vê-lo - Yuu pediu e foi colocado perto do animal - a culpa foi minha também.

- Tudo bem, Yuu-chan, eu sou o responsável pelo Maru-chan…

- Mas se eu… - começou e parecia triste.

- Agora vai ficar tudo bem - passou o dedo em sua cabeça - o Maru-chan ficará bem.

Para a surpresa do loiro, o moreno abraçou a cara do animal.

- Me desculpa, Maru, se eu não tivesse sido ciumento.

- Tudo ficará bem, Yuu-chan.

- Certo - limpou os olhos - eu juro que vou tratá-lo com mais amor e não é por você, é por ele.

- Obrigado. Ele sabe que você o ama.

 

Quando deram quase dez horas da manhã, Maru foi liberado para ser levado para casa, mas com remédios e muitas recomendações do excêntrico professor veterinário.

- Se você não cuidar direito dele será preso por maus-tratos - dizia com a mão na cintura em forma autoritária - eu mesmo vou na sua casa e…

- Aplicarei a Justiça Animal - completou a aluna mais uma vez.

- Aiko, você quebra a minha fala - disse completamente sem graça.

- Eu sei, mas é divertido - sorriu e Mika percebeu aquele jovem professor corar - cuide bem do Maru-chan.

- Isso mesmo! Agora vamos ver a Pegasis e o Pegarus, ele deve estar mamando…

- Pegarus? - o loiro perguntou, não aguentou aquela curiosidade que batia nele ao ouvir o segundo nome excêntrico.

- Não ligue para ele - a moça riu - ele tem a mania de misturar mitologia greco-romana com a egípcia. Pegasus mais Ísis, Pegasus mais Hórus, temos uma hamister que se chama Eratiti.

- São nomes lindos, Era mais Nefertiti, para o seu governo Nefertiti não faz parte da mitologia, ela existiu e era considerada a mulher mais bela do Egito antigo…

- Sim, sim - começou a empurrar o professor - vamos, vamos. Até outro dia, Mika-san.

- Até - mesmo com todo o pesadelo que viveu, Mikaela não deixou de sorrir - eles formam uma boa dupla.

- Acho que vão ser um casal - Yuu falou - igual a nós.

- Então vamos para casa - sentiu o rosto aquecer.

- Vamos, estou com fome.

 

Quando Mikaela estava quase chegando em sua casa, avistou Keisuke em sua porta e trazia com ele um buquê de flores.

- Droga… - sussurrou e quis se esconder, mas era tarde.

- Mika! - chamou o visitante.

- O que foi, Mika? - Yuu perguntou.

- Nada, fique quieto e não fale nada - recomendou ao ver que o ex vinha em direção a ele.

- Mika, onde estava? - Keisuke perguntou - o que aconteceu com o Maru-chan?

- Ele estava passando mal e tive que levá-lo ao hospital. Ele comeu um dos bombons que você deixou em minha porta.

- Então você não comeu? - disse decepcionado.

- Isso não é importante - continuou caminhando e chegou em sua casa.

- É importante para mim - bloqueou a porta - olha, trouxe para você.

- Obrigado, mas não posso aceitar. Por favor, Keisuke, vá embora, não quero ter problemas - suspirou.

- Você diz como se já tivesse um compromisso com alguém - falou surpreso.

Mikaela não queria falar daquele assunto com aquele que não era um dos protagonistas de sua vida, queria que o primeiro a saber se era um compromisso ou não fosse um pequeno ser escondido em sua mochila.

- Não é um compromisso - recebeu algo como um pontapé nas costas - mas não quero que venha em minha casa assim.

- Você disse que somos amigos e amigos podem visitar um ao outro.

- Tenho que cuidar do Maru-chan e não vou ser um bom anfitrião, é melhor você ir…

- Posso te ajudar, Mika, eu cuidei da minha gatinha quando ela ficou assim e já tenho experiência com esse tipo de situação. Posso aplicar a injeção ou dar os comprimidos sem ele achar ruim ou não engolir.

- Mas…

- Eu te ajudo - foi colocando as flores na cara do loiro, pegou o animal no colo e este deu um miado fraco - ele deve estar gostando de mim - sorriu - quem dera que alguém voltasse a gostar de mim também.

O loiro desviou os olhos para que o ex-namorado não pensasse que tivesse chances.

- Só me ensine a dar melhor a medicação dele - entraram na casa - o Maru-chan é precioso para mim e não posso deixá-lo sofrer…

- Vá lavar o rosto, Mika. Você deve estar cansado e depois eu te explico.

- Está certo.

Por achar que Keisuke tivesse um pouco de razão, Mikaela entrou no banheiro e recebeu um resmungo de Yuuichirou.

- Manda ele embora, Mika! - disse indignado assim que a mochila foi aberta.

- Shiiiiii, fale baixo! Eu tentei, mas ele pode cuidar do Maru-chan melhor que eu…

- Mentira! Isso é uma desculpa para vocês ficarem juntos! - continuou falando alto e o loiro cobriu-lhe a boca.

- Está falando sozinho, Mika? - o ex bateu na porta.

- Sim! Falo sozinho! - respondeu depois do susto.

- Não sabia que você fazia isso - riu - você começou a colecionar miniatura também?

- S-sim - lembrou-se das coisas improvisadas para o moreno, ligou a torneira para abafar o som da conversa com Yuu - é um hobby.

- Quando nós estávamos juntos você nunca me falou que gostava de brincar de bonecas, temos muita conversa para pôr em dia.

- Hahahah - fingiu rir e se voltou para o pequeno - Por favor, Yuu-chan - suplicou - eu não quero que o Maru-chan sofra mais por minha falta de atenção com ele.

- Eu sei que o Maru é importante para você, Mika - disse quase desesperado - só que Keisuke quer te reconquistar, percebi só pelo tom de voz dele e ele já te disse isso também. Ele não está aqui apenas para te ajudar.

- Confie em mim, Yuu-chan - passou o dedo na cabeça do moreno - eu não quebro minhas promessas, não vou voltar com ele até a sua situação se resolver.

- A Nossa situação, Mika - pegou em seu indicador - eu confio em você, mas nele não. Ele vai tentar te seduzir, te ludibriar e te tirar de mim, eu não permito, não permito!

- Não seja ciumento e inseguro. Não quero brigar de novo - deu um muxoxo - não vai acontecer nada, ele vai me ajudar com o Maru-chan e só isso.

- Não! Eu sei que ele vai fazer de tudo para te pegar de volta!

- Yuu-chan, por favor, não vamos brigar - pediu mais uma vez - pelo Maru-chan.

- Mas, Mika, por que você não me entende? - tinha lágrimas pendendo - enquanto eu estiver assim não vou ter chances contra ele e você insiste em querer deixá-lo perto. Por que gosta de me torturar?

- Yuu-chan, quase perdi meu amigo e companheiro, o Maru-chan é tudo de bom que é meu e que não me abandonará…

- E eu, Mika? Eu não sou bom na sua vida? Diga que eu sou seu também, por favor…  

- Você…

- Está tudo bem, Mika? - a porta foi batida novamente.

- Sim, estou bem - respondeu - vamos, Yuu-chan?

- P-por que você sempre me deixa na expectativa? - começou a chorar - n-nunca me responde sim ou não, s-sempre muda de a-assunto ou alguma coisa te chama mais a atenção.

- Não chore, Yuu-chan…

- E-então responda, Mika - limpou o rosto - fale que sou eu o mais importante…

- Tem certeza que está tudo bem? Está chorando? - o ex perguntou.

- Não, estou bem e já vou sair. Vamos, Yuu-chan, eu sei que sou cruel, mas falar agora e aqui não é o momento nem o lugar ideal. Tenha paciência, por favor.

- Eu tenho - disse choroso e enxugando as lágrimas - só que você me deixa no escuro e não sei o que fazer para te conquistar.

- Não fique assim, vamos resolver tudo depois que voltar ao normal, tudo bem? - passou o dedo com gentileza no rosto do pequeno.

- Está bem - disse triste apertando o lenço em forma de roupa - é o que mais tenho esperado, só quero que toda essa espera não seja em vão e que eu possa te abraçar e beijar de verdade - entrou depressivo no fundo da mochila, Mika a fechou e não percebeu que a abertura mínima emperrou o zíper.

- Desculpa, Yuu-chan - fechou a torneira e saiu.

- Você está bem, Mika? - o ex perguntou parecendo preocupado - ele vai ficar bem, confie em mim.

- Só me dê o Maru-chan - quis pegar seu animal de estimação, porém não lhe foi devolvido.

- Não - foi se sentando na cama - não pode mexer muito nele, sente-se aqui.

Embora não gostando de ser mandado daquele jeito, Mikaela depositou a mochila com muito cuidado na mesa e sentou-se ao lado de Keisuke, porém com o espaço de um travesseiro entre os dois.  

- Está com medo de eu te agarrar? - sorriu malicioso.

- Não - respondeu seco - põe o Maru-chan na cama, ele não gosta de você.

- Assim meu coração quebra, Mika - depositou o animal no canto da parede com o móvel.

O loiro foi passar a mão em seu gato, todavia seu pulso foi agarrado, sem entender tentou se soltar.

- Não vou pegá-lo no colo - olhou para o ex.

- Vamos conversar sobre nós, Mika. Fique mais perto de mim - Mikaela foi puxado e abraçado - sinto falta de você, assim, com a respiração correndo por estar próximo do meu peito…

- Você está entendendo errado - disse, o coração estava pulando por ter levado um susto ao ser pego desprevenido e quis se afastar.

- Não me rejeite - apertou - sei que te magoei, mas eu era um tolo e agora quero que as coisas voltem como era antes, com você sendo meu namorado e eu sendo o seu Kei-chan.

- Só podemos ser amigos - conseguiu sair daquele abraço, aquilo deu um pouco de alívio, visto que Yuuichirou estaria assistindo aquela cena e ficaria chateado, mais do que isso, furioso com tudo.

- Não posso aceitar essa resposta - empurrou para deitá-lo e ficou por cima sentando-se nas pernas e nos braços - você era apaixonado por mim, lembra? Lembra que eu te ensinei a fazer amor? Que você tremeu embaixo de mim? Aqui, nesta mesma cama?

- Você que disse que podíamos ser somente amigos - tentou ignorar todo o resto que foi dito, porém sentia o rosto corar - e é isso que somos hoje, amigos.

- Amigos não beijam o outro na boca - foi se abaixando.

- Não - quis fugir, porém o corpo preso não ajudava - você disse que ia me ajudar com o Maru-chan…

- Era uma desculpa, não finja que não sente nada por mim…

Uma nota mental pairou no cérebro de Mika, o pequeno tinha razão.

- Saia de cima de mim - pediu em aflição.

- Não, eu sinto tantas coisas boas e quero te fazer lembrar, que também sinta de novo - tomou a boca com força.

Mikaela estava com medo, nunca se imaginou naquela situação, agitava as pernas os braços presos numa tentativa falha de escapar. Diferentemente de quando Yuuichirou roubava seus beijos e carícias, o loiro sentia que Keisuke o forçava e que não teria como fugir daquilo.

De repente, ouviu-se um grito e algo sendo atirado contra o ex.

- Saia de cima do meu Mika! - o moreno estava vermelho de ódio.

Mika não cumpriu a promessa feita com Ferid, tinham visto Yuuichirou em sua forma pequena.


 


Notas Finais


Espero que tenham gostado e até


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...