História Percy Jackson e a Sagrada Sabedoria - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Tags Ação, Mitologia, Percy Jackson
Exibições 29
Palavras 717
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Violência
Avisos: Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - A missão


Fanfic / Fanfiction Percy Jackson e a Sagrada Sabedoria - Capítulo 6 - A missão

Não entendi o porque, mas essa profecia estava muito mais fácil de interpretar, nesse momento Quíron interrompeu o meu raciocínio.

- O tridente, possivelmente Percy Jackson, o único filho de Poseidon conhecido e a águia, um filho de Atena, bom, Percy, levante-se – levantei quase que instantaneamente – você será o líder da missão e, como de costume, escolha mais duas pessoas para o acompanhar.

-Ãããnn... – estava nervoso por falar em público com todos aqueles novos campistas – eu escolho Annabeth e... – alguém me interrompeu – Olhem que fofo gente, o casalzinho e a vela na missão – não me importei muito àquele comentário e continuei – e Grover.

Escutei o barulho de cascos se chocando, era Grover comemorando. Ele parou quando percebeu que havia algo na fogueira, uma espécie de rosto que dizia:

- Eles estão nos atacando, agora estou só no Olimpo, todos foram capturados e presos no labirinto. – tive uma leve impressão de que aquele era o rosto de Afrodite – O plano deles é capturar todos os olimpianos para que não interfiramos na nova ressurreição de Cronos, pelo que vi, este plano está mais elaborado do que o último, vocês devem estar mais do que preparados, vão urgentemente para esta missão. Corram!- ela berrou e o fogo se apagou, agora era certeza, o rosto não pertencia à Afrodite e, sim à Atena.

- Percy, Annabeth e Grover, arrumem suas malas, partirão nessa manhã, me encontrem no punho de Zeus, là eu lhes darei as instruções da missão, vão dormir, terão de acordar muito cedo amanhã.

                Todos foram dormir, inclusive eu, felizmente, nada de pesadelos. De manhã, me lembrei que tinha de arrumar as malas, malas eu quero dizer uma mochila de um aventureiro. Depois, fui até a entrada do labirinto, o punho de Zeus. No caminho, encontrei Annabeth vindo na minha direção, pelo visto ela estava estressada.

- Venha cabeça de alga, está muito atrasado, que bonito, o capitão de uma missão chegando atrasado. Você tem que melhorar esse seu hábito, rápido Quíron está nos esperando.

-Ok

Na entrada lá estava Quíron, me encarando, batendo seus cascos dianteiro batendo no chão, Grover estava ao lado, comendo uma latinha de coca, sem se importar com a situação.

- Percy, achei que não viria, você está muito atrasado. – disse Grover.

- Me desculpe, esqueci de arrumar minhas malas antes de dormir, arrumei agora.

- Então tá, Quíron, quais são as instruções ?

- Bem, não tenho muito o que dizer, vocês já visitaram o labirinto.  Não confie em ninguém lá dentro, todos são seus inimigos, mesmo que não pareçam, eles irão lhe apunhalar pelas costas. Procurem todos os olimpianos, é possível que eles lhe ajudarão lá dentro, mas mesmo assim, tomem muito cuidado. – nós três falamos ao mesmo tempo – Entendido. – ele respondeu – Então vão, os deuses estão lhes esperando.

Foi como da primeira vez, adentramos entre as rochas, em meio à escuridão. Peguei a lanterna que estava na minha mochila, quando ascendi, nos vimos em meio à um grande corredor, que, parecia que à cada passo que dávamos, ele ia se espremendo, a lanterna falhou, e, quando voltou ao normal, estávamos em uma câmara em forma de meia-lua, com três corredores à nossa frente. Annabeth interrompeu aquele silencio:

- Vamos no do meio – Grover perguntou – Como sabe ?

- Intuito dedutivo.

                Adentramos ao portão do meio, outro corredor, fazia pouco tempo, mas não aguentava mais ficar lá, e, desta vez era um corredor pequeno, logo nos vimos em um grande salão com imagens nas paredes.

- São códices Astecas, são tão magníficos, nunca os vi de perto – disse Annabeth.

                Uma luz se ascendeu no meio do grande salão, lá estava ela, a Esfinge.

- Bem vindos novamente semideus, aqui, no xou da Esfinge, se vocês acertarem o meu enigma poderão passar.

                Logo vi que ela estava segurando um microfone brilhante, típico de programas de TV americanos que não fazem sucesso nenhum.

- Não, ela nãããoooo, eu odeio ela – resmungou Grover.

- Não me importo, vamos lá, que começe o Xou da Esfinge. – ela continuou – O que tem uma perna longa e uma pequena, mas anda o dia todo ?

- Essa é fácil – disse Annabeth – é o relógio.

-Sabichona, odeio todos os filhos de Atena, eles sempre passam e nunca consigo devorar meus lindos semideuses. Vão, passem logo, senão repensarei na ideia.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...