História Perdas - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottom!jeongguk, Hoseok, Jimin, Jin, Jungkook, Namjin, Namjoon, Taehyung, Top!taehyung, Vkook, Yoongi, Yoonmin
Exibições 75
Palavras 1.924
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Depois eu coloco a capa de capítulo. Eu tô morrendo de sono, então vai assim mesmo.

Vejo vocês nas notas finais!

~ Indizível significa intraduzível por palavras

Boa leitura <3

Capítulo 14 - Indizível


 

Taehyung

 

 

— C-como assim tentar? — A minha voz falha na primeira palavra proferida da frase e eu sinto a proximidade do garoto ao meu corpo se aumentar e os arrepios na nuca e braços seguirem na mesma intensidade.

 

— Assim... — Quando Jeongguk torna inexistente a distância entre nossos corpos e seus passos são largos e rápidos, o mesmo acontece com nossos lábios ao momento em que é cessado qualquer tipo de espaço entre nós dois e um beijo calmo é iniciado. Ondas de choque são distribuídas por meu corpo inteiro e os arrepios fazem minhas mãos estremecerem ao ter meus lábios tomados pelos seus.

 

Fico paralisado, os olhos arregalados e sem reação alguma. Pisco inúmeras vezes tentando voltar para a realidade, querendo mesmo saber se aquilo estava, de fato, acontecendo. Seus lábios tão macios sendo pressionados contra os meus me faz fechar os olhos com força para quando os abrir, definir se aquilo é apenas coisa da minha cabeça ou não.

 

Jeon começa a mover seus lábios, logo sendo acompanhado por mim. Tudo acontece tão tranquilamente e intenso, que eu sinto como se estivesse em um mar de nuvens, completamente perdido. Passo meus braços ao redor de sua cintura, puxando-o mais para mim, aprofundando mais o beijo.

 

Quando sua língua entra em contato com a minha, sinto minhas pernas vacilarem por uma fração de segundo. Não posso nem consigo definir a sensação que é beijar Jeongguk. Calmo, intenso, quente, mas que bate aquele famoso frio na barriga. Tem saudade em ambas as partes. Ah! Como eu senti falta desse garoto. Falta até do que eu não havia sentido ainda.

 

O ar começa a se fazer ausente, obrigando-nos a finalizar o beijo com breves selinhos. Encosto minha testa na sua ainda com os olhos fechados e respiração ofegante. Começo a sorrir. Abraço-o fortemente, ele retribui. Meu sorriso não cessa por um segundo sequer.

 

— Eu gosto tanto de você. — Segredo baixinho. O moreno começa a rir e me abraça mais forte.

 

— Obrigado.

 

— Por? — Desmancho o abraço, encarando-o nos olhos.

 

— Por gostar de mim. — Sorri envergonhado, abaixando a cabeça, encostando-a em meu peito.

 

Pode parecer bobo, até mesmo exagerado, mas eu estou tremendo um pouco. De repente, não me vi mais sendo responsável pelos meus atos. Eu estou feliz.

 

— Eu queria entender o que vi em você desde o começo. — Beija meu pescoço.

 

— Desde o começo? O que quer dizer?

 

— Mal coloquei meus olhos em você e já me vi perdido. Eu acho que já gostava de você antes mesmo de te conhecer. — Ele ri — Eu só não sabia.

 

Fico em silêncio por alguns segundos. Não consigo falar nada, apenas sorrir ainda mais. Ele continua:

 

— Eu não queria aceitar. Não podemos passar disso, não é permitido. As pessoas, a mídia...

 

— Isso não importa, Jeongguk.

 

— Eu ainda estou confuso. — Suspira.

 

— Vamos esquecer isso. — Seguro-o pelos ombros, afastando-o para encarar seu rosto — Pelo menos essa noite. Podemos? — Assente.

 

— Me beija. — Pede em um sussurro

 

— Segundo beijo no mesmo dia! Acho que estamos evoluindo rápido. — Brinco.

 

— Para de ser idiota, Tae. — Revira os olhos e ri.

 

Seguro seu rosto com as duas mãos antes de aproximar nossos rosto e atender ao pedido. Eu o beijei como se seus lábios fossem ar e eu não conseguisse respirar. Minha vontade é de sorrir o tempo todo, mas minha boca está sendo ocupada — muito bem ocupada, aliás.

 

Suga minha língua com pouca força, puxa meu lábio inferior com os dentes, voltando a intensificar o beijo. Todo esse ciclo está me deixando louco, um tanto mais impulsivo. Possessivamente, aperto sua cintura fazendo com que o menor solte alguns suspiros pesados. Separamos nossas bocas por um breve tempo para recuperar o ar até voltarmos a colá-las de novo com um beijo cada vez mais intenso. Parar o beijo é um processo difícil por ser viciante. Viciante feito droga. Ele passa a distribuir selares pelo meu queixo e pescoço.

 

— Acho que estamos passando dos limites. — Sussurra contra meu pescoço, arrepiando-me.

 

— Difícil me controlar quando se trata de você. — Mordo o ombro um tanto exposto do moreno, fazendo-o gemer baixinho.  — Eu não sei o que está acontecendo aqui, agora, nesse momento.

 

— Não precisamos saber disso agora. Deixe que sejamos um. Foda-se tudo isso! Eu quero você, Taehyung-ah.

 

— Eu amo tanto você... — Murmuro.

 

Jeongguk me empurra forte o suficiente para me fazer cair sentado na cama. Sobe em cima de mim e senta em meu colo, sorrindo um tanto malicioso. Meu coração falha algumas batidas. Distribui beijos por todo meu rosto causando leves cócegas que me fazem rir baixinho. Coloco a mão em suas coxas grossas, aperto as mesmas com vontade. Empurra-me até que eu me deite e ele comece a me beijar novamente. Esses lábios, nunca vou casar deles. Todo aquele ósculo deliciosamente viciante que Jeon me proporciona me deixa sentir que sou um verdadeiro pervertido. Quer dizer, a posição que estamos é um tanto... Quente.

 

Ofegante, separo o beijo contra a minha e sua vontade.

 

— A porta...

 

— Eu tranquei quando entrei. — Tenta voltar ao ato, mas eu afasto.

 

— Por que? — Faço uma expressão confusa.

 

— Achei que você fosse fugir de novo. Isso importa agora? — Nego. — Ótimo.

 

Retorna ao ósculo um pouco mais desesperado, sedento por meus lábios. E eu não reclamo por um segundo sequer, pois essa sensação é maravilhosa. Saber que ele sente algo tanto quanto eu me deixa aquecido por dentro. Solto um gemido entre o beijo quando o moreno senta em cima do meu membro já desperto. Começa a rebolar lentamente sobre meu colo, arrancando-me suspiros pesados. Oh! Isso é tão torturante.

 

— J-Jeongguk... — Chamo-o com dificuldade por não cessar seus movimentos excitantes.

 

— Hm?

 

Não respondo nada, apenas fecho meus olhos tentando me controlar ao máximo. O garoto para seus movimentos assim que se põe para o lado e começa a tirar meu short. Dá um sorriso de canto ao ver o quão marcada está minha boxer. Passa a mão pelo mesmo, massageando-o.

 

— G-Ggukie, para.

 

— Por que? — Faz um biquinho infantil, mas não interrompe sua mão por um segundo, começa a acelerar. Esse garoto...

 

— É torturante. — Mordo meu próprio lábio na intenção de obrigar-me não gemer.

 

— Só com uma condição.

 

— Qual?

 

— Me faça perceber que realmente pertenço a você e que toda essa "confusão" — dá ênfase — é apenas eu querendo não me apaixonar por você.

 

Encaro-o nos olhos intensamente como se perguntasse se ele tem realmente certeza disso. Puxo-o pela nuca, o moreno praticamente se deixa sobre mim quando minha intensão é beijá-lo. Nossos membros re roçam, atrapalhados pelo tecido. Passo a mão por dentro de sua camisa, ele se arrepia por inteiro. Retira a parte de cima de sua roupa, dando-me a mais perfeita visão. Engulo a seco.

 

— Você é tão lindo... — Passo a mão pelo local, admirado por ser bem mais do que imaginei. Sorri envergonhado.

 

Com pouco esforço, inverto nossas posições afim de retirar logo todas aquelas roupas incômodas demais para o momento. Jogo todas em um canto qualquer do cômodo, focando apenas em seu corpo. Sinto-me completamente pervertido. Notando a atenção que seu membro pulsante precisava, passo a masturbar o mesmo de forma lenta. Jeongguk profere um gemido arrastado, o que me faz acelerar a velocidade do ato por mais alguns segundos. Minha intenção é outra, definitivamente.

 

Esboço um sorriso de canto, descendo beijos até a parte mais baixa, sinto-o arrepiar com isso. Afasto suas pernas, posicionando minha boca perto de sua entrada, lá começando a me divertir com a língua, penetrando algumas vezes apenas para ouvir seus gemidos sofridos. Depois disso, melo meus dedos com a própria saliva, voltando a minha atenção ao moreno para perguntar se posso prosseguir. Com o seu consentimento, penetro o primeiro dedo. Faço movimentos de vai e vem com o mesmo até notar ser o suficiente para adicionar mais um dedo. Repito todo o processo até que ele se acostume o suficiente para receber mais outro. Geme meu nome algumas vezes, controlando-se para não emitir um som mais alto pelo receio de nos ouvirem. Ao retirar meus dedos de seu interior, posiciono-me em meio suas pernas, masturbando seu membro na intenção de distraí-lo da dor ao penetrar cuidadosamente. Brinco com os seus mamilos enquanto permaneço parado dentro dele, esperando que se acostume. Sou paciente.

 

Minha mente parece não parece processar nada do que está acontecendo agora, simplesmente por ser novo demais, quase que uma ilusão se eu não tivesse total certeza de que estou acordado. Não é possível eu sentir tantas coisas assim e ser mentira. Nunca havia feito isso, mas só pelo fato de ser com ele, já torna tudo extremamente especial. Não sei como poderia ser melhor.

 

Com o pedido para prosseguir, começo a me mover lentamente dentro dele. Emito um gemido rouco enquanto saio e entro dele com calma. Tão apertado...

 

Beijo seus dois olhos onde algumas lágrimas de dor escorrem silenciosamente, preocupado sobre estar sendo muito apressado. Colo minha boca na sua, tentando procurar meios de continuar o ato sem que ele sinta muita dor. Seus lábios são tão bons, que eu esqueci quem sou. Eu poderia dar tudo sem pensar duas vezes. Vale a pena.

 

Aos poucos, a velocidade de meus movimentos começam a aumentar, suor começa a escorrer pelas têmporas, gemidos começam a se fazer mais e mais presentes. A forma como ele está tão entregue a mim deixa-me a sentir coisas na quais nunca havia sentido antes. Jeongguk está sendo o meu primeiro em tudo, e não poderia querer nada mais que isso. Eu o amo e quero provar isso todos os dias.

 

Revira os olhos de prazer, sinal para que eu continue na mesma intensidade, acertando seu mais prazeroso ponto. Nossos corpos se chocam, fazendo sons eróticos e extremamente excitantes. Sinto meu limite cada vez mais perto. Uma, duas, três, quatro investidas até que eu me desmanche em seu interior. Dou atenção ao seu membro novamente, fazendo mosvimentos acelerados de vai e vem até que ele também atinja seu limite.

 

Respiração pesada, coração agitado, descanso ao lado de seu corpo, tentando me manter estável. Jeongguk está um tanto trêmulo, bochechas coradas e cabelos grudados na testa pelo suor. Não deixo de pensar no quanto ele fica lindo assim. Passo o polegar pelos seus lábios e bochecha, ele sorri. Coloca a mão sobre minha barriga, abraçando-me de lado, encosta a cabeça em meu peito, começo a fazer carinho em seus fios.

 

— Não quero dormir porque estamos sonhando alto. — Murmuro um trecho de música qualquer.

 

— É estranho, não é? — Pergunta depois de um tempo em silencio, apenas passando os dedos em minha barriga — Todo esse sentimento...

 

— Não fomos um tanto apressados? — Franzo a testa.

 

— Você não sabe o quanto queria isso.

 

— Foi do jeito que queria?

 

Eu realmente fiquei curioso para saber, já me vendo nervoso pela resposta. Para mim, foi a melhor noite que já tive. Ele foi feito para mim e eu, para ele.

 

— Foi bem melhor. Sabe o que eu mais gostei nisso tudo? — Levanta seu olhar para mim. Nego, sorrindo. — O fato de ter sido real e não mais apenas um sonho.

 

Esboço um sorriso grande, tão grande que meus olhos chegaram a fechar. Rouba alguns selinhos meus antes de voltar àquela posição anterior. Continuo a acariciar seus fios, sentindo meus olhos pesarem aos poucos. Deixa escapar alguns bocejos, indicando que o sono está presente. 

 

Depois de alguns minutos, Jeon finalmente se entrega ao sono. Eu apenas fito o teto, pensando em tudo o que acabou de acontecer e como estou feliz por nós dois. Cansado, sussurro mais para mim mesmo do que para ele:

 

— Eu quero que você seja meu primeiro e último em tudo. 

 

 

 


Notas Finais


KKKKKKKKJJKKKK TO RINDO

Não foi lá o melhor dos melhores lemons, mas eu me senti bem com ele. Bem, a foco não é esse e se tiver dois momentos como este é muito até. Outra coisa que eu queria avisar é que eu acho que vou passar a aumentar o número de palavras na fic, em consequência disso as atualizações demorarão um pouco mais. Acho que vou poder atualizar de 2 em 2 semanas... por aí. É necessário fazer isso, de alguma forma. NÃO DESISTAM DE MIM!

Vocês não tem ideia do quanto estou ansiosa para postar o último capítulo. Eu realmente espero que valha a pena e que vocês gostem disso tanto quanto eu. Odeio ser ansiosa kkjjkk mas é por uma boa causa.

PERCEBERAM QUE A CAPA MUDOU? Achei bem melhor assim. Obrigada mais uma vez, Gyo<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...