História Perdidos - Capítulo 16


Escrita por: ~

Exibições 36
Palavras 1.205
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Luta, Mistério, Romance e Novela, Survival
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hoje visões Cellbit e Pac.
Spoiler do próximo cap: tem Kesta.

Capítulo 16 - Sortudos


Fanfic / Fanfiction Perdidos - Capítulo 16 - Sortudos

*Visão Cellbit*

 

Acordo no meio da noite com a chuva batendo na areia da praia. Minha sorte e de Kessy é que fizemos o abrigo pensando no caso de se chovesse, e estávamos bem protegidos. Eu estava deitado de barriga pra cima e ela dormia de barriga pra baixo, meio que em cima de mim, com sua cabeça deitada no meu peitoral, com o alto da cabeça quase encostando em mim, e seu rosto virado para o lado. Não estávamos exatamente deitados no chão, era como uma cadeira bem inclinada, quase deitada. Eu começo acariciar seu rosto e seus cabelos enquanto observava a luz das trovoadas entrando pelas frestas da "porta" com folhas de bananeira. Ela começa a acordar aos poucos. Eu beijo o alto de sua cabeça. Ela começa a traçar desenhos imaginários em meu peito enquanto eu falava com ela.

- Ainda não amanheceu, deveria dormir.

- Ah, Cell... É que é difícil dormir com todo esse barulho de trovoadas e raios...

Ela levanta sua cabeça, se apoiando com os braços, meio que em cima de mim, me olhando no rosto.

- E se essa chuva se tornar uma tempestade? Eu tenho medo.

Ela me disse séria. Eu sorri de lado.

- Eu cuido de você.

Tomo seus lábios em um beijo, bem de vagar, calmo. Nós fechamos os olhos e eu me sento melhor. Levo minhas mãos a sua cintura, trazendo ela mais pra perto, e ela senta no meu colo, com seus braços ao redor de meu pescoço. Seguro firme sua cintura, pedindo passagem com a língua e ela logo cede. Inclino levemente meu rosto, aprofundando o beijo. Aperto sua cintura e sinto ela arranhando do meu pescoço aos meus ombros. Eu era sensível a isso, e sempre que ela me arranha eu me arrepio. Ela leva suas mãos para minhas costas. O beijo estava com mais ritmo e eu estava em chamas ali. Separamos o beijo para recuperarmos o ar, e no mesmo momento eu desço com selinhos pelo queixo indo para seu pescoço, com beijos molhados, e ela se inclina expondo ainda mais seu pescoço, com seu rosto na curva do meu ombro. Eu dou uma leve mordida em seu pescoço e ela arranha minhas costas. Ela sabia que me provocava, e adorava isso. Eu gostava de ver seu lado doce mas também amava seu lado quente. Subo minhas mãos de sua cintura mais pra cima, por dentro de sua regata. Ela arrepia. Puxo sua regata para cima, tirando-a. Então volto a beijá-la, deitando ela, e comigo ficando por cima.

Afastamos o beijo para poder respirar, e eu volto a beijar seu pescoço, e desço pela sua barriga, enquanto abria o botão de sua calça jeans. Então eu puxo sua calça, e dou alguns beijos em sua coxa, percebo ela estremecer. Volto a beijá-la enquanto tiro minhas calças com ajuda dos pés dela. Ela com suas mãos em minhas costas me arranhava, e eu me sentia provocado demais. Eu queria e ela parecia querer também. Então, introduzi e ela apertou minhas costas com as unhas. Eu comecei com estocadas lentas, e passei novamente a beijar seu pescoço. Seus gemidos eram muito excitantes, e eu sentia ela buscar contato. Eu acelerei as estocadas indo cada vez mais fundo, até atingir algum lugar fazendo com que ela gemesse mais alto, mordendo seu lábio inferior. Eu sorri com isso contra sua pele. Comecei a acertar só esse lugar. Estávamos doidos ali, eu nunca me senti tão aceso na minha vida. Ela goza e eu sentindo que também iria, me retiro de dentro dela com calma e me desfaço. Então deito do seu lado. Estávamos suados e eu dei alguns beijos em seu rosto. A chuva estava se acalmando, e podíamos ouvir o mar. Ela deita em cima de mim novamente, como quando acordamos. Eu acariciava enquanto falávamos sobre ter sido bom. Eu disse várias vezes a ela que a amava e ela disse a mim. Ela pega no sono com minhas carícias. Um tempo depois eu também acabo pegando no sono.

 

*Visão Pac*

 

Acordamos de manhã cedo com o sol entrando no abrigo. Que bom que a chuva passou. Fomos todos ao redor da fogueira. Eu estava escorado no Mike. Ele fazia carícias no meu cabelo e volta e meia me dava um beijo no pescoço. Eu ficava arrepiado e vermelho. Ele sorria com aquilo. Depois de comermos algumas frutas, ficamos conversando enquanto o Luba e o Polado resolveram dar uma volta e  Authentic e Malena foram caçar. O Baixa conversava com a gente, Gusta e Kéfera namoravam um pouco, até decidirem sair também. Quando ficamos só nos três, estávamos falando sobre amores, e eu arrisquei perguntar ao Baixa.

- Baixa, já se apaixonou?

Ele respira fundo encarando o chão.

- Já. Mas nunca dou sorte nessas coisas sabe. O amor não é pra mim. 

-Não fala isso, Baixa. É só questão de encontrar a pessoa certa.

O Mike o diz. Ele sorri de lado.

- Pode ser isso também. To esperando um milagre acontecer. Enquanto isso, vou em festinhas, fico com várias, mas quem eu realmente quero não me quer. Fazer oque, né?

-A vida é complicada. Eu também, vivia saindo... Mas quem eu queria tava bem aqui.

Eu digo olhando ao Mike. Ele me dá um selinho. O Baixa sorri, nos olhando de canto.

-Você deu sorte, Pac. Se apaixonar pelo seu melhor amigo. Tipo igual a Kessy e o Cellbit, eles também são sortudos. Se apaixonar pelo seu melhor amigo é tipo, se apaixonar pela pessoa que te entende nas piores horas, se apaixonar pela pessoa que ri das suas piadas estúpidas, que te aconselha, que te abraça, que não desiste de você nos piores momentos. Se apaixonar pelo seu melhor amigo é se apaixonar pela pessoa que pode te fazer feliz de verdade. 

Ele me diz. Seus olhos encheram de lágrimas, mas ele não deixou elas escaparem. Desviou o olhar para o abrigo. 

-Eu acho que vou dormir. Não consegui descansar com aquela chuva de ontem. 

Ele diz. Eu e o Mike desejamos a ele que dormisse bem, ele agradeceu. Eu e o Mike ficamos nos olhando. Os dois processando oque ele disse.

-É verdade né, Mike?

-É, esse trem aí é sério.

O Mike me diz. Eu dou um sorriso bobo. Adorava o jeito que o Mike falava. Ele me dá um selinho. Então ele me diz:

- Ele tem razão sobre mim e você, sobre a Kessy e o Cellbit, sobre se apaixonar pelo seu melhor amigo. Já é melhor amigo porque é uma das melhores pessoas que você poderia ter ao seu lado, então porque não casar com essa pessoa?

 Eu sorri abertamente.

-Que isso, moço?

-Uai, acontece né. 

Ele me beija, levando uma de suas mãos a minha cintura, e a outra na minha nuca. Sinto ele pedir passagem com a língua, e eu cedo. Os beijos do Mike eram apaixonantes, e seus lábios se encaixavam muito bem nos meus. Passamos o resto do dia namorando. E eu fiquei meio que pensando nas coisas que o Mike disse e nas que o Baixa disse. Será que o Baixa estava apaixonado por uma melhor amiga? Quem seria? Difícil entender. Mesmo assim, ele disse apenas verdades.


Notas Finais


O capítulo não está tão grande, mas mesmo assim espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...