História Perfect - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ed Sheeran
Personagens Ed Sheeran, Personagens Originais
Tags Divide, Drama, Ed Sheeran, Musica, One Direction, Perfect, Romance, Stuart, Taylor Swift
Visualizações 36
Palavras 2.365
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom, capítulo novo, espero que gostem! Nos vemos nas notas finais. 💙🐾

Capítulo 11 - Little Bird


Fanfic / Fanfiction Perfect - Capítulo 11 - Little Bird

Passaram-se alguns dias e aqui estou eu na frente do espelho tentando decidir que roupa usar pra sair com o pessoal da faculdade e o Ed. Eu estou nervosa, o que será que ele vai pensar? Talvez eu deva desistir, ele é famoso, pode ter algum imprevisto, vai que alguma coisa acontece.... Não Mari, se você ficar pensando assim vocês nunca vão poder sair juntos!

Coloquei um vestido branco meio bege, rendado e rodado, que era justo no busto e na cintura soltava um pouco, com uma bota cano curto marrom claro com franja. Deixei o cabelo natural que mantia pontas onduladas, e passei rímel e lápis, decidi não usar batom, então só passei um hidratante labial de morango, meu vício. Ouvi meu celular apitar e vi a mensagem de Gus.

" Estamos aqui em baixo desce logo

G"

Peguei minha bolsa de alça e me despedi de Teddy descendo em seguida.

Entrei no carro e Emy me deu um olá tímido, Gus me cumprimentou também em seguida e já começou a falar sobre os amigos que convidara.

Quando chegamos Ed ainda não havia chegado, nem a amiga de Emy, aproveitei pra conversar com ela, já que eu ultimamente não tinha muito tempo para isso.

Conversamos sobre várias coisas e ela me contou sobre a irmã mais nova dela, se chamava Grace e estava no 1° ano do ensino médio. Contei do meu irmão e assim se seguiu o assunto. Depois de um tempo a amiga dela apareceu e eu deixei as duas. Ed estava demorando mas devia estar ocupado, todos conversavam de maneira animada mas eu não conseguia me concentrar, eu estava pensando em várias possíveis situações que impedissem Ed de vir, um pouco neurótica? talvez.

Combinamos de vir para uma praça famosa daqui dá cidade, para tocar violão e conversar, eu achei essa ideia bem melhor que ir para uma balada ou um bar. Eu não sou muito fã de bebida, nem de gente dançando como animais, muito menos gente bêbada dançando que nem animais.

Eu estava sentada em baixo de uma árvore, um pouco afastada de Emy, com o violão de Gus no colo, eu esqueci o meu na casa dos meus pais, então teria que comprar outro, até por que transportar coisas internacionais é caro e perigoso, trarei ele quando for visitar meus pais no fim do ano. Não quero meu bebê rolando em mãos alheias e despreocupadas.

Eu estava bem aérea durante a conversa, minha mente vagava em várias coisas e vários nadas, voltei minha atenção quando ouvi a voz que eu estava esperando desde que acordei. Meus olhos automaticamente focaram nos seus e ele sorriu, sorri de volta por ser inevitável não corresponder àquele sorriso. Emy me deu uma cotovelada leve e sorriu maliciosa. Olhei confusa franzindo o cenho e ela revirou os olhos com um sorriso travesso.

- Cuidado pra não babar Marie- gostava do sotaque de Emy, ela falava toda fofinha e sempre fazia meu nome soar com um "e" soave no fim.

- Não tô babando, não sei do que está falando- me fiz de desentendida e desviei o olhar. Não pode ser possível que eu esteja deixando tão na cara assim, mas depois daquele incidente aquela noite, eu não conseguia parar de pensar, toda vez que olhava para ele, na sensação de ter seus lábios colados aos meus. A sensação era tão boa mas tão assustadora que me deixava em uma discussão interna inacabável. Eu não posso me apaixonar por ele até por que somos amigos, e eu não quero ser rejeitada e perder, além de tudo, sua amizade.

Eu fui tirada de meus pensamentos quando vejo ele se aproximar, fazendo meu coração bater acelerado no peito. Porque eu estava tão nervosa?!

- Oi- ele falou se sentando na grama ao meu lado.

- Oi- respondi tímida com um sorriso fraco escapando.

- Seus amigos parecem legais, o Gustavo principalmente, foi bem simpático.- ele falou simples, com um sorriso como o meu.

- Ah vocês conversaram? ele é muito legal sim, aposto que se tornariam bons amigos. - Sorri disfarçando meu espanto por não ter notado eles conversando, acho que viajei legal.

- Aham, e você, como está?- ele se virou para mim com um sorriso travesso.

- Estou bem obrigada, e você? Anda trabalhando muito?- me escorei com os braços para trás, na grama verde.

-Estou bem, um pouco cansado, o trabalho anda bem puxado e estou compondo como um louco ultimamente.

- Ah sim, deve ser cansativo. - sorri e olhei para o céu, que estava tão azul quanto os olhos dele, mas evitei comentar aquilo em voz alta.

Ele me olhou sorrindo e também olhou para o céu. Nossos amigos pegaram os violões e começaram a tocar alguma música calma, fechei os olhos com o vento fresco que balançava meus cabelos, arrepiando um pouco meus braços, o sol me aquecia enquanto o vento não me deixava sentir calor. O clima estava tão gostoso que cogitei nunca sair dali, ainda mais do lado de Ed, que com a ajuda do vento pude sentir seu perfume suave, tinha um leve cheiro de shampoo de bebê, enquanto se misturava com uma colônia suave. Suspirei sentindo esse cheiro tão bom e tão característico.

Ed me olhou se sentando mais para frente e eu abaixei o olhar me sentando um pouco mais reta, olhando para seus olhos.

Ele sorriu e apontou para o violão em meu colo, como se perguntasse se podia pegar, acenei com a cabeça alcançando para ele o instrumento. Ele se endireitou na grama, causando acidentalmente nossa aproximação. Apoiou o violão nas pernas cruzadas e começou a testar seu som. Nossos amigos pareciam entretidos demais para notar quando Ed começou a tocar uma música calma, instrumental, que combinava bastante com aquela tarde. Sorri para ele mostrando que estava gostando.

Logo Ed começou a tocar uma música que eu reconheci depois do primeiro verso. Era little bird, uma música sua, e ele estava cantando para mim.

Take this bird in, with its broken leg

We could nurse it, she said

Come inside for a little lay down with me

If we fall asleep it wouldn't be the worst thing

But when I wake up, and your makeup is on my shoulder

And tell me if lay down, would you stay now?

Let me hold ya, ohh

(Traga esse pássaro para dentro, com sua perna quebrada

Poderíamos curar isso, ela disse

Venha para dentro deitar um pouco comigo

E se cairmos no sono, não seria a pior coisa

Mas quando eu acordar e sua maquiagem estiver no meu ombro

E me diga se eu deitar, você ficaria agora?

Me deixe te abraçar, ohh)

But if I kiss you will your mouth read this truth

Darling how I miss you, strawberries taste how lips do

And its not complete yet, mustn't get our feet wet

Cause that leads to regret, diving in too soon.

And I'll owe it all to you, oh, my little bird

My little bird

(Mas se eu te beijar, sua boca você vai ler esta verdade?

Querida como eu sinto sua falta, morangos tem o mesmo sabor dos lábios

E isso ainda não está completo, não devemos molhar nossos pés

Porque leva ao arrependimento mergulhar tão rápido

E eu vou dever tudo a você, oh, meu passarinho

Meu passarinho)

If we take a walk out, in the morning dew

We can lay down, so I'm next you

Come inside for a little home made tea

And if you fall asleep, then at least your next to me

And if I wake up, say it's late love get back to sleep

I'm covered by nature and I'm safe now

Underneath this oak tree, with you beside me

(Se dermos uma caminhada, no orvalho da manhã

Podemos nos deitar, então estou próximo à você

Entre para tomar um cházinho caseiro

E se você cair no sono, pelo menos estará ao meu lado

E se eu acordar, diga está tarde amor volte a dormir

Estou coberto por natureza e estou seguro agora

Debaixo desta árvore de carvalho, com você ao meu lado)

Olhei para as árvores notando que tinha mesmo um Carvalho em cima de nós, sorri e ele sorriu percebendo também.

But if I kiss you will your mouth read this truth

Darling, how I miss you, strawberries taste how lips do

And its not complete yet, mustn't get our feet wet

Cause that leads to regret, diving in too soon

And I'll owe it all to you, oh, my little bird

(Mas se eu te beijar, sua boca você vai ler esta verdade?

Querida, como eu sinto sua falta, morangos tem o mesmo sabor dos lábios

E isso não esta completo ainda, não devemos molhar nossos pés

Porque leva ao arrependimento, mergulhar tão rápido

E eu vou dever tudo a você, oh, meu passarinho)

My little bird

My little bird

My little bird

And of all this thing I'm sure of

I'm not quite certain of your love

You made me scream

But then I made you cry when I left that little bird

With its broken leg to die

(Meu passarinho

Meu passarinho

Meu passarinho

E de toda as coisas que tenho certeza

Eu não estou tão certo do seu amor

Você me fez gritar

Mas então eu fiz você chorar, quando eu deixei que passarinho

Com sua perna quebrada para morrer)

But if I kiss you will your mouth read this truth

Darling how I miss you

Strawberries taste how lips do

And its not complete yet, mustn't get our feet wet

Cause that leads to regret, diving in too soon.

But I'll owe it all to you, oh, my little bird

(Mas se eu te beijar, sua boca você vai ler esta verdade?

Querida como eu sinto sua falta

Morangos tem o mesmo sabor dos lábios

E isso ainda não está completo, não devemos molhar nossos pés

Porque leva ao arrependimento mergulhar tão rápido.

E eu vou dever tudo a você, oh, meu passarinho)

My little bird, whoa oh oh oh whoaa

My little bird

My little bird

You're my little bird

Arrepiei quando ele terminou de cantar, eu tinha um sorriso largo no rosto por poder apreciar tão de perto aquela voz tão linda, e ele também sorria, notei o resto do pessoal nos olhava, eu nem tinha notado que tinha outras pessoas enquanto ele cantava, eu estava tão concentrada e fascinada que esqueci que não estava só nós dois.

Corei um pouco vendo o olhar de Gus para mim, com aquela cara de quem vai encher meus ouvidos depois.

Eles aplaudiram fraco, falando para Ed como sua voz era bonita, depois quando ele se virou de volta para mim, sorrindo comentou.

- Eu esqueci que tinha platéia- apontou para os outros com a cabeça.

-Eu também, por um momento- soltei um riso soprado.- Você tem um voz muito linda...

- Obrigado, você também é- ele falou e eu corei, ele notou o que falou e também corou- quero dizer, tipo, você é linda só que... sua voz parece ser boa também.. ahh- ele se enrolava e eu ri daquilo, corada pelo elogio.

- Obrigada, eu não acho, gosto de cantar mas... sabe como é, sou um pouco tímida pra isso.- ri coçando a nuca em um gesto de nervosismo.

- Definitivamente você vai cantar pra mim um dia. - ele falou com convicção, apenas acenei com a cabeça.

- Quem sabe...

- Genteee, vamos comer alguma coisa?- Gus levantou falando mais alto para todos ouvirem, concordamos e fomos até uma lanchonete onde comemos hambúrguers.

A tarde se estendeu bem calma e divertida, Ed se enturmou rápido, então todos conversamos e nos conhecemos melhor. No fim da tarde todos estavam se organizando para ir embora, o amigo de Gus chega perto de mim, Ed, Gus e Emy que estávamos conversando.

- Hey Gus, tem como me dar uma carona?- perguntou despreocupado.

- Bah sei não, vou levar a Mari, a Emy e a amiga dela...- Gus falou meio envergonhado por dizer não para ele.

- Ah, vish... Eu vou a pé mesmo.- O amigo dele não parecia muito feliz. Fiquei meio inquieta, quando estava abrindo a boca para dizer que podia ir de táxi Ed se adiantou.

- Eu levo Mari, não se preocupem.- Olhei para ele espantada, e sorri concordando.

- Okay, vamos indo então criançada. - Gus falou pegando sua mochila e seu violão.

Nos despedimos e olhei eles se afastarem. Depois que foram embora me virei para Ed.

- E então?...- eu não sabia o que falar.

- Quer dançar?- Perguntou do nada me espantando um pouco com o convite.

- Agora? sem música nem nada?- fiquei meio confusa e franzi o cenho.

- É... pode ser estranho mas a grama e o céu estrelado me deram essa ideia... Se não quiser eu entendo, por que é meio ridículo mesmo..- Fiquei meio constrangida mas porquê não? eu não tinha nada a perder certo? certo.

- Pode ser. - Aceitei sorrindo de sua expressão espantada e feliz.

Logo ele me estendeu a mão e eu aceitei, chegado mais perto e colocando as mãos em seus ombros. Ele desceu a mão por minha cintura e eu arrepiei com seu toque, começamos a nos balançar devagar, nos encarando, os rostos próximos fazendo nossas respirações se baterem, senti seu perfume mais uma vez. Ficamos dançando, na praça à noite, olhando as estrelas em silêncio, com sorrisos satisfeitos no rosto, Ed tinha boas ideias.

De repente o clima mudou, nos encaramos mais uma vez e vi algo queimar nos olhos de Ed, não sei por que mas sinto que os meus pareciam carregar o mesmo sentimento. Ele se aproximou de vagar, deixando nossos rostos em uma proximidade perigosa, eu devia me afastar mas já não tinha sanidade suficiente, uma voz lá no fundo gritava para mim sair correndo, mas uma outra gritava mais alto para mim acabar com a proximidade entre nós. Decidi por fim, quando ele chegou mais perto, que jogaria a sanidade pro espaço e curtiria o momento. Me inclinei acabando com o espaço entre nós, minhas mãos foram para seus cabelos, e as suas apertaram firme minha cintura, ele pediu passagem e eu logo cedi suspirando com a sensação de sua língua em contato com a minha, dançando calmas e harmoniosas. Ele colou mais nossos corpos e uma de suas mãos foram até minha bochecha, minhas mãos desceram para seu pescoço. Logo o ar se fez necessário e nos afastamos colando as testas, regulando a respiração.

Ed me olhou ainda com a testa em contato com a minha e sorriu, me fazendo sorrir também é fechar os olhos.

O resto da nossa noite foi trocar beijos tímidos e dançar em baixo das estrelas


Notas Finais


Bom, foi esse o capítulo, na hora de escrever pareceu grande mas agora lendo vi q não ficou tão grande quanto eu esperava. Mas espero mesmo que gostem e comentem oq acharam. 💙🐾


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...