História Perfect Conflict (Brittana) - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Glee, The Originals
Personagens Blaine Anderson, Brittany S. Pierce, Finn Hudson, Holly Holliday, Kurt Hummel, Mercedes Jones, Mike Chang, Noah "Puck" Puckerman, Quinn Fabray, Rachel Berry, Sam Evans, Santana Lopez, Sebastian Smythe, Sue Sylvester, Tina Cohen-Chang, Will Schuester
Tags Brittana, Brittany S Pierce, Santana Lopez
Visualizações 26
Palavras 3.599
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Terror e Horror, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, foi mal pela demora, mas é que um amigo acabou falecendo e eu não tive cabeça pra escrever a fic, espero que entendam. Mas aqui estou eu trazendo a continuação dessa história e bom... como sempre, espero que gostem!
Tenham uma ótima leitura.

Capítulo 14 - You


POV SANTANA

Acordei com o incomodo da luz do sol que estava acabando de nascer. A inteligente aqui, se esqueceu de fechar as cortinas ontem à noite. Na verdade, isso nem se passou pela minha cabeça, já que passei os últimos dias acordada.

Me levantei com muito esforço, porque em questão de preguiça para acorda, eu tiro nota 10. Mas precisava. Hoje se estoura os dias que a minha irmã havia me dado, para estar com Jeniffer em mãos. E claro. Queria ver Brittany.

Fui para o banheiro e fiz a minha higiene matinal. Vesti uma roupa leve, já que não tinha nada em mente para fazer antes de ir embora. Sai do meu quarto indo para a cozinha. Tomei meu café.

Sim! Café, mesmo.

Após terminar fui para o jardim. Me sentei na grama e fiquei por um tempo olhando para o completo vazio a minha frente, contendo somente arvores e mais arvores. Já estava me enjoando dessa vista. Me atentei para ver se Britt havia acordado, usando minha audição. Ela ainda dormia. Então retirei o celular do bolso da minha calça de moletom, e procurei pelo número que estava procurando. Na terceira chamada, fui atendida.

“- Alô. ~ me atendeu com uma voz preguiçosa, de quem havia acabado de acorda.

- Isso são horas de estar dormindo, Porcelana? ~ perguntei apoiando meu peso sobre meu braço direito.

- Ah, é você... ~ disse tedioso. ~ O que quer?

- Como assim o que eu quero? ~ devolvi a pergunta.

- Santana, eu tive um dia muito cansativo ontem, não durmo direito a não sei quantos dias... ~ disparou a fazer reclamações. ~ perdi meu carro, e hm.… quase morri, e tudo para pegar o grimório da sua mãe!

- Você deveria ser mais grato Hummel, já que fui eu quem salvou a sua vida, e de quebra a da anã também. ~ disse ao me lembrar do dia em que tive que sair as presas por ter recebido uma ligação urgente de Kurt, dizendo que estava com problemas.

- Como se você tivesse feito todo o trabalho, né?

- Mas foi mesmo. ~ disse convencida.

- É sério, eu preciso muito dormi, então... vamos direto ao assunto.

- Isso aí Porcelana, seja prestativo. ~ disse e ele soltou um suspiro do outro lado da linha.

- Conseguimos o grimório, com bastante esforço, diga-se de passagem.

- Tá, tá, tá. Vai direto ao ponto... vocês estarão em Lima, ainda hoje?

- Acredito que sim... ~ deu uma pausa. ~ Rach e eu, decidimos pegar a estrada as 9h 00min, para que pudéssemos descansar, e chegar no final da noite em Lima.

- Parece que está tudo certo.

- Sim, mas sabe que pode surgir imprevistos... ~ o interrompi.

- Se surgir imprevistos Hammel, resolva-os... você tem capacidade para isso, eu sei que tem. ~ me ajeitei, me sentando direito. ~ Não me importo que vocês sejam atacados, só esteja ainda hoje em Lima, com o grimório intacto.

- Estarei Santana, desde que você me garanta de que Britt, está bem.

- A Pierce está perfeitamente bem, ok?... Sé preocupe com o seu, que dela cuido eu. ~ desliguei a ligação sem dar a ele a chance de retrucar de alguma forma. ”

Respirei fundo, inalando todo aquele aroma de flores do ambiente. Continuei sentada ali fora por um tempo até ouvir algo cair dentro da casa. Me levantei e caminhei para dentro. O barulho havia vindo da cozinha, e foi exatamente para lá, que eu fui. Ao chegar na porta, Brittany, estava preparando alguma coisa. Deduzi ser panquecas já que havia trigo espalhado por toda a cozinha. Me encostei no portal da porta a observando. Ela tinha a atenção completamente voltada para um livro. Era de receitas, forcei minha visão e confirmei o que havia deduzido, ela estava mesmo preparando panquecas, ou ao menos tentando, dando em vista a sua dificuldade claramente estampada, na bagunça que ela havia feito.

Ela começou a coloca os ingredientes em uma tigela, seguindo à risca as unidades de medidas estabelecidas na receita, enquanto eu a observava silenciosamente. Ela começou a misturar tudo. Depois pegou a tigela e o encaixou em seu braço esquerdo e se virou.

- Por Deus, Santana! ~ acabou deixando a tigela cair devido ao susto, e antes que a mesma chegasse ao chão, a peguei rapidamente. Levei meu olhar a Brittany, que tinha a mão direita sobre o peito esquerdo que subia e descia rapidamente. ~ Você me assustou. ~ disse ainda com uma cara engraçada.

- Jura? Eu nem percebi. ~ disse sorrindo do seu estado me levantando com a tigela intacta em mãos. ~ Você é péssima na cozinha, sabia? ~ perguntei estendendo a tigela para ela.

- É... eu sei! ~ disse pegando a tigela com voracidade. ~ Mas do que isso te entenreça hein? Não estou preparando para você! ~ foi grossa e eu apenas levantei as mãos em sinal de rendição. ~ Não deveria estar dormindo? ~ me perguntou de costas para mim.

- E do que isso te entenreça? ~ falei da mesma forma que ela, só que risonha.

- Em nada... só que... ~ ela deu uma pausa consideravelmente longa. ~ eu não te vi no seu quarto, então pensei que tinha acontecido algo.

- Se preocupa comigo, Britt? ~ perguntei me aproximando dela e a abraçando por trás com um sorriso de canto.

- Claro... ~ sorri de sua resposta, mas logo ele morreu. ~ Que não, Santana! ~ se virou de frente para mim saindo do meu abraço. ~ O que foi? Por que dessa cara? ~ arqueei uma sobrancelha e sorrio. ~ Não tenho porque me preocupar com o seu bem estar... ~ se virou de volta. ~ Já me mostrou o suficiente, que não há nada que lhe faça correr perigo. ~ deu de ombros.

- Percebi que estar em seus melhores dias. ~ disse irônica me afastando e me sentando no balcão que fica no centro da cozinha.

- Você não faz ideia do quanto, San! ~ disse e acabei soltando uma risada nasal negando com a cabeça.

- Posso te ajudar? ~ perguntei depois de um tempo a observando.

- E você lá sabe cozinhar?

- Nossa, resolveu trocar as ferraduras quando acordou mesmo, né? ~ perguntei e me encarou com o cenho franzido.

- Você está me comparando com uma vaca? ~ perguntou um pouco incrédula.

- Não... ~ sua feição se aliviou. ~ O termo correto seria, uma égua. ~ disse e seu queixo caiu.

- Você não disse isso... ~ me encarava com os olhos semicerrados e eu apenas dei de ombros. Ela soltou um ar nasal forte e se virou de volta para prepara seu café.

Fiquei a observa-la, ela estava irritada e pode até parecer bobagem minha, mas ela fica ainda mais linda com raiva. Fiquei com ela todo o tempo enquanto ela preparava tudo ali, mesmo sem que ela me desse um pingo de atenção. Já estava terminando de fazer as últimas panquecas. Ela me olhava de relance as vezes e quando percebia que eu a olhava, fechava a cara e virava para o outro lado novamente. Desci do balcão e fui até ela.

- Bom dia, Britt! ~ disse em sussurro em seu ouvido e ela parou o que estava fazendo. Dei um beijo em sua nuca expostas devido ao seu cabelo estar preso em um coque frouxo, enquanto envolvia meu braço por sua cintura. ~ Dormiu bem? ~ perguntei, mas fui ignorada por ela, que voltou sua atenção para a frigideira retirando as duas últimas panquecas, mas em nenhum momento quebrou nosso contato. Estiquei minha mão desligando o fogo e a virei para ficar de frente para mim. Levei minha mão até sua nuca fazendo um carinho de leve e ela fechou os olhos com força, enquanto eu percebia seu pelos eriçarem com o meu toque. Sorri e a puxei para mim selando nossos lábios em um simples roçar de lábios. ~ Bom dia, Britt. ~ disse novamente e ela sorrio para mim.

- Bom dia, San. ~ finalmente respondeu totalmente vencida.

- Ah, Britt... foi tão fácil. ~ fingi cara de desapontamento. ~ Pensei que fosse me dar mais trabalho! ~ neguei com a cabeça para explodir em uma risada em seguida.

- Você é uma idiota, sabia? ~ disse me empurrando pelo ombro.

- Sei que gosta. ~ disse convencida e foi a vez dela sorri.

- Me deixe tomar meu café em paz. ~ passou por mim levando um prato cheio de panquecas até o balcão que também servia como mesa.

- Não quer minha companhia?

- Só quero que me deixe comer em paz. ~ disse jogando calda sobre as panquecas.

- Então quer que eu saia? ~ perguntei apontando para a porta.

- Não!... Que saco. Só senta aqui e fica calada, pode ser? ~ disse sem me olhar.

- Claro. ~ respondi sorrindo me sentando do seu lado. Depositei um beijo em sua bochecha e ela sorrio para mim. Fiquei com ela até que terminasse de comer, sem dizer nada, como havia pedido.

(...)

- Já posso abrir os olhos? ~ Brittany me perguntou toda encolhida no banco do carona.

- Pode. ~ respondi sorrindo.

- O que acontece agora? ~ me perguntou depois de um tempo, eu já estava na estrada principal.

- Como assim?

- Você vai me deixar aqui e vai embora? ~ senti seus olhos sobre mim, mas não retirei minha atenção da estrada.

- Eu vou embora sim, Britt... mas não agora. ~ olhei para ela. ~ Por que?

- Nada... só curiosidade.

- Mas eu não vou antes de saber que está segura, claro! ~ disse ao me lembra da noite em que tentara mata-la.

- Eu estou segura agora San... graças a você.

- Não... não está! Vai por mim, você corre perigo, e não é um inimigo que quer te ver morta. ~ ela franziu o cenho. ~ Deve tomar cuidado com as pessoas de seu meio Brittany, eu não estou brincando.

- Eu não tenho motivos para duvidar dos meus amigos Santana.

- Eu também não tinha, até me deixarem presa em um caixão por quase um século. Nem tudo o que parece, é de fato real, entenda só uma coisa, desconfia nunca é demais.

(...)

POV BRITTANY

Chegamos em Lima, e ela foi direto para sua casa. Ao estarmos próximas percebi que havia dois carros parados na frente da residência. Um eu reconheci. Era o carro da Rachel.

O que ela está fazendo aqui?

Descemos e fomos para dentro da casa. Entrei primeiro e Santana havia me dito para ir direto para a sala. Ao adentrar o local, encontro Kurt e Rach, totalmente tensos. Eles estavam na companhia da irmã da San e de uma outra loira que não tirava os olhos de Rachel. Quando eles me viram vieram as pressas em minha direção.

- Britt! ~ Kurt foi o primeiro a se pronunciar antes de me abraçar apertado.

- Britt, você está bem? ~ foi a vez de Rach me apertar em seus braços. Me permiti repara-los e percebi leves arranhões em seus corpos.

- O que aconteceu com você? ~ perguntei preocupada.

- Já vou dizendo de agora que não tive nada a haver com isso... pelo menos não diretamente! ~ Santana disse passando por nós indo de encontro as duas que estavam do outro lado da sala, e só agora que eu fui perceber que havia uma mulher amarrada em uma cadeira com um capuz na cabeça.

- Estamos bem Britt, não se preocupe com nós, ok? ~ Kurt disse calmo sorrindo e eu retribui o sorriso sem desgrudar os lábios. Caminhamos até mais próximo das outras.

- Deu muito trabalho? ~ Santana perguntou encarando a mulher a sua frente com os braços cruzados.

- Eu estou sentindo a dor dos meus ossos quebrando até agora! ~ a loira que eu não sabia o nome esfregava o pescoço com uma careta que eu não consegui decifrar.

- Parece que ela sentiu de alguma forma aminha magia e preparou uma bela emboscada. ~ a irmã dela se pronunciou ficando ao seu lado. ~ Ela ficou muito poderosa, sem dúvidas. Mas essas correntes... ~ apontou para os pés dela. ~ Não vão permiti-la a usar magia. ~ Santana assentiu e retirou o capuz da cabeça dela, ela estava desacordada.

- O que fizeram para ela apagar?

- Uma bela pancada na cabeça. ~ a loira falou com um sorriso nos lábios. ~ Minha vontade foi de degola-la depois do que ela fez comigo, mas como você precisa dela viva. ~ deu de ombros.

- Ok! ~ foi o que disse antes de se afastar, nós apenas observávamos tudo de fora. ~ Acorde-a. ~ disse e sua irmã fez uma leve movimento com a mão e ela despertou sugando o ar com força, como Rachel da vez em que estupidamente atacamos a San. ~ Olá Jeniffer. ~ disse empolgada, ou era o que parecia. ~ Seja bem-vinda a minha humilde casa. ~ ela observou ao seu redor assustada até finalmente encarar Santana. Ela começou a falar palavras sem nexo algum, chegavam a ser piores do que as do Kurt.

- Não se esforce... ~ a irmã dela disse agachando e segurando nas corretes. ~ Não vai adiantar. ~ disse  com um sorriso de canto. Acho que isso é típico dos Lopez.

- Objeto negro. ~ finalmente se pronunciou. Ela é morena de cabelos levemente ondulados e tinhas olhos de cor verde.

- Isso mesmo, lindinha. ~ a irmã confirmou, mesmo não sendo uma pergunta voltando a ficar de pé.

- Como me achou? ~ perguntou encarando a morena a sua frente.

- Magia... sabe Jeni, você ficou muito forte sim, e também aprendeu a utiliza os feitiços que lhe ensinei com maestria, mas parece que você se esqueceu de que quem os criou foi eu... ~ sorriu enquanto dava voltas ao seu redor.

- Não Danielle... ~ Danielle, isso, é este o seu nome. ~ Eu não me esqueci, acontece que eu não sabia que era você que estava atrás de mim... e a lendo mais, como eu iria adivinhar, sendo que a metade das bruxas da Florida estão atrás de mim? E não é para me convidarem a se juntar a elas para um chá e jogar conversa fora.

- Fácil para você falar. ~ a loira se pronunciou a encarando com cara de poucos amigos. Eu realmente estava alheia de tudo. E parece que Kurt e Rachel também, até porque eu nem sei o que eles estão fazendo aqui.

- Ai, quem é você em? ~ perguntou para a loira a olhando com os olhos semicerrados.

- Do que te interessa?

- Eu só queria saber o nome de quem me acertou por trás. ~ enviou um sorriso provocante para a loira que avançou em sua direção mais foi parada por Santana.

- Alguém pode me explicar o que está acontecendo aqui? ~ perguntei, estava completamente perdida em meio a tudo.

- E por que deveríamos te explicar alguma coisa? ~ a loira disse totalmente grossa.

- Quinn, por favor, onde estar a educação que eu lhe dei? ~ Santana perguntou a ela com um meio sorriso nos lábios.

- Ah, vai a merda, Santana! ~ disse se afastando da Santana, que pareceu não se importa com o que ela havia dito. ~ É melhor dizer para essas... ~ nos encarou. ~ Crianças! Não chegarem muito perto, porque eu estou com fome! ~ disse com um sorriso malicioso e sua feição mudou, onde seus olhos ficaram uma mistura de vermelho com o verde e as veias ao redor pulsaram.

- Encoste um dedo nelas, e vai se arrepender! ~ Kurt disse indo um passo à frente.

- Ah é? ~ em questão de segundos estava à frente dele. ~ E o que vai fazer? Me matar?

- Me diz você! ~ ele a desafiou e Rach se aproximou mais dele pegando em seu ombro.

- Kurt... amigo, não é por nada não, mas é que... ~ olhou ao redor. ~ Estamos em uma casa que pertence a vampiros, e mesmo que estejamos em números iguais aqui, a desvantagem é enorme, então... ~ apertou o ombro de Kurt. ~ Volta pro seu lugar.

- É melhor ouvi-la... não vamos querer nos sujar, não é mesmo? ~ Kurt voltou para o meu lado e ela voltou para onde estava.

- Será que posso pelo menos saber porque você estão aqui?

- Fizemos uma coisa para a Santana... ~ Kurt disse Rachel se pronuncio em seguida.

- Fomos em busca de uma coisa que ela queria, e em troca ela não te machucaria... ~ explicou um pouco mais e eu fiquei um pouco confusa.

- Falando nisso, onde está o grimório?

- Grimório? ~ perguntei encarando Santana. ~ Que história é essa, eu não estou entendendo nada.

- Eu havia lhe falado logo quando te levei, que eu e o Hummel havíamos feito um acordo, em troca do seu bem estar, se lembra? ~ assenti como resposta ainda tentando juntar as peças. ~ E então, onde está? ~ perguntou olhando para Kurt e Rach.

- Não sem antes ter certeza de uma coisa! ~ Kurt se virou para mim. ~ Britt, ela te machucou de alguma forma? Te torturou ou algo parecido? ~ fitei Santana que deu de ombros.

- Não... ~ voltei minha atenção para ele. ~ Eu estou bem Kurt. ~ ele assentiu.

- Nãos fiz nada com ela... sou uma mulher de palavra, o senhor desconfiança. Agora me dê o grimório enquanto eu ainda estou te pedindo com educação. ~ estendeu a mão para Kurt.

- Por acaso, esse é o famoso grimório da mãe de você? ~ Jeniffer se pronuncio curiosa.

- Sim, e você vai utiliza-lo para realizar o meu ritual.

Ritual? Mas, o que?

- Eu não estou entendendo nada? ~ sussurrei no ouvido de Kurt.

- Melhor assim... ~ me respondeu no mesmo tom.

- Eu preciso avaliar o feitiço, ver o que precisa, de fato. Uma coisa grande assim, é como um importante fechamento de contrato... se você não ler as entre linhas, pode acabar perdendo muita coisa.

- Isso é verdade... ~ Danielle concordou. ~ Ainda falta coisas e a localização delas está no grimório...

- Mas você não pode toca-lo, né? Sei que sua mãe depois que percebeu, que você mesma como vampira, ainda podia utilizar da magia, fez com ele fosse intocável para ti.

- É, a nossa mãe sempre foi muito esperta.

- O grimório Hummel, vai pegar. ~ Santana disse e ele saiu da casa.

(...)

- Brittany, espera! ~ Santana me chama e eu já estava saindo de sua casa, parei e me virei para ela. ~ Tudo bem?

- Por que da pergunta? ~ perguntei me fazendo de desentendida.

- Britt, você vem com a gente, né? ~ Rach me perguntou parando do meu lado.

- Não... eu vou no meu carro, ele está aqui, não está Santana? ~ ela assentiu.

- Então vamos esperar até que você saia...

- Não é necessário...

- Mas Britt... ~ a interrompi.

- Pode ir tranquila Rach, eu vou ficar bem... ~ lhe enviei meu melhor sorriso. ~ Santana, não irá fazer nada comigo. ~ ela apenas assentiu e foi rumo ao carro. Percebi que ela e Kurt conversaram sobre algo, mas logo depois foram embora.

- Vamos... te acompanho até a garagem! E então? ~ perguntou enquanto caminhávamos.

- Hm?

- Sei que não está tudo bem, o que está te deixando tão aflita?

- Não é nada demais San, é sério... só fiquei um pouco confusa, foi muita coisa pra digerir de uma só vez. ~ disse e ela parou na minha frente.

- Nada do que foi dito lá dentro merece sua preocupação Britt... ~ tocou em meu braço de leve. ~ São assuntos exclusivamente meus, e não precisa se preocupar com isso. ~ disse sorrindo e se aproximando para selar nossos lábios, mas ei me afastei. ~ O que foi?

- O que está me escondendo Santana? ~ perguntei desconfiada.

- Nada Britt... ~ me respondeu com o cenho franzido. ~ É sério, nada disso envolve você.

- É que... ~ abaixei a cabeça fitando meus pés. ~ Hoje, tivemos um dia tão bom, que não queria estragar minhas boas lembranças de hoje, com mais problemas... ~ senti minha bochecha queimar.

- Ei... ~ chamou atenciosa levantando minha cabeça de leve pelo queixo. ~ Não tem problema algum para se preocupar, tá legal? ~ assenti e ela selou nossos lábios, não me afastei, somente me permiti a apreciar o gosto da sua boca colada a minha até ela quebrar nosso contato com uma sequência de selinhos cheios de carinhos.

- O que as pessoas achariam, se vissem essa Santana? ~ perguntei ainda com os olhos fechados e ela sorrio.

- Elas sentiriam inveja! ~ ela disse e eu sorri.

- Sabe San, por mais que eu não queira ter que dormi pensando em problemas essa noite... eu vou ser atormentada por um.

- E o que seria, princesa? ~ senti um calor no meu peito ao ouvi-la me chamar assim. Me permiti abri os olhos para encarar seus olhos cheios de preocupação.

- Vou dormi pensando em você! ~ disse e ela abriu um sorriso lindo e seus olhos antes preocupados, agora tinha um brilho lindo. ~ O meu melhor problema. ~ sorrio mais e voltou a me beijar, mas dessa vez com vontade e desejo.


Notas Finais


É isso ae gente. Se não tive boa, sinto muito, mas eu ainda não to muito bem, só to tentando mesmo manter a sequencia nos dias marcados.
Vocês já sabem, né?
Se gostaram, comentem o que acharam e se acham que precisa melhorar... fiquem a vontade para dar a opinião de vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...