História Perfect Illusion - Mobb - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias IKON, WINNER
Personagens B.I, Bobby, Mino, Taehyun
Tags B I, Bobby, Ikon, Mino, Mobb, Taehyun, Winner
Exibições 44
Palavras 1.186
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Fantasia, Fluffy, Yuri
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


A capa, não ficou muito legal, mas eu estava com muita vontade de postar essa shortfic aqui. Boa leitura.

Capítulo 1 - Perfect Illusion


Fanfic / Fanfiction Perfect Illusion - Mobb - Capítulo 1 - Perfect Illusion

Posso parecer, uma criatura estranha e realmente, acham que eu falo sozinho, mas eles são cegos, não acreditam que Hanbin, existe.

Ele é mais real, que qualquer daqueles idiotas, ele me alegra, nos dias, que eu estou triste, e mais ainda, quando estou feliz, mesmo ele fazendo, eu ser expulso três vezes da aula, por eu estar tendo um ataque de risos.

Agora mesmo, estou tentando não rir, pra não ser expulso pela quarta vez, ele está com a cabeça em meu colo, fazendo caretas engraçadas.

- para! Eu preciso estudar, vai ter prova semana que vem.

Sussurro, mesmo estando no fundo da sala, e não tendo ninguém, perto de mim.

Ele para e toca minha perna, o seu toque é suave, como pétalas de tulipas, a sensação é ótima.

- tá estude, não quero um idiota, sem formação, como futuro marido.

Arregalo os olhos e ele rir, arrumando seus cabelos sedosos.

- pare de falar, essas coisas, sabe que isso, me deixa confuso.

Ele rir, e termino de copiar o texto e a atividade, respondo e me levanto, entregando o caderno ao professor, que corrige a atividade e olha sorrindo, pra mim.

- você melhorou bastante, Jiwon.

- obrigado.

Pego meu caderno e volto pro meu lugar, fazendo rabiscos no meu caderno de desenho, que sem percebe, se formam no rosto do Hanbin.

- você nunca, havia me desenhado e quando eu peço, você diz, que vai ficar feio, e esse desenho tá mais bonito, que eu aqui.

Sorriu e desenho sua boca, como sua boca é linda, lábios avermelhados e grossinhos, o tornando mais convidativos e atraentes.

Não acho, que ele me deseja, como eu o desejo, desejo seus lábios e aquele corpo, escupido, por Deus.

- deve tomar, mais cuidado com o que pensa.

- como assim?

- eu consigo, saber o que, pensa.

E só veio, me falar isso agora? Seu gay de meia tigela.

- o único gay, aqui é você, que quer meu corpinho nu.

A cavidade mais profunda, do seu ânus, seu idiota.

- é isso mesmo, que você quer.

Quer saber? Vai tomar no seu orifício anal.

- vamos logo seu idiota, já bateu a droga do sinal e você não percebeu.

Fala e eu guardo meus matérias, andamos até a parte de trás do colégio, lá não ficavam muitas pessoas e ele suspira antes de começar a falar.

- você sabe que eu sou fruto da sua imaginação?

Como assim seu idiota?

- você aos seis anos, já me imaginava, eu era seu amigo imaginário.

Como assim? O que está tentando dizer?

Os olhos seus olhos estavam marejados, não conseguia entender, como Hanbin, poderia ser fruto da sua imaginação?

- você sempre imaginou o amigo perfeito, que no caso sou eu e me sinto honrado por isso.

Rir fraco e aos poucos sua imagem vai sumindo, dos mesmo jeito que o choro se intensifica, as lágrimas descendo pelo seu rosto.

- adeus Bobby, vá a sala do terceiro ano D.

E por fim sua imagem some, ele corre até a sala, passando pelo corredor que as pessoas lhe olhavam sem atender o porque de estar chorando.

Ele abre a porta com força e tinha um garoto de costas ele tinha asas.

- quem é você?!

- sua nova ilusão.

Seu sorriso era bonito, só que um pouco debochado.

- que diabos, você está falando?

- prazer Song Mino, é Jiwon né?

- sim, mas continuo sem entender.

- com o tempo, entenderá pequeno Bobby.

Se aproxima e bagunça os cabelo de Jiwon, que continuava sem entender, mas apenas concordou com a cabeça e tentou tocar as asas, sentindo um leve choque.

- elas são bonitas.

- sim, espero que você possa me explicar, algumas coisas desse mundo.

- como assim?

A sua expressão era de pura confusão, esse tal Mino, parecia ser um anjo.

- eu não intendo muito daqui, só estou junto com os outros a duas semanas e já me enviaram de novo pra cá.

- de novo?

- eu morri.

- a humanidade, fica triste com isso.

Eles sorriem e Bobby, fica mias confuso que o normal.

- então, você não lembra de nada?

- não, o máximo que lembramos é o nosso nome.

- WOW, então você não lembra de nenhuma sensação?

- garoto, eu disse que só lembramos nosso nome e mais nada, já tô perdendo a paciência com você!

- você é mal.

Finge estar magoado e que vai chorar, uma expressão preocupado invade o rosto de Mino.

- droga, meu primeiro dia e já tô fazendo tudo errado, hey fica assim não, eu te dou chococone.

- você é idiota, acreditou mesmo?

- seu retardado, eu estava preocupado.

Semanas se passaram e as poucos a relação dela foram melhorando, mesmo com as idiotices de Jiwon.

- seu maluco de meia tigela, eu quero saber aonde você vai as dez e quarenta e cinco da noite?

Fala irritado, Bobby, segurava um saco preto na mão e usava um casaco azul claro.

- tô colocando o lixo pra fora, já que a princesa não fez isso.

- princesa? Três dedos seus no ânus.

De alguma forma, Mino, não sabia o duplo sentido da sua frase, mas vamos tentar entender o garoto.

- é uma pena, que você não saiba o que eu penso.

Ele estava enganado, o anjo, conseguia ver todas as cenas que passavam por sua mente.

- eu sei sim, agora vai tomar na broca do cu.

Ele sai de dentro se casa e abre as asas, voando pra cima e indo pra algum canto daquela cidade.

- VOLTA AQUI, SYA CRIATURA DE PORCELANA! TOMARA QUE BATA NOS GALHOS DE UMA ÁRVORE E PERCA UMA ASA!

Gritava e escuta um dia vizinhos falar "vai dormi arrombado" e rir disso entrando pra dentro de casa.

Do outro lado da cidade se encontrava Mino, encima de um viaduto, em pé do corrimão.

- DROGA! Por que, fui gostar daquele idiota? E pior, ainda ele é humano e eu um anjo, há não ser que...

A dúvida rondava sua cabeça, ouviu dizer que se algum anjo caísse com muita força no chão, poderia voltar a ser humano, mas não sabia se era verdade.

- talvez, eu perca uma asa e acabe indo pro inferno, mas vou tentar, desculpe Deus.

Seus olhos fecham e ele solta um suspiro antes, de impulsionar seu corpo pra frente.

Não seria mas seus pés, em algo firme, o vento forte batia contra sua pele e lhe causava arrepios, estava muito frio.

O baque do seu corpo, contra o chão foi tão forte, que achou que seu corpo foi partido ao meio.

- EI! Mino? Acorda desgraça!

Uma voz o chamava e sente seu corpo ser empurrado, o contato do chão frio e seu corpo, o fez abrir os olhos.

- QUE É?!

Olha pro seu amigo Taehyun, que ria.

- você estava alucinando, falando de um tal Bobby, Jiwon, sei lá o nome desse moço aí.

Ele não conseguia acreditar, que aquilo foi um sonho, não mesmo.

- eu....?

- pelo jeito, o sonho foi bom meu amigo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...