História Perfume - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Ambre, Castiel, Dakota, Lysandre, Personagens Originais, Rosalya
Tags Amizade, Amor, Amor Doce, Babizinhah, Califórnia, Castiel, Castiosos, Dakath, Dakota, Haniel, Hannah Robles, Jason Müller, Lembranças, Memórias, Paixão Da Adolescência, Passado, Perfume, Reencontro, Retorno, Reviver, Romance, Sentimentos, Short Fic, Toppeixon, Topperson
Visualizações 170
Palavras 1.971
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


♔ Oieee. Aqui vai mais um capítulo e espero que gostem.

♔ Agradeço a todos os comentários e favoritos que a fic está recebendo. Estou muito feliz vendo que estão gostando da história, isso é muito gratificante. Muito obrigada, vocês são demais! <3

♔ Nesse capítulo terá um flashback, então quero avisar, para que que vocês não se percam, que o início e o fim dos flashbacks da fic serão indicados por esse coisinho aqui: […], ok? Ok.

♔ Bom, é isso. Boa leitura para todos ♡

Capítulo 3 - Memories


Fanfic / Fanfiction Perfume - Capítulo 3 - Memories

Capítulo 3 - Memórias

 

Eu fecho os olhos e vejo seu rosto

Posso sentir o seu toque, quase posso provar

Eu minto para mim mesmo que eu estou bem

Mas o pensamento de você, ele me para

— I Still Love You - Josh Jenkins

 

Algum tempo depois, Rosa e Lysandre foram embora, pois a hora da festa se aproximava e eles iriam se arrumar – Hannah faria o mesmo. 

Após tomar seu banho, a morena se enrolou em uma toalha e foi para o quarto, indo até seu guarda-roupa. Ela vasculhou as roupas que estavam nos cabides à procura de algo apropriado para ocasião, e então avistou algo na prateleira abaixo. Não era uma roupa, mas sim um ursinho de pelúcia que estava esquecido ali. 

Hannah pegou o urso e o olhou com cuidado. Logo, uma nostalgia invadiu seu interior, aquele ursinho lhe trazia muitas memórias. Ela se lembrava com detalhes daquela noite, foi maravilhosa. 

Fechou os olhos, e logo as memórias invadiram sua mente. 

 

[…]

 

19 de julho, 2008 

 

Após um jantar em família na casa da sua avó, Hannah chegou a casa. Sem demora, subiu as escadas tranquilamente, indo para seu quarto. 

– Meu Deus! Que susto, Castiel! – ela exclamou com a mão no peito quando se deparou com o ruivo deitado em sua cama na maior folga. Seu coração acelerou com o susto, não esperava encontrá-lo ali. 

– É bom te ver também. – Castiel disse em um tom um pouco sarcástico, sorrindo de lado. A morena soltou uma leve risada, relaxando do susto. Ele a acompanhou na risada. 

– Como você entrou? – perguntou, se aproximando da cama e com a sobrancelha levemente arqueada. 

– Pela janela. – Ele respondeu calmamente, mexendo nas patas do urso de pelúcia que tinha em mãos. – Você deixou aberta de novo. – Pontuou, encarando-a com um olhar reprovador. A garota às vezes esquecia aberta a janela de seu quarto, e isso poderia ser perigoso. 

– Eu sempre esqueço. – Ela bufou. – Mas também, só o gato da vizinha e você que entram por ela. – Falou com divertimento e ele sorriu levemente. O bichano da vizinha sempre pulava sua janela, e ela já havia se acostumado e até gostava do bichinho. Já Castiel usava a janela para ninguém vê-lo, já que o pai dela não gostava muito dele. Não era a primeira vez que ele entrava ali daquele jeito e, provavelmente, não seria a última. 

– Eu te liguei, mas como você não atendeu, resolvi esperar. 

– Ah, meu celular deve estar no silencioso. Eu 'tava em um jantar na casa da minha avó, e você sabe como é quando ela começa a falar, parece um discurso eterno... – comentou Hannah com um leve divertimento, tirando seus tênis e subindo na cama logo em seguida, deitando com a cabeça no peito de Castiel. – Eu vim, mas meus pais ainda estão lá. 

– Sua avó é uma figura. – O ruivo disse soltando uma leve risada, passando seu braço pelos ombros dela e acariciando um deles. Ele sabia como era a avó de Hannah, quando começava a contar suas histórias não parava por tão cedo. Mas ela era muito simpática e divertida, era difícil alguém, incluindo ele, não gostar dela. 

– Deu 'pra brincar de ursinho agora? – ela indagou com um sorrisinho provocador, olhando para o urso de pelúcia que ele segurava. 

– 'Pra ser sincero, eu prefiro brincar de outra coisa... – Castiel sorriu maliciosamente e deu uma piscadela. Hannah cerrou os olhos e lhe deu uma leve tapa no peito, o que o fez dar uma risada abafada. – Mas hoje eu resolvi ser um pouco romântico e comprar isso 'pra você. – Relatou, entregando o bichinho de pelúcia para ela. – Feliz cinco meses de namoro. – Depositou um selinho nos lábios dela e depois sorriu carinhosamente. 

Hannah pegou o urso, que era branco com um laço de fita vermelha no pescoço, e retribuiu o sorriso, o olhando com ternura. Era difícil Castiel agir daquela forma. Não que ele não fosse carinhoso com ela, ele era sim. No entanto, era um pouco raro um gesto como aquele que podia ser simples, mas significava muito. 

– Eu amei. Obrigada. – Ela deu um selinho demorado nele. – Mas nosso aniversário é só amanhã. – Informou sorrindo, brincando com o urso em suas mãos. 

– É. Mas já é quase meia-noite, então... – ele também sorriu, a observando. 

O jeito de menina que ao mesmo tempo era de uma mulher de fibra, o sorriso, os olhos doces e ao mesmo tempo intensos... Tudo nela o encantava, ele adorava tudo. Castiel era completamente apaixonado por ela. Não, não era só paixão, era algo mais forte. Era amor, sabia disso. 

– Eu te amo, Hanny. – O ruivo disse de repente, sentiu vontade de dizer. Não era a primeira vez que dizia aquilo, mas foram poucas as vezes que disse. 

Quando ela dizia que o amava ele respondia com um “idem”, e ouvir aquelas palavras vindas dele fazia seu coração acelerar. Hannah sabia que ele não era muito de expor o que sentia, era orgulhoso e sempre guardava seus sentimentos para si mesmo. Mas não se sentia incomodada com aquilo, pois ele demonstrava o que sentia por ela em gestos, do jeito dele, e estava exposto nos olhos acinzentados. Sabia que o amor que sentia por ele era correspondido da mesma forma pelo o mesmo.

– Idem... – ela sussurrou o que ele quase sempre dizia, abraçando seu tronco e aproximando seus rostos. Eles sorriram um para outro, enquanto o ruivo acariciava seu rosto. 

Então, um silêncio tomou conta do quarto, eles apenas se olhavam com intensidade. A morena se perdia na tempestade dos olhos acinzentados que a olhava de uma maneira diferente e envolvente, fazendo um arrepio percorrer seu corpo. 

Castiel se virou de lado, assim ficando de frente para ela e deslizou sua mão para a nuca desta. Aproximou-se e selou seus lábios nos da morena com desejo. Hannah fechou seus olhos e o correspondeu, abrindo os lábios e lhe dando passagem. Logo suas línguas se encontraram com intensidade, dando início a um beijo apaixonado. 

Hannah, sem desfazer o beijo, pegou o urso de pelúcia que estava entre os dois e o colocou atrás de si, assim encostando seu corpo ao de Castiel. Sua mão deslizou para as costas dele por dentro da jaqueta de couro, enquanto ele entrelaçava seus dedos aos cabelos dela. 

O beijo se aprofundava cada vez mais, suas línguas dançavam em um ritmo envolvente e sensual. Eles tinham a sincronia perfeita naquele momento, os movimentos pareciam ensaiados, seus lábios se encaixam perfeitamente. Perdiam-se totalmente naquele beijo e se deixavam levar, sem pensarem em nada. Não ligavam para nada ao redor, eram só eles naquele momento. 

Castiel desceu suas mãos para sua cintura e, em um movimento rápido, a virou, assim ficando por cima de seu corpo. Eles separaram o beijo por um instante, se olhando nos olhos. Hannah sentiu seu peito arfar com aquela ação repentina dele e sentiu também o calor e peso do corpo do mesmo sobre o seu. O perfume amadeirado invadia suas narinas, deixando-a desnorteada. 

Seu coração bateu descompassado e seu corpo se estremeceu. Ela sentia um desejo que nunca sentiu antes. 

O ruivo mordeu seu lábio inferior levemente antes de retomar o beijo com certa urgência. Ele estava a desejando como nunca naquele momento, ele precisava dela. Já não aguentava mais, ele a queria naquele instante, seu corpo chamava o dela. 

Hannah entrelaçou seus dedos aos cabelos rubros e puxo-os levemente, o deixando ainda mais louco de desejo. A morena se deixava ser guiada por ele naquele beijo quente. Sentia as mãos dele em seu quadril, e depois elas deslizaram para dentro de sua blusa, lhe causando arrepios ao sentir o calor em sua pele. 

Estavam em uma sintonia perfeita naquele momento, mas Castiel parou tudo de súbito. Ele a olhou e viu os olhos cor de mel um pouco confusos. 

– É melhor eu ir antes que... – ele começou, ofegante, seu coração estava tão acelerado que jurava que podia se ouvir as batidas de longe. Estava perdendo o controle sem pensar se ela também queria aquilo. 

Hannah o deixava louco e não era a primeira vez que eles chegavam a esse ponto, mas nunca passou disso. Ela queria esperar até se sentir preparada e Castiel respeitava isso, não iria apressá-la. Mas confessava que estava cada vez mais difícil se controlar e reprimir suas vontades. 

– Fique e faça o que você quer, porque é o que eu quero também. – Ela sussurrou tão ofegante quanto ele, descendo suas mãos para o peitoral forte, podendo sentir o coração descompassado como o dela. 

Seus olhos emitiam o desejo que estava sentindo naquele instante e Castiel via isso. Hannah o queria tanto quanto ele a queria. Sentia que havia chegado o momento, e não tinha por que esperar mais. 

– O quê? – ele a olhou um pouco surpreso, mas tinha um leve sorriso nos lábios. 

– Fique comigo essa noite, meu amor. – Hannah falou, também com um leve sorriso. Castiel sentiu seu interior estremecer, aquilo era tudo que ele queria ouvir há tempos. 

– Tem certeza? – ele perguntou, acariciando seu rosto levemente. Sua expressão estava um pouco séria e seus olhos demonstravam preocupação. Mesmo ele querendo muito, se preocupava com ela e não queria que a mesma agisse pelo calor do momento. Ela tinha que ter certeza, pois não queria que se arrependesse depois. Sabia o que aquele momento significava para ela. 

Hannah apenas sussurrou um “sim”, o olhando ternamente. Ela tinha certeza do que queria. Iria se entregar completamente àquele amor e sabia que aquele momento seria maravilhoso, pois seria com quem ela amava de verdade. 

Eles sorriram um para o outro, se olhando com uma intensidade incrível, se sentiam conectados naquele instante. Então Castiel a beijou novamente com todo carinho e intensidade. 

Hannah se rendia a cada toque, a cada beijo, a cada carícia em seu corpo. O cuidado e carinho que ele estava tendo com ela só a fez se apaixonar e amá-lo ainda mais. Nunca se arrependeria daquela noite. 

E aquele momento foi especial não só para ela, mas para ele também, pois foi com um amor que nunca sentiu antes. 

E foi assim que aconteceu. Naquela noite, eles se amaram com toda aquela paixão que queimava dentro de ambos, se entregaram um ao outro por inteiro. Deixaram o desejo que sentiam um pelo outro ser libertado totalmente.

 

[…]

 

Hannah suspirou, apertando o urso em suas mãos, antes de abrir os olhos novamente. Aquela noite foi maravilhosa e ficaria marcada em sua memória para sempre. Não importava quanto tempo passasse, ela sempre se lembraria da sensação que sentiu; a sensação que só conseguiu sentir com ele. 

Castiel, com seu jeito intenso de ser, sempre a fazia se sentir viva ao lado dele. Nada era monótono com este, gostava de tudo naquele ruivo. Seu sorriso, seu perfume, seu talento para a música, seu jeito decidido e autoconfiante. E até seu humor sarcástico. Tudo nele a evolvia cada vez mais. 

Mas, claro, ele tinha defeitos também, e a relação deles nem sempre era um mar de rosas. Às vezes tinham discussões terríveis, afinal, nenhum dos dois era perfeito e tinham seus desentendimentos e diferenças como qualquer casal. 

Contudo, sempre se acertavam de algum jeito. Não conseguiam ficar brigados e longe um do outro por muito tempo. Eles se completavam de uma forma incrível, necessitavam um do outro. Amavam-se, isso era fato. 

Mas, infelizmente, Hannah teve que deixar tudo aquilo para trás, e talvez nunca recuperasse. 

Se livrando daqueles pensamentos, ela colocou o urso em uma gaveta qualquer. Mas ao contrário do bichinho de pelúcia, as memórias não poderiam ser engavetadas, sentia que nunca conseguiria fazer tal coisa. Aquelas lembranças estariam sempre com ela. 

Tentando deixar aquela nostalgia de lado, ela escolheu seu traje. 

Arrumou-se e já estava pronta para a festa. Seu interior estremecia a cada minuto que se passava, estava chegando à hora de enfrentar o que havia deixado para trás.


Notas Finais


Música:
https://youtu.be/Hm3IRf2C2jE

♔ Espero que tenham gostado. O próximo capítulo já vai ser a festa, juro rs.

♔ Agora espero vocês lá em baixo, hein? Se não gostou, comente também, aceito críticas construtivas para que assim possa melhorar cada vez mais ^^

♔ Aqui está o jornal com os personagens e, agora, a trilha sonora dos capítulos da fic:
https://spiritfanfics.com/jornais/-perfume-9710732

♔ Bom, é isso, vou ficando por aqui. Até o próximo, amores. Beijinhos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...