História Permita-me! - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Hopega, Jikook, J-suga, Namjin, Yoonseok
Exibições 188
Palavras 3.066
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Peço que tenham calma com esse lemon okai? Eles terão momentos mais quente e únicos mais a diante. Nesse momento eles estão se conhecendo, ainda mais pelo fato do passado do Seok e tudo mais.
Agradeço aos favoritos e comentários e aos que leem e me dão o seu amor assim.
Vocês me animam dia a dia.

Capítulo 14 - Seus olhos tinham a cor do delirio


Fanfic / Fanfiction Permita-me! - Capítulo 14 - Seus olhos tinham a cor do delirio

Seus olhos tinham a cor do delírio, minha mente se perdeu completamente naquelas iris escuras, e eu pude saber como era se encontrar em meio ao oceano de sentimentos. Ele estava me completando a cada pincelada que sua derme estava dando na minha. Eu estava definitivamente mergulhado nele. E acredito que ele em mim. Nosso beijo tinha mais do que qualquer desejo embutido. Tinha uma forte sensação de amor e cumplicidade. Anseio e renuncia. Renuncia desse mundo, de qualquer problema, de qualquer pessoa anterior, de qualquer medo. Eu sentia que ele tremia sim, tremia sobre meus lábios, ainda refém da sensação que as lágrimas traziam, ainda preso ao passado que lhe trouxe de tudo. E eu? Bem eu estava sem saber se aquilo era real, mesmo com a idade que tenho, sonhar não é um erro, nem muito menos algo que não pudesse ser feito por quem se ama. Sim, eu o amava. Sim, eu o amo. E por mais cedo que pudesse parecer essa minha definição, eu sei que não é nada precipitado. Eu sou louco por ele e vi que o que eu estava construindo, dia a dia, era mais do que uma paixão. Era amor, um tipo de amor que começou regado da curiosidade, que começou regado de incertezas e dores, um tipo de amor, pelo qual eu não era acostumado a lidar.

Nunca precisei sentir algo assim, sempre tive relações quebradas, assim como o meu coração no final de cada uma. Acredito que por ser um pintor, ter essa sensibilidade a flor da pele me fez sentir dez vezes mais do que meu parceiro sentiu; Mesmo assim. Mesmo estando com esse pensamento em mente eu me entreguei a ele, antes mesmo que ele pudesse entender que estava passando a ser meu. Eu o amei, o pintei e decorei em mim, adornei no melhor quadro e pincelei com minha alma. Esse é o sentimento, esse é o que somos hoje. Hoseok e eu.

Sua boca parecia se derreter na minha, nossas línguas brincavam uma com a outra de uma maneira doce e inocente até. Inocente pela minha idade, inocente pelo que eu realmente estava desesperado pra ter. Ele estava agora me puxando, estranhamente, obtendo um controle involutório. Parecia ler minha mente e entender as minhas vontades. Sempre fui submisso. E gostava demais disso. Eu que estava sentado ao seu lado, agora estava em seu colo. Com uma perna de cada lado, pra mim aquela era a melhor posição, não somente por ser excitante e instigadora, mas por trazer um conforto enorme. Já que eu estava sobre as pernas do mais novo. Ele por sua vez era perfeito. Com uma mão acariciava a minha nuca, ao mesmo passo que com a outra a minha cintura. Me causando dois pólos distintos de prazer. Carinho e cuidado ao mesmo tempo, coisas que eu nunca senti juntas. Alias, a parte do cuidado, essa ainda não me havia acontecido. Eu já tinha os meus vinte e quatro anos, contanto, com ele ali parecia que eu estava tendo a minha primeira vez. Já que eu imagino que a primeira não é aquelaque marca o inicio da sua vida sexual, mas sim a que marca o inicio do que realmente importa. Nenhuma pessoa me tocou como ele estava tocando, nem me beijou como ele me beijava.

Nenhuma pessoa mais velha estava tendo a maturidade que aquele rapaz de dezesseis anos. E aquilo me deixava perplexo e completamente louco. Ele estava sendo o homem que eu nunca tive. E aquilo estava inundando o meu ser de sensações e cores novas. Então eu tratei de corresponder. Acariciando seus fios negros e os puxando de leve. Nossas bocas trabalhavam como nunca, apenas nos afastávamos um pouco em busca de oxigênio, mas depois voltávamos, apenas segundos. Apenas um sopro a mais de ar. O ósculo não poderia ser quebrado. Seria um pecado se ele fosse. Fiquei tentado a dizer que estava perdendo meu juizo, mas ele estava ciente disso. Hoseok só era novo na idade, mas a maturidade era outra. 

- Eu te quero tanto hyung, me deixa te amar um pouco mais. De um jeito diferente, de uma forma mais completa? Permita-me? - ele sussurrou baixinho ao pé do meu ouvido, enquanto dava selares ali. Eu fechei meus olhos e deixei minha cabeça pender para o lado, facilitando seus atos ali. Eu  já era todo dele. Não entendia o motivo de pedir permissão. Algo me dizia que era resquício do passado, mas isso eu descobriria depois.

- Sou todo seu Seokie, não precisa medir nada agora, nem tempo, nem vontades ou formalidades. Não meça, apenas faça. Preciso ser seu. Preciso que me tome agora. - disse com urgência e necessidade. E assim o mais novo me atendeu.

Delicadamente ele passou a acariciar o meu corpo. Começou passando suas mãos pelas minhas coxas, me trazendo arrepios involuntários. Ele dava leve apertos naquela região, subindo aos poucos até parar quase na minha virilia. O beijo e as lambidas no meu pescoço não cessavam. Eu estava sendo levado a loucura naquele momento. Ele era intenso sem nem ao menos fazer por onde. Levei minhas mãos ao seu maxilar e o puxei para um beijo quente, brincando com sua língua, mas não me mantive muito tempo ali. Estava tentando a marcar sua pele. Coisa essa que sempre tive vontade. Assim delicadamente o induzi a retirar aquela blusa que usava. A janela estava fechada, assim o frio não incomodaria tanto. Mesmo assim, seu corpo era quente. Me senti tentado a tocar aquela derme macia. E então, sem paciência retirei a minha blusa. O quão delirante era a sensação dos troncos desnudos, do calor e do suor que estava se formando, por pouco que fosse. Já que eu fazia questão de me roçar nele. Tanto impulsionando meu quadril pra cima do dele, quando colando nossas peles como se aquele fosse o ultimo momento ao seu lado. Hoseok me puxava mais, parecia que não estávamos perto o bastante. Eu ouvia os seus gemidos baixinhos, contidos em meu ouvido, seus olhos queriam encontrar os meus, mas se fechavam em movimentos delicados, ele estava sentindo prazer e aquilo para mim era maravilhoso. Nossas línguas agora brincavam. Ele passava a dele pela minha e eu pela dele, chupando quando dava ou apenas trazendo mais pra dentro da cavidade quente. Meu jeans estava apertando meu membro, que queria urgentemente sair dali. Me lembrei do dia em que eu tive o falo dele na minha boca e quis de novo ter aquela sensação dentro de mim. Assim procurei mostrar a ele o que eu queria.

De forma calma, sem desprender seu olhar do meu eu desci de seu colo. Aproveitei que nosso sofá era grande e espaçoso e o empurrei de leve para que se deitasse ali. Ele entendeu bem, e que cena linda a que eu tinha na minha frente. Seu peito subia e descia, ele mordia os lábios em sinal de ansiedade e sua boca as vezes se abria e fechava como quem quisesse dizer algo. Eu por minha vez estava perdendo meus sentidos. Aquele garoto me levava a loucura. Depois de tê-lo deitado eu tratei de ajuda-lo a tirar de uma vez as peças que faltavam. O jeans preto e a boxer da mesma cor. Me deliciei com visão do seu membro ali, completamente duro por mim e já com sinais de sua lubrificação natural. Viciante, com certeza o melhor dos quadros que um artista possa pintar. Uma obra divina. Assim era Jung Hoseok ao meu ver. O moreno corou um pouco. Na realidade era a primeira vez em que ele ficava assim e eu bem, entendia. Então timidamente senti suas mãos no cós da minha calça. Elas tremiam um pouco, mas eu deixei que ele conduzisse da sua forma. Aos poucos tive o tecido baixado, primeiro o jeans. Que tratei de tirar de forma desajeitada e depois a boxer branca, que já estava marcada pelo liquido que antecede o sêmen. Eu estava muito excitado ele sentiu isso, ainda mais quando de forma sacana, o menor apertou meu membro com uma mão. Arrancando um gemido de mim. Fiquei por cima, mas não sentei em seu colo. Queria provar daquele membro delicioso e assim o fiz. Antes que ele pudesse registrar algo abocanhei seu pênis sem pudor. Primeiro tratei de chupar a glande com vontade, fazendo com que ele se estremecesse em baixo de mim. Ao mesmo passo que sua expressão era a melhor. Hoseok era tímido ao meu ver. Ele estava com os olhos fechados sentindo tudo. Creio que aquilo era um tanto difícil pra ele. Já que a ultima pessoa que o teve fora TaeHyung. Então eu sabia que nunca me equiparia a ele. Mas construiria o nosso momento e o nosso amor da nossa maneira. Toquei seus testículos de uma mineira lenta enquanto tratava de relaxar a garganta a fim de colocar o máximo da extensão do menor ali. E logo obtive um bom resultado e chupei aquilo como se fosse o mais delicioso doce. Já que para mim estava sendo. Completamente viciante. Seu membro tinha um gosto bom, diferente de qualquer coisa que eu há havia provado. E tê-lo assim entregue em meus braços era a melhor das sensações.

- Hyung...Yoongi. Que delicia. - ele disse baixinho e contido. Chamou meu nome e eu senti que minha sanidade estava indo pelos ares. Tratei de aumentar o nível das chupadas, ainda mais quando senti seus dedos se entranhando pelos meus fios, ditando um ritmo leve para o ato. Ele queria lento? Eu faria ser torturante. O suor já se fazia presente, da minha boca escorria um pouco de saliva, que lambuzava o membro do menor. O estalar que eu produzia me deixava ainda excitado. Tratei de apertar aquelas coxas macias enquanto trabalhava com minha boca. Era inebriante o fato de que eu estava comandando. Mesmo que quisesse que ele fizesse isso. - Yoongi eu vou...eu vou...Para Yoongi, para. Quero gozar dentro de você. - aquilo foi o estopim para que meu juízo se perdesse.

- Como quiser. - parei meus movimentos e limpei os lábios, já que a saliva escorria por ai. Hoseok veio pra cima de mim em um movimento rápido demais. Eu simplesmente não consegui acompanhar. Ele parecia outra pessoa e aquilo me deixou delirando. O moreno começou a chupar o meu pescoço com uma intensidade enorme. Ao passo que apertava as minhas coxas, e o melhor. Ele estava se colocando entre elas. Eu podia sentir seu membro teso roçar na minha entrada, já que estávamos em uma posição deliciosa demais. Suas mãos eram quentes e habilidosas, apertando e marcando a minha pele. Fiquei mais sem foco quando senti sua mão por baixo de mim, envolvendo uma das minhas nádegas e a apertando sem pudor nenhum. Seus selares já produziam um som mais alto. Ele parecia necessitado e contido ao mesmo tempo. - Pode fazer de mim o que quiser. Eu te permito qualquer coisa. - eu disse ofegante, já que ele estava agora roçando seu membro no meu. Fazendo um atrito gostoso que me deixou gemendo feito louco.

Ele era uma obra perfeita pra mim, me trazendo uma sensação que eu nunca pensei que poderia sentir. Me entregar daquela maneira era diferente de tudo. Ele era a cor que faltava em cada momento meu e em casa instante que se passava eu tinha certeza de que estava tomando a decisão correta. Eu o queria demais e ele me fazia sentir que eu precisava dele. Não importando quanto, onde ou como. Jung Hoseok era a minha cor favorita.

- Preciso que chupe gostoso Yoongi. - ouvi-lo chamando meu nome sem formalidades era uma delicia. Ainda mais quando ele se posicionou entre as minhas pernas. Pensei que ele apenas me prepararia, ainda mais quando pediu que eu abocanhasse três dedos seus. Fiz apenas o que ele mandou. Seu olhar não saia de mim nem por um momento. Ele estava concentrado e me mostrando um lado sacana que eu não conhecia. Aquilo não me assustava nenhum pouco, muito pelo contrário. Estava me deixando completamente louco. Depois de poucos minutos eu tirei seus dedos de minha boca. Me abri bem mais e me preparei para receber seus dedos em mim. Contanto ele me surpreendeu. Não por somente ter colocado um dedo em mim, mas pelo fato de ter intercalado isso com um oral de outro mundo. Que boca era aquela. Porra, minha mente não registrava mais nada. Ele estava literalmente deixando que eu fodesse com sua boca, enquanto colocava aqueles dedos em mim. Me alargando de uma maneira nada convencional. Os estalos que sua boca produziam estavam me fazendo gritar. Já que eu não gemia, eu urrava de prazer. Senti, um, dois e três dedos dentro de mim depois de um tempo. Ele era bem gentil. Não estava me machucando tanto, ainda mais que sua boca trabalhava bem demais. Eu estava nas nuvens. Sua boca subia e descia em meu membro. Com uma facilidade que me deixou com inveja. Mostrando uma experiência que eu não sabia de onde havia saído. Seus dedinhos iam e vinham em mim. A dor estava se mesclando com o prazer, na realidade o prazer era maior. E eu não sabia como reagir. Agarrei com força seus fios, mesmo que eu não ditasse ritmo nenhum. Era ele quem mandava. Eu obedecia e gemia. Sentia tesão demais. Suava, me contorcia. Tremia e sentia ate uma dormência boa nas pernas. Dormência que antecedeu o meu orgasmo. Já que eu não estava em condições de avisa-lo. Gozei em sua boca. E ainda observei seu olhar sacana e satisfeito em mim. O menor ali engoliu tudo, tudinho. Sem nem pestanejar. E quando eu estava pronto ele apenas me estocou sem aviso. O que mais me surpreendeu foi isso. Hoseok apenas me deu tempo de gozar em sua boca e sentir seus dedos saindo de mim. Para que segundo depois seu membro me invadisse. Aquilo causou uma sensação nova pra mim. Ninguém nunca tinha feito nada desse jeito comigo. Eu mal consegui sentir a dor, mesmo que ela estivesse ali. Seus olhos me banharam com calma e suas mãos em meu rosto me deram um complemento a mais. Sem esperar muito ele me beijou e dizia baixinho o quanto eu era lindo, e o quanto estava feliz em poder me ter em suas mãos; Fiquei sem reação com aquilo, tão perdido e distraído que nem notei quando ele começou  se mexer. De inicio bem lento até. Quase como se quisesse medir algo. E no fundo eu estava adorando tudo aquilo. O puxei mais pra mim e me abri mais, enrosquei minhas pernas em sua cintura e permiti mais acesso a mim. O beijei mesmo e muito. Sussurrei no seu ouvido o quanto estava gostoso e perfeito. Sentia seu suor pingar em mim. E não sentia nojo disso, estava me queimando por dentro e por fora. Estava me derretendo naquela cor quente que era o seu ser. Fiquei sem ação no momento em que ele sussurrou baixinho.

- Eu te amo Min Yoongi. - aquilo me prendeu tanto que do nada eu gritei. Gritei de prazer quando ele acertou a minha próstata. Eu estava dormente? Não sei o que estava acontecendo e que droga era aquela que sua boca era. Quando percebi ele estava se movimentando e eu delirando. Ele estava indo rápido agora. Me estocando com vontade, ao mesmo passo que parava um pouco e continuava de novo. Hoseok era malvado comigo, ainda mais quando sorria de forma sacana. Ainda mais quando retirava seu pênis inteiro e depois colocava de novo, lento e fundo. Forte e leve. Ele intercalava. Ele me preenchia e me deixava vazio. Me trazendo uma sensação de que sem ele eu não era nada. Me mostrando ali mesmo no momento do sexo o quanto eu não sabia mais viver seu ter seu olhar em mim, seu cheiro e seu toque. O quanto a sua presença era tudo o que eu queria. O quanto eu estava desesperado por ele. O quanto eu me sentia cinza.

- Eu te amo, te amo demais, amor. Vai, isso me fode inteiro, me deixa sem andar, faz o que quiser de mim. - gemi manhoso aquelas palavras em seu ouvido, mordendo depois o local. Enquanto sentia meu membro ser esmagado entre nossos corpos, em um atrito gostoso. Hoseok aumentou suas estocadas em mim. Me dando a visão do paraíso. Ele gemia meu nome, mas de forma contida, enquanto eu me sentia um completo escandaloso. Colocando meu prazer inteiro pra fora. Colocando meus sentimentos pra fora. Dizendo o quanto ele era pra mim. Logo senti algo quente me invadir e timidamente o menor chegou em seu orgasmo. Contanto ele me estocou ainda mais duas vezes enquanto gozava. E aquilo foi um delicia, ainda mais ter a sensação de seu liquido escorrendo em mim. Também gozei pela segunda vez naquele momento. Sujando nossos abdomens. Sujando seu mundo com a minha cor. E deixando que ele me pinte inteiro com a dele. 

...

...

...

Fiquei sentindo nosso cheiro naquele sofá, era ótimo a sensação da entrega que veio depois. Hoseok estava fazendo carinho nas minhas costas, enquanto eu estava aninhado ao seu peito. Nossas respirações se mesclavam e eu estava me sentindo a melhor pessoa do mundo. Queria dizer tantas coisas a ele, mas preferi que o silencio nos acolhesse. Tínhamos feito sexo de uma maneira completamente amorosa. Ele foi cuidadoso do começo ao fim, ao mesmo passo que me comandou como nunca havia sido antes. Senti vontade de gritar aos quatro cantos do mundo que eu era dele e ele meu. Mas me contive. Me contive em receber aqueles carinhos e beijos castos que me eram desferidos. Ainda estávamos sujos e eu nem ligava. estava tão gostoso ao lado dele. Me permiti ficar quieto, ainda mais quando ele começou a acariciar minha perna com a sua. Ri baixinho daquilo e me aninhei ainda mais. Eu era o mais velho ali, contudo estava me permitindo me sentir como se fosse o contrário. As vezes eu duvidava se Jung Hoseok tinha mesmo dezesseis anos.

Depois de um tempo daquele jeito ele me empurrou de leve. Apenas para que eu me afastasse um pouco pro lado.

- Hyung, vamos tomar um banho juntos? - ele pediu meio corado e eu assenti. Me levantei e estendi minha mão. Que ele logo pegou e assim fomos juntos pro banheiro.


Notas Finais


Perdoem o tamanho, mas eu tive de tentar passar ao máximo os sentimentos deles.
Então espero que gostem e que possam me dar sua opinião. Estou meio insegura esses dias sobre essa trama.
Espero que esteja sendo boa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...