História Persuasão - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Ally Broke, Camila Cabello, Camren, Dinah Jane, Drama, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Normani Kordei, Policial, Suspense
Exibições 74
Palavras 1.736
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Vim rápido né? Espero que gostem, boa leitura <3

Capítulo 17 - Capítulo 17 - Plano


Lauren acordou com o sol batendo em seu rosto, havia esquecido de fechar as cortinas antes de ir dormir, sentiu um corpo colado ao seu e sorriu ao ver a latina dormindo como um anjo ao lado, a respiração era silenciosa e ela mantinha um pequeno sorriso, Lauren deu um pequeno selinho na região levemente curvada. Desprendeu o braço da latina de sua cintura tentando ao máximo não acordá-la, ao conseguir se levantar e ficou observando a imagem de Camila dormindo por mais alguns minutos se apaixonando cada vez mais.

Pegou suas roupas para se ir até a delegacia cumprir seu plantão e recrutar soldados de sua confiança para a missão que aconteceria no dia seguinte, tinha que ser sigilosa e esperta. Pegou uma regata cinza, um conjunto de calcinha e sutiã brancos, a calça camuflada, também cinza e os coturnos tentando ao máximo manter silêncio. Foi até o banheiro e tomou uma ducha rápida lembrando-se da noite anterior, não pode evitar de sorrir.

Acabou o banho e vestiu-se ali mesmo, entrou novamente no quarto pegou sua arma no coldre e o prendeu na coxa direita, vestiu o distintivo no pescoço e foi até a cozinha. Preparou café, pegou algumas bolachas [N/A ou biscoitos para quem preferir, não quero guerra aqui], pães, nutella, manteiga, fez uma salada de frutas e um suco de laranja, colocou tudo em uma bandeja e foi até o quarto onde Camila estava. Beijou sua testa e depois sua boca.

-Ei, Camz. Acorda meu amor. – Camila resmungou mas abriu os olhos devagar. Não conteve o sorriso de ver a policial ali na frente, aquela cena era altamente sensual e a latina não estava acostumada a ver Lauren vestida daquela forma, era como se fosse um golpe baixo em sua intimidade. –Bom dia, Camz! Eu trouxe café, você não comeu nada ontem, coma um pouco e volte a dormir porque ainda está bem cedo. – Lauren olhou o relógio e certificou-se que ainda eram cinco e trinta da manhã. O coração de Camila vacilou algumas vezes, nunca tinha imagino receber café da manhã na cama, a policial de fato estava a conquistando e não é nada daquilo que a latina achava que era.

-Bom dia, Lolo. Muito obrigada! – Camila se levantou rapidamente pois estava realmente com fome e se alimentou, Lauren olhava com ternura. O celular apitou avisando uma nova mensagem de Normani.

“Branquela, estou aqui na frente. Vamos, precisamos chegar cedo.”

-Camz...

-Você precisa ir, eu sei. – Camila falou sorrindo. – Tudo bem, Lo. Ache bons policiais parceiros. – Disse piscando. Lauren sorriu e depositou um beijo no canto da boca de Camila que tinha um pouco de Nutella, sorriu. – Cuidado, Lauren. Eu te amo demais para te perder tão cedo.

-Vaso ruim não quebra. Eu também te amo. – Depositou um último selinho em Camila e saiu rumo a porta, colocando o celular no bolso da calça. Pegou a carteira na mesa ao lado da porta do apartamento e se encaminhou para o elevador deixando a chave do apartamento para Camila.

Logo encontrou Normani, trocaram um olhar preocupado e seguiram para a delegacia.

Halsey estava lá, Ariana também. A menor estava com o braço e o ombro enfaixados e imobilizados, andava mancando e com uma feição de dor.

-Cara, o que você está fazendo aqui? – Lauren perguntou preocupada.

-Mani nos contou o plano, com Camila e seu sistema de informações super poderosos fora do nosso caminho, posso auxiliar vocês por aqui. Aliás, oi para você também. – Completou revirando os olhos. Lauren foi até ela e a abraçou com cuidado.

-É bom ter você de volta à equipe, Ari. Bom dia, Hal. – Lauren disse apertando calorosamente a mão da outra integrante da equipe, Mani fez o mesmo.

-Eu vou falar com a Vives, ela está sozinha. Vocês falem com a Welch e com a Lovato.

-O que tem eu? – Demetria apareceu logo atrás de Normani fazendo ela se assustar e derrubar o café no chão. – Merda.

-Vem aqui, preciso falar com você. Está muito ocupada? – Lauren a puxou pela mão. Demi, como era conhecida na delegacia possuía os cabelos na altura dos ombros e sempre variava o penteado, hoje ele estava ondulado e a lateral raspada estava a vista. Lauren depositava toda sua confiança nela por ela ter salvado sua vida três vezes em uma troca de tiros e dado algumas informações de Bennett há semanas atrás.

-Fala logo, criatura. Parece que alguém vai morrer. – Ela disse rindo e dando um leve empurrão no ombro de Lauren que sorriu tímida mas logo se recompôs.

-De fato, muitas pessoas vão morrer. Lembra daquelas informações que eu pedi de Bennett?

-Ainda está encasquetada com isso, Jauregui? Está querendo perder seu cargo ou sua vida? Você é muito teimosa. – Demi revirou os olhos ao terminar a frase.

-Me deixe falar, Lovato. – Demi assentiu com a cabeça e Lauren continuou. – Eu e Kordei obtivemos informações direto da fonte, iremos escancarar o grande corrupto traficante que Christian e Bennett são.

-Espera, o delegado está dentro? – Ela perguntou assustada.

-Sim, ele é um dos mandantes de um esquema de tráfico ilegal de meninas e de uma rede de boates clandestinas. – O queixo de Demi foi ao chão diversas vezes e após alguns momentos ela se manteve em um perfeito O, uns minutos digerindo as informações.

-E qual é o plano, Jauregui?

Era isso que Lauren amava em alguns dos investigadores daquela delegacia. Após Lauren ter sido “recrutada”, foi em direção a Halsey que falava com a Investigadora Welch, haviam estudado a ficha da sub-tenente. Ela havia desmascarado uma boate clandestina e prendido oito traficantes super poderosos do Queens em Nova York. Era sua melhor tacada.

-Florence, não estou dizendo que será fácil, mas é um combate de frente com alguns infiltrados nossos lá dentro! – Mani tentava convencer a moça mais experiente, ela usava uma saia que ia até o chão verde e uma regata branca. [N/A Florence sendo bem humanas aqui também].  

-Esses infiltrados são bons? – Ela perguntou desconfiada.

-As melhores, trabalham para eles. Passaremos informações falsas para elas e elas as passarão para Christian e Jane e enfim entraremos pegando todos no flagra. De acordo com a agenda que uma das nossas infiltradas tem, ele estará em uma boate aqui perto, então conseguiremos pedir socorro caso algo saia do controle. Vamos, você é nossa melhor opção.

-Estou ofendida. – Demi disse no ouvido de Lauren ao ouvir as explicações de Halsey

No fim, Welch aceitou e até se animou com a ideia de acabar com mais uma máfia gigante.

As quatro se encaminham em direção à Normani que falava super baixo com Vives.

Vives sempre observou Lauren de longe, admirava a competência da morena, a forma como ela subiu de cargo pelos concursos facilmente e como desvendava cada caso rapidamente. Era uma inspiração.

-Lucy, Lauren quem é a cabeça dessa missão. – Mani respondeu a uma pergunta da garota. Lauren ficou embasbacada com a beleza da mera agente ali. Agente essa que esteve nos melhores combates e trocas de tiro de Miami e prendeu muitos estupradores com combate corpo a corpo. Seria de grande utilidade em seus planos.

Vives, Grande, Halsey, Welch, Hansen, Lovato, Jauregui, Cabello.

Essa era a equipe que ia comandar todo o plano, reuniram doze agentes para o choque, estariam armados e seriam peões, totalizaram vinte pessoas envolvidas na missão. A missão começaria no dia seguinte às 22 horas, fizeram toda uma tática com as informações da planta que Camila havia lhes passado, iriam cerca as salas com soldados altamente armados quando Camila estivesse lá dentro supostamente dando informações para Christian, Jane e Bennett, iriam cerca-los e prende-los, se algo saísse do controle, Lauren entraria em ação junto com Dinah e Halsey para tirar Cabello de lá sem que sofresse alguma violência dos mandantes, Ariana daria suporte com escutas e olhando as câmeras de dentro do apartamento de Camila.. Não poderia dar errado.

Os soldados recrutados e a equipe de comando do esquadrão já estavam com tudo à postos e organizada, esparariam apenas o dia seguinte para agir.

Mani foi até seu apartamento por volta das três da manhã, estava exausta de passar e repassar a missão para todos. Encontrou com Dinah dormindo tranquilamente com os fones de ouvido em sua cama. Não pôde evitar sorrir. Na noite anterior tiveram uma conversa séria que esclareceu todas as dúvidas e mentiras que as envolviam.

Mani não pôde deixar de se apaixonar cada vez mais pela garota mais alta diante de tanta coisa de sua vida que não sabia. Durante seu horário de almoço ela saiu discretamente para uma joalheria, queria ter algo mais sério com a menina mais nova e sabia que ela iria aceitar, seria como um pedido de desculpas com sentimentos além do comum.

Desabotoou o coldre e o retirou junto com o distintivo, os colocou no criado mudo, depositou um beijo leve no topo da cabeça de Dinah e foi para o banheiro tomar uma ducha rápida. Ao retornar para o quarto, colocou um pijama simples e se aconchegou na cama e no corpo de Dinah sem que a acordasse, retirou seu fone de ouvido e o colocou ao lado de seu distintivo.

Algumas horas depois o celular de Dinah começa a tocar Beyonce no volume máximo assustando as duas.

-Ah, deu play sozinho. – Dinah falou sem graça e Mani revirou os olhos. Era cerca de meio dia já, decidiram levantar e tomar café. – Não queria ter que arriscar minha vida hoje. – Ela disse triste.

-Nada vai te acontecer. – Mani prometeu segurando forte suas mãos. – Eu queria te pedir algo, antes de irmos para a missão.

“Missão” Dinah repetiu na cabeça, se sentia um super James Bond de Miami, riu internamente.

-Pode falar, Mani. – Normani suspirou alto e estendeu a caixinha preta que comprara na noite anterior em direção a mais alta.

-Quero formalizar essa nossa relação que temos há um pouco mais de um mês, foi pouco tempo mas caramba, você tem um poder absurdo sob meus atos e sentimentos, eu te quero para mim, como namorada, como amante, como companheira. E eu quero estar sempre ao seu lado te mimando e protegendo, namora comigo Dinah Hansen? – Dinah teve um pequeno surto mental, ela planejava dizer essas palavras para Mani assim que a missão acabasse, mas a mulata foi mais rápida.

-Claro que eu aceito, Mani. Mais do que aceito! Vem aqui, minha namorada. – Ela disse suspirando apaixonada. Aproveitaria suas últimas horas se amando o quanto podiam.


Notas Finais


Creio que haverá uma segunda temporada dessa fic, o que acham? Minhas férias estão no começo e o enredo está acabando, mas isso não significa que a história tem que acabar. O que acham?

E será que o plano dará 100% certo? Alguma merda vai acontecer? E o que acharam de Norminah?

Beijao e até o próximo! (não vou estipular prazo dessa vez, mas vocês sabem que eu não demoro <3)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...