História Pessoas merecem morrer - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Hentai, Originais, Violencia
Exibições 24
Palavras 1.806
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ecchi, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Boa noite e boa leitura!

Capítulo 21 - Pesadelo e mais uma morte


Fanfic / Fanfiction Pessoas merecem morrer - Capítulo 21 - Pesadelo e mais uma morte

Todos foram dormir depois daquela noite, mas nessa mesma noite Juliana teve um pesadelo, a morte de sua família, algumas vezes ela tem pesadelos com isso então ela já está acostumada

Em seu pesadelo ela tinha 11 anos e estava saindo para passear com seus colegas mas eles não foram na verdade ela nunca teve amigos de verdade, ela foi iludida por seus " amigos " mas agora que ela encontrou amigos de verdade não tem mais com oque se preocupar

Continuando, ela estava saindo sozinha de casa, seus pais estavam trabalhando só iam chegar de noite e ainda estava de tarde, Juliana queria brincar com suas amigas mas ninguém ligava pra ela

Em um momento que ela estava correndo e estava chorando por causa de seus amigos ela foi puxada para um beco escuro e assustador, sua boca estava tampada para que ela não pudesse gritar

Esse " alguém " que a puxou pro beco pediu para que ela fizesse silêncio e se agachou pra ficar na altura dela e esse indivíduo olhou fixamente para ela como se quisesse a intimidar e estava conseguindo, ela estava assustada, não podia correr nem gritar apenas podia olhar para aquele que a estava intimidando 

??? - olá pequena - fala normalmente

Juliana - o-olá - fala ainda com medo

??? - meu nome é John e o seu? - se apresenta

Juliana - É... J-juliana - gagueja por causa do medo

John - não precisa gaguejar, não irei fazer nada com você - fez com que a pequena se aliviasse - mas eu preciso que você faça um favor para mim 

Juliana - que tipo de favor? - pergunta curiosa 

John a encara - poderia matar sua família por mim? - pergunta seriamente

Juliana - não! - responde rapidamente

John se aproxima dela - e por que não? - pergunta

Juliana - porque eu não quero que minha família morra! - fala com lágrimas em seus olhos

John - que coisa linda... - segura os cabelos dela com força que faz a garota dá um pequeno gemido de dor - pena que vai ter que fazer uma coisa tão terrível...

Juliana - EU NÃO VOU FAZER NADA! - exclama sentindo as lágrimas escorrerem por seu rosto

John - olha aqui pequena, eu mando em você e você me obedece, agora faça oque estou pedindo antes que eu mesmo mate a sua família ou... mate você - fala e forma um sorriso assustador em seus lábios

Juliana - você não teria... - foi interrompida

John - coragem? - fala com uma faca em sua mão mirando no olho da pequena a fazendo ficar mais assustada do que já estava

Juliana fica em silêncio com medo de pronunciar algo e John a matar, ele guarda a faca e olha para os olhos da pequena 

John - vai fazer ou quer que eu te mate? - pergunta

Ela estava com medo não sabia oque fazer, não queria matar sua família mas também não queria morrer, ela então faz sua difícil decisão, respira fundo e encara ele

Juliana - e-eu... irei matar minha família - fala tentando conter as lágrimas

John - boa menina, agora vá para sua casa - fala se levantando e saindo daquele lugar e deixando a pequena chorando intensamente

Juliana - por que? por... POR QUE?! - exclama com sua garganta já doendo

Assim que ela parou de chorar, com muito esforço ela foi pra casa, não queria matar sua família mas foi obrigada a isso

Ela chegou em sua casa e seus pais já tinham chegado, aquela casa era para a família toda mas alguns parentes estavam em seus quartos

Juliana - cheguei... - fala sem ânimo

Gisele - bem-vinda querida - sorri

Fernando - bem-vinda filha! - fala em um tom alegre - fizemos várias coisas pro jantar venha comer com a gente

Juliana conteu suas lágrimas e foi pra cozinha, comeu e subiu para seu quarto, se passaram horas e ela tinha arrumado sua bolsa para partir, quando ela percebeu que todos estavam dormindo ela pega uma faca e vai no quarto de todos, um por um

Quando chega na parte de sua mãe ela começa a chora mais intensamente, a sua mãe, quem sempre a ajudou, apoiou... era difícil matar a única amiga verdadeira que você tinha mas ela fez isso... e ela pode ver a sua mãe sorrir, ela morreu... mas pelo menos ela morreu sorrindo, feliz e orgulhosa de sua filha mesmo sendo ela a culpa de sua morte

Assim que matou todos ela saiu de sua casa e estava caminhando pelo mundo sem rumo nenhum... ela acha um lugar para descansar que era debaixo de uma árvore, ela se senta naquele lugar e se lembra daquele maldito que mandou matar sua família

Ela range os dentes e seus olhos que antes estavam lacrimejando agora estão cheios de fúria, e ela estava com sede... muita sede, ela então decide matar pessoas para sobreviver bebendo do sangue dessas pessoas que matou

Ela se vira e vê uma sombra, ela se assusta e vê vários demônios ao seu redor, ela se assusta mais ainda e se encolhe por causa do medo mas a sombra que estava na frente dela se transforma no físico de uma criança da idade dela e essa mesma sombra sorri assim como os demônios

Sombra - venha senhorita, seremos amigos para sempre - sorri feliz

Demônios - isso mesmo! - falam

Os olhos dela brilham ao perceber que ia ganhar um amigo de verdade mas desconfiou da sombra então não sorriu ou algo do tipo, a sombra percebe e suspira

Sombra - se eu for assustador perdão, eu não quis nascer assim mas eu também não sou uma pessoa má! sou uma criança da sua idade que quer ser seu amigo, você aceita ser minha amiga? - pergunta sorrindo 

Ela sorri - sim! - responde

A sombra estende sua mão a ela e ela segura na mão da sombra, a sombra leva ela pra um lugar escuro e pega uma lâmina e dá pra ela, ela olha pra lâmina sem entender nada, a sombra sorri

Sombra - é pra você se cortar, você terá que se cortar se não a gente desaparece - fala seriamente mas sorria mesmo assim

Juliana - então vocês são iguais aos humanos... - fala tristemente

Sombra - não é nada disso! - fala - é que nós podemos desaparecer se você não se cortar, parece que seu sangue nos alimenta e nos faz ficar presos a você e se você parar de se cortar nós desapareceremos pra sempre!

Juliana - não! eu prometo que nunca irei deixar isso acontecer! - fala seriamente e com medo porque poderia perder o seu único amigo

Sombra - isso é uma promessa! - fala sorrindo

Eles se abraçam e... Juliana acorda um pouco assustada, ela olha ao redor e vê que está em seu apartamento, suspira aliviada e se levanta da cama, ela vai em direção a janela e fica olhando o céu estrelado

Juliana - ah mãe... se não fosse por aquele cara você ainda estaria viva... - fala com um sorriso triste em seus lábios - eu não vou deixar mais ninguém morrer, prometo, se eu quebrar essa promessa... nem eu sei oque vai acontecer...

Uma sombra surge atrás de Juliana mas a mesma não se assusta pois sabe que é o seu amigo

Sombra - simples, você nunca terá o direito de falar com ela - fala 

Juliana - mas ela está morta - suspira

Sombra - existe vida após a morte sabia? - fala 

Juliana - sabe que eu nunca acreditei nessas coisas - fala entediada

Sombra - sei! e você deve acreditar pois é verdade - fala brincando com os sapatos dela

Juliana suspira e olha para a Sombra que se divertia com os seus sapatos, ela sorri

Juliana - você parece uma criança - brinca

Sombra - você também! - fala sorrindo - bem, eu tenho que ir, eu estou com sono e pretendo dormir, xau Ju!

Assim que se despede a Sombra some, Juliana sorri e volta a se deitar e dorme novamente, amanhace e todos acordam, Gabriel demorou um pouco pra acordar mas acordou

Ele estava andando pelo corredor do hotel e viu Juliana saindo de seu apartamento e ficar andando pelo corredor, ele se esconde para ela não o ver e realmente ela não o vê e ele segue ela, Juliana vai para a sacada ficar vendo a vista de lá e Gabriel também vai

Juliana - Gabriel sai daí, eu sei que você ta ai - fala entediada

Gabriel - me descobriram - sorri sem graça e fica do lado da Juliana

Juliana se lembra de seu pesadelo e range os dentes e Gabriel percebe

Gabriel - oque houve? - pergunta

Juliana - só agora... só agora você se preocupa?! - fala irritada oque assusta Gabriel

Gabriel - calma, e sim eu estou preocupado mas você não respondeu a minha pergunta! - fala

Juliana - não houve nada! está tudo bem... - responde em um tom baixo e triste ao mesmo tempo

Gabriel suspira e abraça Juliana que se surpreende - por mais que eu não seja apaixonado por você eu sou uma pessoa que quer proteger você, confie em mim, eu confio em você - fala gentilmente 

Os olhos de Juliana brilham e se encheram de lágrimas, ela retribui o abraço, afunda seu rosto no peito dele e começa a chorar intensamente

Juliana - eu não tinha... ninguém - fala em meio ao choro -  agora eu tenho... e agradeço por isso...

Gabriel - você não tinha amigos? - pergunta 

Juliana - não... - responde

Gabriel - agora você tem - sorri 

Eles se sepraram do abraço e Gabriel enxuga as lágrimas dela, eles descem as escadas e avistam Lucas e Ester saindo do hotel, eles começam a seguir os dois

Ester - você não precisa comprar isqueiro, você tem sei lá quantos isqueiros no teu ármario! - fala irritada

Lucas - então ta... - fala entediado

Gabriel e Juliana continuaram a segui-los até certo ponto que Lucas e Ester pararam de andar e olharam para o lado, tinha uma roda de pessoas, as pessoas estavam gritando, assobiando e Lucas entrou no meio de todo mundo e viu um garoto ser espancado

Ele ficou com os olhos opacos e ficou com raiva e ele não sabe o porque disso mas ele foi em direção ao garoto que estava vencendo e chutou a costela dele, ele caiu e Lucas ficou dando socos no rosto desse garoto que aparentava ter 15 ou 16 anos, Lucas ficou dando socos nele até ele morrer

Quando ele acabou de de matar o garoto ele se levantou e levantou seu punho que estava cheio de sangue

Lucas - eu venci - fala friamente

Continua...


Notas Finais


Espero que tenham gostado e até o próximo que pode sair amanhã ou depois de amanhã, não sei :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...