História Petshop - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Carol Peletier, Daryl Dixon, Gabriel Stokes, Negan, Paul "Jesus" Monroe, Personagens Originais, Rick Grimes
Exibições 36
Palavras 1.393
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Policial, Romance e Novela, Sci-Fi, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olha só quem começou a publicar uma fic sem terminar a outra mais uma vez? Eu! Hahahahahaha
Mil perdões para quem acompanha A Deusa mas o que eu pensei ser um bloqueio com o personagem na verdade era um bloqueio com a fic.
OBS: Os títulos dos capítulos são nomes de musicas.
Boa leitura! S2 S2 S2

Capítulo 1 - No Particular Place To Go


Point of View: Rick Grimes

Ainda não sei como fizemos isso, mas fizemos. Desde a primeira visita dos salvadores a Alexandria tenho me comunicado com Daryl por meio de código Morse, meu amigo e braço direito, além de irmão de consideração, era o prisioneiro do Negan e o mesmo fazia questão de traze-lo toda vez. Assim que Morgan apresentou-me Ezekiel pude ter um fio de esperança e juntamente a Hilltop começamos a elaborar planos para um ataque ao inimigo, mas para isso precisávamos resgatar os prisioneiros, foi então que em uma visita Daryl avisou-me que estava um passo a frente e fugiria em breve.  Nos preparamos para busca-los no dia de fuga, Ezekiel, Jesus e eu partimos ao amanhecer e encontramos um bom ponto para aguarda-los, mesmo que quiséssemos não podíamos trazer mais homens ou correríamos o risco de sermos descobertos, além de não ter espaço para os prisioneiros.

O resgate foi uma tragédia, dois prisioneiros foram mortos durante uma troca de tiros e por sorte conseguimos alcançar Daryl a tempo de salva-lo mas o mesmo havia sido atingido algumas vezes, rapidamente o colocamos no carro e partimos antes que os salvadores chegassem.

- Não podemos leva-lo para Hilltop, já temos problemas demais com os salvadores, se descobrirem é o nosso fim. – Jesus avisa entrando em uma estrada de terra.

- Conheço um lugar. – Ezekiel diz. – É onde levo Shyva e alguns cavalos ariscos quando tem algum problema, são veterinários mas podem cuidar do seu amigo.

- Podemos confiar neles? – Pergunto desconfiado. – Digo, eles podem entregar Daryl ou até nos entregar.

- Negan não conhece o lugar, por isso sugeri, assim seu amigo pode se recuperar sem custar a nossa cabeça.

Após minutos de conversa concordamos em levar Daryl ao lugar que Ezekiel sugeriu e me arrependi amargamente quando vi a faixada do lugar, imaginei ser uma clinica veterinária porém era um petshop, porém com a mesma velocidade com que me arrependi, me surpreendi ao entrar no local, era bem maior do que pensava, haviam vários animais de espécies diferentes e algumas portas nos cantos do salão. Um casal armado nos esperava e guardaram as armas ao reconhecer o rei.

- Majestade! – A mulher de cabelos curtos e ruivos e corpo escultural correu para abraçar o homem que retribuiu com gentileza. – A que devemos a visita?

- E trouxe amigos. – O homem loiro se pronunciou com uma expressão descontente. – Amigos demais para o meu gosto.

- E desde quando seu gosto interfere em algo aqui? – Uma voz doce nos chamou atenção e nos viramos encontrando uma mulher de aparência angelical, longos cabelos loiros, olhos azuis quase brancos e baixa estatura que junto aos demais atributos a dava um toque juvenil. A pequena sorriu para cada um em forma de cumprimento e se dirigiu a uma das portas. – Chris, pegue uma maca e ajude-os a trazer o homem do carro.

A loira deu a ordem com tanta naturalidade que levei alguns segundos para me perguntar como sabia que Daryl estava no carro e mais alguns para lembrar que a mesma acabara de entrar pela mesma porta que nós, logo deve ter visto o carro. Com a ajuda do homem que descobri chamar-se Chris, levamos Daryl a ala medica e agradeci imensamente ter uma primeira impressão errada e o lugar não ser um simples petshop, a loira analisou os ferimentos e suspirou antes de começar a trata-los, tirava a bala, limpava e dava pontos com facilidade como se estivesse fazendo uma receita culinária, mal precisava da ajuda da ruiva que não tardou a abandonar a sala para voltar a vigiar o lugar. Aguardamos na sala ao lado onde era possível vê-la pela janela de vidro e eu já estava impaciente quando a vi sorrir satisfeita e retirar as luvas.

- Ela terminou? – Pergunto levantando do sofá.

- Parece que sim. – Ezekiel responde entre goles de café. – Não se preocupe Rick, eu não confiaria a vida do seu amigo a qualquer pessoa.

Assenti com a cabeça e voltei a sentar-me no sofá, a garota parecia saber o que estava fazendo, não tenho porque me preocupar e além do mais, Daryl já passou por coisas piores. Assim que terminou de organizar a sala onde meu amigo estava, a garota aproximou-se dele e o analisou por longos segundos, parecia perdida na expressão tranquila do paciente e franzi o cenho ao vê-la rir sozinha. Será que estou confiando na pessoa certa? Após se recompor a loira deixou a sala e menos de dez segundos depois a vimos entrar pela porta, Ezekiel serviu um copo de café e entregou a pequena que sentou-se ao lado do rei.

- Como ele está? – Pergunto não contendo o nervosismo.

- Está ótimo, ele tem muitas cicatrizes, com certeza passou por coisas piores. – Responde após um breve gole de café. – Desculpe não me
apresentar antes, vi o corpo no carro e quis ser o mais rápida possível, se ele perdesse muito sangue não teríamos para fazer uma transfusão.
- Tudo bem Sophie. – Ezekiel diz com seu ar sereno e teatral. – Esses são Rick Grimes e Paul Monroe, líderes de Alexandria e Hilltop. Essa é Sophitia Alexandra Powell, lindo nome não?

- Combina com você. – Jesus diz arrancando uma risada tímida da pequena. – Pode me chamar de Jesus.

- Rei... Jesus... – Sophitia franzi o cenho e volta a atenção a mim com um lindo sorriso meigo que por algum motivo tolo me deixou envergonhado. – Também tem um nome desses Rick?

- Não. – Respondo desviando o olhar para um ponto qualquer da sala.

- Entendo, também não tenho. – Ri breve e suspira fazendo-me voltar a olha-la e agora quem franze o cenho sou eu ao encontra-la cabisbaixa, a pequena contorna a boca do copo com a ponta do dedo e volta a suspirar antes de prosseguir. – Ele foi o único prisioneiro que sobreviveu?

- Sim. – Ezekiel responde no mesmo tom. – Estamos nas mãos dos salvadores e esse é o único lugar onde o amigo do Rick pode ficar até se recuperar, se arriscarmos deixa-lo em Hilltop ou no Reino podemos jogar nosso plano por água abaixo, junto a nossas vidas.

- Plano? – Ergue o olhar assustada. – Querem se matar?!

- É a nossa única chance de ter uma vida normal, sem sermos escravos dele.

- Ezekiel! – Exclama em repreensão. – Sabe do que estou falando. Planejou atacar o Negan sem me avisar?

- Ele não pode saber onde você esta.

- Claro que pode, ele não virá aqui, não tirara minhas coisas. – Revira os olhos. – Se ele quisesse impor algo não teria me deixado sair pela porta da frente.

- Espera, você já foi ao Santuário? – Pergunto confuso.

- Eu morava lá, Negan me encontrou em... Em um lugar e cuidou de mim. – Sophitia levanta e caminha até o vidro, observando Daryl. – Então um dia ele veio com um papo estranho sobre querer que eu fosse “esposa” dele e que deixaria todas as outras se eu aceitasse, um dos moradores chegou a implorar para que eu aceitasse, a namorada dele era uma das mulheres do chefe.

- E você fugiu? – Jesus pergunta interessado na história.

- Ah não, como eu disse, sai pela porta da frente. – Sorri ainda observando Daryl. – Apenas recusei a proposta e disse que queria ir embora, eu não estava ali por necessidade, medo ou qualquer outro motivo que os moradores tem, eu estava ali porque era confortável e ele não me impediu de ir, preparou uma mochila cheia de suprimentos e beijou minha bochecha antes de fechar o portão. Sei que parece loucura mas foi o que aconteceu, alguns dias depois Amber me encontrou e me recebeu aqui. - Suspira pensativa. - Qual o nome dele?

- Hun? – Jesus murmura confuso com a troca de assunto repentina.

- O nome do amigo de vocês.

- Daryl. – Respondo e me levanto tomando um lugar no lado oposto do vidro. – Ele pode ficar aqui por enquanto? Posso recompensa-los, trazer comida e medicamentos.

- Temos uma horta nos fundos do prédio e um bom estoque de animais, mas faltam alguns remédios e curativos que seriam uteis na recuperação do seu amigo, Amber pode ir com vocês e voltar com os suprimentos, assim não correm o risco de serem vistos pelos salvadores.

- Obrigado. - Agradeço não muito aliviado. Sophitia parece boa demais e gentil demais, além de já ter sido uma salvadora. algo não esta certo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...