História Photograph - Memórias Vazias - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ed Sheeran
Tags Edsheeran, Memoriasvazias, Photograph, Sheeran
Exibições 27
Palavras 822
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Saga
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Pessoas, conversem comigo por favor.
Música do Capítulo: Burn - Ellie Goulding
Boa leitura.
Bjos <3

Capítulo 13 - Angel Will Fly.


No sábado pela manhã, desci para tomar café e dei “bom dia” para minha mãe.

- Escuta! Como seria esse negócio?

- Que negócio, mãe? – Ela achou que eu havia esquecido.

- Essa coisa aí de viajar.

- Não sei, a Sra. não me deixou ir. – Tentei parecer emburrada - Nem combinei nada.

Ela não disse mais nada. Levantou e foi para o quintal. Eu terminei o café e fui lavar a louça. Ela voltou  e encostou perto da pia.

- Olha, eu não quero te ver infeliz. Mas sozinha?

- Mãe, sempre tem uma primeira vez né? Além do mais, é só pegar o avião, chegando lá eu vou  me encontrar com o Ed.

- Tá... Tudo bem, mas você tem que me ligar todos os dias.

Ah! Finalmente ela havia deixado, mas para ser sincera, mesmo se ela não deixasse, eu iria acabar indo. Menos mal, melhor assim.

Passada a parte difícil, vinha a mais difícil ainda: o presente do Ed. Não que eu estivesse financeiramente limitada, mas o que pode-se dar para  uma pessoa que pode comprar qualquer coisa?

Decidi começar pelo shopping, comprar umas roupas, sabia que lá estaria no verão, mas não sabia o quão calor isso poderia significar.

No meio disso tudo me esqueci de contar a novidade para  o próprio Ed. Fui até o Mc Donald’s e enquanto  comia meu lanche, mandei um aviãozinho para ele. Percebi que estava com várias sacolas e ainda não havia achado o presente certo.

Voltei para casa, busquei a Ana no curso e Catarina na escola e depois voltei para o escritório.

O Ed não me respondia. Eu não sabia que presente dar para ele. Ai meu Deus, onde eu fui me meter?

Quatro dias para a viagem e eu não sabia o  que dar para o Ed e a única coisa que passava pela minha cabeça era que essa ideia era péssima. Nunca eu ia achar nada para ele.

Trabalhei bem na quinta e na sexta pela manhã, o Ed finalmente me respondeu.

Ed: Então você vem?

Júlia: É só você me indicar um bom hotel e vai dar tudo certo.

Ele colocou carinhas chorando de rir e eu não entendi o porquê.

Ed: Claro que eu conheço vários hotéis... Mas você, como minha convidada, vai ficar na minha casa.

Júlia: Não Ed, isso já é demais. Você paga as passagens e já tá ótimo. Mais que isso não posso.

Ed: Claro que pode. Faço questão. Como vou ser seu guia turístico se você não ficar aqui? Não posso ficar andando na rua sossegado, por favor, me ajuda?

Eu entendi o recado, basicamente, ele não podia ficar zanzando por aí, ainda mais com uma garota. Entendi até demais.

Júlia: Tudo bem. Você venceu, mas por conta disso, vou levar umas coisinhas a mais.

Ed: Tudo bem. Tudo combinado. Vou ter um final de semana cheio, não sei se vou  poder falar mais com você. Mas prometo que quando você chegar eu vou ficar quietinho.

Meu pai se sentou ao  meu lado:

- Filha, posso falar com você?

Júlia: Ed, meu pai precisa falar comigo. Preciso ir.

Basicamente, ele queria em desejar uma boa viagem e me deu dinheiro para levar. Tudo estava conspirando para essa viagem dar certo.

No sábado, fomos ao shopping novamente.

Fomos á uma loja de brinquedos comprar umas coisas para que elas levassem e não dessem muito  trabalho para  o pai. Foi quando vi um sabre de luz do Star Wars. Para ser sincera eu não  gostava muito não, era  geek demais para  mim e eu  também nunca entendi porque os episódios 4, 5 e 6 foram lançados muito antes dos episódios 1, 2 e 3. Mas como ele gostava comprei dois.

Depois de irmos comer, andando pelo shopping vi um stand que fazia gravações, e havia umas coleiras, logo pensei nos três gatos dele e nas minhas duas lindas gatas e nos meus três cachorros. O resultado: coleira nova para todo mundo.

Enquanto o cara fazia as gravações eu vi um capotraste, aquelas coisas  que prendem a corda do violão e pensei  que seria legal levar um para ele, então mandei gravar o nome dele.

Na saída avistei o presente que eu procurava, era lindo e transparecia tudo o que o Ed era... não  tive dúvidas e levei. Só depois lembrei que, dias antes vi uma fã comentando em algum lugar que seria esse o presente que ela daria á ele. Era perfeito.

Depois de entregar as meninas aos cuidados do Erick e me despedir, á muito custo, fui revisar as coisas. Estava tudo lá, dinheiro, cartão, roupas, presentes, inclusive o presente surpresa.

Despedi-me da minha mãe e meu pai me levou para o aeroporto. Lá me desejou “boa sorte”. Meu pai era demais.

Entrei pela primeira vez em um avião, meu coração estava saindo pela boca. Avião. Londres. Ed. Era demais para mim. Em aproximadamente dez horas iria encontrar o Ruivo novamente.


Notas Finais


Obrigada <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...