História Photograph - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~whoisclace

Postado
Categorias One Direction
Personagens Liam Payne, Niall Horan, Personagens Originais
Visualizações 34
Palavras 3.138
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


só desejo boa leitura e pra dizer que teremos +2 capítulos e depois fim.

Capítulo 8 - Capítulo Sete:


Liam tinha caído em um sono tão profundo, que nem escutou quando o despertador de seu celular começou a tocar e vibrar debaixo do seu travesseiro. O que o levou a acordar foi o sol que começou a invadir todo o ambiente com aquela claridade que incomodava os olhos do futuro noivo.

Payne caçou o celular e olhou no visor a hora que já era e se assustou com o que viu. Tinha se atrasado uma hora, isso mesmo, tinha perdido uma hora dormindo.

Com um pulo colocou-se de pé e foi juntando suas roupas que estavam espalhadas pelos cantos e as vestiu em seguida, temendo que tudo fosse por água abaixo por conta da sua preguiça.

Tudo bem que não adiantaria de nada ficar se condenando, todos nós somos seres humanos e somos propícios a errarmos, não com algo que planejamos por um final de semana inteiro, envolvendo outras pessoas e ocultando outras coisas da pessoa que você mais ama.

Ao chegar no final da escadaria sentiu o cheiro do café da sua mãe e o seu estômago revirou de fome. A última refeição tinha sido no jantar e era pizza, algo não muito sustentável por horas.

Atravessou a cozinha como um raio e puxou a cadeira, respirou fundo e deu uma olhada por cima dos ombros do seu pai para o relógio. Merda! Ele tinha uma hora a menos e isso o estava assombrando demais.

— Filho, está tudo bem? — o pai perguntou.

— Eu estou atrasado, pai. — Liam respondeu, enquanto observava a silhueta da sua mãe se movimentar para colocar o café em sua xicara. — Ou seja, tenho uma hora a menos para colocar tudo em ordem. — desabafou.

— Calma meu filho, tudo vai dar certo. — Karen consolou o rapaz. — Eu entendo que será um dia bastante agitado, mas por que ficar se estressando? Eu tenho certeza que Samantha falará sim. — enfatizou e Payne relaxou os ombros.

— Como você tem certeza disso, mãe? — rebateu nervoso.

— Ela não seria louca, Liam. — Karen aumentou a voz, deixando o filho atento. — Samantha te ama, você não percebe? — disparou. — Desde o colegial, desde quando você começou a investir na relação. — comentou. — Eu sou mãe, Liam, eu sinto certas coisas.

— Sim, isso eu entendo. — Liam falou por cima e a mãe logo o cortou.

— Eu sempre senti que suas irmãs iriam se casar com os seus cunhados e olha só, eu não estava errada. — confessou. — E eu sempre senti algo diferente na Sam, ela é diferente de todas as outras, ela carrega uma paz indescritível, não tem uma energia ruim, é gostoso compartilhar com ela experiências e são essas pessoas que devemos querer para o resto de nossas vidas. — despejou tudo em seu filho, que a olhava sorridente, pois nunca tinha visto a mãe falar tão bem da sua namorada assim. — E não me olha assim, eu ainda tenho ciúmes de você. — falou brava e Liam gargalhou.

— Você sempre será um dos meus maiores amores, mãe. — Liam falou e dona Karen revirou os olhos. — Não acredita? — perguntou indignado.

— Eu acredito em você filho, mas agora você terá outros amores.

— Você nunca deixará de ser um, mãe. — tentou convencê-la.

— Quando você construir sua família oficialmente, entenderá o que estou lhe dizendo, meu bem. — deu um meio sorriso. — Quando somos os responsáveis por outros seres humanos, como filhos, as coisas se tornam diferentes. — encerrou o assunto por conta que o telefone do Liam vibrou em cima da mesa.

O rapaz pegou o dispositivo em suas mãos e olhou no visor o nome estampado. Não era uma ligação, era apenas uma mensagem bastante seca de Samantha avisando que iriam atrasar por conta que Violet resolveu de última hora fazer uma sessão de massagem.

Com certeza isso tinha algo haver com Niall, pois ao continuar olhando as mensagens notou que o melhor amigo tentou entrar em contato com ele mais cedo, porém com o atraso não respondeu, causando certa preocupação no loiro que mandou alguma mensagem para namorada.

Tinha sido salvo e estava agradecido demais por isso. Violet e Niall eram uma dupla em tanto. Conseguiam planejar coisas, persuadir pessoas, com tanta facilidade que era até irônico.

Liam terminou o seu café da manhã em silêncio e seus pais respeitaram o seu espaço. Imaginavam que o filho estivesse apreensivo por conta do pedido, aliás, não é todos os dias que dá o máximo de si para surpreender outra pessoa. E tem vezes que as pessoas não reagem de forma positiva, como esperado, com uma surpresa, de fato, inesperada.

O advogado já estava pegando suas coisas, quando seu pai apareceu na porta do seu quarto de infância e ficou parado o observando. O mais novo ficou receoso, porém assentiu para que o patriarca começasse a falar o que tanto queria.

— Eu não sei o que está passando em sua cabeça, porém imagino que esteja com medo. — comentou.

— Não é bem medo, pai.

— É um nervoso, eu entendo.

— Entende? — questionou intrigado.

— Lógico que entendo, Liam. — respondeu indignado. — Você acha que foi fácil pedir sua mãe em casamento? — perguntou e o filho gargalhou, fazendo com que seu pai o acompanhasse. — Até para namorar sua mãe foi um tanto complicado, ela foi uma mulher um pouco difícil de conquistar. — confessou.

— Sério, pai? — rebateu. — Mas a mãe parece ser tão tranquila, não a imagino ser tudo isso que você está falando.

— Depois de casada ela teve que criar um pouco de paciência, Liam. — respondeu indiferente. — Aliás, criar três filhos não foi fácil.

— Vocês foram um pouco exagerados nessa hora.

— Não vejo como um exagero, filho. — o patriarca respondeu com orgulho. — Vocês são os melhores presentes que tivemos durante todos esses anos de casamento, porém sempre tivemos consciência que filhos não são criados para serem nossos para o resto da vida, temos que deixá-los voar e serem livres.

— Mas parece ser tão difícil fazer isso, pai. — Liam comentou e o mais velho assentiu. — É lógico que eu quero ter filhos, uma família com Samantha, porém fico pensando em como vou conseguir conciliar tudo, entende? Filhos, casa, trabalho, mulher... É uma loucura.

— É uma loucura que se você está disposto a fazer, como eu sei que está, tudo vai se ajeitando com o tempo.

— Como assim? — perguntou curioso.

— Casamento são fases, meu filho. — respondeu sorridente.

— Isso meio que me assusta.

— Não deveria! — comentou o pai. — Eu não tenho muito o que te falar, só aconselhar que se você está disposto a dar esse passo tão grande em sua vida, tem a certeza absoluta, vai fundo! Porque precisamos disso pra sabermos que estamos indo para o caminho certo e não ao errado, e creio eu que você não esteja agindo por impulso, aliás, faz anos que vocês estão juntos e os anos vão se passando e vocês ficando velhos, uma hora tem que juntar as coisas e bum.

Ver o mais velho confessando tudo isso, fez um estalo surgir na cabeça do Liam. Ele precisava dessa conversa com o pai, para realmente ter noção que não estava colocando os pés pelas mãos. Tudo bem que tinha planejado tudo de última hora, entretanto a certeza nunca lhe faltou, porém não deixava de ficar inseguro caso levasse um não.

Payne tomou uma atitude que pegou o patriarca desprevenido, quando o filho o abraçou com tanta força que quase o sufocou. E olha, fazia tanto tempo que não tinham um contato tão próximo assim, que nenhum dos dois se lembravam ao certo quantos anos haviam se passado desde o último.

Se afastaram e perceberam que estavam felizes e nada mudaria. Liam pegou suas coisas e desceu as escadas em silencio na presença do seu pai e observou a presença feminina na sala, esperando para se despedir.

Sabia que a mãe estaria aos prantos quando a encontrasse e dito e feito. Dona Karen estava com os olhos marejados e soluçando. O coração do filho mais novo apertou-se contra seu peito, não entendia muito bem a atitude da mãe, portanto não questionava, ela deveria ter os seus motivos.

— Eu-eu-eu. — Karen começou falar, mas não conseguia.

— Calma, mãe! — Liam falou sereno. — Respira fundo, tá? — comentou e levou a mão para nuca e a coçou. Estava começando a ficar nervoso.

— Só-só-só me dê notícias, Liam! — a mãe disse e Liam riu. Tinha sido engraçado. — Não é para você rir! — esbraveceu e ele ficou quieto.

— Queria entender...

— Você entenderá quando for pai, mas saiba que as portas de casa sempre estarão abertas para você e sua futura mulher. Quero você feliz, extremamente feliz.

— Obrigado, mãe.

— Eu te amo, Liam. — a mãe o puxou para um abraço, enquanto despencava em choro e soluço.

[...]

Ao chegar em seu apartamento a primeira coisa que Liam fez foi conferir o horário. Seu medo o estava consumido, pois, temia que não conseguisse fazer tudo como planejado por causa de uma hora de atraso.

Jogou todas as suas coisas sobre o sofá, aquela bagunça seria de menor importância no momento, o que ele precisava fazer era dobrar as mangas e preparar todas as fotos para espalha-las por ali.

Correu para seu quarto e pegou a caixa prateada que tinha deixado sobre a cama, pelo menos tinha sido prático ao deixa-la em algum lugar visível e de fácil acesso, o que facilitaria a sua missão quase que impossível.

Em questão de drama Payne era especialista, era um dos defeitos que Sam sempre reclamava do namorado. Sempre que podia fazia uma tempestade em copo d’água por coisas minimalistas, coisas que ele sabia que conseguiria realizar de olhos fechados e sem esforços de sua parte.

O rapaz coçou a nuca e se ajoelhou logo na entrada do seu apartamento, para colocar a primeira foto ali. Pensou consigo mesmo para ver qual seria o primeiro retrato do casal, entretanto em sua opinião a melhor seria a primeira foto que haviam tirado juntos, anos atrás, com um enorme significado na vida de ambos.

Então deixou ali a foto com a legenda escrita atrás, se Samantha fosse esperta ela a viraria e também notaria o que o namorado lhe disse com tamanho carinho.

Liam foi ajeitando tudo como planejado em sua mente. Conseguiu organizar todas as fotos em ordem cronológica praticamente e isso foi a parte que mais exigiu atenção do rapaz, entretanto nada que ele não conseguisse dar conta.

As partes das fotos já estava quase pronta, quando ele deu conta que não tinha uma foto recente revelada com a namorada, e que seria primordial ter uma, para então finalizar essa caça ao tesouro praticamente.

A sorte de ser um advogado e ter um escritório em seu próprio apartamento, era que tinha uma impressora e o melhor de tudo isso, tinha folha própria de impressão de fotos. Havia sido salvo pelo destino e não poderia deixar de agradecer aos deuses por isso.

Ajeitou tudo, antes de escolher a foto recente em seus arquivos. Sempre armazenava em nuvem, para não correr o risco do pendrive ser corrompido ou um HD externo estragar.

A foto era do casal em um buffet infantil, segurando o afilhado deles, filho de Louis Tomlinson. Depois de tanta rivalidade na adolescência, Liam e Louis entraram na mesma universidade, no mesmo curso e se tornaram grandes e bons amigos, não como era com o Niall, mas o suficiente para Tomlinson confiar no Payne a vida de seu primogênito.

— Você está sorrindo, Sam. — Liam observou a namorada, que terminava de ajeitar a gravatinha do afilhado.

— Sabe Liam, eu amo crianças! — confessou e o namorado sorriu. Ele sabia a paixão da amada com esses seres humanos.

— Eu sei, meu amor.

— E você sabe também que o meu sonho é ser mãe, não sabe? — comentou e o namorado piscou duro e assentiu. Eles já tinham tido essa conversa inúmeras vezes, entretanto quanto mais os anos passava, mais ênfase Samantha dava.

— Eu tenho certeza absoluta que você será uma mãe incrível, Sam.

— E eu tenho também que você seria um excelente pai, Liam. — enfatizou e o amado sorriu de ponta a ponta.

— Na prática é diferente, você sabe.

— Liam, quando o Louis deixa o Freddie com nós para sair com a Eleanor... Você consegue lidar muito bem com a situação.

— É fácil lidar com um menininho, Sam.

— E não seria fácil lidar com menininha, Liam? — comentou indignada.

— Eu não quero nenhum marmanjo ao lado dela jamais!

— Nada de ser possessivo com a nossa futura filha, amor! — esbravejou e deu um tapa no braço do rapaz.

— Nem nasceu ainda e estamos tendo esse tipo de discussão, é sério?

— Só fique esperto, eu não vou tolerar.

— Samantha....

— Liam... Nossos filhos serão a nossa maior paixão.

— Minha maior paixão é você, Samantha e não quero dar espaço para ninguém ocupar esse lugar.

Eles já haviam tido conversas sobre o futuro, no entanto agora todas elas voltavam ainda mais afloradas para o presente de Liam. Tudo seria possível depois do casamento, e isso por incrível que pareça não o estava deixando amedrontado e sim ansioso.

Foi exatamente como o seu pai lhe disse mais cedo, a vida é uma metamorfose, nós mudamos, nos adaptamos e evoluímos sempre para o melhor, é claro que nem sempre todos se encaixam nesse padrão, porém a maioria da sociedade sim.

Liam imprimiu a foto e a pegou em suas mãos e correu para o seu quarto, posicionando-a bem defronte para a cama do rapaz que estaria cheia de pétalas de rosa branca e vermelhas, estariam misturadas para ficar harmonioso.

Ao notar o trabalho que tinha feito, mesmo ainda não concluído, Liam relaxou os ombros e sorriu. Estava orgulhoso de si mesmo e tentando imaginar o que passaria na cabeça da amada quando visse tudo aquilo no apartamento do namorado. Com certeza, a princípio ficaria assustada, surpresa, entretanto depois animada, energizada e toda feliz.

E isso foi somente mais uma motivação para o advogado reunir forças e continuar o seu planejamento. Pegou e foi atrás do Teemo, que por ironia estava se ajeitando dentro de sua caminha, porém ao olhar o dono todo feliz e sorridente nem terminou, levantou-se e balançou o rabinho, mostrando entusiasmo para ser pego no colo.

Liam fez isso. Pegou o cachorrinho entre suas mãos e o levou correndo para o quarto, pois, lembrou-se que Samantha tinha comprado uma roupinha linda para ele, entretanto Teemo era terrível e nunca parava quieto, sempre queria comer o tecido, arranca-lo do seu corpo. Sempre ficava inquieto.

— Teemo! — Liam falou firme e fez o animalzinho o olhar.  — Eu vou fazer uma surpresa para a sua dona, mas você terá que me ajudar e ser muito comportado. — continuou e recebeu um latido de volta. — É sério, muito sério. — e mais um latido foi ouvido. — Eu vou te arrumar todinho e você ficará deitado, em cima da cama ao lado da Sona, viu? — disse e por fim recebeu uma lambida na cara.

Então o advogado começou a fazer o que tinha em mente. Penteou o Teemo, colocou a roupinha que Sam tinha comprado para ele alguns meses atrás, arrumou o cantinho na cama e o deixou ali, junto de um ossinho de brinquedo, para ele ficar roendo e se distraindo.

Agora seria a hora de arrumar Sona, o novo membro da família, a qual Liam riu ao recordar-se de Sam comentando que tinha lido o horóscopo e que avisava que chegaria alguém novo na família... e era ela, lógico, não teria uma explicação melhor e plausível para isso.

Liam ajeitou a gata do outro lado da cama, para não ocorrer divergências entre ela e o Teemo e uma catástrofe acontecer antes do grande momento. Queria tudo impecável, tudo como planejado.

Agora seria a hora de ajeitar os penúltimos detalhes. Liam pegou em cima da estante, um ursinho que tinha ganhado para Samantha em um parque de diversões. O significado desse ato para a namorada tinha sido memorável, então ele posicionaria em cima da foto do mesmo dia, o ursinho, para que ela conseguisse ter as lembranças tão vivas como ele teve quando se recordou.

Em outra foto, estava apenas Samantha, em um restaurante em Páris, sentada sobre a cadeira com um livro estendido na mesa e concentrada em sua leitura. Estava tão plena, tão magnifica, que o namorado quis tirar a fotografia para relembrar a plenitude da amada, em sua paz espiritual.

Outra foto bastante significativa, não era do casal e sim de dois chaveiros... é como se fossem imas e quando juntavam se transformavam em um casal e Samantha ficou encantada com isso... Então Liam achou os chaveiros em sua casa e os deixou por cima da foto, só para vê-la sorrir.

Eram detalhes que para muitos não significavam nada, porém para eles eram coisas que faziam valer a pena todo esse tempo de namoro. Se conheciam, se completavam e nada mudaria isso.

E por último, o que ele achou dela e que combinava com uma foto, era um anel, diferente do que sua mãe tinha lhe dado para pedi-la em casamento, entretanto lindo. Liam havia presenteado a namorada, no segundo dia dos namorados que comemoravam juntos. E Samantha nunca o tirava, porém como ela foi para um SPA, acabou o deixando em casa.

Liam distribuiu por todo o seu apartamento as instruções. Se Samantha acertasse, avançava uma foto, se ela errasse ou não se recordasse era necessário pegar outra foto. Ele não iria complica-la, porém algo que a fizesse lembrar para o resto da vida.

No meio das fotos, foi colocando setas para cima, para a direita e esquerda, meio que indicando um percurso que precisaria ser completo, para chegar ao seu destino final: o quarto.

O quarto estaria recoberto de rosas, tanto as brancas como as vermelhas. As pétalas estariam espalhadas pela cama, pelo chão e formando um coração com a seguinte frase: “Casa comigo? ” E no meio, estaria Liam posicionando a caixinha nas mãos e dentro o anel.

Tudo estava pronto, no entanto menos Liam, ele precisava tomar um banho e se preparar adequadamente e faria isso, agora.

[...]

Samantha já tinha mandado mensagem para o namorado, avisando que em quinze minutos estava chegando. Foi o suficiente para o namorado terminar de arrumar e preparar os últimos ajustes.

Olhou na cama e notou que os animais de estimação estavam dormindo e não se atracando, e isso o deixou totalmente aliviado, pois, era menos um problema com o que se preocupar.

O coração do advogado estava disparado, quase ocasionando uma arritmia, de tão frenético que batia. Agora ele poderia assumir que estava nervoso, ansioso e preocupado. Inúmeras cenas passavam em sua cabeça e todas elas eram meio que pessimistas, de Samantha o recusando para a vida toda.

Quando mandou embora esse pensamento, ouviu o trinco da porta virar. Sua boca secou no instante, entretanto deu um passo para frente, para ver se conseguia escutar algo.

— Liam, cheguei! — Samantha berrou, porém ficou em silêncio e isso deixou o rapaz totalmente apreensivo.

Tinha começado, nesse exato momento, a caça ao tão esperado: eu aceito.


Notas Finais


xoxo, vejo vocês em born to die, bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...