História Photograph - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Anorexia, Automutilação, Bts, Bulimia, Cortes, Dor, Drama, Got7, Markson, Namjin, Selfharm, Vhope, Yoonmin, Yugbam
Visualizações 184
Palavras 2.091
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Steampunk, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, oi, oi meus amores 💗

Eu não morri, mas vacilei ao demorar com vocês né?! Me desculpem,as dessa vez foi por motivo de doença mesmo. Vou explicar brevemente:
Eu tenho rinite atacada, então meu vizinho estava fazendo obra e a poeira atacou meu nariz, e essa alergia virou uma gripe, que virou uma sinusite, e essa sinusite foi tão forte que quase virou uma pneumonia, ou seja, eu precisei ir no hospital algumas vezes por falta de ar e dor de cabeça muito forte, e essas dores me impossibilitava de escrever.

Mas aqui estou eu novamente!
Só peço que não me matem nesse capítulo (por favor, eu amo vocês)

(Hoje não teremos notas finais, então a nota vai ser grande)

1°: Muito obrigada pelos 321 favoritos meus anjinhos! 💜💙💜💙💜💙💜💙💜💙 Nunca imaginei chegar a +300 e isso foi possível graças a vocês, que confiaram em mim e no meu trabalho, pois eu não escrevo só pra mim, mas pra vocês também!
2°: Vou responder aos comentários do capítulo passado que estão faltando, não se preocupem.
3°: Nesse capítulo tem uma surpresa no final (hehehe) mas o capítulo em si é bem bad 😢😢
Escrevi ele ouvindo 4 O'Clock no looping infinito, então se vocês quiserem ler ouvindo a música sabe... Super recomendo :3

Se tem alguma Monbebe aqui, vão dar mais veiws a #ShineForever!

Então é isso,
Boa leitura 💗💗💗
Kissus da Omma, Saranghae 😘😘😘😘

Capítulo 16 - XVI - Tears


Fanfic / Fanfiction Photograph - Capítulo 16 - XVI - Tears

Min Yoongi

Na sexta de manhã, quando cheguei a escola Jin e Namjoon já estavam lá por conta de alguns ajustes do jornal, mas como não era importante a minha presença, me direcionei a biblioteca, onde tinha ficado a semana toda.

Estava finalizando uma música que estava compondo a algum tempo. Mas era somente a melodia tocada no piano, pois sempre que pensava em alguma letra, meus pensamentos eram invadidos por Jimin. Pensava em seu jeito acanhado, em seus sorriso doce e seus olhos brilhantes quando estava feliz.

Não vou negar que sentia falta de sua presença, falta dos seus sorrisos, e me culpava em pensar que talvez ele pudesse estar triste com alguma coisa, se estava se alimentando bem ou se estava passando mal.

Mas eu não tenho coragem de chegar depois de todos esses dias afastado dele, e simplesmente voltar a conversar.

E ainda tem a história com meu irmão, que me deixa com dor de cabeça só de lembrar da decepção que meu pai teve ao descobrir que seu primogênito não era quem ele pensava ser.

Chequei em meu celular o horário, constatando que faltava poucos minutos para tocar o sino, guardei minhas coisas e fui direto para a sala.

•••

Dez minutos antes da última aula acabar Jin me mandou uma mensagem, perguntando se nosso compromisso ainda estava de pé.

Havíamos combinado de tomar um café na cafeteria onde ele trabalha, porém o mesmo estava de folga hoje e seu namorado tinha que estar presente em algum evento importante com os pais.

Respondi que estaria no local combinado na hora certa, bloqueei o telefone o recolocando novamente no bolso dianteiro da minha calça.

Eu não conseguia prestar muita atenção ao que era falado pelo professor, então quando a aula foi finalizada, suspirei aliviado passando a juntar minhas coisas para ir embora.

Coloquei meus fones e passei a caminhar saindo da escola. Como nesse horário meus pais não estariam em casa, fui caminhando direto para a cafeteria.

Observava as belas folhas alaranjadas caindo das árvores, formando um tapete na calçada. Jimin sempre gostou mais dessa época do ano, e desde que nos conhecemos adquirimos o hábito de sair sem destino certo, somente para admirar as lindas paisagens. E isso havia se tornado meu hobbi preferido, principalmente quando levava minha câmera. Mas sem ele ao meu lado, eu não conseguia fazer isso.

Quando cheguei ao local, procurei uma mesa num local mais discreto e esperei por Seokjin, enquanto terminava de compor minha música.

O loiro não demorou a chegar no local, ajeitando seu casaco e me lançando um sorriso.

- Demorei? - Perguntou, enquanto puxava a cadeira da frente para se sentar, então aproveitei para guardar meu caderno e lápis.

- Não, cheguei faz pouco tempo.

Minha voz estava rouca pela falta uso, portanto minha resposta pareceu sair um tanto rude.

- Ah, tudo bem. Posso pedir alguma coisa?

Assenti e Jin pediu dois chocolates quente e duas fatias de bolo de chocolate.

Quando os pedidos chegaram a mesa eu não estava muito afim de comer e se instalou um silêncio desagradável.

- Hyung, o que você tem de tão importante para falar?

Quis ser direto, odiava rodeios e ele parecia estar evitando falar sobre o assunto.

- Bom... - Soltou um suspiro pesado, e começou a falar - Eu não sei bem como dizer isso, mas Yoongi... Eu preciso que você fale com Jimin. Ele e Jungkook terminaram a dois dias e nem na escola o garoto foi hoje. Estou preocupado com ele, com vocês dois aliás. Eu vejo que a distância entre vocês não está fazendo bem e vocês tem ficado cada vez mais afastado de nós. Os meninos já estão começando a perguntar - Suspirou mais uma vez e me encarou - O que eu quero dizer é... Converse com ele Yoongi, todos sabemos que você é o mais próximo do ruivinho, ele não vai se abrir para mim, nem para Namjoon é mais ninguém. É só com você.

Mexi mais uma vez no prato com o bolo praticamente intocado e abaixei a cabeça, sentindo meu estômago revirar mais uma vez. No fundo eu sentia que a culpa era minha, me afastar talvez não tenha sido a melhor opção no momento.

Como eu não respondi, Jin continuou a falar.

- Eu sei que você está passando por problemas em casa devido ao seu irmão e seus pais, mas por favor, converse com ele Yoongi. Ele não vai escutar ninguém a não ser você.

Engoli em seco, absorvendo cada palavra que o loiro dizia. E cada vez mais a culpa me atingia em cheio, e por saber de seus problemas eu temia ele fazer alguma coisa grave consigo mesmo.

- E-eu... Eu vou falar com ele hyung.

O hyung assentiu e deixou seu prato de lado quando percebeu meu estado. Mordi o lábio inferior para conter um soluço, e fechei os olhos. Jin saiu da sua cadeira para sentar ao meu lado, passando os braços por meus ombros me abraçando. O mesmo não disse nada e eu agradeço por isso.

Sentia minha cabeça doer mais a cada minuto, eu não sei explicar a bagunça de sentimentos que estava, tudo estava bem, e de repente tudo começou a desmoronar.

Meus pais brigaram com o hyung e o expulsaram de casa, deixar de falar com Jimin e não saber lidar com meus próprios problemas só me deixava mais confuso com toda situação. Mas de uma coisa eu tinha certeza, iria falar com Jimin hoje.

•••

Foi cerca de meia hora o trajeto que fiz da cafeteria para minha casa, somente troquei de roupa colocando um casaco mais grosso pois o tempo estava esfriando e fui para a casa do meu pequeno.

Não precisei tocar campanhia ou chamá-lo​, pois já sabia a senha de entrada da casa. Como todos os cômodos estavam em silêncio, presumi que o ruivo estivesse em seu quarto, então subi direto para lá.

Entrei devagar, já que a porta estava encostada. Todo o ambiente estava silencioso, somente sua respiração baixa era ouvida e vinha de sua cama.

Meu pequeno estava dormindo tranquilamente, e como não queria acorda-lo, puxei uma cadeira e sentei perto de sua cama, passando a observa-lo.

Sua respiração calma é como música para meus ouvidos.

Passei a observar cada traço de seu corpo, sua expressão relaxada, diferente de muitas vezes que ele estava triste ou preocupado com algo. Sobrancelhas retas, lábios rosados formando um quase biquinho fofo. Seus cabelos alaranjados estavam caindo sobre seus olhos, mostrando que precisavam de um corte urgente de tão grande.

Sorri com isso, ele nunca gostou que seu cabelo crescesse tanto, sempre procurava cortar logo.

Mas minha felicidade morreu assim que vi seus braços machucados, expostos pela camisa de mangas. Novos cortes adicionados em seus pulsos já tão maltratados.

Sua respiração começou a acelerar gradativamente, e sua feição era de dor, e pude ouvi-lo murmurar baixinho "Não, por favor, não".

Estava tendo um pesadelo.

Isso era bastante frequente quando ele era mais novo, então eu sabia como agir.

Tirei meu casaco mais grosso e subi na cama, segurando suas mãos - que estavam fechadas e tensionadas - e tentei acorda-lo.

- Jiminnie, acorda pequeno, é só um pesadelo.

Não obtive sucesso e ele passou a se remexer na cama, choramingando baixinho.

Soltei uma de suas mãos e passei a acariciar seu cabelos.

- Pequeno, está tudo bem, é só um pesadelo.

Jimin acordou rápido, com os olhos arregalados e respiração ofegante.

- Hyung... - Murmurou tão baixinho que se eu não estivesse perto, não teria escutado.

Seus braços passaram ao redor do meu pescoço e ele começou a soluçar alto, chorando intensamente. Passei meus braços por seu corpo e acariciei suas costas, tentando acalma-lo. Depositei um beijo em seus cabelos, deixando ele molhar minha camisa com suas lágrimas.

Seu choro estava carregando de dor, pois sentia seu corpo tremer e tudo que eu desejava no momento era poder acabar com seu sofrimento.

- Shh... Está tudo bem pequeno, eu estou aqui, vai ficar tudo bem.

Sua mão direita apertava com força a camisa branca que eu usava e o deixei assim até que se acalmasse.

Quando percebi que ele havia se acalmado, me desfiz de seu abraço e segurei seu rosto entre minhas mãos para olhar em seu rosto.

- Passou?

Ele assentiu então passei meus polegares por suas bochechas limpando as últimas lágrimas de desciam e dei um beijo em sua testa.

- Eu tô aqui, vai ficar tudo bem Minnie.

- O qu-que você está fazendo aqui hyung? Achei que não quisesse falar comigo...

Quis rir de sua ingenuidade, mas só abri um sorriso sincero e o respondi:

- De onde você tirou isso bobo? Eu só precisava de um tempo sozinho para resolver alguns problemas pessoais - Tentei fazer minha voz sair o mais natural possível e não demonstrar meu ciúme ao lembrar dele e Jungkook juntos.

- E já resolveu?

- Sim, já resolvi - Sorri - E agora vou preparar um chocolate quente pra você. Já li em algum lugar que chocolate quente ajuda a curar qualquer dor e corações partidos - Apertei a pontinha de seu nariz e levantei da cama, puxando-o junto para ele levantar também.

Meu pequeno deu uma pequena risada e saiu da cama, segurando minha mão enquanto descemos as escadas indo direto para a cozinha. Tentei não reparar em seu corpo ainda mais magro do que me lembrava quando conversamos a última vez a duas semanas. Suas clavículas estavam expostas sobre sua camisa e suas bochechas estavam mais magras, com os ossos mais expostos e proeminentes.

Isso me doía por dentro, pois não sabia mais o que fazer para ajuda-lo. Temia que algo pior acontecesse, não saberia o que fazer se meu menino fosse para o hospital.

Fiz sua bebida e coloquei sobre a mesa de centro da sala onde ele estava sentado. Ele começou a perguntar sobre mim e eu respondi tudo, calmo e pausadamente, depois invertemos os papéis e ele começou a falar algumas coisas sobre si que aconteceram durante aquelas duas semanas. Nada muito interessante, mas quando questionei sobre seus braços ele desviou seu olhar do meu e tentou cobri-los, mas sua blusa não tinha mangas compridas então ele ficou sem jeito e para disfarçar, deitou a cabeça em meu colo e ajeitou o resto do corpo no sofá, ficando assim semi-deitado.

Minhas mãos foram automaticamente para seus cabelos, os acariciando suavemente. Isso me fez lembrar dos velhos tempos, quando ficávamos matando o tempo atoa, ele deitava em meu colo e víamos filmes por horas, até ele dormir agarrado a mim.

Mas quando ele comentou sobre certo assunto, meu corpo quase paralisou.

- Eu ainda não consegui descobrir quem fica mandando bilhetes para mim até hoje - Sua voz saia baixinha, demonstrando que ele estava sonolento.

- Mas você tem uma idéia de quem possa ser?

- Até o momento não, mas eu penso que poderia ser uma pessoas... - Disse pensativo é tudo que minha mente gritava era "Que ele não pense que seja o Jungkook, por favor!"

- E quem seria essa pessoa Minnie? - Perguntei, temendo sua resposta.

- Acho que poderia ser o Jungkook, mas estávamos juntos até pouco tempo e n-

Antes que ele pudesse terminar, levantei do sofá de uma vez, assustando-o em seguida. Fechei minhas mãos em punho, tentando controlar o sentimento de mágoa e ciúmes que eu sentia.

- Hyung o que foi?

Droga!

Mil vezes droga!

Não aguentava mais guardar esse sentimento dentro de mim e lá no fundo eu queria dizer e me abrir com ele. Só não esperava explodir de uma vez.

- Droga! Que droga Jimin, não é o Jungkook! Sou eu! Será que você não percebeu durante todos esses meses que era eu esse tempo todo?! Eu sempre chego na escola mais cedo todos os dias, quem tira as fotos sou eu Jiminnie, quem escreve e põe no mesmo lugar do seu armário todos os dias sou eu droga!

Eu já não conseguia controlar minhas palavras, e quando me dei conta, já tinha falado tudo.

- Vo-você hyung? E-era você esse tempo todo? - O ruivo gaguejava e me olhava incrédulo.

Antes mesmo que pudesse responder algum de seus questionamentos, peguei minhas botas no canto da porta da saída e as calcei o mais rápido que pude, abrindo a porta em seguida.

Tentei ignorar o frio que estava fazendo no início da noite, já que meu sobretudo tinha ficado em seu quarto e eu não voltaria lá para buscar.

- Hyung, onde você vai?! Hyung volta aqui! Yoongi hyung!

Mesmo ouvindo seus gritos eu não ousei olhar para trás quando saí pelo jardim de sua casa, coloquei a mão na frente do rosto para me proteger do vento frio e fui embora.

Precisava de um tempo sozinho.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...