História Photographer - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Kai
Tags Baekai, Baekhyun, Kai, Kaibaek
Exibições 42
Palavras 2.153
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá! Minha primeira fic, tô nervosa.
Em um primeito momento essa seria uma fic Chanbaek com vários capítulos, apenas começando com Baek e Kai como casal. Mas acontece que comecei a escrever e meio que gostei de como estava ficando, então vão ter no máximo uns 5 capítulos e Chanbaek (otp) vai ficar pra uma próxima fic.
Não me odeiem por isso, por favor <3

Capítulo 1 - Capítulo 01


Bakhyun estava exausto. Tinha tido uma péssima noite de sono, e tudo porque algumas horas antes de se deitar recebeu uma notícia de sua mãe: seu pai estava no hospital depois de se sentir mal mais uma vez. A pressão do velho tinha atingido números altíssimos, ela lhe disse, e o homem se recusava a cuidar da própria saúde.

Então Baekhyun rolou na cama a noite inteira em busca de uma posição que lhe parecesse confortável e aliviasse a dor que ele sentia no peito, mas sem sucesso. Agora seu corpo estava absolutamente dolorido. E ali estava ele, preparando seus equipamentos para mais uma sessão de fotos quando tudo que ele queria era deitar em sua cama e dormir até o dia seguinte.

Suspirou com pesar e tentou se concentrar no seu trabalho, toda sua fora de vontade sendo usada para que conseguisse ignorar as pontadas que sentia em sua cabeça.

Aquele era um péssimo dia para trabalhar.

Ouviu alguns burburinhos das pessoas ali e deduziu que o modelo estava chegando, logo vendo o rapaz de pele bronzeada passar pela porta. Atendia pelo nome de Kai, era muito bonito e o principal nome da agencia de Baekhyun – sim, ele havia se tornado um dos donos há pouco tempo, quando o pai passou sua parte da agencia para o nome do filho. O fotógrafo já tinha tido inúmeras sessões com o rapaz, mas apenas naquele momento se deu conta de que nunca trocaram meia dúzia de palavras que não fosse sobre o trabalho.

- Bom dia, Sr. Byun – o modelo disse com um sorriso gentil nos lábios. Ele tinha uma garrafa em mãos e tomou um gole d’água.

- Bom dia, Kai. – Infelizmente ele não conseguia soar tão gentil naquele dia, estava irritado demais para isso. – Agora por favor pare de me chamar de sr., me sinto velho.

- Claro, perdão.

Baekhyun nada disse, apenas exibiu um sorriso fraco e acenou brevemente com a cabeça, voltando a se concentrar no que fazia antes. Checou a iluminação mais uma vez e encarou o modelo.

- Você está pronto? – O modelo concordou. – Então acho que podemos começar. 

O modelo assumiu sua posição e começaram a sessão. Depois de alguns cliques fizeram uma pausa para que Kai trocasse de roupa, o que não levou cinco minutos.

Quando ele voltou para o estúdio se deparou com Baekhyun sentado, de olhos fechados e com a cabeça apoiada nas mãos. O modelo contorceu o rosto em uma careta e o encarou. Desde o momento em que pisou ali notou que alguma coisa estava errada. O fotógrafo era sempre animado, tornava o ambiente leve e alegre com suas brincadeiras e o com o grande sorriso que estava sempre desenhado em seus lábios... Mas não naquele dia. Estava sério, com olheiras e evidentemente fazia muito esforço para se concentrar.

Todos notavam, todos sentiam a mudança no ambiente, mas ninguém se atrevia a dizer nada.

- Baekhyun, você está bem? – O modelo se aproximou do fotógrafo e apertou seu ombro.

Estava inseguro sobre aquela aproximação e tampouco sabia se devia se intrometer já que eles não tinham intimidade alguma, mas ainda assim Kai se importava, queria ver o outro bem, feliz.

- Hm? – Ergueu a cabeça e encarou o mais alto com uma expressão confusa no rosto. – Ah, sim, estou ótimo.

- Nós podemos continuar a sessão amanhã se você não estiver se sentindo bem. – Kai sugerir. – Digo, você é o chefe, ninguém poderia se opor a isso.

Baekhyun sentiu-se tentado a fazer aquilo, mas já estava ali e era melhor acabar com aquilo de uma vez.

- Eu só estou um pouco cansado, não se preocupe. – Ele sorriu para o modelo. Aquele era seu primeiro sorriso sincero naquele dia. Até mesmo Kai notou isso, sentindo seu coração se aquecer. – Mas de qualquer forma muito obrigado pela preocupação.

Se levantou e deu dois tapinhas amigáveis no ombro do mais alto, logo pedindo para que ele assumisse sua posição mais uma vez.

E então continuaram a sessão. Tiveram mais três pausas para troca de roupa e cerca de uma hora depois a sessão chegava ao fim.

- Acho que já temos o material necessário – anunciou Baekhyun abaixando a câmera. – Muito obrigado, pessoal.

Todos aqueles envolvidos na sessão de fotos aplaudiram brevemente e se curvaram tanto para o fotógrafo quanto para o modelo, que repetiram o gesto.

Então começaram a se dispersar. Uma moça se ofereceu para ajudar Baekhyun com os equipamentos, mas o rapaz recusou educadamente e agradeceu. Então ela se retirou e ele era o único que continuava ali.

Estava distraído enrolando alguns fios quando Kai voltou, já com as suas roupas e um casaco na mão.

- Ei, você ainda vai ficar por aqui ou vai para casa? – perguntou.

- Eu não devia, mas vou para casa. – Ele sorriu e então encarou o modelo. – Por que?

- Eu não vi seu carro no estacionamento e pensei em te oferecer uma carona. – Ele sorriu timidamente.

Baekhyun piscou algumas vezes, estava um tanto confuso. Kai sempre fora um rapaz muito gentil e educado, mas ainda assim achava aquela súbita aproximação estranha.

- Eu não quero incomodar, mas obrigado. – Sorriu gentilmente e olhou ao redor. Estava tudo em seu devido lugar.

- Você não vai incomodar – o mais alto insistiu.

O outro então caminhou até uma mesinha que havia ali, fechando seu notebook e colocando-o dentro de sua mochila, jogando-a nas costas logo em seguida.

- Tudo bem, mas depois não venha reclamar que te tirei do seu caminho – brincou caminhando até a porta, onde o modelo ainda estava parado.

- Não vou, prometo. – Ele tinha um grande sorriso nos lábios, parecendo realmente animado.

Só naquele momento o menor se deu conta do quão jovem e bem-sucedido o modelo já era. Na frente das câmeras era muito sério e profissional, além de obviamente ser muito sexy. Mas agora a expressão em seu rosto era completamente diferente. Ainda era muito bonito e atraente, é claro, mas acima de tudo parecia muito inocente e Baekhyun percebeu o quanto ele era fofo, principalmente quando sorria.

Durante todo o caminho até a casa do fotógrafo eles conversaram bastante. Falaram sobre sua vida profissional e também pessoal. Kai confidenciou que era gay e que seu pai não o aceitou quando descobriu, então botou o rapaz para fora de casa com apenas 16 anos e ele se viu totalmente perdido. Arranjou um trabalho como garçom em um restaurante e o dono permitia que o rapaz dormisse em um quartinho que tinham nos fundos.

E foi aí que o pai de Baekhyun entrou na história. Ele frequentava o restaurante e ficou abismado com a beleza do rapaz. Lhe entregou um cartão e pediu que ele fosse até a agência no dia seguinte, para que conversassem um pouco. E foi assim que Kai se tornou o principal nome da agencia, assim como um dos modelos mais reconhecido do país.

- Eu devo tudo ao seu pai, foi ele quem me ajudou e me deu uma chance. – Kai disse com um sorriso sincero nos lábios. – E eu acabei pegando gosto pela coisa, adoro ficar na frente das câmeras.

Ele riu e Baekhyun o acompanhou. Estava tão distraído com a conversa que já tinha esquecido sua dor de cabeça e seu cansaço.

- Meu pai só te mostrou o caminho, tudo que você conquistou foi por mérito próprio. – Baekhyun sorriu e disse para que ele virasse na próxima esquina. – E sinto muito pelo seu pai, mas quem sai perdendo nessa história é ele por ter afastado um filho incrível como você.

Kai agradeceu timidamente, as bochechas vermelhas pela vergonha. O fotógrafo por sua vez apenas riu da sua reação fofa.

- Você é realmente talentoso, Kai. Merece tudo o que conquistou e muito mais.

Baekhyun não achou que fosse possível, mas o rapaz ficou ainda mais vermelho.

- Ah, chegamos! É essa casa de portão preto.

O modelo estacionou o carro e desligou o motor, encarando o outro logo em seguida.

- Aliás, me chame de Jongin. O Kai só aparece na frente das câmeras e nas passarelas.

- Certo. – Sorriu. – Quer entrar?

O maior arregalou os olhos e o outro apenas riu mais uma vez.

- E-eu não vou te atrapalhar? Você parece cansado, talvez queira dormir um pouco ou prefira a companhia da sua namorada.

- Você não vai me atrapalhar. – Ele sorriu e começou a procurar alguma coisa dentro da sua mochila. – E eu não tenho namorada, até porque sou gay. E não precisa reformular a frase porque também não tenho um namorado.

Jongin teve que se segurar para não sorrir ao ouvir aquilo, sentindo-se subitamente feliz. A verdade é que tinha um certo interesse pelo fotógrafo há tempos, mas nunca teve coragem para fazer uma aproximação e achava que ele era hétero.

Baekhyun o encarava como se esperasse uma resposta e só então ele se deu conta de que encarava o menor. Piscou algumas vezes e sorriu.

- Hm, acho que tudo bem então.

O fotógrafo sorriu e apertou o botão do pequeno controle que ele tirou de dentro da sua mochila. Depois de um “clic” o portão começou a se erguer e Jongin estacionou seu carro ao lado do de Baekhyun.

Logo estava dentro da casa. Jongin olhava para todos os lados com atenção. Era grande, mas nada muito exagerado e tudo ali dentro era muito simples.

- Vou preparar um chá, você quer? – perguntou Baekhyun já indo para a cozinha. – Ou prefere alguma outra coisa? Tenho algumas bebidas na sala se você preferir.

- Um chá está ótimo, obrigado.

Baekhyun concordou e começou a preparar o chá, notando que Jongin se sentava na mesa logo atrás dele, olhando para os lados um tanto curioso.

Logo os dois começaram a conversar. A conversa entre eles fluía com facilidade, o que era um pouco surpreendente já que sequer imaginavam que tinham tanto em comum.

Assim que o chá ficou pronto Baekhyun os serviu e se sentou diante de Jongin, que sorria agradecido para ele.

- Você parece muito cansado hoje – comentou Jongin pela milésima vez. – Algum problema?

O fotógrafo sorriu um tanto sem graça e tomou um gole do seu chá, desviando o olhar.

- Parece que meu pai está tendo alguns problemas de saúde, mas aquele velho teimoso se recusa a se cuidar. – Bufou irritado.

- Eu sinto muito, Baek. – Jongin esticou sua mão sobre a mesa e pousou em cima da do rapaz, como se quisesse tranquiliza-lo. – Mas não se preocupe, o velho é forte e vai se recuperar.

Baekhyun sorriu em agradecimento e concordou com a cabeça. Observou a mão do outro sobre a sua e então o encarou com as sobrancelhas arqueadas, mas nenhum dos dois quebrou o contato. Pelo contrário, eles entrelaçaram seus dedos.

O menor sentiu seu coração bater em um ritmo quase perigoso. Sentia uma grande atração por Kai desde que o viu pela primeira vez. Muitas vezes se perguntava como seria segurar sua mão, e agora estava descobrindo.

- Por que nós nunca nos falamos antes? – Byun perguntou depois de alguns segundos em completo silêncio.

- Porque eu sou um idiota. – O modelo sorriu, seu polegar acariciando a mão do outro rapaz. – Digamos que eu sempre tive certo interesse em você, mas sempre tive medo de me aproximar e levar um fora.

O rosto dele ficou absolutamente vermelho naquele momento, o que Baekhyun achou uma graça. O mais alto tentou recolher sua mão tamanho era o seu constrangimento, mas o outro rapaz o impediu, apertando-a com força.

- Eu pensei em te chamar para sair muitas vezes, mas nunca me arrisquei porque jurava que você era hétero – Baekhyun confessou. – Quanto tempo perdido.

Ignorando completamente o fato de que seu rosto pegava fogo pela vergonha que sentia, o maior se curvou sobre a mesa e deixou que seus lábios tocassem os de Baekhyun com ternura.

- Sabe, – ditou ao se afastar, um sorrisinho tímido enfeitando seu rosto. – ainda dá tempo de marcarmos alguma coisa. Você pode fazer o convite.

O menor não pôde conter eu sorriso depois daquilo. Tanto pelo beijo – que transbordava carinho –, quanto pelas palavras do outro, que de uma forma estranha, fizeram seu coração se aquecer.

- Hoje à noite?

- Hoje à noite. – O modelo concordou com um sorriso largo. – No meu apartamento, vou cozinhar para você.

- Jongin, você está tentando me conquistar pela barriga?

- Vai funcionar?

- Comida sempre funciona comigo.

Os dois gargalharam e se encararam por algum tempo. Terminaram o chá em completo silêncio, mas não era daquele tipo de silêncio desconfortável. Era agradável, estavam apenas desfrutando a companhia do outro.

- É melhor eu ir, preciso comprar algumas coisas para que tudo seja perfeito – anunciou o modelo depois de checar o relógio.

Se despediram com um abraço um tanto tímido e Baekhyun o acompanhou até a garagem. Ambos tinham um sorriso bobo no rosto, mas ao contrário do menor, Jongin não tentava esconder.


Notas Finais


Sintam-se a vontade para dizerem o que acharam, inclusive criticar. Críticas - desde que feitas de maneira educada - são bem vindas, isso ajuda a gente a melhorar.
Enfim, é isso. Espero que gostem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...