História Piano - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Personagens Originais, Suga
Visualizações 24
Palavras 1.038
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi bebês! One shot nova pra vocês, sinceramente, eu amei escrever ela. ❤ Boa leitura.

Capítulo 1 - I - Capítulo Único;


Fanfic / Fanfiction Piano - Capítulo 1 - I - Capítulo Único;

Ele parecia a calmaria, parecia a brisa gélida quando o inverno chegava, parecia as folhas que caíam no outono, parecia as flores de quando a primavera resolvia chegar, parecia o sol que queimava sua pele alva e albina, nem mesmo as estações podiam descrever o quanto ele era único. E de novo, eu havia me apaixonado.

Se apaixonar era estranho, tão estranho quanto seu humor, bom, na verdade, eu não esperaria mais dele, afinal, estamos falando dele, só dele, e não há ninguém que pudesse mudar isso.

Ele tocava as teclas do piano tão levemente, seus dedos eram macios, como veludo, e aquele som calmo contagiava todo o lugar, eu poderia estar ficando louca, e de fato, eu estava, por ele. Seu olhar era de concentração, concentração nas teclas à sua frente, ele não errava, aliás, ele nunca errava.

Sua voz era doce e rouca, era de fato invejável, ele conseguia tocar o coração de todos, ele sempre conseguia. Era incrível como tudo nele se encaixava perfeitamente, como se tudo fosse analisado nos mínimos detalhes, cronometrado e calculado, aliás, era ele.

Palmas e mais palmas, era tudo que podia ser ouvido ali, e conforme as palmas eram mais fortes, as batidas do meu coração também, ele não podia ouvir, ele nunca ouvia, nunca ouvia minhas palmas, meus elogios, nunca via meus olhares flamejantes, afinal, era ele, estamos falando apenas dele.

"Obrigado", ele falou antes de se retirar, mas seu piano continuava lá, e eu queria tocar, queria sentir, sentir as mesmas coisas que ele sentia ao tocar as teclas, mas quem disse que eu poderia? E todos saíram de lá, e eu sobrei, porque mesmo depois que ele foi embora, eu olhava admirada para o piano, eu gostaria de experimentar a sensação.

Surpresa, foi o que eu senti quando vi ele entrar de novo, com a mesma roupa anterior, pronto para tocar, e eu queria ser o piano, ser o piano dele, para ele me tocar com delicadeza, com paixão, e com a serenidade que só ele tem, e eu queria poder ser as teclas que seus dedos aveludados tocam, queria ser somente dele, aliás, é dele que estamos falando.

E eu o admirava, gravava cada som que as teclas emitiam, mas ainda sim, eu me sentia incompleta, como se cada célula minha dependesse de algo, e eu sabia bem do que eu precisava, eu precisava dele, precisava dele e de suas criações, precisava de sua voz cantando para mim quando me sentisse sozinha ou triste, mas eu não podia, afinal, estamos falando dele.

E assim que ele me viu, seu piano parecia não ter mais sentido, sua boca se formou uma linha, ele não havia gostado, foi um erro permanecer lá, mas seus olhos eram tão penetrantes, e seus dedos continuavam nas teclas, e seu olhar estava no meu.

E eu, eu fui andando até ele, que então, pareceu confuso, eu estava tão destinada que não me dei conta que era ele, que eu estava caminhando até ele, e meus pés pesaram uma tonelada assim como minha consciência, mas o olhar dele me encorajou novamente, e eu subi no palco, aonde seu piano estava.

"O que está fazendo?", sua voz se fez presente, e eu senti meus pelos se arrepiarem, eu queria responder que eu queria ele, apenas ele, mas não esqueci que estamos falando dele, apenas dele, e somente dele.

Ele era uma combustão, uma bomba nuclear, mas tinha sua calmaria, e eu só via o melhor nele, só via o que meu coração me permitia ver e sentir, e era doloroso. Eu não o respondi, caminhei até o piano marrom envernizado, e toquei nas teclas gélidas, mais gélidas que o coração dele.

E eu toquei aquelas teclas, e eu queria que elas fossem ele, eu queria o tocar assim como eu tocava o piano, e ele só me observava, como se o show fosse unicamente meu, e quem diria que fosse, quem sabe assim ele visse a mesma coisa que eu vejo nele, mas estamos falando dele.

Piano, piano, piano, era só o som do piano, e meu coração doeu quando vi ele tocando o piano, e de novo, eu queria ser o piano, eu queria o tocar, senti como se meus dedos fossem engolidos pelas teclas do piano, mas era por causa dele, somente dele.

Inverno, verão, outono e primavera, ele era um mistura completa das estações, fogo e água, ele podia ser os dois, e mesmo assim, eu me apaixonaria outra vez, em mil anos, eu não poderia deixar de me apaixonar.

"Não quebre meu coração", era isso que eu pedia silenciosamente, não, eu não poderia dizer isso em voz alta, porque ele era diferente, era silencioso, e tudo que ele mais queria era permanecer no silêncio, com o som do piano.

"Eu não quebrarei, mas não irei concertar, se é isso que deseja", e como eu já havia previsto, ele atendeu ao meu pedido silencioso, e como um cubo de gelo, ele queimou meu coração com sua frieza, era quase impossível não esperar algo assim, afinal, era ele.

Eu tenho inveja dos pianos, porque eles podem o sentir, eu tenho inveja dos seus dedos, porque eles são únicos, os únicos a tocar no piano, e ele poderia ser considerado o maior pianista do mundo, mas era ele.

Com minha insegurança, eu estraguei a sua carreira, estraguei seu sonho, e mesmo assim, eu continuava a amá-lo, como ele ama o som do piano, o som das teclas batendo sobre a madeira envernizada, e eu podia tê-lo.

Se ele não fosse você, Yoongi.

Porque em todas as dimensões que eu for, você não pode ser substituído, mas eu não posso te ter, porque ele é você, se trata de você Yoongi, todo caos, toda estação, é tudo sobre você.

Ele era calmaria, e toda essa calmaria durou pouco, porque para toda brisa, virá um redemoinho.

Piano, você é como um piano. Eu queria poder tocar, mas toda a insegurança me faz recuar, eu não tenho certeza se sei das notas corretas, e não sei se consigo preservar todas aquelas teclas alinhadas, porque meu coração bate mais rápido que toda a orquestra que você poderia ouvir.

Piano, eu gostaria de ser seu piano, para que me toques com seus dedos gélidos e suaves, para que me toque com serenidade. Piano, me faça um piano, me faça seu piano.


Notas Finais


Gostaram? Não esqueçam de comentar e favoritar, beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...