História Pillowtalk - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Babyboy!jimin, Daddy!jungkook, Daddykink, Taeyoonseok
Exibições 115
Palavras 1.652
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Festa, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


oiiie dnv 😍
obrigada pelos 62 favoritos, nem sei o que dizer só sentir mesmo
de qualquer forma tenham uma boa leitura e me desculpem por algum erro 💓💚

Capítulo 5 - God, forgive my sins


Jungkook

Eu estaciono o carro de frente a casa e saio do mesmo com algumas sacolas cheias de comida. Alguns seniores escolheram a minha casa para ser o local da festa de despedida de outro sênior que eu ao menos conheço, mas devo respeito.

Abro a porta da casa e sou recebido por Jimin que me puxa até a cozinha.

A visão que eu tinha de suas costas acolhidas pela camiseta branca me enlouqueciam. Eu queria empurra-lo na parede mais próxima e morder cada pedaço de sua pele.

Eu não entendia o que estava acontecendo comigo. Nunca havia me sentido tão necessitado em toda minha vida, era como estar no deserto sem água. Exatamente dessa forma que eu me sentia em relação a Park Jimin. Eu estava morrendo para tê-lo. Só de imaginar como seria a sensação de senti-lo mastigando meu membro duro me  deixava louco.

Eu estava disposto a fazer qualquer coisa com aquele rapaz. Eu seria inesquecível. Queria que ele mordesse a lingua para todas as vezes que ousou me deixar duro e com a consciência pesada. Eu o foderia com tanta vontade e com tanta destreza que em todos os seus sonhos a única coisa que estaria presente será a lembrança de como eu o fiz gemer de forma insana.

Aquilo não era um jogo. Não totalmente. Eu não estava brincando com seus sentimentos e sim com seu psicológico, dá mesma forma que ele havia feito comigo por todo esse tempo.

Eu queria deixa-lo tão louco pelo meu pau. Foda-se o linguajar mas é a mais pura verdade. Eu lhe daria prazer de todas as formas possíveis, mas haveria um momento certo para que fode-lo. E eu esperava ansioso.

"Você não vai trabalhar?" ele perguntou. Estava sentado sobre a mesa, a camiseta branca folgada em seu corpo, as pernas um pouco abertas, cabelos ruivos caindo sedosos sobre os olhos, esses cheios de curiosidade. Levo as compras até a bancada e as deixo ali.

"Não. Eu estou de férias. Na verdade é apenas um recesso." comentei, tirei meus olhos daquela figura magnífica e me afastei, acomodando minhas costas na porta da geladeira.

"Quanto tempo?"

"Duas semanas." Jimin assentiu. Os dedos tocando na barra da camiseta, o lábio inferior preso entre os dentes, cenho franzido "O que foi?"

"Ahn? Oh... nada de importante" tentou desconversar. Prendi meus olhos nele e esperei até que me falasse "Não me olhe assim." pede.

"Fale logo." ordeno. Jimin engole em seco e noto seu corpo tremer levemente apenas com a autoridade em minha voz.

"Hoseok pode ficar mais uma semana fora." murmurou. Um sorriso insinuoso surgiu em meu rosto.

"Como?" eu havia ouvido bem mas não perderia aquela chance de brincar um pouco.

"Hoseok pode ficar mais tempo fora." falou, dessa vez mais alto. Eu arqueei a sobrancelha e fui em direção de seu corpo magnético.

"Você quer ficar mais tempo a sós comigo? Quer que eu te foda por duas semanas sem parar?" pergunto com os olhos presos nas orbes escuras que ele carregava. Jimin assentiu e sussurrou o quanto queria.

"Eu gostaria que me fodesse aqui e agora." revela, abrindo mais um pouco as pernas deixando espaço suficiente para que pudesse me encaixar. Levo meus dedos até sua coxa e sinto a maciez de pele quente e leitosa.

"E como você quer que eu faça?" pergunto sem olhar em seus olhos. Estou muito mais focado em observar as pontas dos meus dedos passearem pela sua coxa, subindo lentamente por aquela região.

"Eu quero que me coloque de quatro sobre essa mesa e foda bem aqui. Quero que me tome em cada lugar dessa casa." ele fala, a voz um pouco trêmula. Eu sorrio ladino, aquela sensação estranha na boca do estômago, os olhos foram de imediato levados para o rosto corado do rapaz a minha frente.

A lingua serpenteou para fora da boca, tocando o lábio inferior de Jimin. Passeando por ali de forma sensual, para então meus dentes segurarem aquele pedaço de carne sensível entre eles e puxarem lentamente. A temperatura de nossos corpos aumentavam gradativamente, cada pedaço de Jimin que eu tocava com meus dedos incendiavam. E eu não estava diferente.

Ele tentou avançar sobre minha boca, mas não deixei.

"Não esqueça quem é a dominante aqui, baby boy." sussurrou contra sua pele do pescoço.

"Me perdoe daddy, mas eu quero tanto te beijar." ele pediu manhoso. A cabeça pendendo para trás assim que mordi seu ombro e passei minha lingua sobre o local.

"Você está assim tão necessitado? Eu não estou dando o que você quer?" perguntei, respirando sobre sua pele, subindo com os beijos até seu pescoço deixando a uma marca e seguindo até seu maxilar raspando meus dentes sem pressa alguma. Minhas mãos seguravam seu quadril, puxando-o para mais perto do meu corpo.

"Oh meu Deus, daddy! Não pare de me tocar, não pare de me beijar!" ele choramingou gemendo baixinho, o corpo tremendo sob meu toque.

"Nós nem começamos, baby boy, você já está tão duro. Eu posso sentir como dói só olhando sua expressão." sussurrei sensualmente seu ouvido, levei uma das mãos que estavam em sua cintura até sua calcinha box que estava amostra "Você quer que eu aliviei?"

"Oh," gemeu "Sim, por favor." ele tentou levantar os quadril para sentir com mais força o meu toque em sua ereção.

"Não gosto das coisas apressadas, baby boy. Vamos com calma." aconselho, retirando minha mão do local e observando o beiço que havia se formado.

Como ele conseguia ser assim tão gostoso? Porra, eu não conseguia olhar muito tempo para seus olhos dilatados e lábios rubros por muito tempo sem imagina-lo montando no pau.

Droga! Park Jimin era o pecado em pessoa. Quente como o inferno e delicioso como fazer algo proibido Eu morria de tesão para pecar. Espero que Deus me perdoe. 

"Vamos subir. Logo os convidados irão chegar." falei, distanciando meu corpo do seu e virando as costas.

Escutei um resmungo baixinho de Jimin e segurei minha vontade de coloca-lo de quatro e lhe dar uns belos tapas. Mas a punição que ele merecia por ser um garoto resmungão estava lhe esperando. Se havia algo que eu odiava era isso e Park Jimin parecia adorar soltar muxuxos descontentes sobre certas coisas que fazia, me tirava do sério tão profundamente.

Olhei de relance para trás, ele vinha atrás de mim, sorri para mim mesmo e abri a porta do meu quarto, deixando-o entrar e parar no meio do local, olhando para os lados sem saber o que fazer.

"Você não vai se arrumar?" perguntou, virando em minha direção e sentando em minha cama. Sai do batente da porta e entrei no quarto, olhei a sua figura e ri em puro escárnio.

Jimin estava confuso.

"Eu vou me arrumar amor, mas você vai ficar ocupado. Acho que não poderá participar." Jimin arregala os olhos e faz o biquinho mais manhoso que eu já havia visto, por um momento eu esqueço o que disse e sinto vontade de apertar suas bochechas.

"Mas daddy essa é a minha punição?" ele veio engatinhando até a beirada da cama e sentou sobre os calcanhares.

"Não é só isso." Desfivelei o cinto de couro preto, Jimin engoliu em seco. Retirei o objeto e juntei ambas as pontas, batendo em minha palma em seguida. O som fez o ruivo pular em choque "Já imaginou como devem ficar lindas as marcas do meu cinto no seu traseiro?"

"Não, daddy."

"Então imaginei agora. Enquanto eu amarro você." falei. Jimin parecia incrédulo na cama, sem enfraquecer a pose autoritária fui até meu guarda roupa, pegando uma corda.

Enrolei na minha mão mostrando ao rapaz quão forte ela era.

"Tire as roupas. Fique de bruços, com o quadril levantado, mãos atrás das costas." Jimin faz imediatemente, tirando as camiseta e deslizando a calcinha por entre as coxas.

Sua ereção estava notavelmente dura tocando em seu estômago. Ele faz menção de tocar mas ajo com rapidez, pegando o cinto e batendo sem muita força em sua coxa.

"Fique na posição que mandei."

Quando ele se ajeita na cama, eu vou até lá, passo a corda pelos seus pés, enrolando-a em cada um, também pelos joelhos, subo para os quadris, da mesma forma com que amarrei os pés amarro as mãos, os ombros e termino fazendo um nó em seu pescoço, de uma forma que não o sufocasse.

Me afasto para contemplar a pelen imaculada, branquinha e bem cuidada que ele tinha. Pego o cinto e passo o couro pelas partes externas das coxas, alisando seu traseiro com o objeto. Eu tinha a visão de corpo maravilhoso, a região rosada entre as bochechas da sua bunda me enlouquecia.

Peguei a venda preta em minha gaveta e coloquei em seus olhos.

"Uma das coisas que mais odeio é malcriação. Sabe quem e é malcriado, Jimin?"

"Não."

"Não o quê?" bato com o cinto em sua bunda. Ele guincha baixinho.

"Não daddy."

"Apenas crianças. E eu odeio crianças malcriadas, mas você não e uma."

"Eu prometo que não vai acontecer novamente, daddy."

"Tarde demais para se desculpar, você precisa pensar nos seus atos." Com isso peguei dois objetos na mesma gaveta que havia pego a venda. Um vibrador e um anel peniano.

Jimin não me vê então solta um gritinho surpreso quando levo minhas mãos até seu membro e coloco o anel ali, imagino que deve ser incômodo, ele se remexe desconfortável na cama. Passo lubrificante no vibrador pequeno e verde, passeio meus dedos por aquela região escutando os suspiros baixos. Introduzo o objeto lentamente, Jimin grita sussurra em surpresa.

"Oh meu Deus."

"Eu quero que fique nessa posição e não saia dele. Se você mexer apenas um pouquinho baby boy,punição será pior. Não pode gozar e não quero ouvir um único barulho, se eu escutar lá debaixo algum som vindo desse quarto," solto um suspiro "Irá se arrepender." falei e sai do quarto.

Tinha que me arrumar para um jantar.


Notas Finais


como tu faz isso jeonzinho?!!
até o próximo queridos 😻


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...