História Pillowtalk (G!P) - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony, Shawn Mendes
Personagens Ally Brooke, Austin Mahone, Bradley Simpson, Camila Cabello, Cara Delevingne, Dinah Jane Hansen, Harry Styles, Lauren Jauregui, Louis Tomlinson, Normani Hamilton, Shawn Mendes, Zayn Malik
Tags Camila Cabello, Camren, Fifth Harmony, Lauren Jauregui
Exibições 854
Palavras 7.979
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


PRIMEIRAMENTE: TALVEZ ESSA SEJA A ÚLTIMA ATT DE PILLOWTALK PQ DEPOIS DO CLIPE DE BAD THINGS NÃO SEI SE ESTAREI VIVA!!

Segundamente: Mil desculpas pela demora galerinha, não estou passando por um bom momento e as ideias também estavam sumidas. Mas obrigado por não desistirem da fic e muito obrigada pelas 200 mil vizualizações!! 💜

Coração camren ainda bate firme e forte.

Música do capítulo: BAD THINGS

Capítulo 16 - Bad Things


Fanfic / Fanfiction Pillowtalk (G!P) - Capítulo 16 - Bad Things

 

30 de maio, 2016

- Tem certeza que vai me deixar fazer isso sozinha?

Lauren rosnou baixinho admirando os dedos finos de Camila deslizando pelo consolo.

- Você vai usar isso? – Lauren nem percebeu mais estava ofegante, mas mal podia esperar para ver a latina colocando aquilo.

- Eu quero que você faça. – Camila murmurou. Estava ansiosa, seu estômago vibrando em expectativa. O cheiro delicioso que exalava do corpo da latina provocando a sua líbido faziam-a querer foder com ela sem parar, até quando suas energias aguentassem.

- Camzz... Você tem certeza que quer isso?

- Eu quero.

- Mas se doer... – Camila a calou com um beijo. Lauren retribuiu, perdida demais para continuar negando o pedido da mulher. Perdida demais até para pensar em qualquer coisa que fosse. 

Lauren xingou baixinho e apertou o lençol da cama quando Camila, já devidamente nua, sentou em seu colo, fazendo assim seu pênis entrar em contato com a boceta molhada e quente da mulher. A latina se ajeitou no colo da garota e colou seus lábios aos de Lauren, rodeando a boca da mais velha em seguida com a ponta da língua e assim criando um beijo quase vulgar, com ambas as línguas se tocando, porém fora da boca. Camila montou em sua cintura e gemeu, friccionando sua intimidade no abdômen de Lauren.

- Camz! - Lauren ofegou quando a mulher segurou com firmeza em seus seios enquanto continuava a se esfregar com lentidão em seu corpo.

Com Camila ainda em seu colo, Lauren a beijou com avidez e volúpia. A latina gemia a cada deslizar das mãos de Lauren sobre suas costas, o toque era ínfimo, quase delicado, mas para Camila era como passar ferro em brasa sobre sua pele. 

A garota rosnou baixinho quando a mulher mordeu-lhe o lábio e friccionou com estrema força sobre seu pau, rebolando circularmente. Ela conseguia sentir toda a excitação da latina, até que a mesma levantou um pouco o quadril, apenas o suficiente para poder direcionar o pau de Lauren para sua entrada, em seguida sentando sobre ela lentamente, saboreando cada centímetro que a alargava. Ao sentir todo o pau de Lauren dentro de si, a mais velha se permitiu arfar longamente, deitando o corpo para frente novamente, mas dessa vez com o pênis da garota de olhos claros todo dentro de si.

- Eu aposto que você queria isso por muito tempo, não é? – Ela sussurrou no ouvido de Lauren enquanto se mexia de forma lenta, sentindo o pau de Lauren em todos os lugares dentro de sua boceta. 

Lauren nada disse, mas se mexeu, fazendo Camila soltar um gemido alto por conta da posição que fez o pau de Lauren entrar ainda mais fundo nela. Lauren respirava descompassadamente, era tortura demais sentir a boceta de Camila mastigar seu pau a cada rebolada que a mais velha dava. Ela era tão deliciosa, tão quente e a visão da latina quicando em seu colo fazia seu ventre apertar cada vez mais. Os corpos suados só os faziam deslizar mais, Camila rebolava como louca, com as duas mãos nos ombros de Lauren para lhe dar apoio, ela subia e descia no pau da morena, gemendo algumas baixarias em seu ouvido.

Lauren agarrou o corpo pequeno da latina e o jogou na cama, ficando por cima. A boca carnuda da mulher estava ainda mais inchada, e os olhos dela continuavam no tom claro que hipnotizavam Lauren. 

Em um ato impulsivo, Lauren meteu seu pau completamente fundo em Camila, fazendo a mulher se remexer de prazer. Ela abaixou seu rosto até o pescoço latino, deslizou sua língua pelo local entre pescoço e a clavícula dela. A mais velha arfou e arrastou com força suas unhas pelas costas da morena, sentindo as estocadas fundas e nada gentis dentro de si.

O pau de Lauren vibrou quando Camila sorriu e procurou o plug que havia sido deixado de lado, colocando-o todo em sua boca e lubrificando-o com sua saliva.

- Porra, Camila! – A mulher apenas sorriu cínica, pois sua boca estava ocupada com o plug. Ela deslizou dois de seus dedos pelo seu clitóris pulsante, sentindo sua entrada se contrair e mastigou o pau da morena. 

Lauren meteu uma, duas, três vezes dentro de Camila enquanto distribuía beijos pelo pescoço, lábios e clavícula da mulher. Massageou os seios latinos e os chupou com certa delicadeza pelo fato de estarem sensíveis. Camila continuava com a cabeça jogada para trás, unhas cravadas nas costas da morena, apreciando cada toque dela. Em algum momento, Lauren sussurrou em seu ouvido para que a latina ficasse de bruços, e Camila o fez sem pestanejar. Estava completamente ao dispor dela.

Com as duas mãos, Lauren segurou na cintura dela e a ergueu da cama, deixando apenas o seu quadril levantado e o peito sobre o colchão. Ela alisou bunda da mulher, dando um tapa em cada nádega. 

- Você é tão gostosa. – Lauren sentiu as bolas doerem de tesão e por reflexo passou um dos dedos gelados pelas brecha entre as nádegas da mulher.

Camila gemeu, mordendo o lábio inferior para não gritar de prazer e surpresa. 

- É bom? – Lauren perguntou enquanto mordia a pontinha da orelha de Camila. A latina murmurou em concordância. – Use suas mãos para se expor pra mim, Camila. 

A latina obedeceu. Com as mãos trêmulas, tocou os lados de sua pequena entrada, usando a ponta dos dedos para pressionar suas nádegas e repuxá-las para os lados opostos.

- Porra, que bunda perfeita. – Foi o que ela disse antes de passar a língua molhada no buraco praticamente intocável da latina. 

Camila gemeu e agarrou o lençol da cama, soltando suas próprias nádegas e deixando com que Lauren a afastasse novamente. A mulher deslizou dois de seus dedos pelo seu clitóris pulsante e sua entrada se contraiu em busca de algo que a preenche-se.

- Deus! – Camila estava perdida com a língua da morena lubrificando seu ânus. A mais nova segurava a bunda dela com firmeza, completamente aberta para que ela pudesse lambê-la com voracidade. – Assim, faz assim...

Camila mal conseguiu raciocinar, pois no segundo seguinte o dedo de Lauren a invadia lentamente, curvando-se para alcançar o ponto sensível dentro dela.

- Lauren! – Gritou quando todo o dedo da morena estava dentro de si. 

Lauren beijou o pescoço latino de forma provocativa, tocando propositalmente nos pontos que sabia serem mais sensíveis. Camila jogou a cabeça para trás quando Lauren começou a bombear seu dedo médio na entrada apertada da mulher.

- Tão apertado. –  Sussurrou no ouvido da mais velha com a respiração ruidosa. Incapaz de dizer alguma coisa, a latina apenas deixou escapar um gemido fraco. Lauren adicionou mais um dedo fazendo Camila ver estrelas por trás de suas pálpebras.

A latina pressionou com mais força seu clítoris e fez movimentos rápidos e precisos. O corpo de Camila tomou um solavanco para frente quando Lauren a bateu novamente. Ela sentia a ardência firme dos dedos da garota em sua bunda, mas aquilo só a excitava mais.

- Me come, Laur... p-por favor... - Choramingou e recebeu outro tapa como resposta.

Lauren pressionou os dedos mais fundo para dentro da bunda da latina, ela podia sentir o pulsar que vinha de dentro de Camila e não via a hora de estar dentro daquele buraco estreito. A morena retirou os dedos de dentro dela e guiou seu membro até a boceta da mais velha, usou o polegar da mão esquerda para expor e esticar o buraco apertado de Camila. Tendo a imagem perfeita dos líquidos quentes da latina escorrendo pelos pequenos lábios. A garota rosnou e debruçou-se sobre as costas de Camila para poder ficar com os lábios sobre o ouvido da mulher enquanto apertava suas ancas, forçando o corpo de Camila a dar-se mais a ela. 

- Não se preocupe, eu vou te deixar bem fodida e aberta, ok meu amor? – Lauren rapidamente levou o plug até o ânus de Camila, circulando o pequeno buraco apertado.

- Jesus...  - A mulher gemeu maltratando o lábio inferior, enquanto Lauren deslizava o plug para dentro de seu ânus. – Porra... Porra... – Ela sentiu seu buraco se alargando, conformo o consolo entrava até o fim, para logo depois se fechar contra a base mais fina do objeto.

Lauren posicionou seu pênis na entrada da mulher e penetrou sua boceta molhada até o final. Ela voltou com longas estocas, porém firmes no final, fazendo com que o corpo de Camila se abrisse mais, acomodando-se para recebê-la toda dentro de si. A mão direita da morena se embrenhou no cabelo castanho da professora, e puxou com certa brutalidade, metendo com mais rapidez. Lauren sorriu ao ver seu membro enterrado dentro da boceta pulsante, enquanto empurrava com carinho o plug vez ou outra com seu polegar.

Os lábios de Camila estavam cortados em arfadas longas e dolorosas. Ela gemia o nome da morena toda vez que ela sentia a glande de Lauren tocar-lhe no fundo da sua boceta. A morena continuou fodendo a boceta de Camila e com uma das mãos pesadas, Lauren deu dois tapas na bunda da latina, admirando sua pele clara ficar marcada de vermelho com seus longos dedos.

- Você quer meu pau na sua bunda, Camz? – Ela colocou a boca em seu ouvido para perguntar, ofegando. Camila engoli a seco, gemendo enquanto acenava com a cabeça.

Lauren retirou completamente o pequeno plug da bunda da mulher, a latina gemeu com a perda, mas logo sentiu um dor cortante em sua bunda quando Lauren começou a empurrar o plug novamente, em um vai e vem.

- Céus! - Camila gritou, agarrando os lençóis com força. Ela sorriu com o lábio preso entre os dentes enquanto Lauren se enfiava dentro dela ao mesmo tempo. – I-Isso é tão bom! Laur...

Sua frase foi cortada na metade pelo gemido longo que saiu de sua garganta. Sua boceta mastigava violentamente o pênis de Lauren, o apertava tanto que era sufocante para a mais nova. O gozo de Camila escorreu pelo meio das pernas, molhando suas coxas e um pouco do lençol. Lentamente Lauren retirou seu pau de dentro de Camila, que gemeu com a ação pois ainda estava bastante sensível.

- Eu quero gozar aqui dentro, Camz... – Pressionou o plug com o polegar, fazendo o corpo todo de Camila tremer em expectativa. – Encher sua bunda com a minha porra.

Lauren retirou o consolo de dentro de Camila e passou seu pau no meio das nádegas da mulher, molhando seu orifício anal com o próprio gozo que latina havia deixado escorrer pelo seu pênis. 

Lauren posicionou a cabeça do seu pau na pequena entrada, forçando apenas um pouco. Camila apertou os dentes, sentindo um pouco de dor. 

- Você precisar relaxar. – Camila fechou os olhos, sentiu a cabeça do pênis entrar devagar e ficou imóvel, tentando se acostumar com o encaixe. Lauren deslizou um pouco mais seu membro entre as nádegas avermelhadas de Camila e arfou com a sensação. 

- Lauren... – Camila fechou os olhos sentindo lágrimas descerem por suas bochechas. 

A mais nova segurou no quadril da mulher com as duas mãos, alisando a região. Não demorou muito para que uma de suas mãos estivesse entre as pernas da latina, estimulando seu clitóris. Camila relaxou mais um pouco e gemeu de prazer com os dedos da garota. Sentiu-a se enfiar ainda mais fundo dentro de si, de forma cuidadosa, lenta, pronto para interromper o movimento a qualquer momento. Ela não ousou fazer nenhum movimento brusco, apenas muito cautelosamente foi se colocando totalmente dentro da latina. 

Lauren tentou se retirar do buraco apertado, mas com extrema dificuldade conseguiu tirar apenas metade, e estocou mais uma vez bem lentamente, apenas tentado fazer com que a latina se acostumasse. Camila curvou ainda mais sua coluna, expondo-se por completo para Lauren. A mais nova gemeu e mordeu as costas da latina, marcando a pele morena.

- Seu cu é tão apertado, porra! – Camila mordeu o lábio sentindo a ardência em seu ânus diminuir a cada estoca lenta da morena.

Lauren voltou a morder a mulher. Seus corpos moviam-se em sincronia, lento e cautelosamente. Depois de alguns minutos daquele jeito, a morena retirou seu pênis lentamente da bunda da latina, vendo seu buraco demorar a se fechar e então sorriu com a imagem a sua frente. Logo depois fez Camila se deitar de lado, erguendo uma de sua perna direita e colocando em seu ombro, se ajeitando entre as pernas da mais nova e novamente levando seu pau para o ânus de Camila, deslizando com mais facilidade agora por conta da posição. Lauren puxou mais a perna dela, agarrando com força a coxa da mais velha e passando a meter sem pena seu pau na bunda de Camila. A mais nova gemeu demoradamente e mordeu o lábio com a intenção de se conter. A ardência que sentia em seu cu e sentir o mesmo sendo alargado pelo pau da morena era algo extremamente delicioso. 

Lauren passou a dar estocadas lentas porem fortes, fazendo o corpo da mais nova ir para frente a cada enfiada. Camila fazia pressão com a bunda quando recebia o pau da morena fundo e Lauren choramingava de tanto prazer, parecendo muito uma virgem que nunca trepou na vida.

Ela voltou a masturbar a latina e penetra-la com dois dedos. Camila gritou de prazer. O prazer foi tanto que Camila teve que abafar o grito mordendo o lábio inferior com força, enquanto sentia a cabeça do pau de Lauren alargando seu buraco estreito. Ela queria gritar o quanto tudo aquilo era bom demais e quanto ela se sentia preenchida. 

– Que bunda deliciosa, Deus... – Lauren falava já em transe, quase não tinha noção do que saia de sua boca. O barulho de seus corpos se chocando era excitante demais, as bolas de Lauren roçavam na perna de Camila que estava no colchão e a cada estocada parecia que o pau de Lauren ia mais e mais fundo.

Lauren se enfiou o mais fundo que conseguiu e mexeu o quadril num movimento circular, fazendo seu pau alcançar lugares nunca antes conhecidos por Camila, que arregalou os olhos e gemeu alto, sentindo seu corpo dar uma espasmo violento e seu gozo escorrer pelos dedos da mais nova. Isso foi mais que o suficiente para que Lauren voltasse a estocar com força, baixando o olhar para ver seu pau entrando e saindo do cu de Camila. 

A experiência era tão nova para Lauren que ela acabou gozando mais rápido do que esperava. Ela gozou forte dentro daquele buraco estreito e Camila choramingou sentindo a porra quente recheando seu ânus. Lauren não cessou as estocadas e em segundos viu seu gozo sair por entre as brechas da bunda da namorada. 

Quando se deu por satisfeita ela parou de se mexer, deixou a perna de Camila descer para o encontro do colchão e se deitou atrás da mesma. 

- Eu te amo – Lauren rosnou baixinho. Ela fechou os olhos com força, seu membro estava completamente sensível.

Camila acariciou com extremo carinho os fios de cabelo na testa de Lauren.

- Foi incrível. – Camila sorriu dando-lhe um beijo nos lábios inchados. 

Elas se abraçaram e se mantiveram unidas. Seus corações batiam quase que no mesmo ritmo, Camila se aconchegou nos braços fortes da maior e adormeceu completamente exausta.

(...)

31 de maio, 2016

O som de algum celular invadiu o quarto, Camila resmungou e sentiu o braço esquerdo da morena apertar sua cintura e puxa-lá para mais perto. Camila se mexeu mais uma vez e bufou em frustração pelo toque irritante, seu corpo se espreguiçou, deixando os ossos estralarem e alguns gemidos fracos saírem pela sua garganta. A latina se inclinou um pouco e pegou o celular para atendê-lo.

- O que foi, Dinah? - Resmungou baixo apoiando a mão livre no colchão e pronta para desligar o celular.

- O que foi? Como assim o que foi? – A voz da loira entrou pelos ouvidos da mulher mais velha. – Estou te ligando há uma hora, sabia?

- Mas... – Camila se inclinou para olhar o relógio pequeno na cabeceira da cama. – Puta merda! Já são meio e dia!

- Sim, exatamente.

- Desculpa. Nossa, perdi totalmente a hora.

- Eu percebi, não acredito que você passou a noite gemendo. – Camila revirou os olhos sentindo a namorada puxa-lá e aconchegar mais ao seu corpo, fazendo o peito da mulher de travesseiro. – Foi bom? Gozou bastante? – Dinah perguntou soltando uma risada. 

- Cala a boca. Não posso fazer nada se a sua vida sexual é ruim.

- Ei, te garanto que não é nem um pouco ruim.

- Tchau, Jane!

- Camila, espera...

A latina desligou o aparelho deixando-o largado de qualquer forma na cabeceira. Lauren apertou sua cintura relaxando seus músculos e sentindo a ponta dos dedos de Camila descendo em um carinho em seu braço que possuía diversas tatuagens.

- Amor – Camila sussurrou. – Acorda. 

Lauren ainda dormia agarrada a ela. Um sorriso enorme encheu o rosto da mulher, ela roçou sua coxa sobre a da morena, brincando com seus pés. Buscou a mão dela e girou a aliança em seu anelar, suspirando ao constatar mais uma vez o quão apaixonada estava.

As pálpebras de Lauren tremeram, enquanto ela acordava sentindo o cheiro da latina entrarem por suas narinas e preencherem seus pulmões. A morena entrelaçou seus dedos e guiou as mãos até seus lábios, depositando um beijo na pele da mulher. Camila fechou os olhos para sentir seus carinhos, seu sorriso era brilhante, suas bochechas ficavam gordinhas conforme sorria e seus olhos se fecham conforme seu sorriso. Lauren reparava em tudo na sua latina e não podia deixar de sorri levemente também.

- Bom dia – Lauren disse, ao ver aqueles belos e sonolentos olhos chocolate.  

- Bom dia – A mesma disse com os olhos levemente abertos, pela claridade da janela era possível ver seu sorriso.

Lauren passou as pontas dos dedos por toda a extensão da barriga da latina e apoiou sua cabeça mais ou menos na altura do quadril de Camila. Ela fez uma expressão de quem estava se concentrando enquanto pressionava seu ouvido contra a barriga da mulher. Camila ficou surpresa a princípio, mas terminou fazendo cafuné nos cabelos da garota.

- Lo, você sabe que eles não...

- Oi, bebês. – Começou baixinho, ignorando completamente Camila. – Hoje é o nosso sétimo dia juntos. Mamãe Camz acha que vocês ainda não podem me escutar. Mas isso é besteira, eu tenho certeza que vocês podem me escutar. – A latina a encarava de um jeito calmo e seus olhos brilhavam. – Eu prometo cuidar de vocês, eu vou trazer tudo o que vocês tiverem vontade de comer, e cuidar muito bem da mamãe Camz. A propósito eu sou a mamãe Lauren, ou Lolo se vocês preferirem. Pode parecer confuso agora, mas um dia eu prometo explicar para vocês. – Os olhos de Camila encheram de lágrimas, ela não sabia quando ia deixar de ser tão chorona. – Eu amo tanto vocês três, meu Deus eu acho que nunca vou cansar de dizer isso. – Ela beijou a barriga com calma. – Eu amo vocês desde o nosso primeiro dia juntos. E mamãe Camz também. 

Terminou beijando outra vez sua barriga e formando uma trilha de beijos até um ponto próximo a um dos seus seios. 

- Meus bebês lhe mandaram um beijo, e disseram que amam você também. – Lauren sussurrou limpando as lágrimas dela com um beijo. 

- Eu amo você. – Camila ficou olhando para Lauren e estudando seu rosto intensamente. Um momento de silêncio passou entre elas. Camila estendeu a mão tocando o rosto da morena. – Você é a melhor coisa que aconteceu na minha vida. – Ela sussurrou, retirando sua mão e se inclinando para beijar Lauren gentilmente. 

A morena deitou sua cabeça no peito da mulher e as mãos da latina envolviam sua cintura como se fosse sua proteção. Lauren admirava o rosto de Camila, enquanto ela também fazia o mesmo. Lhe custava acreditar que era agora a sua namorada, que iria ficar com ela. Seus dias nunca foram tão bons, a felicidade delas não cabia em si mesmas. 

Mas então o momento foi interrompido pelo toque irritante do celular da latina. 

- Me lembre de nunca marcar algo com Dinah antes do meio dia em um domingo.

- O que você marcou?

- Nós marcamos.

- O que nós marcamos? – A latina soltou uma pequena risada.

- Bom, digamos que você concedeu sua casa para ela fazer uma pequena comemoração surpresa para a Mani.

- Oh...

Camila fez um pouco de força tirando Lauren de cima de si. A morena deixou que Camila se levantasse e caminhasse para o banheiro, e tudo que consegui fazer foi encarar a bunda nua da latina. Suspirou jogando a cabeça pra trás.

- Você não vem? 

Antes de entrar no banheiro, Camila parou no soleira da porta completamente nua, dando a Lauren a chance de apreciar cada milímetro de seu corpo. Seu abdômen lisinho até seus seios medianos com mamilos rosados e rígidos. Ela tinha o lábio inferior sendo mordido, enquanto seus olhos castanhos fitavam os verdes.

- Você ainda vai me matar Karla Camila. – A latina semicerrou os olhos e entrou no banheiro rindo. 

***

Dinah desligou o motor do carro e Normani ficou encarando a casa à sua frente. O fato de Dinah ter parado ali a surpreendeu.

- Hum... Amor? O que estamos fazendo na casa da Lauren?

- Eu sei que hoje é o seu dia e que eu prometi passa-lo todo com você, mas... é que Camila me ligou, parece que ela e Lauren brigaram feio. Não entendi direito, ela estava chorando muito na ligação e eu precisava passar aqui apenas para ver se está tudo bem, até porque ela está grávida, né?

- O que? É sério? – Disse a mulher negra já soltando o cinto de segurança. – Por que não me disse antes? Vamos, eu entro com você.

Dinah sorriu. Elas saíram do carro caminhando até o portão principal, Dinah respirou fundo antes de bater na porta. O casal ficou esperando, mas ninguém apareceu.  

- Acho que ela não está. - Mani comentou e Dinah apertou a companhia duas vezes. 

- Ela tem que estar. – Dinah tocou mais algumas boas vezes antes de Normani lembrar da chave escondida que Lauren deixava na janela ao lado da porta. As duas entraram e andando pelo corredor da casa até a sala principal.

- FELIZ ANIVERSÁRIO! – A galera reunida ali dentro gritou. O teto estava cheio de bexigas de cor azul, com longos fios pretos pendendo sobre a cabeça dos convidados.

- Feliz aniversário, meu amor. – Dinah desejou segurando o rosto dela e lhe beijando na testa.

Ainda em estado de choque, Normani tentou sorrir para todo mundo que a cercava.

- MANI! Feliz aniversário, meu pão de queijo! - Disse Zayn, beijando a bochecha da mulher. 

Normani perdeu as contas de quantas pessoas a cumprimentaram. Assim que todo mundo abraçou e desejou feliz aniversário, ela viu Lauren indo em sua direção com um sorriso no rosto.

- Espero que você saiba que esse papo da Dinah foi só para fazer você entrar aqui. – Lauren abraçou a mulher, pressionando o rosto contra o dela.

- Eu estava prestes a arrancar suas bolas, Jauregui. Sem nem ao menos saber o motivo. 

- Camz e eu estamos muito bem, não é amor? – Lauren falou com o maior sorriso do mundo e Camila timidamente chegou mais perto das duas amigas.

- Sim! Feliz aniversário, Mani. – Deu uma breve abraço na mulher negra. 

- Muito obrigado, Mila! 

Verônica aumentou o volume do aparelho de som e todo mundo vibrou. Quando Camila percebeu, havia seis garrafas vazias na mesa ao seu lado, a casa estava cheio de gente que ela nem conhecia, com algumas luzes acesas, outras apagadas, as músicas variavam e o clima de embriaguez já estava no ar. A latina se sentia um peixe fora d'água, tendo que se sentar um pouco de lado no sofá. Reclamando baixinho da dor que sentia.

- Tá curtindo, Mila? – Dinah perguntou rindo, sentou no sofá com tudo ao lado da latina, acariciando a perna da mulher. Ela fechou a cara e resmungou baixinho.

- Dinah, sai pra lá com esse bafo de cerveja. – Disse se afastando um pouco. Dinah revirou os olhos. 

- Como está a gravidez? – Camila suspirou, soltando uma risada.

- Está sendo mais difícil lidar com Lauren do que com a gravidez em si.

- Como assim?

- Você sabe... Lauren está meio obcecada. Mandando sempre eu tomar cuidado o tempo todo, não posso fazer muito esforço e tenho que almoçar na hora certa. – A latina listava os cuidados – Nada de comer besteiras ou só uma salada, preciso me alimentar bem e tomar minhas vitaminas. Ela está louca com isso, não sai do meu pé.

- Eu estou percebendo. Ela não para de olhar para cá. – Camila ouviu Dinah comentar e rir.

Ela sutilmente desviou o olhar das pessoas dançando em direção a Lauren, e no mesmo instante encontrou os olhos verdes mais intensos daquela casa. Lauren a encarava de longe, ela tinha uma aparência cansada porém parecia feliz. Apoiada com ombro na parede, segurando uma garrafa de cerveja com uma mão e com a outra enfiada no bolso de sua jaqueta de couro.  

Camila deixou que Lauren fosse dar atenção aos seus amigos, mesmo que a morena quisesse ficar grudada nela 24 horas como um cão de guarda. Era o aniversário da sua amiga, afinal. Ela merecia ter um tempo com a galera dela também. 

Lauren até mantinha uma conversa animada com seus amigos, mas mal dava bola para o que eles diziam, ela apenas mantinha a todo custo os olhos em Camila, protegendo-a e a velando de longe. Pronta para avançar em qualquer perigo que se aproximasse da latina.

- Hum, acho que tem alguém querendo invadir seu território. – Camila juntou as sobrancelhas, apertando os dentes ao ver Lauren conversando com uma garota.

Ela parecia bastante entretida em uma conversa com uma morena alta e muito bonita, que parecia exageradamente contente em estar falando com ela. 

- Vocês não vão dançar ou o quê? - Normani se aproximou das duas.  

- No momento, Camila está querendo saber quem é a vadia que não perde a oportunidade de acariciar e tocar Lauren. – Camila respirou fundo e Mani olhou na direção de Lauren. 

- Ah, aquela é a Halsey! – Normani tinha um sorriso no rosto. – Ela vai embora amanhã, passou só para dar um alô. – Mani disse largando sua garrafa de cerveja vazia na pequena mesa ao lado do sofá e pegando a cheia da namorada.

- Um alô muito comprido eu acho. – Dinah falou 

- Dinah, não provoca. – Normani a repreendeu.

- Vai lá cuidar do que é teu, Mila.  – Deu dois tapinhas no ombro de Camila e a latina prontamente começou a marchar na direção da namorada. 

Lauren estava rindo de algo que a garota estava falando, elas estavam conversando animadamente quando por reflexo Lauren olhou para onde Camila estava sentada, estranhando por não vê-la. Já ficando completamente em alerta.

De longe Dinah fez sinal para ela olhasse para o lado e Lauren quase caiu para trás ao ver Camila. O rosto da latina contorcido em uma expressão irritada. Suas mãos pequenas estavam fechadas em punhos, e ela exalava com força.

- Oi. – Camila disse e entrelaçou os dedos nos dedos de Lauren antes de olhar para a garota, que a fitava curiosa. Lauren piscou algumas vezes antes, até que Camila limpou a garganta. – Não vai me apresentar sua amiga, não? 

Halsey levantou as sobrancelhas e Lauren fico nervosa.

- Ah... – Pigarreou. – Claro. Camz, essa é a Halsey, minha amiga. E Halsey, essa é... – Camila virou o rosto para lhe olhar, Lauren sorriu. – Minha namorada. Minha Camz. 

- Oi, Halsey. – Camila falou com ar superior, fazendo questão de olhar bem nos olhos da garota que estava cheia de intimidades com Lauren. 

- Oi, Camila. – Halsey respondeu com um sorriso debochado. – É uma prazer finalmente conhecer a tão falada professora Camila.  

Camila franziu o cenho e olhou para a namorada. 

- É... – Lauren enrolou em meio a situação desconfortável. – Humm acho que estou com sede. 

- Sua cerveja está cheia, Lauren. – Camila falou irritada e Halsey segurou uma risada.

- Eu sei, é só que... – Falou nervosa, Camila sabia que ela estava nervosa pois a morena piscava muitas vezes. – que tá quente, é isso. – Disse por fim. – Vem comigo, já volto Halsey.

Lauren falou antes de afastar da amiga e quase correr até a cozinha. Atrás de si ela pode ouvir a conversa ser retomada entre os amigos. Elas caminharam do corredor até entrarem na cozinha, que por ironia estava vazia. 

Camila rapidamente procurou por um copo com água bem gelada tentando esfriar a temperatura de seu corpo. Lauren a encarava levar a jarra até o copo de vidro mais próximo, derramando ali dentro um pouco d'água. 

Elas ficaram algum tempo em silêncio, Lauren a olhava um pouco preocupada, perguntando-a se ela estava se sentindo bem, e instantaneamente levando sua mão até a barriga de Camila.

- Estou ótima. – Disse afastando-se da morena. – O que ela está fazendo aqui? – Cruzou os braços e encarou Lauren fixamente.  

- Halsey é nossa amiga, Camz...

- Amiga claro! Sei o tipo de amiga que ela é!

- Amor... – Lauren falou de forma calma.  

- Amor é o caralho! – A latina esbravejou.

- Mas eu não fiz nada. - Lauren se defendeu.

- Aah Lauren, você nunca faz nada! 

- Nós só estávamos conversando! Eu juro que não falei nada... 

- Claro que não. – Ela cortou-a, e então deu as costas, com o objetivo de se virar. A morena segurou em sua cintura com o máximo de delicadeza possível quando a latina fez menção de se afastar.

- Vem aqui. Me desculpa, amor.

Lauren nem ao menos sabia o porque de estar pedindo desculpas. Mas sabia que mulher grávida cheia de hormônios e ciúmes é igual a uma bomba relógio, tudo para ela é motivo de confusão.

- Não tenta amenizar as coisas com desculpas, Lauren. Você pode não achar nada demais, mas o que pensaria se me visse dando chances para o meu ex marido ficar me acariciando e me tocando? – Lauren fechou o punho com força.

- Não consigo pensar nele sem sentir impulsos violentos.

Camila se desvencilhou dos braços da morena.

- É, eu sei bem disso. – A mulher disse e a morena abaixou a cabeça.

- Me desculpa? Agora eu entendo isso. Antes não entendia. – Ela deu um sorriso amarelo. – Às vezes só um evento dramático é capaz de me ensinar a ver as coisas de outro jeito. Mas eu não quero brigar, por favor Camz...

- Lauren

- Por favor. Estou com muita raiva de mim mesma por não ter entendido o que você sente por Halsey. – Ela abraçou a cintura da latina novamente, com um dos braços no quadril e outro nas suas costas, para que sua mão pudesse agarrar nuca dela e a prender. – Se você me traísse. – Ela continuou com a voz embargada. – Acho que eu morreria.  

- Não fale isso! 

- Tudo o que passei com Halsey não significaram nada. É verdade que já tivemos alguns envolvimentos, coisa de festa, de bêbedo. Não significa nada. Significou menos do que nada, aliás.

- Você não sabe o que seus beijos significam pra mim, Lauren. Não dá para sair beijando outra pessoa e dizer que foi só uma coisinha idiota...

Lauren abaixou a cabeça e juntou seus lábios aos da latina. O beijo começou suave, doce e provocador, com leves lambidas no seu lábio inferior. Camila abriu a boca para ampliar o contato. Ela virou a cabeça e enfiou a língua na sua boca. Seus movimentos rápidos e não muito profundos só faziam aumentar o desejo por mais, Camila enfiou os dedos por entre seus cabelos e ficou na ponta dos pés para que o beijo pudesse se tornar mais profundo. Gemeu ao sentir que ela sugava sua língua, seus lábios se moviam contra os dela cada vez mais quentes e úmidos. As duas estavam se devorando, ficando mais excitadas a cada segundo, como se estivessem trepando apenas com a boca, transando apaixonadamente através dos lábios, dos movimentos da língua. 

Lauren encravou os dentes no lábio inferior da mulher, para depois acariciá-lo com a língua. Camila soltou um pequeno gemido, sua boca estava inchada e sensível. 

A morena agarrou as nádegas de Camila a puxando para cima dela. Interrompeu o beijo e depois atacou sua boca de novo, preenchendo-a com o gosto de seu desejo. Camila sentiu um tremor violento e soltou um rugido. Os dedos de Lauren apertavam sua bunda, e seu grunhido reverberou com força contra os lábios da mais nova.

As poucos as duas foram separando seus lábios uma da outra com alguns selinhos longos. Lauren encostou sua testa na dela, apenas admirando seu sorriso. Ela estava ali. Era mais do que o suficiente. Seus olhos se abriram lentamente, piscando algumas vezes com dificuldade, como se ela estivesse esperando pelo momento certo. A morena encarou a poucos centímetros do seu rosto aqueles olhos de chocolate que tanto amava, então ela precisava dizer aquilo verbalmente.

- Eu amo você. Você. E mais ninguém. Entendeu? - Ela concluiu, de uma forma muito simples. – Quantas vezes por dia posso dizer que te amo sem você me achar uma chata? -  Perguntou encostando os lábios nos dela sem fazer força.

- Quantas vezes você quiser... 

A latina aproximou os lábios dos dela e mordendo o lábio inferior de Lauren o puxando para si. O soltou e então roçou seu nariz pelo pescoço da morena, beijou seu pescoço e levou uma de suas até os cabelos da garota.

- Sabe... eu não suporto essa Halsey. – Falou a latina olhando nos fundo dos olhos verdes. - Odeio saber que ela já tocou em lugares onde só eu posso tocar. 

- Quem é Halsey mesmo? – Lauren perguntou. Camila levanto uma sobrancelha e começou a rir dando um tapa na namorada. – Se eu soubesse que o ciúmes te deixa tão possessa e tão selvagem... teria feito ciúmes em você a mais tempo.

- Não se atreva! - Diz séria e vê a expressão divertida no rosto de Lauren a fazendo fungar irritada. 

- Ela é apenas uma amiga, meu amor. – Lauren fala sorrindo enquanto mordia o lábio inferior e era segurada pela gola da jaqueta.

- Duvido que ela faça mais gostoso que eu...  

- Nunca. – Fala sorrindo ao lembrar da noite passada e então sela os lábios aos da latina.

Ela prendeu seus lábios nos de Camila com um pouco de força e aprofundou o beijo. Lauren deslizava as mãos por todo o perímetro das costas de Camila. Passou pelos ombros, massageando levemente, depois deu uma leve mordida no lóbulo de sua orelha e depositou leves beijos em sua nuca observando a pele se arrepiar com seus toques.

- Lauren, não comece o que você não vai terminar. – Camila murmurou com os olhos fechados.  

- E quem disse que nós não vamos terminar? - Lauren sussurrou com a voz rouca no ouvido de Camila. 

Lauren segurou a mão direita dela e levou até entre suas pernas. Camila gemeu alto ao senti-la já dura.

- Você me deixa excita pra caralho, amor.

- Parem com essa putaria em plena cozinha! – Dinah falou segurando uma risada, fazendo o casal tomar um susto. 

- Mas que porra! Vai a merda, Dinah! – A loira não conteve a gargalhada.

- Você não pode fazer isso! Camila está grávida e não pode ficar se assustando! 

- Mas ela pode dar pra você no meio da cozinha? – Perguntou em um tom irônico.

- Cala a boca, Dinah! Meu Deus! – A latina vai para dentro da casa. Mas quando Lauren tentou ir atrás, Dinah a impediu.

- Você deveria ficar mais atenta com suas amiguinhas, eu vi aquela garota te secando.  

- Eu não fiz nada de errado, ok?

- Você tem um pênis. Pessoas com um pênis sempre fazem alguma coisa de errado. – Dinah disse como se aquilo fosse óbvio – Eu to de olho em você. – Lauren fechou a cara e saiu da cozinha atrás da sua latina, optando por ignorar a loira.

***

O que era pra ser apenas uma pequena comemoração se expandiu até um pouco mais tarde. Lauren não estava bêbada, mas ela definitivamente não estava em seu estado sóbrio. Camila comia tudo que lhe ofereciam, e Lauren estava vendo a hora que ela explodiria caso realmente não vomitasse no tapete mais próximo. Zayn bebia cerveja e contava piadas, mesmo que ninguém entendesse a maioria delas. Lauren não passava menos de alguns minutos longe de Camila, conversando com alguns amigos que foram apresentados a latina também. Mas quando voltava para o lado da namorada, alternava suas ações entre mexer no cabelo latino, espalmar a mão na sua barriga, beijar sua orelha e ficar olhando-a para ter certeza de que eu não estava entediada, e que a festa estava sendo agradável para a mulher mais velha. 

Camila estava mais feliz e se sentindo mais confortável no meio daquelas pessoas. Lauren e ela dançaram, trocaram beijos lentos e carinhosos e ficaram juntas até o final da festa. Naquele domingo tudo havia ocorrido bem. 

No dia seguinte, acordar cedo foi uma tarefa complicada para Lauren. Enquanto a latina preparava um bom café da manhã para a garota, a morena tomava um banho bem gelado e demorado para que conseguisse acordar totalmente.

-  Amor... – Camila saltou e deixou o saco com pães cair no chão ao ouvir a voz sonolenta de Lauren. Olhou para a porta e viu a morena rindo enquanto coçava um olho.

- O que foi? – Camila levou a mão até seu peito, sentindo o coração acelerado entre seu peito.

- Nada, só... Você tá bem gata com a minha blusa, sabia? – Lauren disse chegando mais perto e abraçando-a por trás.

- Sério? – Segurou as mãos de Lauren. Sorriu para ela e deu uma volta. Os olhos da morena pousaram na bunda de Camila e ela suspirou. – Eu amo essa camisa.

- Eu amo você. – Disse pegando a latina desprevenida. Camila encarou-a sem expressão durante alguns segundos, mas logo abriu um sorriso.

- Eu também te amo. – A mulher abraçou o corpo da garota, sentindo os lábios mornos de Lauren na sua testa. Ela deslizou as mãos pelos seus cabelos úmidos, e Camila pôde ouvir as batidas regulares do seu coração.

- Fica comigo pra sempre?  – O coração de Camila deu um pequeno salto. Eram momentos como aquele que faziam-a ter certeza que ter se apaixonado por Lauren era a melhor coisa que tinha acontecido em sua vida.  

- Fico. – Camila ergueu a cabeça mais uma vez, notando o contentamento nos olhos verdes enquanto Lauren olhava para ela. 

- É isso. – Lauren disse, com um suspiro.  

- O quê?  

- Isso. Esse momento. Ou quando observo você dormindo... aquela paz no seu rosto. É isso. Eu nunca mais tinha sentido isso desde que minha mãe morreu, mas agora posso sentir de novo. – Ela respirou fundo e sorriu. – Eu te amo pra cacete! – Lauren agarrou o rosto de professora, descendo os lábios nos dela. - Eu te amo tanto, Camz – Disse, lhe beijando sem parar.

- Só lembra disso daqui 11 meses, quando seus filhos estiverem chorando de madrugada. – Camila falou, em meio a risadinhas. 

Lauren sorriu, triunfante.

- Meus bebês! – Lauren disse contente, descendo a mão direita até a barriga da mulher. – Como estão meus bebês? 

- Estão fazendo a mamãe ter enjoos horríveis e passar meia hora de cara no vaso vomitando. – Lauren franziu o cenho.

- Porque não me acordou? 

- Foi só enjoo normal da gravidez Lo, não precisava acordar você – Disse calmamente. – E também você estava tão cansada que eu fiquei com pena de acordar você, então eu arrumei seus livros e os papéis que estavam em cima da mesa e coloquei dentro da sua mochila para você não esquecer nada.

- Que mulher perfeita que eu tenho, meu Deus! O que eu fiz para merecer isso? - Perguntou divertida, segurando o corpo da latina e colocando-a sentada na bancada, ficando entre suas pernas logo em seguida.

- Me fez ter os melhores orgasmos. – Murmurou ao pé do seu ouvido, mordendo o lóbulo da orelha de Lauren.

- Você é tão safada, Camz. – Lauren disse, mordendo sua bochecha de leve.  

- Sou? 

- Huhum. – Lauren murmurou e estava prestes a agarrá-la, quando ouviram a voz do pai de Lauren. Ele havia chegado. Camila fez um bico de chateação que a morena logo tratou de mordê-lo, passando a língua em seus lábios, sugando-os em seguida. A latina riu e empurrou-a pelos ombros de leve, para que ela se afastasse.

(...)

Camila caminhou em passos lentos pelo corredor vazio que a levaria até a sala de amiga. Deu duas batidas antes antes da porta ser aberta e uma Ally completamente confusa lhe encarando. A mulher a observou com o cenho franzido por alguns instantes, o cabelo preso num coque elegante no alto da cabeça, nos pés, um par de saltos Fendi. 

- Mila? O que faz aqui, não é hora do seu intervalo?

- Sim, mas... preciso conversar com você.

Ally assentiu e apenas deu passagem para que a latina entrasse. Ainda meio apreensiva, Camila se sentou em uma das cadeiras que tinha de frente para mesa da mulher. A princípio, a loira não sabia o porquê da latina estar tão inquieta e tensa. 

- Mila, você está bem? – A loira perguntou preocupada. 

- Eu lhe preciso contar algo... importante. – Ally a encarou por alguns instantes.

- O que foi? Aconteceu alguma coisa? 

- Aconteceu muitas coisas. 

- Ok... Então me conte.

Camila fechou os olhos por um segundo, franzindo os lábios antes de limpar a garganta.

- Bom, eu não queria ter escondido de você por tanto tempo, eu juro. Mas aconteceu tantas coisas, eu... Eu quero que sabia que eu simplesmente não tive como evitar.

- Você recebeu uma proposta de emprego melhor, foi isso? – Camila arqueou as sobrancelhas. – Me diga quanto foi que eu cubro esse valor, mas da minha escola você não sai, Mila.

- Não. Não é isso, não é nada disso. – Camila respirou pesado, passando a mão nervosamente pelo cabelo e colocando a franja atrás da orelha.  

- Você está me deixando preocu...

- Eu estou grávida. – Disse de uma vez. – É isso. 

Ally a olhou surpresa e um pouco confusa também. Estava prestes a dar-lhe os parabéns quando a latina a interrompeu.

- Não é do Shawn. 

A mulher lhe encarou incrédula.

- Meu Deus. – Ally a olhou chocada. – E de quem é?

Camila tremeu. Um mistura de medo, insegurança e nervosismo tomou conta do seu corpo.

- Me desculpa Ally, eu não queria ter feito isso. Não dessa maneira, mas simplesmente aconteceu, eu...

A loira suspirou, enquanto se levantava desnorteada. 

- O que você fez, Camila? 

A latina a encarou, respirou fundo, e então apenas conseguiu dizer:

- Eu tive um caso com Lauren... Jauregui.

- Você está brincando comigo... – Ally a olhava incrédula.

Ally franziu o cenho, completamente atordoada. Sentou-se novamente, sentindo que suas pernas não aguentariam tudo aquilo. Elas ficaram longos minutos em silêncio. Camila agoniada com o que Ally poderia falar e a loira apenas tentando absorver tudo aquilo que a latina tinha lhe contado.

- Se quiser me demitir, eu vou entender completamente.

- Eu não sei que tipo de amiga você acha que eu sou. Mas eu nunca demitiria você sabendo que precisa desse emprego.

Camila franziu os lábios numa linha fina e desviou o olhar antes de voltar a fitar fixamente a amiga.

- Me desculpa... – Sussurrou.

- Não peça desculpas – Ally negou com a cabeça. – Você tem noção de como...

- Isso pode acabar com a reputação da escola? Sim, eu sei. – Suspirou pesadamente. – Mas eu não posso voltar atrás. E eu nem sei se voltaria se pudesse.

- Você está com ela? – A latina apenas assentiu. – Você então... 

- Eu pedi o divórcio para o Shawn. 

- Ele sabe disso?

- Sim. Ele... descobriu de uma forma que não vem ao caso comentar agora. – Falou envergonhada. – Eu só quero que você sabia que ninguém irá ficar sabendo disso.

- É a única coisa que eu peço para você, Camila. – A latina engoliu em seco. – Se alguém souber... meu Deus, eu não quero nem saber o que vai acontecer...

- Eu prometo que ninguém irá saber. 

- Não prometa, Camila. Apenas faça. Não estou interessada em promessas. Ainda mais uma vinda de você.

- Ally, por favor...

- Se isso é tudo, então, por favor... saia. 

Camila apenas assentiu, e deixou a sala, em completo silêncio.

***

No refeitório, Verônica colocou uma lata de refrigerante na mesa de Lucy.

- Você não precisava fazer isso. Eu ia pegar uma. – Falou envergonhada.

- Bom, agora você não precisa mais – Vero sorriu e sentando-se ao lado da garota. 

Brad soltou uma risada de deboche na mesa ao lado.

- Quem diria! Verônica Inglesias sendo transformada em uma empregadinha pessoal. Qual vai ser a próxima, abanar a menina com uma folha de palmeira, vestindo uma sunga?

Vero olhou para ele com ódio assassino, e Lauren se apressou para defendê-la.  

- Você não tem o suficiente nem para preencher uma sunga, Brad. Cala a porra da sua boca!  

Brad revirou os olhos e Austin riu e jogou uma batata frita em Lauren.

- E aí, Lolo? – Disse com bastante ironia. – Ouvi dizer que você anda comendo a professora de biologia. Cara... Ela é gostosa pra caralho! 

A primeira reação de Lauren foi ficar completamente sem ação. Verônica olhou para a amiga em choque e viu ela piscar algumas vezes, buscando palavras que naquele momento lhe faltavam.

- Do que você tá falando, babaca? – Foi a vez de Verônica dizer algo. 

- Ué, Verônica? Está se fazendo de desentendida? Você sabe dos boatos que estão rolando por aí... 

O olhar de Lauren se fixou em Verônica.  

- Você sabia disso? –  Lauren perguntou e ela se mexeu desconfortável na cadeira.  

- Eu ia te contar.  

- Quando? – Perguntou irritada.

- Isso está ficando cada vez melhor. – Austin soltou uma risada. 

- Ela não conto pra você Lolo... Pode deixar que eu conto. Estão comentando por aí que você teve um baita de um boquete na cabine da moça da limpeza. 

- Cala essa boca, seu idiota! Isso é tudo mentira! – Lauren gritou e era possível ver as veias no seu pescoço.

Brad sorriu, elevando as bochechas arredondadas e rosadas.

- É mentira? Se ela não pagou um boquete pra você, não se importa se eu tentar, né? – Disse Brad, dando risada para seus colegas de time. – Prometo fazer ela engolir tudo.

Lauren se levantou como um furacão até o outro lado da mesa, agarrou Brad pelo pescoço com uma das mãos e, com a outra, apanhou um bom punhado da camiseta dele. 

O garoto deslizou pela mesa, e dúzias de cadeiras rangeram no chão quando as pessoas se levantaram para observar Lauren socando-o repetidas vezes na cara. A única coisa que Brad conseguiu fazer foi cobrir o rosto com as mãos, o que não foi o suficiente para evitar os socos pesados da garota.

Ninguém encostou em Lauren. Ela estava descontrolada, era como se a morena se tornasse outra pessoa quando estava com raiva, uma com muito mais força do que aparentava ter, e essa sua reputação deixava todos com medo de se meter.

- Lauren! – A morena conteve o punho cerrado no meio do caminho e soltou a camiseta de Brad, deixando que ele caísse no chão. Estava arfando quando se virou para olhar em direção a voz. 

Camila e Ally estavam paradas a alguns centímetros completamente em choque.

- Meu Deus! – Sussurrou Ally.  

Os colegas de Brad ergueram-o do chão e Camila se encolheu de aflição quando viu seu rosto, vermelho e inchado com sangue escorrendo do seu nariz. 

- Lauren... – Verônica sussurrou. – O que você fez?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...