História Platonic - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Harry Styles, One Direction, Romance
Exibições 79
Palavras 2.154
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Ecchi, Escolar, Festa, Hentai, Lemon, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Slash, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Heeeey divas 👑
Irei postar os quatro capítulos que faltam!

Capítulo 12 - Vingativa? - Parte III


Meus olhos permaneciam vidrados naquela cena pela quarta vez. Meu peito subia e descia na velocidade do meu descontrole e minhas mãos fechadas em punho estava a ponto das unhas começarem a ferir a grossa camada de pele das minhas palmas.

Peguei o celular a minha frente e o joguei no chão atordoado.

– Que isso cara?! Era meu ce...

– Que merda é essa?! Quem fez a porra desse vídeo?! Quem fez essa porra?! – Não me importei se o caralho dessa escola toda ia ficar me olhando ainda mais, eu só queria saber quem foi o filho da puta que fez a merda desse vídeo.

– Eu não sei caralho! – Zayn esbravejou enquanto pegava o que sobrou do seu celular. Passei as mãos possessivamente em meus cabelos querendo está com elas socando a cara do porra que fez isso. 

Desgraçado filho da puta! 

Assim eu olhei, olhei em volta como se eu pudesse ter um radar. 

Eu ia achar esse maldito! 

Até que meus olhos encontraram Abby e Norah encolhidas atrás de um cara, atrás de Liam. As duas se entreolharam de uma maneira estranha e eu percebi a merda toda.

O fundo daquele vídeo, eu conhecia! Essa droga foi gravada quando eu estava com elas no quarto da...

...Hannie?

Puta que pariu! Essa vadia!

Meus pés se moveram rapidamente até as duas.

– Harry – Abby pronunciou em tom baixo quando estava a um passo delas.

– Eu me resolvo com vocês depois suas traidoras de merda! – Quando dei alguns passos a frente, percebi Norah vir atrás de mim e segurar um dos meus braços.

– Escuta... – Não deixei que ela continuasse, chacoalhei o meu braço com força fazendo com que ela se desequilibrasse e caísse em seguida, mas não me importei, voltei a andar sem olhar para trás.

...

Ela estava ali. A garota que acabou com a minha reputação estava ali tirando um livro do seu armário. Realmente rodar essa maldita escola me fez achá-la. Eu podia sentir o sangue ferver em minhas veias e passando como fogo por toda a camada abaixo da minha pele. Quando percebi, minha mão já estava segurando com firmeza um dos seus braços quase a fazendo cair, enquanto o livro que ela segurava batia contra o chão.

– Sua vadia! – Estourei sentindo aquela droga percorrer o meu corpo com mais força. Ódio. Eu estava com ódio. O semblante da garota era de medo, mas o sorriso que logo surgiu em seus lábios era vitorioso.

– Já devo prever que viu o seu vídeo – Ela sorria ainda mais como se estivesse ganhando um prêmio.

– Como eu pude ser tão burro?! Era tudo um plano! Um maldito plano!

– Me solta! – Ela se exaltou agora sem aquela alegria estampada no rosto enquanto tentava puxar o seu braço, mas eu o segurava com mais força.

– Confessa!

– O quê? Sobre o vídeo? Foi! Foi eu e não me arrependo de nada! 

Filha da puta!

Sabe quando você não quer acreditar em algo mesmo que a verdade estava bem ali na sua cara? E quando tudo fica claro, você sente como se tivesse levado um soco no estômago? É, eu me sentia assim agora. Eu acreditei nessa maldita filha da mãe e ainda pedi desculpas que nem um otário! Eu vou acabar com essa garota! 

– Eu não ia deixar barato o que você fez seu idiota! – Ela concluiu áspera.

– O que eu fiz não tem comparação ao que você fez! – Disse sentindo que eu poderia ficar louco a qualquer momento.

– Cai na real garoto, eu não ia deixar isso barato! Você é um otário e eu consegui me aproveitar disso, então não ponha a culpa em mim se você é um idiota!

– Cala a porra dessa boca! – Segurei o seu outro braço e a joguei com força contra o armário e um pequeno grunhido de dor escapou de sua boca.

– Harry! – Não olhei para trás, eu sabia quem era.

Louis.

– Solta ela cara! – Dessa vez era Liam. Os dois tentavam me afastar, mas eu me agarrei a Hannie enquanto ela tentava me empurrar, até que vi Abby e Zayn se meterem entre mim e ela.

– Você... – Apontei para Hannie quando conseguiram me tirar de cima dela – É muito pior do que eu pensava – Seus olhos estavam fixos em mim – É uma vadiazinha que só quer chamar atenção, uma cretina que não merece nada e nunca vai merecer! – Eu pude ver os seus olhos marejados e seus lábios começarem a ficar trêmulos – Chora. Vai! Chora! Olha só, a garotinha vai chorar! – Ri irônico, mas ela não derramou uma lágrima – Eu te fiz uma armadilha, você se vingou e agora eu não quero ver a tua cara de pau na minha frente e menos ainda que fique perto dos meus amigos! – Ela olhou em direção a eles. Não precisei fazer o mesmo porque eu sabia que eles concordavam com o que eu havia dito. Agora eu podia contemplar o show das suas lágrimas rolando por suas bochechas. Se eu sentia pena? Nem um pouco! Isso ainda nem era o mínimo que ela merecia.

– Você não pode me impe... – Não consegui mais ouvir o que ela dizia, porque uma mão fechada em punho acertou a lateral do meu rosto, o que me desequilibrou e acabei caindo de costas no chão. Quando consegui abrir os olhos, vi Liam e Niall segurando o Jamie, enquanto ele tentava se soltar me encarando como se fosse me matar. 

Droga!

– Me solta! Eu vou acabar com esse filho da puta! – Jamie gritava perturbado enquanto Zayn e Louis me ajudavam a levantar. Ninguém a volta se questionava, ninguém dizia nada, todos apenas nos olhavam e miravam seus celulares na cena – Eu nunca tive nada com esse viado! – Ele olhava em volta enquanto berrava. Senti uma pontada no canto da boca, toquei e mais pontadas surgiram. Fiz uma careta quando olhei para os meus dedos com sangue. Esse merda estourou a minha boca! – Você vai me pagar! Vai me pagar seu baitola! – Agora eu não o olhava mais, agora meus olhos estavam fixos em Hannie.

Hannie

O que eu fiz? O que eu fiz? Eu, eu estou tremendo! Estou assustada! Eu não consigo me controlar! Eu não consigo!

Minhas lágrimas não paravam de cair enquanto ele estava ali, machucado por minha culpa! Minha maldita culpa! – Seus olhos estavam vidrados em mim e eu podia sentir a raiva, o ódio que ele estava sentindo.

Por que eu fiz isso?

Por que eu fiz isso?

Por que eu fiz isso?

Por que eu fiz isso?

A droga dessa pergunta não queria sair da minha cabeça.

Jamie insultava Harold de todo jeito e os garotos tentavam o defender, mas ele nem se quer olhava para o lado, ele permanecia ali parado olhando em minha direção.

Estou perdida!

Estou com medo!

Não sei para onde ir!

Agora estou sozinha!

...

Completamente sozinha!

Percebi rostos assustados virarem para a esquerda e eu automaticamente fiz o mesmo.

Droga!

É o diretor!

O Harold vai se ferrar por minha causa!

por minha maldita causa!

Preocupada, olhei para ele e seu sorriso debochado em minha direção não me causou o de sempre, agora eu sentia culpa, uma culpa dolorosa. Ele balançou a cabeça em negação, mas enquanto o diretor o levava junto com Jamie e eu vagarosamente me desprendi daquela cena olhando em volta – Todos me olhavam como se eu tivesse algo tentador a dizer. Eu podia ver os meus amigos – se eles ainda fossem – me observando da mesma maneira e a única coisa que eu queria fazer era sair dali e foi exatamente o que eu fiz. Quanto mais me olhavam daquela maneira, mais envergonhada eu ficava, então corri para os fundos da escola em meio aquele mar de árvores, enquanto mais lágrimas percorriam o meu rosto. 

Eu sou uma completa idiota!

Quando por fim cheguei ao muro que me separava da rua, não pensei duas vezes, escalei a árvore encostada a parede e pulei para fora.

...

Meus pais ainda estavam no trabalho como previ, então peguei a chave reserva em minha bolsa e abri a porta às pressas, corri para o meu quarto e não parei de chorar.

Eu me sentia um monstro. 

Como eu pude chegar a fazer isso?

...

Um vestido branco de mangas compridas estava folgado sob o meu corpo, era como um blusão de tecido grosso, macio e confortável como algodão. Peguei a minha sapatilha vermelha e a calcei sem pressa alguma. Prendi meu cabelo em um simples, mas firme rabo de cavalo e peguei a minha pequena mochila de couro marrom, então desci.

Pedi ao meu pai para que me deixasse em um lugar ao qual não foi fácil de achar, já que em poucos minutos eu estava em frente à casa do Styles. Despedi-me do meu pai, atravessei a rua e meu indicador já estava apertando a campainha. Em apenas alguns segundos, uma linda garotinha abriu a porta, ela parecia ter seus sete ou oito anos.

– Oi. É...eu queria falar com o Harold– Disse um pouco sem graça, mas a menina sorriu amplamente no mesmo instante e o seu gesto me induziu a imitá-la.

– Ah então você é a namorada dele? – Ela perguntou graciosamente e eu quase me engasguei sem querer. Tossi um pouco tentando me recompor e fechei os olhos por dois segundos tentando disfarçar o quanto eles estavam arregalados com a sua pergunta.

– Han...não – Respondi quando voltei a observá-la agora sem graça, mas no mesmo instante seus olhinhos caíram para os meus peitos.

– Aaaaah! Então você não é a tal da Candice. O Harry disse que ela tinha peitos grandes – A garotinha soltou uma risada e eu sentia como se meus olhos fossem saltar para fora de mim, mas eu não sabia se era pelo comentário sobre os meus peitos ou sobre Harry e Candice juntos, como...namorados.

– Gen, quem... – O próprio apareceu distraído atrás da menina e eu senti o meu nervosismo crescer, mas novamente eu não sabia se era pela culpa que me consumia ou porque ele estava tão...bonito mesmo com uma mistura de roxo e vermelho que começava na metade da bochecha do lado direito e terminava no canto do seu lábio – Gen, a mamãe está te chamando, vai lá com ela – A pequena assentiu e sorriu em minha direção enquanto acenava e eu fiz o mesmo. Ele esperou ela se afastar e começou o que eu previa. Brigar.

– O que faz aqui? Quem te deu o meu endereço? Eu te avisei que não queria ver a porra da tua cara na minha frente! Vai embora daqui! – Ele sussurrava com desprezo e eu podia sentir toda a sua raiva em seu tom baixo – Eu não posso gritar como eu deveria e nem te chamar de todos os nomes sujos que você merece porque minha mãe está aqui, então vai embora de uma vez ou eu não respondo por mim.

– Harry – Chamei em súplica o seu apelido, o que eu não conseguia fazer a segundos atras.

– Não me chama de Harry! Só os meus amigos de verdade podem me chamar assim! – Por mais que eu merecesse e eu sabia disso, ouvi-lo dizendo isso de certa forma doeu bastante.

– Mas eu...é, eu queria conversar com você.

– Conversar? Depois de ter levado um soco, ser suspenso por três dias e ser chamado de viado o dia inteiro, você acha mesmo que eu quero conversar com você?! – Eu o fitei surpresa e em desespero sem saber o que fazer quando o ouvi. Ele estava machucado, irritado e foi humilhado por minha culpa – Ah! E fica tranquila porque não tive tempo de te acusar porque o diretor nem quis nos ouvir direito. Parabéns! – Ele bateu palmas em sintonia com a sua ironia do momento e eu me encolhi – Você conseguiu! Bela vingança – Ele deu um passo para trás a fim de entrar em sua casa e bater a porta na minha cara, então apressei dois passos e a segurei pela maçaneta.

– Me ouve! Olha, eu não devia ter feito aquilo, você não sabe o tamanho da culpa que estou carregando porque eu não queria te preju...

– Espera aí – Ele me interrompeu e o olhei confusa obedecendo ao seu pedido estranho e me calei. Harry foi até o sofá e pegou algo e percebi que era a sua mochila. Não consegui ver o que ele fazia, mas logo ele voltou até mim com um saco de presente e eu olhei aquilo com curiosidade e medo, até ele estender o pacote em minha direção e eu congelei.

– O-o que é isso? – Perguntei.

– Abre – Ele ordenou sem expressão alguma, era como se um robô estivesse na minha frente agora. Mesmo relutante, abri lentamente o saco que estava preso por uma bela fita e senti como se o mundo estivesse se desabando aos meus pés ali ao ver o que estava escondida naquela sacola brilhante e colorida. Olhei para Harry sentimento o meu coração golpear acelerado contra o meu peito e meus olhos começarem a ficar úmidos. Logo senti sua mão sob um dos meus braços me empurrando para longe.

– Isso é só para você se sentir mais culpada – Ele disse por fim fechando a porta e eu me permiti chorar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...