História Platonic - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Harry Styles, One Direction, Romance
Exibições 123
Palavras 2.725
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Ecchi, Escolar, Festa, Hentai, Lemon, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Slash, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente que sono! Só agora tô podendo postar porque meu dia foi muito corrido! Provas, trabalhos, etc, por isso perdoem a demora.

Vocês viram a foto de capa? 😍
Então, decidi por fotos com um trechinho da história, vocês gostaram?

Então, espero que gostem do capítulo, fiz com o coração.

Capítulo 23 - Luke!


Fanfic / Fanfiction Platonic - Capítulo 23 - Luke!

Estava parada observando Abby se afastar e perguntando-me se ela ficaria muito chateada por eu planejar pelas suas costas, afinal, ela e Niall tem que ficar juntos. 

Em meio a pensamentos sobre os dois, senti braços quentes envolverem a minha cintura.

– Ei chaveirinho – Harry soprou em meu ouvido e senti arrepiar completamente.

Ai nossa! Ai nossa!

– Ooooi! – Disse exageradamente, afastando os seus braços de mim, tentando disfarçar o pequeno desconforto que ele me causava quando fazia com que eu sentisse essas coisas, coisas que me faziam querer me agarrar nele.

Ai céus! Por que isso acontece?

– Onde estava? – Perguntei um pouco ofegante ainda por conta do seu contato.

– No banheiro, esqueceu? – Respondeu com a maior cara de quem estava na safadeza.

– Conta outra cara – Falei um pouco irritada e ele riu.

– Por quê? Acha que é mentira?

– Você é um garoto tarado, está na cara que estava na senvergonisse! – Exclamei sentindo-me estranha por me importar com esse tipo de coisa vinda dele, mas para a minha surpresa, Harry gargalhou e eu me perdi aos poucos observando cada detalhezinho do seu rosto, em como os seus olhos ficavam puxadinhos e as covinhas mais profundas, além dos lábios que moldavam o sorriso contagiante.

– Acho que é por isso que estou gostando de você, é como ter um amigo novo e engraçado – Ele respondeu.

– O quê? Um amigo? Amigo? Pelo o que eu pude perceber e comprovar desde que nasci é que sou uma garota.

– Eu sei, mas, você sabe...

– Sei o quê?

– Que você tem esse jeito meio... meio masculino.

– O quê?

– Qual é Hannie? Quantas vezes você já me bateu? Isso não é bem uma coisa normal de uma garota fazer, mas relaxa, eu gosto de você assim, meio agressiva, só não quando resolve soltar a mão em mim, enfim, vamos logo – Ele segurou meu pulso e começou a me puxar já que eu estava parada que nem uma estátua.

– Ei! Não! O que é isso de eu ser masculina? É óbvio que... – Seus pés pararam e meu corpo colidiu com a sua costa, até senti-lo virar rapidamente. Sua mão que havia soltado o meu pulso, agora estava levando o meus dedos a tocar uma região de sua cabeça. Entre os cabelos (sedosos por sinal), havia um pequeno montinho de fios que cresciam, então olhei para seu rosto tão próximo, já que ele se agachara um pouco para que eu pudesse tocar com facilidade e percebi a explicação em seus olhos e em seu gesto.

– Isso foi...

– Quando você arrancou meu cabelo – Ele concluiu meu pensamento.

Oh céus, o que mais eu posso dizer? Eu sou um menino! E do bem agressivo.

– Acho que te devo desculpas.

...

– Então, quem era a garota? – Perguntei curiosa enquanto devorava o meu sorvete.

– Que garota? – Questionou,  enquanto olhava rapidinho alguma coisa no celular. Revirei os olhos impaciente e incomodada, até vê-lo sorrir ao me observar.

– Não se faça de burro e conta logo – Falei e ele começou a rir.

– Mas do que você está falando? – O cínico ainda teve a coragem de ser um fingido, então preferi não perder a cabeça por imaginá-lo com qualquer garota, não que isso me incomodasse, apenas não gostava do tipo de menina que ele saía, não que fosse da minha conta, mas...ah! Você deve ter entendido o que eu quis dizer.

– Olha só como você já está começando a me conhecer melhor tampinha, eu estava com uma garota sim – Como eu já esperava, não gostei nada de ouvir a verdade, porque meu senhor! Com quantas garotas ele já transou?

A moça de uniforme vermelho brilhante como rubi (Alguém deveria avisar o dono que era uma sorveteria e que ainda não havia anoitecido) trouxe os nossos pedidos com dois botões da blusa já apertada, fazendo os seios generosos saltarem quase no rosto de Harry, não que ele tenha reclamado, aliás o sorriso sem vergonha já dançava nos lábios dele.

– Assim, você não consegue parar um pouco com isso de flertar? – Perguntei um pouco mais tranquila quando a oferecidinha já tinha se afastado.

– Não tenho culpa se eu tenho alguma coisa atrativa.

– Mas tem culpa de ser tão fácil – Mal acabei de fechar a boca e Harry já me olhava com aquela expressão séria e é óbvio que eu ri.

– Isso não tem graça.

– Tem sim! – Ri só mais um pouquinho aqui, um pouquinho ali, até vê-lo fazer aquela cara de ‘’Eu sei o que você fez no verão passado’’. Droga! Ele vai falar besteira.

– Hannie, por que você é virgem?

Eu não disse?

– Que eu saiba, isso não lhe interessa.

– Ah, qual é? Conta logo! Afinal, já fez umas preliminares antes?

– O quê? Harry, para! – No mesmo instante, meu celular tocou e suspirei aliviada.

Salva pelo gongo!

Rapidamente tirei o aparelho da mochila e vi que a ligação era de Liam.

– Alô?

– Hannie? Hannie! Nem sabe a droga que aconteceu!

– O que houve?

– Quem é? – Harry perguntou e eu acenei para que ele se calasse.

– Eu convidei a Norah para ir ao cinema hoje, do jeito que havíamos combinado, mas ela acabou de ligar e disse que já falou com os caras e o Luke – No mesmo instante senti o celular vibrar e imaginei que fosse Norah avisando sobre o cinema.

– Hoje é dia de filme! – Harry falou empolgado, enquanto lia supostamente a mensagem.

– Merda! E agora Hannie? Ninguém vai nos deixar a sós, além de que o porra do Luke vai está lá – Liam disse realmente desesperado.

– Essa Norah é uma anta! Que droga! E ele não pode ir, de jeito nenhum!

– Hannie, ele vai de qualquer jeito, não podemos impedir... – Enquanto Liam falava, o meu lado otimista e maquiavélico gritou alto no segundo seguinte e um plano foi se formando em minha mente engenhosa.

– Ele não vai! – Praticamente gritei, assustando até o Harry que quase caiu da cadeira soltando um mar de palavrões.

– O quê? – Liam perguntou confuso.

– O... – Olhei de relance para o Styles e ele observava algo no celular, então vi que era seguro falar, mas preferi não dizer o nome em voz alta – Aquele cara que nós não queremos que vá, ele não vai porque tive uma ideia maravilhosa.

– O quê? Como? Ficou maluca? Que ideia é essa?

– Depois explico, mas diga, sabe onde ele mora?

– Sei, não fica muito longe da minha casa, por quê?

– Já disse que explico depois, agora preciso desligar. Tchau.

– Não...

E assim encerrei a chamada.

– O que está acontecendo? – Harry perguntou olhando-me desconfiado e eu suspirei.

– Segredo.

– Não quer me contar? – Insistiu.

– Não.

– Você me fez contar sobre a garota que peguei no banheiro, isso não é justo. 

– Ai seu... – Um nó estranho se formou na minha barriga e um pequeno aperto passou pelo meu peito – Argh! Eu não sabia desse detalhe, não precisava saber! E eu não vou contar e pronto!

– Mas vai me contar por que ainda é virgem – Novamente ele tocou no assunto e eu o observei um pouco assustada quando aquelas sensações estranhas passaram de repente.

– Harry...

– Conta, eu não vou te zoar, prometo! – Ele disse ao levantar o seu dedo do meio e eu quase dei um soco em seu rosto.

– Seu filho da...

– Ei! Não é nada disso que está pensando. Quando faço promessas com pessoas que eu gosto, faço com o dedo do meio, o mindinho eu só uso com a Gennie, minha irmã – Não tive como não rir do que ouvi, apesar de estranho, era uma coisa muito fofa vindo de sua parte, além de insinuar que eu era uma das pessoas que ele gostava. 

– Tudo bem – Concordei e levantei meu dedo do meio e logo entrelaçamos os mesmos – Styles, isso é meio obsceno.

– Obsceno seria se eu fizesse isso – Ele falou e rapidamente tocou com o mesmo dedo a palma da minha mão e eu fiquei completamente assustada e envergonhada, pois sabia o que aquilo significava. Dei um beliscão em sua mão e pude ouvi-lo grunhir um pouco com dor.

– Seu, seu tarado!

– Ei! Fala baixo, relaxa! – Ele pediu, enquanto acariciava o local que eu havia beliscado – Pense pelo lado positivo, basta você aceitar o meu convite.

– Não seja idiota! Não vou perder minha virgindade contigo – Disse extremamente nervosa.

– Mas bem que poderia, agora sou confiável – Harry respondeu sorrindo, logo, piscando de um jeito travesso em minha direção e eu arfei. Sim! Arfei com sua piscadinha mais do que provocante.

– Você é um descarado, sabia?

– Por isso você gosta de mim – Ele sorriu ao falar e eu revirei os olhos, mas na minha cabeça eu concordava plenamente com ele – Sabe Stevens, eu queria te perguntar uma coisa.

– Diga.

– Você que compra as suas roupas?

– Han? Por que quer saber?

– Apenas responda.

– Bem...eu dificulmente compro roupas novas, minhas primas sempre mandam roupas que não usam mais para a minha mãe, então elas se tornam minhas.

– Você usa roupa usada, é isso?

– Bom, sim, algum problema? – Seus olhos permaneceram avaliadores sob meu rosto, não sei se para certificar se eu estava ou não mentindo, o que achei estranho.

– Não, nenhum – Ao escutá-lo, olhei de relance para meu celular ao ver a tela acender e vi a ligação da minha mãe.

– Droga! Esqueci de avisar meus pais que estava aqui, tenho que ir.

– Eu te acompanho – Harry se solidarizou.

– Quer encontarar o meu pai novamente?

– É, acho que é melhor você ir sozinha mesmo – Ri da sua covardia e logo levantei. Peguei a minha mochila e coloquei nas costas.

– Você que vai pagar – Disse antes que ele se safasse.

– Eu?

– É, você que convidou.

– Mulher, você só quer o meu dinheiro, não é?

– Nossa, com certeza! – Ironizei – Mas falando sério, eu tenho que ir mesmo.

– Tudo bem, mas cadê o meu beijo?

– Como? – Perguntei assustada sentindo minha boca ficar seca de repente. Ele riu e tocou na sua bochecha – Aqui – Suspirei aliviada e decepcionada ao mesmo tempo, logo, direcionando meus lábios até sua bochecha, a qual senti suas cozinhas aprofundarem contra a minha boca já que ele sorria e de repente meus atos criaram vida própria, meus lábios escorregaram um pouco para baixo e tocaram o seu queixo de forma lenta, ergui os olhos ainda sentindo sua pele quente e vi a confusão em seu olhar ao ver o que eu fazia, então rapidamente me afastei, sorrindo sem graça e ele continuou me observando daquela maneira, até resolver me fazer uma pergunta.

– Você vai para o cinema também, não é?

–Sim – Respondi em quase sussurro.

– Tudo bem, vou te esperar lá.

Concordei agitando a cabeça, enquanto acenava e discava o número da minha mãe e saia da sorveteria.

Horas depois...

– Que horas são? – Perguntei a Liam que observava a caminhonete para ter certeza se não tinha nada fora do lugar, já que havia emprestado o carro do seu primo para impressionar Norah.

– Seis e cinqüenta e cinco – Respondeu ao erguer os olhos e avistar mais uma vez a casa ao lado, a casa de Luke.

– O filme começa as sete e meia, então o pessoal deve está quase a caminho.

– Hannie – Liam chamou e eu o observei franzir o cenho – Achei esse seu plano meio louco, e se não funcionar?

– Deixa de ser medroso! Vai dar certo sim é só você distraí-lo e colocar isso aqui na bebida dele – Expliquei ao tirar um potinho da minha bolsa vermelha e o entreguei.

– Em que tipo de máfia você trabalhou? De onde conseguiu isso?

– Relaxa, não interessa de onde veio e sim que ajudará o nosso caro Luke Carter dormir até amanhã – Soltei uma risada maléfica e Liam me olhou assustado.

– Tudo bem, mas ele não vai achar estranho eu aparecer do nada?

– Ele te considera como amigo, lembra? – O fiz recordar e ele xingou alto.

Após mais um minutinho combinando tudo melhor, o fiz sair do carro e ir em direção a casa do Luke.

– Não demora! – Avisei e ele acenou a cabeça confirmando e voltou a caminhar. Ouvi meu celular tocar e logo o tirei da bolsa e uma mensagem de Thomas brilhava na tela, já que havíamos trocado telefone na enfermeira antes de nos despedimos.

Apenas desliguei a luz do visor sem ler o conteúdo e voltei a esperar Liam.

Sete minutos haviam passado e nada do Payne dar notícias, até que ao pegar o celular para lhe ligar, ouvi um barulho de algo se quebrando e fiquei completamente assustada, pois tinha vindo da casa do Luke, entretanto,  decidi ignorar achando que podia ser algo sem importância, até outro barulho, dessa vez mais alto ecoou do mesmo local.

– Liam! – Sussurrei exaltada saindo do carro em seguida e andei a passos largos até a entrada da casa do Carter que por sorte estava destrancada. Abri lentamente a porta e comecei a vasculhar o lugar com muito cuidado, mesmo suando frio. Segundos depois, comecei a ouvir vozes vindas do andar de cima.

Eram Luke e Liam!

Então subi os degraus com mais cuidado ainda, mesmo sentido que eu deveria ir mais rápido e verificar se Liam estava bem, mas seria perigoso de qualquer forma.

Meu coração já estava acelerado e minha respiração ofegante. Se algo acontecesse com Liam eu jamais me perdoaria.

– Cara, o que está fazendo? Me solta!

Era Liam!

– Fica quieto! A voz de Luke soou e eu estremeci ao perceber que estava muito perto.

– Ficou maluco? – Me sobressaltei ao ouvir outra vez o meu amigo e apressei mais três passos até está em frente à uma porta entreaberta e lá pude ver Liam preso em uma cadeira. Seus braços e pés estavam amarrados e eu fiquei completamente apavorada, enquanto Luke andava de um lado para o outro visivelmente nervoso.

– Sabe o que me deixa louco?! – O Carter começou a gritar e eu sentia o meu medo crescer. Ele caminhou até Liam e parou ao seu lado, tocou em seu queixo e virou o seu rosto em direção ao dele – O que me deixa louco é saber que você quer tirar a Norah de mim – Ele passou uma das mãos pela nuca de Liam – O que me deixa louco é saber que o cara por quem sou apaixonado é afim da minha garota!

Um nó se formou em minha garganta naquele instante, meus olhos estavam tão arregalados que eu mal podia piscar naquele instante, até sentir uma lágrima descer sob minha bochecha, levando minhas mãos a boca completamente chocada. Liam estava completamente estático, pois a surpresa e o medo estavam estampados em seus olhos, enquanto seu peito subia e descia freneticamente.

– Vo-você ... – Ele mal conseguiu terminar a sua frase e eu sabia o quanto ele estava horrorizado,  assim como eu.

– Eu sei que você sente o mesmo Liam, eu sei! E agora que você já sabe – Dizia acariciando o rosto do meu amigo e o mesmo permanecia em choque – Podemos ficar juntos– Ele foi aproximando o seu rosto da sua vítima e eu sentia-me mais apavorada ainda, porque sabia o que ele pretendia fazer e eu não poderia deixar que ele concluísse o que planejava.

– Sai de perto de mim seu cretino! Filho da puta! – Liam gritou ao acordar de seu transe – Sai de perto de mim!

– Cala essa boca! – Ele deu um tapa com muita força no rosto de Liam e eu sentia mais lágrimas caírem – Você quer e vai me beijar agora seu merda! – Ele segurou com força o rosto do meu amigo e começou a puxar para si, enquanto o garoto assustado tentava afastá-lo, o que me fez pegar o vaso que estava na mesa que ficava naquele corredor e por sorte estava bem próximo. Entrei naquele quarto e antes de tudo acontecer vi Luke assustado ao perceber a minha presença, o que o fez perder tempo de fazer algo, pois acertei o vaso com força em sua cabeça e o garoto caiu no chão.

– Hannie! – Liam gritou assustado.

– Eu vou te ajudar! – Disse e abaixei tentando desamarrar as cordas de cadarço que prendiam os seus tornozelos. Mal conseguia enxergar pelas lágrimas grossas que se acumulavam em seus olhos. 

–Tenta as mãos! Rápido! –Levantei rapidamente e consegui soltar as suas mãos, e já que os fios de seus tornozelos estavam apertados demais, até que algo tocou o meu pé, enquanto Liam tentava desamarrar o que restava e um puxão me fez cair para frente em cima de Liam. 

– Luke! – Ele gritou assustado e eu olhei apavorada para trás e quem eu mais temia estava segurando a minha perna e meu rosto e começou a ficar completamente molhado pelas lágrimas. 






Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...