História Play of lifes (imagine Jimin) - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, Monsta X
Personagens Baekhyun, BamBam, Chanyeol, Chen, D.O, Hyung Won, I'M, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Joo Heon, Jungkook, Kai, Ki Hyun, Kris Wu, Lay, Lu Han, Mark, Min Hyuk, Personagens Originais, Rap Monster, Sehun, Show Nu, Suga, Suho, Tao, V, Won Ho, Xiumin, Youngjae, Yugyeom
Tags Jimin Bts Imagine
Exibições 311
Palavras 4.713
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Harem, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiii meus amores ^^
Tão bem espero que sim :3
Mais um cap finalmente heiiiii

Boa leitura.

Capítulo 20 - Resgate.


Fanfic / Fanfiction Play of lifes (imagine Jimin) - Capítulo 20 - Resgate.

(S/n) On

Acordei zonza, minha cabeça latejava te tal maneira, me causando um imenso desconforto, olhei para o lado e vi Suho deitado, percebi nessa exato momento que não estava com a roupa que usava ontem, e sim de pijama, o homem a minha frente esta apenas com uma calça moletom, com seu tronco desnudo. Parei um pouco para pensar e NÃO! Eu não posso acreditar que eu fiz isso, o que eu tinha na cabeça? Álcool é claro, droga (S/n) olha o que você fez, coloquei as mãos na minha cabeça e me lembrando da noite, gritei Jimin, e ele nem se importou, Aish... Eu não entendo Suho, bem eu não posso culpa-lo por isso, já que provavelmente a culpa foi minha. Mas dentro da minha cabeça era o Jimin, eu sempre fui fraca para bebidas, ai quando eu tomo só da merda. Haaaa que ódio. Eu me sinto horrível, queria star morta, eu... eu não posso chorar! Seja forte (S/n), quando ia chorar, minha cabeça começou a doer ainda mais, foi quando Suho acordou:

-Bom dia! - Ele se alonga. -(S/n) esta tudo bem? - Ele arregala os olhos ao me ver. -Sua cabeça deve estar doendo, espere um pouco eu já volto. - Ele calça seu chinelo, e sai do quarto. Me joguei na cama, com os olhos fechados, dando pequenos gemidos de dor, não lembrava que a dor da ressaca era tão forte. Não passou nem cinco minutos e ele já havia voltado, em uma mão estava um copo de água, e um remédio. -Aqui tome, vai melhorar sua dor. - Ele estende o comprimido.

-Obrigada. - Agradeço, e engulo de vez o remédio.

-Fiquei deitada mais um pouco, vou preparam um café para nós bem leve, e gostoso. - As vezes Suho parece uma mãe, é bem acolhedor...

Tentei me levantar mas foi em vão, senti uma pontada na minha cabeça, e cai na cama sentindo a macies do travesseiro. Não tinha uma lembrança clara do que aconteceu ontem, apenas trechos e quando eu lembrava sentia como se eu tivesse traido meus sentimentos, traido a pessoa que eu amava. Mesmo Suho não me fazendo mal algum, ainda quero estar com Jimin. Lembrei dos momentos que passei com ele e comecei a chorar, molhando as fronhas.

(S/n) Of

Jimin on

Acordei cedo, afinal hoje era o grande dia, finalmente teria minha doce (S/n) de volta, chamei todos aqueles que iriam participar do resgate, olhei para o relógio e ainda era 08:40am, ou seja a maioria estava como um morto vivo. Passamos o plano mais algumas vezes agora era só esperar a hora certa.

Yoongi e Nam deram uma pesquisada no território e viram que Suho aumentou os seguranças na casa, alem de ter instalado alguns equipamentos dentro e fora da mansão, e por causa disso tivemos que fazer pequenos ajustes em nosso plano. Os meninos estavam trabalhando em achar os pontos cegos da segurança.

Sai da casa, liguei meu carro, indo direto para cidade precisava comprar algumas coisas para hoje a noite. Quando o sol se por iremos atacar e irei recuperar a pessoa que me ensinou o que é amar novamente.

Jimin of

Suho on

(S/n) estava deitada na cama, enquanto eu arrumava a mesa do café, sei muito bem o que Jimin esta tramando, francamente isso será inútil, se eles não tiverem arquitetado um bom plano será um fracasso total.

Subi as escadas já se passou uma hora e meia depois que ela tomou o remédio, abri a porta vagarosamente tendo a visão de (S/n) saindo do banho, ela parecia melhor, ela olhou para a porta me vendo e eu coro um pouco, afinal eu estava meio que espionando ela. Fechei a porta com força, até ouvir "Pode entrar" pude ver ela já vestida, um vestido branco florido com flores de sakura, cobria seu corpo, junto a uma casaquinho vermelho de botões brancos, o colar que ela sempre usava, um par de sapatilhas bem discretas, algumas pulseiras. Ela chegou para perto de mim e falou:

-Ei Suho vamos sair? - A menina pede, queria falar não, mas quando vi seus olhos pidões e aquele beiço fofo não pude negar.

-Claro aonde gostaria de ir? - Pergunto dando um leve sorriso, caminhei até a penteadeira dela, e me apoio na mesma com os cotovelos, ficando de frente para (S/n). -Então não vai me responder?

-Ha! Me desculpe, estava com a cabeça em outro lugar, vamos sair um pouco sabe, não aguento mais ficar nessa casa, me sinto muito presa. - Ela diz um tanto distraída, e depois me olha.

-Ok te espero lá embaixo, antes vou me trocar. - Sai do lugar em que estava, e fui direto para o meu quarto mas antes pude ve-la  assentindo com a cabeça.

Como já tinha tomado banho apenas vesti outra roupa, me despi o mais rápido que pude, e coloquei uma blusa branca, uma bermuda jeans e um colete preto, óculos escuros e pronto.

Ao terminar de descer as escadas peguei a chave do carro e chamei (S/n). Abri a porta para a entrar e depois fomos para a cidade, ela estava muito quieta mais que o normal, ela apenas olhava para os lados com a cabeça baixa.

Estacionei na sombra de uma árvore, bem ao lado da praça. Resolvemos ir andando até o bairro Marais, um lugar lindo foi onde a realeza morou durante dezenas de anos, cheio de mansões que agora são chamadas hoje dia de hotels particuliers, esse lugar é maravilhoso cheio de história, algo magnífico devo dizer:

-O que está achando do lugar? - Indago a jovem, que caminhava serenamente junto a mim.

-É muito lindo, já tinha vindo a Páris porem foi a trabalho. - Ela responde, me olhando. -Não aproveitei praticamente nada.

-Entendo, bem vamos comer tem um lugar ótimo espero que esteja com fome, afinal já é hora do almoço. - Pego em seu pulso de maneira delicada e começo a guiar pelas ruas de Marais. Até que chego ao lugar desejado, o l’As du Falafel, a fila estava gigantesca como de costume, afinal esse lugar tem um dos melhores falafel, de Páris. Mas bem como sou um cliente "vip" tenho meus caprichos, acenei para Rener, que me ve e acena de volta nos chamando, passamos por uma área escondida e assim que entramos pude sentir o cheiro maravilhoso da comida. O ambiente pequeno e aconchegante me deixa confortável. Puxei a cadeira e ela se sentou, e em seguida eu. -Já comeu aqui?

-Não o que esse lugar tem de mais? - Ela levanta uma sobrancelha me encarando.

-Você verá! -Afirmo com clareza. -O de sempre por favor. - Digo em francês .

-Vem sempre aqui Suho? -Ela apoia a cabeça nas mãos.

-Sempre que posso ~risos. -Imito ela, a fazendo cruzar os braços, e eu repito seu movimento.

-Aigo! Para com isso! -Ela faz bico, e eu faço bico. -Você é muito infantil.

-Não sou infantis so... -Antes que pudesse terminar uma mulher loira de olhos escuros aparece com uma folha e caneta em mãos.

-Ai meu Deus, eu não acredito Wang (S/n) é você? Eu sou muito sua fã des da sessão que fez a Victoria Secret's, sério não é possível que seja você. -Parecia ser uma fã, ela estende o papel e a caneta em direção de (S/n). -Pode me dar um autógrafo? Meu nome é Clarice. -A mulher falava tudo em francês, não sabia se (S/n) falava a língua.

-Obrigada, fico feliz em saber que tenho uma fã como você. -É a sabe francês, ela pegou a folha e começou a assinar. -Aqui esta Clarice, tenha um bom dia. -Ela devolve para a loira o papel.

-Muito obrigada, posso tirar uma selfie com você? -Ela mostra o celular.

-Claro. -A loira chegou perto dela, e as duas sorriram, quando Clarice tirou a foto agradeceu e foi embora.

-Isso sempre acontece? -Pergunto para a mulher que sorria.

-Bem isso é comum, fico feliz quando isso ocorre, sabe quando me reconhecem. -Ela pega uma mexa de cabelo e começa enrolar com o dedo.

-Aqui esta seu pedido, faça bom proveito. -O garçom nos serve os dois pratos de sanduíche de falafel, cheio de molho.

-Como se come isso? -Ela aponta para o prato.

-Com as mãos ué, pegue o guardanapo, assim você pode segura-lo sem se sujar então é só comer, mas toma cuidado para não se sujar. - Alerto ela que pega a comida e quando a a primeira mordida se lambusa toda com o molho picante de alho, ela pega o pano e tenta se limpar, ela da outra mordida e arregala os olhos.

-Isso, isso é muito bom! Como eu vivi sem isso. - Seu tom indicava surpresa.

-Eu sei isso é maravilhoso. - Lambo meus dedos, ela da outra mordida e e eu também, ficamos comendo até ela para e pedir para ir ao banheiro.

Ela demorou um pouco mas logo voltou, seus olhos estavam um pouco inchados, provavelmente chorou, terminamos o lanche e fomos para outro lugar, queria dar um jeito de anima-la, mesmo ela tendo ficado "feliz" em certas horas dava para perceber o quão forçada estava sua expressão.

Fomos para rua comercial queria comprar um presente para ela já que estava tão para baixo, fico me perguntando tudo isso foi por causa de ontem a noite, logo eu vou ficar com peso na consciência, comprei um gelato para ela de morango para ela e para mim limão siciliano, tentava puxar assunto com ela quando um ser de cabelos acinzentados vulgo Jimin, sem pensar entrei em uma loja qualquer as presas com (S/n), não podia me dar ao luxo dela ver Jimin:

-O que foi isso de repente? - Ela pergunta não entendo nada.

-Ha! É que eu vi uma coisa que eu queria muito, hummm. - Olho para os lados. -Isso aqui! - Aponto para um estatueta de gatinhos?!

-Não sabia que você gostava disso. - Ela faz uma cara que eu não consegui decifrar.

-Pois é ~risos sem graça. - Vou para perto da estatueta muito fofa por sinal, e checo o preço £ 12.000,00 eu só abri a boca.

-Vai comprar ela? - Ela vem até mim colocando as mãos no bolso do casaco vermelho.

-Acho que sim... - Olho de novo para a estatueta e mordo o lábio.

-Vejo que esta interessado na belíssima estatueta Chats de richesse, foram feitas apenas , sete no mundo inteiro, posso lhe afirmar que é muito raro, foi feito para um antigo Lord que adorava gatos e para suas seis belas filhas, mas antes que pudessem entregar o presente eles foram mortos. Os olhos deles são de safira, a coleira dele é cravejada de diamantes, alem de ser de prata pura. Mas a questão é o senhor tem dinheiro para comprar um objeto de tal valor. - Ele ta tirando com a minha cara ou o que, eu não aou obrigado a isso, poderia sacar uma arma e atirar na sua cabeça agora mesmo, e usar ele como decoração! Nossa ok calma Suho você tem que tomar seus remédios. Mas antes eu vou comprar essa porcaria de estatueta a vista só pra jogar na cara dele.

-Sim meu caro eu tenho o dinheiro, e quero leva-la hoje. - Digo tentando esconder a raiva.

-Ha claro... Como vai pagar posso dividir em até dez vezes. - Ele vai até o caixa e eu o sigo.

-Não se de ao trabalho meu caro, irei compra-la a vista. - Quando terminei a frase o homem engasgou. Peguei minha mochila e tirei de dentro a maleta cheia de dinheiro, (S/n) abriu a boca e balançou a cabeça. -Aqui esta o dinheiro. - Entrego os 15.000, ela faz a papelada e me entrega a gato, queria jogar ela no chão para ver se quebrava, mas achei melhor me controlar, afinal estava com (S/n). Quando peguei o gato olhei para os lados e nem sinal de Jimin, suspirei e voltamos a fazer o trajeto, passamos por ultimo em uma loja de doces, e fomos embora já que não queria ter a chance de trombar com Jimin.

Suho Of

(S/n) on

Depois do passei voltamos para casa e Suho esta a estranho, isso foi algo totalmente repentino por parte dele, por que eu pedi para sair dessa casa? Simples queria esquecer de ontem e achei que essa seria a melhor maneira já que beber mais poderia acabar em outro arrependimento. Enquanto ele assistia tv fui para meu quarto, troquei de roupa e me joguei na cama, passei a mão na minha perna que voltou a doer, pensei que já teria parado depois que fui no banheiro...

*Flash Back *

Cheguei no banheiro e fui direto para o espelho de corpo inteiro, subi um pouco o vestido vendo o curativo na minha coxa esquerda, o tiro com cuidado vendo o corte nela, ele tinha a voltado a sangrar o corte foi mais fundo do que eu imaginava, por sorte trouxe o que era preciso para fazer outro na minha bolsa, eu realmente não acredito que voltei a fazer isso, me cortar... Sei que isso não é bom mas eu me sinto melhor comigo mesma de certa forma. Tirei o mini kit da bolsa e fiz outro curativo parando o sangramento.

*Flash Back *

Eu não sei se fico triste ou com raiva, eu fiz isso novamente quando jurei para mim que pararia, eu estou mesmo um desastre como posso ser tão idiota assim? Aish, agora já foi, chorei mais um pouco, como se a cada lágrima que caia me causava uma doce sensação de conforto, como se eu me perdoasse. Sai da cama indo para o banheiro, no espelho vi meus olhos inchados e vermelhos por conta do incessante choro, fiquei um tempo me olhando tentando me acalmar, resolvi descer para a sala onde não vi Suho,  estranhei mas ele de ter saído a trabalho como sempre, mas a essa hora é bem incomum. Sentei-me no sofá e liguei a tv, e novamente passava aquele programa de fofoca, e como se não bastasse a matéria era sobre mim, bufei e revirei os olhos e comecei a ouvir sobre um suposto caso em que eu estou namorando Suho, esse povo adora mesmo uma fofoca, isso chega a ser engraçado. Cansada de ver tv, tentei ir para fora mas as portas estavam trancadas o que novamente é estranho, subi para o andar da casa onde estava aquele comodo medonho, o mesmo andar em que ficava os quartos, olhei para o relógio na parede 06:40pm, o sol já estava se pondo deixando a coloração do céu meio rosada que se misturava ao laranja e o azul.

(S/n) of

Narrador on

Com o sol se pondo Jimin daria início ao plano de resgate, as vãs estavam em seus postos, sete delas no total que estavam lotadas, como Suho sabia do que iria acontecer, entrou na casa rapidamente e início o seu protocolo de proteção, chamando seus homens, ele abriu a porta do quarto em que (S/n) estava:

-Suho! - A mulher grita assustada, vendo sua cara fechada. - Ele caminhou até ela a passos largos pegou em sua mão e a guiava pelos corredores da mansão. -O que ta acontecendo? - Ela tenta se soltar, mas o homem era mais forte.

-Apenas me siga quero que fique segura. - Foram as ultimas palavras dele, até chegarem em uma porta de metal muito grossa aberta apenas com senha, ele apertou os seis números e eles entraram, no que parecia ser o escritório de Suho.

Jimin comandando seus aliados para o resgate começou a explicar novamente o que deveria ser feito, a proteção externa da casa era composta por mais de vinte homens, um portão de aço de até dez metros de altura, Namjoon como um ótimo hacker, conseguiu invadir por míseros minutos as câmeras da casa novamente, vendo apenas o lugar em que (S/n) estava. J-hope como era um dos melhores atiradores pegou sua sniper, localizou um ponto alto que o dava a vista perfeita assim facilitando seu trabalho, posicionou o dedo e apertou o gatilho, acertando em cheio a cabeça de um dos seguranças, assim que os outros perceberam o inicio do massacre, foram para seus pontos estratégicos, o som das armas era alto e claro, muitos foram atingidos tanto os de Suho, como os de Jimin, Namjoon dentro do comboyo falava com Jimin por um pequeno microfone em seu orelha esquerda juntamente a Yoongi que dava cobertura.

O tiroteio continuava, nenhum dos lados mostrava clemência, matavam sem piedade uns aos outros, J-hope já tinha matado uns sete, quando ele percebeu que haviam o localizado saio do lugar o mais rápido de conseguia, e se escondeu atrás de uma árvore, deixando sua sniper de lado pegou as pistolas para facilitar o trabalho. Yoongi conseguiu abrir os portões dando acesso a seus companheiros a casa, eles entraram aos montes, Jimin pegou um dos homens o derrubando, segurou seu braço e depois chutou sua cabeça o matando de vez, ele recebia cobertura de seus amigos que seguravam uma AK-47 e atiravam em qualquer um que se aproximava, Suho que acompanhava uma massacre pegou seus remédios e os tomou tentando se acalmar,  (S/n) estava com as mãos na cabeça abafando o barulho das armas que rodeavam o local, J-hope já tinha invadido a casa e ajudado a matar os que ainda sobrava, mas um homem que havia se escondido conseguiu agarrar o pescoço do mesmo, jogando suas pistolas para longe, Hoseok chutou a abdômen do homem que o solta e desfere quatro socos em sua cara fazendo J-hope cambalear, o adversário tenta sacar uma arma porém o outro foi mais rápido e passa uma rasteira fazendo o adversário cair, Hobi pisou na mão em que ele segurava a arma com força fazendo o homem largar a mesma, ele pega a pistola e dá um tiro na cabeça do homem acabando com o confronto.

Entrando na mansão mais dezenas de homens surgiram, as câmeras captavam cada movimento dos de mais, Suho pegou (S/n) a colocando em uma sala protegida dentro de seu escritório, a menina gritava para sair mas seus gritos de desespero eram abafados pela enorme porta de aço ela encostou na porta e ali ficou torcendo pelo seu amado já que sabia do que se tratava o tiroteio. Jimin que era protegido por diversos homens subia as escadas já que usar um elevador seria arriscado, tudo ia bem até que Yoongi é acertado no braço, Jimin preocupado ajuda o amigo o colocando apoiado em seus ombros, o levando para um lugar seguro:

-Fique aqui, já pedi ajuda para o Nam ele vai mandar alguém aqui para te socorrer. - Jimin pede, olhando seu parceiro de longa data o abraça e volta a seu trajeto.

Narrador of

Jimin on

Olhei para baixo vendo o mar de sangue que ocupava toda a sala do lugar, eles ainda se enfrentavam freneticamente, subi mais as escadas quando um homem aparece segurando várias facas, as quais ele atira em mim, desvio, mas uma passa raspando no meu rosto fazendo um leve corte, corri até o homem desviando de seus ataques, enquanto ele jogava as facas consegui pegar uma a qual encravei em seu pescoço e o chutei fazendo ele rolar as escadas morto:

-Moon já estou no andar certo. - Digo escorado em uma parede olhando para os lados.

-Ok. - Ouvi o barulho do teclado. - Siga em frente, e vire na direita. - Executo seus comandos mas logo vejo outro guarda, espero ele passar olho para a esquerda e como não vinha ninguém fui até o outro corredor. - Agora na porta central no final do corredor é onde ele esta. - Ao chegar na porta me deparo com um painel de senha, coloquei o ship nele e logo Namjoon o abriu, entrei na sala e vi Suho meu sangue esquentou, e quando vi que (S/n) não estava ali gritei.

-CADE ELA!!! - Ele se virou para mim, já que ele olhava para a janela do escritório apreciando o massacre.

-Ela esta em um lugar seguro de você. - Calmo e sereno ele disse.

-Como assim! - Rangi os dentes e comecei a chegar perto dele.

-Não se faça de desentendido, você sabe o que acontece quando alguém te ama. - Ele me olha furioso, e apóia as mãos na mesa do centro, quando ele falou isso memórias me vieram em mente as quais eu queria esquecer. -Se lembra de Madelaine? - Ao ouvir o nome abaixei a cabeça.

-Cale a boca seu desgraçado não tem direito nenhum de falar dela, já que Charlott  não deve um destino melhor! - Suho bateu a mão fortemente na mesa fazendo um barulho estrondoso.

-Pelo menos ela não morreu te tal forma tão desonrosa, você a trocou pelo dinheiro e quem garante que não fará o mesmo com (S/n)? - Ele pergunta incrédulo, vindo até mim.

-Você não sabe da história Suho, não diga besteira! - Cada vez nos aproximavamos mais.

-Posso não saber dela completa, mas sei o suficiente para dizer isso, Jimin você destrói tudo que ama ou que te ama, (S/n) pode ser como um vidro livre de rachaduras, ela ainda é jovem inocente de mais para perceber o quão ruim você é. - A cada palavra que saia de sua boca minha raiva aumentava, mesmo que seja verdade não quero admitir a única coisa que quero é te-la  novamente em meus braços. Sem paciência na mesma hora sacamos uma arma.

-Achou mesmo que estaria desarmado? - Sorri de lado, e começamo a andar um em volta do outro.

-Claro que não queria ver se era rápido como eu. - Com as armas apontadas um para a cara do outro ele me responde.

-Não tenha duvidas disso. Mas vamos fazer o seguinte. - Pego a arma e a jogo no chão.

-Acha mesmo que eu vou jogar minha arma? Pois bem você tem razão. - Assim como eu ele a solta. -Faremos a moda antiga, isso será interessante, se prepare para perder. - Ele diz e vem em minha direção.

-Perder! Esta falando com a pessoa errada.- Meu tom frio tomou conta sala.

Corremos um em direção ao outro, tanto que ao encontro fomos jogados uma para cada lado, avancei em Suho de tal forma que nos fez cair na mesa a derrubando, ele bateu a cabeça mas logo se pós de pé, veio até mim furioso, seus olhos pareciam ser de fogo desferiu socos em meu rosto e alguns chutes em mim, mas segurei sua perna o fazendo quase cair porem ele deu um impulso forte com a outra conseguindo girar em torno de mim acertando em cheio minha perna, separamos um pouco e voltamos ao confronto, o peguei pela gola da roupa o encostando em uma parede esmurrando seu abdômen,  com a força da perna sobre meu peitoral ele me fez solta-lo, peguei no tapete que ele estava em cima o puxando fazendo ele bater a colona e urrar de dor.

Suho se preparando pegou uma adaga que estava escondida em sua calça, como pensei as armas brancas estavam liberadas, sem ficar para trás retiro as minhas, ele com seu empenho me derrubou no chão e quase acertou uma facada em mim, por sorte rolei para o lado, a adaga dele ficou presa no chão de madeira, me dando o timing perfeito para desferir um chute certeiro em suas costas, ele não caiu e sim levantou jogando a faca que se alojou no meu abdômen gritei de dor e segurei o local. Quando ia pegar o objeto cortante ele apareceu tentando me dar socos que eu defendida com a braço, ele acertou meu calcanhar me desequilibrando, e fazendo eu soltar a adaga passou suas pernas pelo meus pescoço a apertando, com dificuldade finquei uma tesoura que estava jogada no chão, em sua perna ele me soltou tirou a tesoura da perna e me encarou. Ambos ficamos de pé nossa respiração descompassada deixava evidente nosso cansaço. Mas ainda não satisfeito joguei uma cadeira nele, que se escondeu atrás da mesa caída, a cadeira de desfez em vários pedaços, pude perceber que ele estava com dificuldade em se mover, peguei minha arma e a carreguei, cheguei perto dele que segurava em sua perna parando o sangramento, ele também
segurava a arma, seguro em seu pescoço e a aponto para sua cabeça:

-Então é assim que eu vou morrer? Quem diria. - Ele diz com dificuldade e sorri.

-Parece quem sim, foi bom enquanto durou. - Seguro na gatilho, mas antes que eu apertasse ouvi uma voz.

-NÃOOOO! - Era (S/n) que entrou na frente do meu oponente.

-(S/n)! Sai da frente pequena eu tenho que acabar com ele. - Digo surpreso.

-Não por favor Jimin, não mata ele! Ele não merece isso, pode parecer mentira mas ele sempre me tratou bem, nunca me machucou por isso Jimin se você me ama não atira nele! - Ela chorava e berrava pedindo para que eu poupasse Suho.

-Mas (S/n) ele tirou você de mim! Me deixa acabar com ele, você me ama certo? - Tento falar mas foi em vão.

-Jimin claro que eu te amo, mas isso não justificar tirar a vida desse homem! - Ela fazia todo esforço do mundo para me convencer.

-(S/n)……- Suho diz em um sussurro  e sorri, eu ainda apontava a arma para ele, mas aos poucos fui abaixando ela.

-Tudo bem, mas se ele fazer mais alguma coisa eu atiro. - Ela sorriu e veio até mim me abraçando. -Senti sua falta pequena.

-Eu também. - Ela molhava minha roupa, e se sujava de sangue.

-Jimin posso falar com você? - Suho me chama, e vou até ele desconfiado. -Calma eu não vou fazer nada. - Ele tosse e respira fundo. -Cuida bem dela, sempre a proteja, porque se você quebrar o coração dela quem vai te matar sou eu, já que eu não vou poder te-la seja o melhor homem do mundo para ela. - Ele sorri.

-Eu serei... Eu prometo. - Acenti com a cabeça.

-É bom mesmo! - Ele disse e (S/n) apareceu.

-Suho, eu espero que você ache alguém que te ame tanto quanto você amou a mim ou Charlott você é um homem incrível e tenho certeza que um dia achará a pessoa certa. - Ela tinha o tom acolhedor e carinhoso de sempre.

-Obrigada (S/a) espero que esteja certa, me desculpe por tudo isso, eu queria apenas te deixar segura, espero que você e Jimin sejam felizes juntos. - Ele a abraça e ela retribui. -Adeus (S/n)... eu irei me reencontrar com Charlott - Ele disse e fechou os olhos pegou a arma, atirou em sua cabeça... Ela arregalou os olhos.

-Suhooo! Não por que você fez isso? Seu idiota. - Ela começou a chorar, parecia ter desenvolvido um certo apego a ele, ela o chacualhava.

-Calma vem (S/n) vamos sair daqui. - A peguei no colo. Olhei novamente para Suho e descemos as escadas indo para onde os meninos estavam, (S/n) ao ver o mar de sangue ficou aterrorizada, a deixei com os meninos e fiz uma ligação. 

*Ligação *

-Quem fala?

-É o Jimin.

-Ha Jimin o que você quer?

-Quero te contar uma coisa que acabou de acontecer Kai.

-Se é sobre o Suho já sabemos...

-Mas como?

-Enquanto vocês estavam invadindo a casa ele ligou para cada um de nós e disse o que faria.

-Eu lamento...

-... Bem enviaremos algumas pessoas para arrumar a bagunça, e claro faremos um enterro digno para o nosso companheiro.

-Eu não queria.

-Não foi culpa sua Jimin, assim como Charlott ele tinha a doença Suho iria morrer mais cedo ou mais tarde, não havia escapatória... - Ouvi um choro na linha. -Bem eu vou desligar se cuida, depois nos falamos.

*Ligação *

Então foi por isso que ele se matou...
Fui até os meninos vendo eles abraçados a (S/n) ela estava mais alegre, fomos para a casa do meu amigo, onde tomamos banho, ela e os meninos não paravam de falar, como estava tarde, depois de um tempo ela foi dormir, e em seguida eu, deitei na cama e ficamos de conchinha pois amanhã será um dia especial, vamos recompensar nosso tempo um longe do outro.

FIM...


















Do primeiro arco...


Notas Finais


Foi isso sim esse é o fim do primeiro arco dessa história agora iremos para o segundo °=^ o que acharam? Comentem para mim saber.

Bjs e unicórnios e até a próximo cap.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...