História Please Don't Forget That I Love You! - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Bangtan Boys, Bts, Jeon Jungkook, Jikook, Jimin, Jimin!top, Jungkook, Jungkookbottom!, Lemon, Longfic, Park Jimin
Visualizações 28
Palavras 2.205
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiee gente tudo bem???

Vim mais cedo dessa vez por dois motivos:

¤ O cap dessa semana não é muito comprido, eu diria até que é um dos mais curtos que escrevi.

¤ E no fds eu vou estar cheia de coisas para fazer então se eu deixasse para o fds eu seria obrigada a demorar mais.

Aproveitem a leituraa e até as notas finais ♡♡

Capítulo 14 - Chapter Eleven


Fanfic / Fanfiction Please Don't Forget That I Love You! - Capítulo 14 - Chapter Eleven

JUNGKOOK POV 


“Mais um sonho? Ou seria uma memória?” 

Abro meus olhos e logo percebo que estou em meu quarto. 

“Como foi que eu cheguei aqui?” 

Me sento em minha cama e logo pude sentir meu corpo pesado como se eu tivesse apanhado, ao me sentar um pano úmido cai de meu rosto 

“Ah eu gripei! Mas como foi que isso veio parar aqui?” 

- Por favor hyung! Eu estou sozinho na casa dele. 

 - Qual é Yoongi quebra esse galho para mim? 

 “Essa voz é a voz do Park! Ele está aqui? Ou melhor, ele está cuidando de mim?” 

 - Daqui a pouco ele acorda, você sabe o quão difícil para mim é ficar perto dele e não... e não... hyung por favor! 

- Para com isso, ele tem namorado idiota! 

- E-eu não sei... 

- Ele tá doente hyung, eu não vou deixar ele sozinho! E-eu gosto demais dele para isso. 

 - Aah claro que eu sei o número dele, você não sabia que eu sou o melhor amigo do namorado do meu ex? Pelo amor né Yoongi, cada ideia. 

“Quem é o ex dele?” 

Park percebe que estou acordado e logo desliga seu celular vindo em minha direção. 

- Ah você acordou! Você está melhor? – Ele colocou sua destra em meu rosto, acredito eu que era para medir a minha temperatura. 

- Uhum, é-e só uma gripe. – Eu estava constrangido e por isso virei meu rosto. 

- Éeeh me desculpa, eu sei que você não quer mais me ver e agora eu estou na sua casa, é que você estava mal e eu não sabia o que fazer e nem para quem ligar, a primeira coisa que pensei foi em te trazer de volta. 

- N-não se preocupa, eu gosto da... 

“Da sua companhia Park” 

- Eu preparei chá, você quer? Acho que seria bom, ainda mais com a sua gripe. 

- Obrigado Park! 

O alaranjado agora me entregava uma xicara preenchida com chá que pelo cheiro eu julguei ter várias especiarias como limão, hortelã, mel, talvez gengibre também e parece que além da água tem leite. 

- Você é louco de ir em uma farmácia sozinho no seu estado. 

- U-um pouco só. – Forço um sorriso. 

Tomei alguns goles do chá, ambos estávamos quietos e o clima estava.. bem como eu posso dizer... constrangedor? 

Resolvo me levantar para ir em direção à sala e Park me acompanha. Pelo caminho continuo tomando chá e ao chegar na sala sento no sofá o que Park fez em seguida também. 

- E-eu fiz um pouco de comida mais deve ter esfriado, se você ainda quiser é só esquentar. 

- V-você cozinha? 

- Vídeo aula! – Não consigo segurar meu riso com as palavras do garoto. – Para de rir menino é sério! Eu queimo até ramyeon, embora de algum modo hoje saiu certo. 

- Queima ramyeon? Meudeus tem certeza que o que você fez é comestível? – Minha risada sai mais alto. 

- Eeeh... que cê acha mudar de assunto. 

- Ok,ok! – Eu coloquei a mão em minha barriga tentando conter o riso e quando finalmente o me acalmei consegui perguntar algo. – Me diz Park, você é amigo de Kim Taehyung? 

- Fazer o quê, a gente não escolhe as nossas amizades. 

- Então você é? 

“Idiota! Tanta coisa mais importante para perguntar e você começa por Taehyung?” 

Falar de certo modo me incomodava, pois a minha voz saia rouca e as vezes falha, porém eu tinha tantas coisas que eu precisava falar com Park. 

- Sou sim, por quê Jeon? 

- Então você tem o número dele? 

- Infelizmente. 

- Você pode me passar? 

- Você realmente quer o número dele? Cuidado você vai se arrepender depois, principalmente quando ele resolver te acordar de madrugada só porque ele não consegue dormir. – Ele dizia sofrido. 

- Ele faz isso? Mesmo? – Digo rindo pela reação do alaranjado. 

- Sim ele faz, e as vezes consegue fazer pior. 

- Deve ser legal. 

- Você ouviu o que eu disse? 

- Sim. – Eu ria. 

- É você está doente mesmo. Mas Jeon, me diga, você lembra dele? 

- U-um pouco, é que ele veio esses dias aqui e me disse que me passaria, mas ele esqueceu e eu acabei esquecendo também. 

“Não foi bem assim não Jeon! Maaas ele não precisa saber, não é?” 

- Aah entendi, deixa eu ver aqui peraí.. – Ele tirou seu celular da bolso de sua calça e começou a procurar o número de Taehyung em seus contatos, aproveitei para pegar a caderneta que estava na mesinha na frente do sofá e a caneta, já que meu celular estava Deus sabe onde. – O número dele é... 

Fui anotando todos os dígitos que o garoto falava, um pouco antes de anotar o último número me deu um ataque de tosses, eu já não conseguia mais respirar devidos as tosses seguidas, Park no mesmo momento me envolveu nos seus ombros e começou a me dar leves tapas em minhas costas. Quando minhas tosses contínuas finalmente cessaram agradeci Park e ele logo se afastou, eu podia sentir o quanto ele estava desconfortável com a situação. 

- Ah! Você tem que tomar o remédio. – Ele me estendia alguns comprimidos. 

- Não precisa, eu já melhorei. 

- Tem que tomar mesmo assim. Além do mais você mesmo os comprou e tá dizendo isso? 

- Eu não vou tomar não. Para que ter que tomar isso se eu já melhorei? 

- Aaah mais vai tomar sim. 

- Não sou obrigado. 

- Você tá parecendo uma criança mimada! 

- E quem te disse que eu não sou?

Em seguida o alaranjado pega de minhas mãos a xicara que já estava quase vazia e a coloca em cima do mesinha transparente um pouco mais afastado. 

- Aigoo... eu vou te dar duas opções, primeira: você vai ser um bom garoto e tomar esses comprimidos direitinho, segunda: você vai tomar isso a força. Tenha em mente que você irá tomar isso por bem, oou mal. 

- Eu não preciso tomar isso Park! Eu já melhorei, você não está vendo? 

- Então vai ser pela segunda opção? Ok. – Ele se levanta. – Eu vou deixar o comprimido aqui caso você mude de ideia antes que eu volte. – Ao terminar a frase ele coloca o comprimido ao lado do chá e se levanta para sair da sala. 

- Park eu tô bem! – Digo manhoso.

- O que eu vejo é um menino mimado com as olheiras lá em baixo que mal consegue falar e ainda seu nariz tá parecendo uma cachoeira. Além do mais não faz nem cinco minutos desde que você teve um ataque de tosses. – Ele nem me deixa responder e sai da sala. 

“Tchau! O que é que ele pensa que vai fazer?” 

Alguns minutos depois ele volta com um copo de água e um paninho em suas mãos. 

- Por que você pegou água se tem chá? 

- Porque se você inventar de cuspir nem eu nem você iremos nos queimar. 

- O-o que você vai fazer? 

- Nada de mais, apenas dar um jeito de colocar o comprimido na sua boca aí fazer você beber a água, para você não cuspir e nem deixar a água na boca eu irei apertar o seu nariz, e a necessidade de respirar vai fazer você engolir. 

 “Ele não faria isso, faria?” 

- ... 

- E então, vai ser qual das opções?

- ...

 - Ok então... – Ele se levanta pega a água e vem em minha direção, rapidamente pego o comprimido da mesinha coloco na boca e tiro o copo da mão dele, bebendo rapidamente o líquido, o garoto da uma leve risada anasalada com meu ato. 

- Pronto, feliz? 

- Muito!! Doeu? Arrancou pedaço?

- Você ia mesmo fazer aquilo? 

- Não – Ele dizia rindo. – Eu sabia que você ia acabar tomando esse remédio. 

- Como é que você tinha essa certeza? 

- Você é medroso e quando eu disse o que faria... bem 

- Eu não fiquei com medo. 

- Ficou sim. 

- Como você sabe? 

- Eu te conheço! – Ele estava muito próximo. 

- Tenho minhas dúvidas.. 

- Aaah Jeon, você quer que eu prove como eu te conheço muito, mais muito bem? – Ele sussurrava em meu ouvido esquerdo. 

“O que é isso? Essa sensação novamente, onde mesmo eu senti isso?” 

- Sai para lá Park. – O afasto rindo. – Você quer pegar gripe? 

- Não me parece uma má ideia. – Ele volta a se aproximar colocando sua destra levemente em meu queixo o erguendo lentamente e encostando seus lábios delicados aos meus. 

- J-jimin.. – Encostei minhas mãos no rosto do menor entreabrindo meus lábios e tomando controle de movimentos lentos, por um momento Park me corresponde, porém por algum motivo o menor coloca suas mãos em meus ombros me afastando. 

- E-eu não posso. – Eu podia ver algumas lágrimas formar em seu rosto e eu definitivamente odiava ver Park Jimin chorando. – M-me desculpa Jeon! 

- Par... – Fui interrompido entre minha frase. 

- E-eu éeh... tenho que ir... me desculpe Jeon, eu.. eu realmente tenho que ir. – Ele se levantou e foi em direção a saída, eu levantei em seguida indo atrás dele. 

- P-park eu preciso fal... 

- Você está melhor não é? Consegue ficar sozinho? Bem qualquer coisa liga para seu namorado ou alguém. Tchau Jeon se cuida! 

“Ein? Namorado? Como assim namorado?” 

- E-ei Park esp... – Ele saiu de meu apartamento quase que correndo sem ao menos me deixar respondê-lo 

“Espera Park por favor! Eu preciso... eu preciso falar com você.” 

Quando minha porta se fechou primeiramente eu fiquei indignado, depois pra alguns segundos fiquei pensando se devia ir ou não atrás dele.

Abri a porta e estava prestes a descer já que pela minha olhada rápida do local ele já não estava mais lá. Eu juro eu ia descer, porém a insegurança resolveu aparecer. Sim insegurança, afinal se eu pedisse ele iria me responder? Ele realmente me ajudaria? E se ele fosse mesmo meu namorado, depois de tudo o que eu disse ou fiz à ele estaria tudo bem? Não certamente não estaria. 

Eu fico confuso, quando se trata de Park eu nunca sei o que fazer, e quando eu sei não tenho coragem.

“Jeon seu idiota! Por quê você o deixou ir?” 

Volto ao meu apartamento e me jogo no sofá, aquilo tudo tinha me aborrecido. Afinal, por que diabos ele me beijou se tinha em mente me deixar sozinho? O que caralho nesse mundo ele queria provar ao me provocar? 

“Espera, mais quem o beijou foi eu não foi?” 

Beijar Park tinha sido por um momento a melhor coisa que aconteceu comigo desde que acordei, mesmo confuso em relação à tudo e um pouco constrangido até porque eu o beijei, porém pelo menos em relação à esse beijo eu não iria me arrepender, afinal ter os lábios dele juntos ao meus era simplesmente inexplicável. 

Por que tudo em Park tem que ser complicado? Ultimamente ele tem sido protagonista de meus sonhos, eu estou sonhando tanto com Park que já não consigo mais distinguir o que é sonho e o que é memória. 

“Pensando nisso, sobre aquele dia no ginásio foi só um sonho? Não, foi muito realista para ser só um sonho.” 

Vendo por esse lado, se realmente não foi um simples sonho isso quer dizer que eu sentia algo por Park, mesmo sendo ódio ou amor, afinal com esses pequenos flashes de memória eu tenho certeza que eu sentia algo forte por Park embora ainda não consiga deduzir o quê e isso explica o porquê do garoto mexer tanto comigo mesmo não tendo tantas lembranças, até porque um sentimento forte não tem como simplesmente ser apagado não é? 

Sendo assim, se eu odiasse Park eu nem pensaria em namorá-lo e se eu o namorasse eu NUNCA o usaria, até porque eu não fui e nem sou esse tipo de pessoa.

Então isso quer dizer... quer dizer que... não, não pode ser... que motivos minha omma teria? 

Estou decidido, eu vou descobrir tudo por mim mesmo e do meu jeito. 

Me levanto e pego o papel com o número de Kim Taehyung sobre a mesinha transparente e subo até meu quarto à procura de meu celular, após um bom tempo o procurando finalmente o encontro e me deito lá afinal meu corpo ainda estava fraco, desbloqueio o aparelho e salvo o número de Taehyung. 

“Será que ele está acordado?” 

[10:30 p.m] 

Eu: Oie tudo bem? Éh deixa eu perguntar é o número de Kim Taehyung? 

      Aah sou eu Jeon Jungkook

Kim Tae: Kookieeee delíciaaaa, é você mesmo? 

Eu: A não ser que exista um outro Jeon Jungkook no mundo eu devo ser o Kookie dlç 

Kim Tae: Eu não acredito, meudeus vc não sabe o quanto eu estava esperando cê falar cmg. Você viu as fotos? São lindas néeeh.. 

Eu: Na verdade eu não consegui desbloquear meu antigo celular. 

Kim Tae: Então como vc conseguiu meu número? 

 Eu: Segredo, maaas deixa eu perguntar tem espaço para mim aí? 

Kim Tae: Cê tá brincando né??? Lógico que tem, qndo cê vem? Quer que eu te busque na estação? 

Eu: Calma calma 

     Eu tenho que melhorar da gripe aí eu vou Você me encontraria? É que eu não lembro.. 

Kim Tae: Claro que sim, só me diz quando.  


Notas Finais


E então gente o que acharam? Gostaram? Não? Vocês estão gostando da história até aqui???

~ Beijoooos Ullyses


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...