História Please, Don't Leave Me. KaiSoo - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, F(x)
Personagens D.O, Kai, Krystal Jung
Tags Casamento, Drama, Kai, Kaisoo, Krystal, Kyungsoo, Romance
Exibições 123
Palavras 1.109
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Droubble, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - BÔNUS: Memories


"Sua pele quente e macia encostava em mim me transmitindo uma sensação agradável de aconchego. Seus dedos percorriam minha coxa, sua unha curta arranhava levemente a pele do local fazendo os pelos dali se arrepiarem. Meu corpo já sente saudades do seu volume que até minutos atrás estava dentro de mim. Ser preenchido por ele é tão terrivelmente bom, sinto como se pudesse tocar o céu.
Virei-me ficando de frente para ele para que nossos olhares se encontrasse. Seu corpo estava suado, não muito diferente do meu, sua franja se encontrava grudada em sua testa, e ao abrir os seus olhos e me ver meu rosto ali tão próximo do seu instantaneamente um sorriso brotou em seus lábios iluminando todo seu rosto e o que fez sorrir como um bobo.
Não resisti o ver ali tão lindo e tão próximo e então mordisquei seu lábio inferior recebendo como resposta um aprofundar do beijo. Minhas mãos adentraram e puxavam levemente o cabelo macio de sua nuca, passo minhas pernas sobre seu corpo ficando por cima. Nossos membros descobertos se tocaram enquanto eu rebolava em seu colo provocativo.
- Você não cansa não é mesmo? - Sua voz rouca adentra meus ouvidos.
Suas mãos cobriram minhas nádegas as apertando com vontade e desejo fazendo com que um suspiro incontrolável escapasse de meus lábios.
- Não, nunca me cansarei de você.
Deitei completamente meu corpo sobre o dele e voltei ao tomar os seus lábios em um beijo intenso e cheio de desejo, onde nossas línguas dançavam loucamente  em um ritmo que só elas conseguiam entender.
Logo após cessar o beijo repousei minha cabeça sobre seu peito e pude sentir seu coração bater acelerado.
- Você já falou com ela?
Aquela pergunta me acertou em cheio, meu estômago revirou, aquilo acabou com todo o clima, mas, eu sabia que estava demorando para que entrássemos neste assunto.
- Sim, eu falei. - senti que minha voz saiu um pouco falhada.
"Como dizer o que pensei a ele? Ele nunca, jamais irá aceitar"
- E o que ela falou?
Levantei meu tronco e me pus sentado ao seu lado. Olhei para o teto procurando inspirar o ar profundamente enquanto tentava buscar no fundo do meu ser coragem para lhe falar o que pensei.
- Eu não consegui falar que estamos namorando. - Abaixei a cabeça. - Eu tentei entrar no assunto com a minha mãe apenas com suposições e ela quase me expulsou de casa, eu não posso contar para ela.
- Eu já disse que você pode ir para minha casa, minha mãe já sabe de tudo, ela aceitou numa boa. E caso precise você pode morar conosco.

Já fazia mais de um ano que estávamos namorando escondidos, ninguém nunca havia suspeitado de nada mas, de um tempo para cá veio crescendo entre nós dois uma necessidade de sairmos juntos, de mostrarmos ao mundo que somos um casal. No entanto, minha mãe seguia uma linha conservadora muito rígida e não suportava nem que eu tivesse um amigo gay, quanto mais ser realmente gay.
Durante toda a semana eu tentei revelar isto e ela sempre dava um jeito de desconversar, arrumar algo para fazer ou qualquer coisa que fosse para não ter que falar sobre aquilo.
Não sabia mais o que fazer, então resolvi desistir disso por enquanto, ainda mais depois de quase ser expulso de casa.
Eu e JongIn ainda estávamos no último ano do colegial, não tínhamos trabalho ou dinheiro suficiente para sobreviver e não seria certo deixar que a mãe dele nos sustentasse. Então realmente a idéia de revelar e arriscar tudo era quase sensata e infantil enquanto deixar tudo por baixo dos panos parecia ser a coisa mais tacional para o momento.

- JongIn, nós só temos dezessete anos, eu não posso sair de casa. Mesmo que minha mãe me expulse logo depois é capaz dela mandar a polícia ir me buscar, o que vai ser bem pior.
- Eu prometo que não vou deixar nada te acontecer. - Se ajoelhou sobre a cama e pegou minhas mãos entre as suas.
- Vamos deixar para fazer isso quando estivermos nos formando, tivermos um trabalho, o que acha?
- Tudo bem… - Ele suspirou deixando breves selares sobre minhas mãos. - Eu vou esperar pelo seu tempo, já falei isso.

Eu sabia que ele não havia gostado, era tão perceptível em sua feição, mas como sempre ele cedia ao minhas vontades. Então contar o que estava planejando parecia ser algo tão errado e sujo.
- Enquanto isso... - As palavras vão saindo antes mesmo que eu perceba. Minhas mãos soam, sinto que ele pode ouvir o batimento exagerado do meu coração. - Eu pensei...
- O que é?
- Eu... Achei que devíamos ter namoradas.
- O quê? Está louco? - o tom de sua voz subiu uma oitava.
- Por favor, não grite. Só achei que seria melhor não darmos sinais de nossa sexualidade até nós assumirmos de fato.
- Para isso temos que fingir ser algo contrário do que somos? O lance de mantermos em segredo eu entendo, mas, ter namoradas?
- Será por pouco tempo, eu prometo.
- Eu não acredito que está falando isso. - Solta minhas mãos sorrindo em um tom irônico.
- Não se irrite, por favor. - Levo as mãos até seu rosto acariciando suas mãos.

- Não estou irritado, estou realmente surpreso que tenha pensado isso, se chegou a cogitar a idéia  acredito que você já tenha até pensando nas garotas, quem são?
- Não foi algo premeditado ou que eu estivesse planejando então, não tinha parado para realmente pensar nas garotas. - Forcei minha mente para pensar em algum nome.- Sabe, notei que a Krystal gosta de você desde o fundamental.

- A Krystal? Apenas me diga que está brincando.

- Eu gostaria, mas, não estou.

- Você quer que eu namore outra garota… - Ele me encarou pensativo.

- Seria apenas um namoro de fachada, você não vai precisar dormir com ela nem nada disso.

- Ela por acaso vai saber a verdade.

- Acho melhor não, caso vocês cheguem a brigar ela pode acabar estragando tudo.

- E depois diz que não foi nada premeditado.

- E não foi, eu juro.

- Só eu terei namorada? - Ergueu a sobrancelha.

- Não,  eu também arrumarei uma. JongIn… - Voltei a sentar em seu colo, juntando nossas testas. - Eu te amo mais que tudo. Só estou propondo isso porque não quero que nada, nem ninguém interfira no nosso amor. Eu sou seu, apenas seu. Para sempre.

O vi concordar, ainda relutante, com a cabeça, então meus lábios encontraram os seus.


Notas Finais


Como demorei muito resolvi traze um bônus.
Era um capítulo que não estava previsto, mas como eu estava em falta e me perguntaram por quê o Kai estava namorando a Krystal, resolvi esclarecer de como a criaturinha se meteu na história.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...