História Please, Don't Leave Me. KaiSoo - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, F(x)
Personagens D.O, Kai, Krystal Jung
Tags Casamento, Drama, Kai, Kaisoo, Krystal, Kyungsoo, Romance
Exibições 130
Palavras 1.484
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Droubble, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - I Take a Care Of You


- Nossa, sua cara está horrível! - Esta é a primeira coisa que ouço quando abro a bendita porta.
Na minha frente uma garota trajando um vestido preto, saltos finos e um sobretudo marrom com uma sacola em mãos me encara.
- Bem que me disseram que você não estava bem, que bom que vim te trazer algo.
"Lhe disseram? Quem raios foi falar de mim com essa garota? Eu achava que ela nem sequer lembrava de mim, afinal faz tanto tempo que não nos víamos."
- Vai me convidar para entrar ou vai continuar ai me encarando com essa cara de bobo?
Rolo os olhos e resmungo dando espaço para que ela adentre o local. Depois de sua passagem empurro a porta com mais força do que deveria, o objetivo disso é que ela perceba o quanto é bem vinda e o quanto estou gostando de sua visita.
- O que veio realmente fazer aqui? - A encaro enquanto ela senta sobre o sofá olhando todo o ambiente da minha sala.

Seu olhar era perspicaz, era notável que ela estava gravando todos os detalhes para depois comentar com sua irmã. Por que apesar de tudo no fundo eu sei o quanto ela é uma pessoa fútil.
- Também é bom ver você depois de tanto tempo, KyungSoo.
- Vai me responder ou não? - Sento na sua frente e procuro por seu olhar para encará-la.
- Então. - Cruza as pernas e mantém firme o contato visual comigo. - Tínhamos um jantar marcado, o qual você não compareceu, então como achei que estava me evitando resolvi trazer o jantar até você. É aquele ditado, se Maomé não vai até a montanha a montanha vai até Maomé.
"Jantar? Mas o quê?  Não, não pode ser... Que ironia do destino! Não acredito que eles escolheram para ser madrinha do casamento exatamente a minha ex-namorada, que apenas por um acaso desse destino cruel e maldito é também a irmã da noiva."
- Claro... - Sorrio irônico. - Claro que escolheriam você para ser a madrinha, como não havia pensado nisso?
- Exatamente, ponto para você por ter acertado. - Seu tom era tão sarcástico quanto o meu.
- Mas, sinto-lhe informar que já me alimentei, então não precisa se preocupar comigo. Você terá um padrinho lindo, inteligente e principalmente vivo, no dia do casamento. - Ao pronunciar a palavra vivo relembro as palavras que Kai me falou minutos atrás e principalmente sua expressão de desdém, raiva e desgosto misturadas em sua face.
- Acho realmente bom que você esteja lá, não quero ter que ficar sem companhia no altar.
- Você não veio aqui apenas por isso não é mesmo, Jessica? - Tento acabar com esse joguinho de contatos visuais, ironias e sarcasmos.
Desde que terminamos ela sempre fez questão de deixar claro o quanto me detestava e do desejo que tinha de me ver arder no inferno por tê-la feito sofrer.
- Achei que você nunca perceberia. - A mesma rola os olhos enquanto cruza as pernas. - Você não era tão lento assim...
Não a respondi querendo saber onde ela quer chegar com tudo aquilo para assim fazê-la ir embora de uma vez. Então, notando meu silêncio ela continua.
- Bem, eu sei sobre você e o Kai. Por favor,  não tente negar porque eu já sei de tudo. Na verdade eu sempre soube. - Vi um sorriso vitorioso brotar em seus lábios ao perceber minha reação.
Sua voz entra pelos meus ouvidos, mas eu não conseguia me concentrar em suas palavras, sentia como se estivesse apenas sonhando e nada ali fizesse sentido.
- Percebi como sempre me tratava. - Continua enquanto brinca com algumas mechas de seus cabelos, sua voz é pausada e ao mesmo tempo dengosa. - Suas negativas quando eu tentava tornar nosso namoro mais sério. Até que um belo dia…  Eu peguei você e o Kai juntos. - A expressão de nojo em sua cara era bem evidente. - Senti tanta raiva, mas, eu te amava tanto que cheguei a achar que aquilo mudaria e você seria apenas meu. Mas não foi o que aconteceu, então você me deixou.

- Por que nunca contou nada a ninguém?

- Calma, quando você me deixou, com a raiva que eu estava sentindo eu pensei em contar tudo a todos, principalmente para a Krystal... Mas, logo você foi embora e eu acreditei que pelo menos a Krystal e o Kai poderiam ser felizes.
- Então a Krystal ainda não sabe de nada?
- Não e nem irá saber... E eu vim aqui justamente para me certificar disso. Porque se você ousar estragar esse casamento eu juro... - A mesma se levanta apontando o indicador em direção ao meu rosto, sua voz aumenta em duas oitavas. - Juro que você irá se arrepender pelo resto da sua vida. - Sem dizer mais nada ela pisa duro em direção a porta e se vai.
Eu permaneço sentado digerindo suas palavras, isto foi uma ameaça?

Hoje realmente foi o dia, primeiro o Kai, agora a Jessica... Eu sinceramente quero que todos vão direto para o inferno. Não sou obrigado a aguentar isso.
Levanto pegando a sacola que a garota havia deixado ali e ela ganha o mesmo destino que a sacola do JongIn, o lixo. Até onde eu saiba ela pode muito bem ter envenenado isso, e eu que não serei louco de arriscar.
Cansado de tudo, deste dia, desta vida, das pessoas ao meu redor eu visto uma roupa qualquer que vejo pela frente e volto ao mesmo bar de ontem. Beber um pouco nunca faz mal, ainda mais sendo para esquecer algo.
No ambiente tudo estava igual a noite passada, a pequena diferença é que parece estar um pouco mais lotada.
Sento no mesmo banco, peço a mesma coisa ao mesmo garçom, como disse, tudo igual.
- Um bom filho à casa torna, sabia que ainda te veria aqui novamente. - Sinto um hálito quente bater contra meu pescoço fazendo os pêlos dos meus braços arrepiarem. - Apenas me diga que hoje veio sozinho. - Agora pode ver o rosto entra no meu campo de visão, enquanto sua voz manhosa ressoa em meus ouvidos, vejo também o homem sentar ao meu lado.
Aquele rosto me faz lembrar de algo e vagamente alguns lembranças da noite anterior voltaram a minha mente, junto com uma vergonha por tudo aquilo
- Sim, estou sozinho, e me desculpe por ontem. - Sorrio fraco de canto.
- Não precisa se preocupar. Esta é por minha conta. - Ele avisa ao garçom que se aproximava com a bebida. - Tudo aquilo só serviu para que meu interesse aumentasse.
Nossa! Ele é realmente direto, sinto meu rosto esquentar com aquilo. Mas, apesar do desconforto eu não me incomodo, minha vida já está cheia de coisas complicadas, algo assim mais fácil é o que realmente preciso, então, por que não? .
- Obrigado! - Recebo o copo levando da bebida até minha boca.
- Por falar nisso. - Estende a mão na minha direção. - Me chamo Suho.
- KyungSoo. - Coloco minha mão na sua e a aperto.
Sem que eu perceba seu rosto está completamente próximo e seus lábios cobriram os meus. Fico sem reação, completamente surpreso.
- Desculpa. - Balança a cabeça voltando ao seu lugar.
Sem saber o que estava fazendo puxo-o pela sua camisa para próximo de mim novamente.
A única coisa que conseguia pensar era: "Por que não? Porque não relaxar e esquecer ao menos por uns minutos tudo ao meu redor?"
Em meio aos pensamentos não percebi o momento que saímos do bar e fomos parar em um banco traseiro de um carro que, ao meu ver é dele.
Seus beijos são lentos, suas mãos não são invasivas respeitando os limites, o que me leva a crer que ele não é desses caras tarados que só querem saber de sexo. O que até me irrita um pouco, pois eu queria partir logo para o ato em si. Minhas mãos procuram o fecho da sua calça tentando-a abrir de uma vez.
- Descu-pa... - Ele sussurra entre meus lábios apressados conseguindo romper o beijo. - Talvez eu tenha te passado a mensagem errada. - Sua respiração é entrecortada tentando levar o máximo de ar aos pulmões. - Quando eu disse que estava interessado em você não me referia a sexo, eu realmente me interessei em você. - Sua mão acariciou minhas bochechas com delicadeza. - Não sei o que te aconteceu, mas eu posso cuidar de você se quiser. Tá, pode parecer loucura e tudo mais, mas, eu senti algo diferente ao te ver a primeira vez.
"O que raios eu estava pensando? Na verdade o que ele vai pensar de mim agora?"
Não consigo controlar as lágrimas que iam se acumulando em meus olhos e ali mesmo entre seus braços eu deixo elas se derramarem.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...