História Please don't say you love me. - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nino, Plagg, Tikki
Visualizações 316
Palavras 1.211
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem do capítulo.
Boa leitura, amores <3

Capítulo 10 - Capítulo 8 - Desentendimentos.


Marinette.

 

Outra vez Marinette entrou em tropeços dentro da sala de aula, mas para a sua sorte, Bustier não se encontrava. Rapidamente a menina de cabelos negros correu em direção ao seu lugar e se sentou ao lado de Alya.

— Você está melhor? Sabe… ele deixou apagar o vídeo. — Alya disse e Marinette soltou um suspiro. Ela podia ter um pouco de consciência que Adrien e Nino podia facilmente escutá-las.

— Está tudo bem. — Não estava. Seus sentimentos sempre foram direcionados para o garoto de cabelos loiros sentado na carteira da frente. Mas nunca achou que ele fosse capaz de gravá-la naquele momento constrangedor e em algo para brincar com sua melhor amiga. Aquele era um momento delas, e não algo que acabaria se tornando um drama. Poderia ser bobagem, mas seu pensamento dizia que não.  O seu celular tocou, mas não somente o seu, como de todos que estavam presente naquele lugar, antes de Marinette pegar o seu, Alya já estava mexendo no dela junto com os outros. 

— Amiga? — Alya soltou em um sussurro, ela parecia assustada e isso preocupou Marinette que logo tratou de pegar o seu celular. — Promete que não vai pirar? — Questionou. Mas quando seus olhos bateram no conteúdo da mensagem, seu coração saiu pela boca e fez levar a mão até seus lábios. Logo as risadinhas percorreu por toda a sala vindo de seus colegas de classe. Adrien e Nino se viraram para olhá-la e ela sentiu como se tivesse ganhado uma facada nas costas, o que estava sentindo agora, era pior do que qualquer coisa.

— Silêncio. — Bustier chegou na sala e Marinette sentiu sua visão ficar turva. — Desculpe o atraso, eu estava na sala do diretor. Abrem na página 200. — Informou a professora. Mas antes que ela prosseguisse, Marinette saiu correndo para fora da sala de aula. Entre os risos dos colegas, um apenas “Mari” foi escutado sem ela dar muita importância.

 

***


 

Ela se olhava na frente do enorme espelho do banheiro. Tikki estava com as pequenas mãozinhas em seu rosto tentando de alguma maneira enxugar suas lágrimas. Se sentia culpada pela Kwami estar tão preocupada com ela. 

— É só uma brincadeira de mal gosto, Marinette. — A Kwami sorriu para ela de forma doce e se acomodou em seu ombro, como se a abraçasse. — Você vai ficar bem. — Sussurrou. Seu dedo deslizou novamente pela tela do celular e o vídeo passou a rodar. Era de domingo, quando Marinette estava fazendo as brincadeiras para a Alya e a única pessoa que ela havia visto de conhecido era Adrien e também o único a ter feito o vídeo. Ela não podia parar de pensar o quanto ele havia sido um idiota em ter mandado o vídeo para todos.

— Mari, você está ai? — A voz do outro lado despertou sua atenção. Tikki entrou na sua bolsa e ela enxugou as lágrimas. — Eu queria que soubesse que não foi eu quem mandei aquele vídeo. — A voz de Adrien parecia tão angustiado quanto ela se sentia com tudo aquilo. Ela encostou sua testa na porta do banheiro e encostou sua palma da mão na madeira. — E-eu nunca faria algo para te machucar. — Adrien disse do outro lado da porta e outra vez a vontade de chorar parecia tão presente. Tikki a olhou preocupada quando uma lágrima escapou e deslizou pelo seu rosto. — Fale alguma coisa. Eu posso escutar sua respiração. — Ele sussurrou.

— Vai embora, Adrien. — Disse com a voz tremula por conta do choro.

— Eu não vou até você acreditar em mim. — Disse e ela soltou um longo suspiro. 

 

Adrien.

 

Ele não poderia e não iria deixá-la sozinha naquele estado. Quando saiu da sala de aula no encalço de Marinette, ele obrigou que Alya continuasse na sala. Aquele era um assunto dele e ele tinha que resolver. Sabia que Marinette o culpava, mas ele não tinha nada haver com o vídeo enviado para todos. 

— Escute, não foi eu. — Ele disse, com a testa encostada na porta de madeira e com a palma da mão encostada sobre ela. Ele podia escutá-la do outro lado e isso apertava seu coração. Não queria vê-la triste. — Eu posso provar. — Ele sabia que sim. O ângulo do vídeo era totalmente diferente do que ele estava. Ele escutou o barulho do trinco da porta fazendo se afastar rapidamente.  Achava que havia conseguido convencer Marinette em pelo menos provar que ele não havia nada haver com aquilo, mas ao contrário do que veria, Marinette com encarava com certa raiva. Parecia que toda a doçura que a menina tinha, havia dissipado em questão de segundos e sentiu seu corpo ficar gélido. — Escute… — Mas ele mal pode falar algo quando a menina dos cabelos negros saiu em passos apressados para longe dele. Porque tinha que ser sempre daquela forma? As pessoas na qual se importava mais do que com ele mesmo acabava sempre o deixando. Ele puxou o braço da menina e a virou para si, mas Marinette tentou se esquivar ameaçando em dar um tapa nele, entretanto, seu reflexo havia sido mais rápido quando segurou o outro braço dela e ela ofegou baixo. 

— Inocente? — Uniu as sobrancelhas. — Você era o único que estava naquele dia. O único que estava gravando e o único que fez piadinhas sobre. Eu me enganei com você Adrien. — Outra vez seus olhos brilharam mas de tristeza. Se ela soubesse o quanto aquilo estava sendo esmagador para ele.

— Eu já disse, sou inocente. Se você me escutar… por favor, Mari. — As bochechas dela ficaram coradas, mas ele não sabia exatamente por qual motivo. Ela puxou seus braços e lhe deu as costas. — Eu já sei quem fez isso. — Chloé, ele tinha certeza que tinha um dedo nela em toda aquela confusão. Mas Marinette parecia disposta em acreditar que ele era realmente o lobo mau da história quando em passos pesados, ela sumiu do seu campo de visão. 


 

***

 

A dor e a culpa parecia consumi-lo, embora não tivesse sido culpa dele. Quando ele passou pelos corredores assim que ela o deixou para trás, pode escutar algumas piadinhas relacionada a Marinette e logo a frente, ela recebia consolo de Alya e Nino que a carregava para fora da escola. 

— Adri.. — Ele não deixou que ela terminasse de falar algo. A raiva parecia consumi-lo e fechou os punhos para não fazer algo contra a garota.

— Você deveria parar de querer desgraçar a vida das pessoas. — Ela entreabriu os lábios para se defender. Seus olhos estavam dilatados como de um felino preste a dar um bote. — Nunca mais ouse em fazer algo contra a Marinette de novo, Chloé. Eu sei que foi você que fez a porra daquele vídeo. E se você tentar mais alguma coisa, vai se arrepender pelos fios do seu cabelo. — A loura arregalou os olhos assustada e fez um bico. 

— Eu não sei do que está falando, Adrien. — Ela disse e ele revirou os olhos.

— Não se faça de burra, garota. Seu veneno já não me atinge mais. — Suas palavras pareciam tê-la machucada de verdade pois se pôs a chorar. — E suas lágrimas não me convencem mais. Cansei de ser amigo de alguém que apenas propaga o mal. — E só então ele deu as costas percebendo que todos, exceto Marinette, Nino e Alya que se encontravam longe dos terrenos da escola, o encaravam.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...