História Poderes - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Grega
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Mistério, Poderes, Romance
Visualizações 5
Palavras 1.748
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Fantasia, Ficção, Luta, Mistério, Saga
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Capítulo 9 - Cidade Primordial


Fanfic / Fanfiction Poderes - Capítulo 9 - Cidade Primordial

Depois da conversa, na qual eu permaneci calada, diferente da Suellen que resolveu falar por todos nós sobre sua família e o quanto a sua linhagem se aproximava dos absolutos. Deu pra entender que a família dos absolutos era idealizada e admirada por todos, tanto quanto uma família real. Depois das aulas da tarde resolvi voltar rapidamente para o meu quarto horrível, decidida a bolar um plano que me tirasse daquele lugar. Até que fui surpreendida no caminho.

- Onde a senhorita pensa que vai? – O Diego me puxou pelo braço com um belo sorriso.

- Vou ao meu quarto... – Eu disse me lembrando que o Diego não sabia da minha situação – Estudar um pouco.

- Você é Nerd? – Ele perguntou sorrindo. Eu dei de ombros. – Deixa disso, eu e o Leo vamos dar uma volta pela Primordial, tá afim de ir? Você pode chamar sua amiga- Ele disse ainda com o seu belo sorriso, eu não tinha ideia do que seria a “Primordial”, olhei para atrás do ombro do Diego e vi o Leonardo, ele me lançou um sorriso, como se estivesse dizendo que tudo bem.

A Rafa apareceu do meu lado: - Nós vamos! – Ela disse convencida.

- Então precisamos ir agora. – O Leonardo se aproximou nos encaminhando até a saída.

- Conseguiu se livrar dela? – O Diego perguntou.

- Por pouco tempo! – ele disse assim que entrou em seu carro. Eu me sentia mais perdida do que nunca, eu estava dentro de um carro, o carro mais caro que eu já havia entrado na vida, com pessoas que eu havia acabado de conhecer. Olhei pela janela e vi a minha chance de fuga passando pela janela, eu poderia simplesmente abrir a porta e me jogar do carro. Será que iria doer muito? Contei até 5 determinada a abrir a porta e pular. Assim que tirei o cinto de segurança olhei para o retrovisor e me deparei com os olhos azuis do Leonardo, que alternavam a olhada entre a estrada e eu. Coloquei o cinto de volta.

Chegamos em um lugar que parecia uma cidade da Europa, o frio ajudava na aparência. Havia uma estátua de um homem sentado em uma cadeira, parecia um príncipe, me aproximei da placa a frente da estátua

Richard Stay – Fundador da Cidade Primordial.

“Nenhum trabalho é em vão se for feito com dedicação”

- Esse foi um antigo absoluto da primeira divisão – O Leonardo disso próximo de mim, ele parecia ter advinhado a pergunta que eu tinha em mente. – Ele teve a ideia de criar tudo isso. – Ele disse apontado para o redor. A cidade era realmente impressionante, havia muitas lojas, algumas casas, as luzes faziam lembrar Nova York. Tentei guardar aquele lugar na minha memória, as pessoas, o cheiro, as luzes, o frio, a fumaça que saia conforme minha respiração.

- É incrível! – Deixei escapar.

- Vamos à taberna- O Leonardo disse ao Diego, que estava conversando com a Rafa.

- Boa ideia- Ele disse indicando o caminho – Senhoritas! – Ele disse abrindo a porta para nós.

A taberna era um simplória mistura entre bar e restaurante, havia algumas pessoas bebendo e conversando, havia música ao vivo e algumas pessoas dançando. Tudo ali demostrava alegria.

- Você bebe? – O Leonardo perguntou calmamente, de modo que os outros não podiam ouvir.

- Não, nunca bebi antes.- Eu disse e ele me olhou de forma estranha, com aquele olhar que só ele sabe fazer, a mistura de pena e surpresa.

- O que desejam? – a garçonete perguntou.

- quatro refrigerantes- O Leonardo disse.

- Tá de brincadeira? Aqui só você vai dirigir – O Diego disse – Eu quero um copo de cerveja.

- Eu também – A Rafa disse.

- Então... Dois copos de refrigerante e dois de cerveja, por favor.

- ok! – a garçonete disse e se retirou rapidamente.

- nunca havia vindo aqui- a Rafa disse animada.

- Claro, imagino que o seu papai não deixava. – o Diego a esnobou – e você jasmim, vêm muito aqui?

- Não, eu também nunca havia vindo aqui. – Eu disse olhando ao redor.

Conversamos muito sobre coisas aleatórias, o Diego sempre parecia emendar brechas para eu falar mais um pouco, gostei disso. O Leonardo parecia sempre mudar de assunto quando chegavamos a um tema que pudesse revelar minha real identidade por conta do meu pouco conhecimento por tudo referente a primeira divisão.

- Então seus pais trabalham no jornal, com edição, não é mesmo? – O Diego me trouxe novamente para a conversa

- Sim- eu disse secamente dirigindo meu olhar novamente para a porta.

- Assim como os meus! – A Rafa disse. – Muitos pensam que é um trabalho fácil, mas na verdade é difícil. As pessoas criam uma inimizade quando se divulgam coisas sobre suas famílias, são sempre verdades.

- O que disseram sobre o Ricardo Stay não é verdade. – O Leonardo disse – Chegar a conclusão de que ele abandonou a todos, foi a maior falácia do século.

- Se ele não nos abandonou, onde ele está, Leonardo? – A Rafaela perguntou muito segura. Os olhos do Leonardo estavam quase pegando fogo.

- Suas bebidas. – a garçonete disse nos servindo.

- Que aulas temos amanhã? – Perguntei tentando mudar de assunto.

- Talvez tenha acontecido algo a ele. – O Leonardo disse voltando ao assunto e deixando minha pergunta planando no ar.

- O que poderia acontecer com o homem mais poderoso do mundo? – A Rafaela disse logo depois que tomou um gole de sua bebida. – Ele deve estar tirando umas boas férias, por que é óbvio que está vivo, não houve nenhuma manifestação de um sucessor.

- Óbvio, ele não deixou um sucessor. – O Diego disse. – Nem isso ele teve o trabalho de fazer.

- Estão reclamando por que aos 19 anos ele não tinha um filho? – O Leonardo perguntou perplexo – ele era um pouco mais velho que a gente quando o pai morreu, ele recebeu toda essa pressão de governar a primeira divisão, sem ajuda de ninguém.

- Você se identifica com ele? – A Rafa perguntou.

- NÃO! – Ele disse convicto. – Só se coloque no lugar dele por um minuto.

- Pare de falar disso. – O Diego disse para a Rafa. – Ele sempre defenderá sua família.

- Você faz parte da família absoluta? – Perguntei.

- A irmã do Ricardo, é a mãe do Leonardo. – A Rafaela disse me deixando perplexa, entendi o porquê dele ser tão rico. – Quem sabe o poder se manifeste em um dos seus irmãos. – assim que ela disse isso pude ver a mandíbula do Leo se contrair.

O Leonardo não falou mais nada até o fim da noite, eu também não. Basicamente a conversa de pautou somente entre a Rafa e o Diego. Voltamos para a escola, pensei mais umas 5 vezes em fugir durante o caminho, mas não tive coragem em nenhuma das vezes. Acompanhamos a Rafaela até seu quarto, onde ela ficou conversando um pouco mais com o Diego na frente da porta. O Leonardo me escoltou até o meu quartinho horrível.

- Espero que tenha gostado do passeio. – Ele disse tão baixinho que parecia um segredo.

- Gostei tanto quanto você.- eu disse naturalmente.

- Sua amiga fala demais.

- Se isso servir de alguma coisa, eu também não acredito que ele tenha fugido. – Eu decidi dizer antes de entrar no quarto.

- Obrigada. – Ele agradeceu, mas eu sabia o que ele estava pensando, minhas opiniões não serviam pra nada, afinal o que eu sei sobre o assunto?

- Boa noite – Eu disse tentando não olhar para os seus olhos que de alguma forma me hipnotizavam

- Boa noite, Jasmim. – Ele disse e eu entre no quarto.

Nessa noite, procurei todas as coisas que pudessem ser úteis na minha fuga, olhei os presentes que o Leonardo me deu, nenhum deles pareciam ser muito úteis, esperei ficar umas duas horas mais tarde para poder sair do quarto, peguei os livros que o Leo havia me dado, eu os queria pra mim, e se alguém me surpreendesse só bastava dizer que estava procurando um lugar pra ler.

Era duas da madrugada, muito provavelmente ás pessoas deveriam estar em seus quartos. O silêncio era estrondante, abri a porta e saí sorrateiramente, tive que passar por uma sala de estar, havia algumas pessoas mais velhas, elas não se importarem com a minha presença, será que esse pessoal nunca dorme? Segui o corredor que me levava a passagem secreta, ao passar pelo corredor da cozinha ouvi uma voz conhecida.

- Oi, Jasmim. – O Leonardo falou, ele estava apoiado na bancada da cozinha bebendo um copo de água.

- oi, Leonardo, oque você faz aqui? – eu perguntei tentando dissimular a situação.

- Fiquei sem sono, decidi dar uma volta, fiquei com sede e ... -  Ele disse me mostrando o copo de água. – O resto é autoexplicativo. – Ele disse se aproximando de mim. – você quer?

- O quê??? – eu perguntei sem entender.

- o copo de água, Jasmim. – Ele disse mostrando o copo novamente.

- Não – Eu disse séria, olhando pra porta.

- Os livros? – ele disse me indicando os livros que eu carregava

- aaah, eu estava procurando um lugar pra ler. – Eu disse me afastando.

- Conheço um lugar. – Ele disse se aproximando mais.

- Não precisa, eu prefiro descobrir um sozinha. – Eu disse ficando vermelha enquanto ele se aproximava demais. – Obrigada! – Acabei o empurrando sem querer. O copo d’água caiu no chão, quebrando em vários pedaços. – Me desculpa!

- Tudo bem! Eu vou pedir pra alguém vir limpar. – Ele disse limpando a mão.

- Me desculpa mesmo. – Eu disse largando o livro para eu mesma poder limpar.

- Deixa isso ai, vai acabar se machucando. – Ele disse segurando minha mão, olhei em seus olhos, estavam preocupados. Olhei para a bancada e peguei mais um copo, usei toda minha concentração para absorver a água do chão e transporta-la para o outro copo. Depois disso eu peguei uma pá e uma vassoura e limpei tudo. Olhei novamente para o Leonardo e ele estava estático.

- Que foi? – Perguntei.

- E-eu não costumo ver poderes da segunda divisão. – Ele disse com a voz trêmula.

- Não é como se fosse uma bruxaria, sabia? – Eu disse brincando.

- Sei. – Ele disse, seu rosto demonstrava algo como nojo, repulsão e surpresa ao mesmo tempo. – Só não faça isso na frente dos outros. – Ele disse um pouco antes de se retirar.

Não entendi o porquê dele agir assim. Será possível que a competição entre as divisões é tão grande que chegam a ter nojo dos poderes diferentes dos deles?

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...