História Poderia o amor ser uma maldição - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Originals
Exibições 16
Palavras 1.437
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Magia, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Ola gente boa noite , obrigada aos que favoritam , a quem comentou , opinião de vocês e muito importante continue comentando assim saberei que vocês estão gostando da história , e me desculpa a demora em postar , enfim sem muitas delongas boa leitura a vocês .

Capítulo 2 - A visão


A madrugada estava fria e o vento entrava com uma grande força dentro do apartamento Victoria acabará dormindo no sofá e acordou com as batidas da janela ela se levantava meia sonolenta andava devagar e abria os olhos bem devagar uma hora ela se debateu numa mesa de centro pequena sua madeira era velha a mesa devia pertencer a sua bisavó pela quantidade de cupins abaixo da madeira Victoria estendeu sua perna direita ainda para afastar a mesa para seu lugar nesse momento um vento forte entrou na janela e um corvo entrou parando acima do sofá Victoria se aproximou dele fazia um gesto com suas mãos achando que iria fazer o corvo se mexer e sair voado janela a fora mas foi em vão aquele corvo preto com os olhos tão escuros quanto o vazio dentro de um ser vivo sem alma apenas com escuridão dentro dele não se mexia Victoria sentia um arrepio grande se aproximando dele mas nada fez ela dar passos para trás quanto mas ela se aproximava do pássaro mas ela sentia escuridão e trevas ao redor dela , e aquelas vozes voltaram a soprar no ouvido dela , já havia meses que as vozes que ela não conseguia entender ou compreender não parava de sussurar palavras que ela não conseguir entender Victoria só se aproximava mais perto do pássaro e sem perceber seu olhar já estava fixo ao daquele corvo , o pássaro abaixo seus olhos para o chão e Victoria seguiu o olhar dele ao abaixar os olhos a garota levou um grande susto uma eterna e imensa quantidade de sangue estava em volta dela e até mesmo o esmalte vermelho de seus pés junto com sua tatuagem sumia naquela quantidade de sangue as vozes em sua cabeça estava cada vez mais fortes , a garota agora abaixava dobrando seus joelhos sem deixar o sangue que estava ao chão encostar em sua calça seus ouvidos já estavam tão pertos do chão quando Victoria ouviu a porta da frente do apartamento ser aberta , seu pai chegava com uma expressão cansada e ao mesmo tempo preocupada , Will estranhou ver a filha daquele jeito seus ouvidos estavam tão próximos do carpete da sala que agora não existia mas sangue nem vozes que sussuravam no ouvido da garota a única coisa que tinha era folhas rasgadas das anotações de Victoria e muita poeira acumulada .

- Victoria porque está com o ouvido tão próximo ao chão ? – Will dizia enquanto deixava sua jaqueta de couro e seu distintivo de policial em cima da mesa ao lado da sala entre a cozinha.

Victoria nesse momento já se levantava sentado ao chão deixando seus joelhos dobrados na mesma posição que estava a garota olhava para o chão sem entender o que estava acontecendo, ela olhou bem rápido para o sofá e o corvo acabara de sair, a janela não se debatia mais como antes, não havia mas vento a garota ficava cada vez mas confusa , ela acordou dos seus próprios pensamentos e se virou de frente para seu pai que estava com uma fisionomia cansado e preocupado apesar de Victoria ter apenas 17 anos ele sabia que dentro de sua filha havia algo sobrenatural dentro dela , mas Will preferia não tocar no assunto com a filha , por muitos anos ele evitou ter essa conversa com ela , por muitos anos ele escondeu tudo que ele sabia que se passava em Nova Orleans , mas um dia Victoria saberia tudo sobre esse mundo sobrenatural por muitas vezes ele teve muitas conversas complicadas com o bruxo regente de Nova Orleans , Vincent Grifit era um fiel e grande amigo de Will ele alertou o policial muitas vezes que Victoria carregava um poder muito grande dentro dela mas como pai e policial Will se negava acreditar que sua filha poderia ser uma sobrenatural mas ele sabia que Nova Orleans e o grande berço de seres sobrenaturais , bruxas , vampiros , lobisomem , híbridos , fantasmas , hereges , Nova Orleans sempre foi uma cidade onde atraía esses sobrenaturais , Victoria olhava para seu pai e dava um meio sorriso.

- Não foi nada pai foi só um corvo idiota que entrou pela janela –Victoria falava

- Foi outro pesadelo querida? –Will perguntava com a mesma fisionomia de preocupação em seus olhos.  –Victoria o olhava fixamente – não pai está tudo bem , alias porque você suponha que eu possa ter tido um pesadelo pai ? –Victoria o olhava com um olhar de curiosidade , Will estava ficando sem reação mas ele respirava fundo tentando não mostrar nenhuma preocupação para ela , o policial balançou a cabeça como Victoria sabia que ele fazia toda vez que tentava contornar uma situação para controlar e apagar da cabeça de Victoria sua curiosidade –Will falava –Eu só pensei que você possa ter tido um pesadelo pela forma que estava seu rosto a hora que entrei pela porta e olha só o seu cabelo minha filha parece que não escovando há dias –Mas uma vez ele tentava contornar a situação , Will dava um sorriso sem graça fazendo Victoria esquecer do assunto ele sabia que falar do cabelo e sua aparência faria Victoria esquecer qualquer curiosidade ou duvida , a garota pegou uma das almofadas que estava ao seu lado no chão que ela mesmo jogou quando caiu no sono profundo sem perceber e jogou em direção do pai –Muito hilário isso pai , nunca jamais fale do meu cabelo sabe que eu preferia ficar sem meus dedos do que o meu cabelo ele e sagrado para mim –Ela dizia passado os dedos entre os fios negros de seus cabelos lisos , seu pai se levantava agora indo em direção da cozinha Will foi até a geladeira ele estava com fome a comida da delegacia não era exatamente um verdadeiro Buffet , mas com seus pensamentos em volta do que estava passado com sua filha sua única reação foi fechar a geladeira passar as mãos pelos os seus cabelos lisos e negros como de Victoria e dizer a filha que sairia por uma emergência ele deu uma desculpa qualquer e saiu do apartamento deixando Victoria sozinha no apartamento apesar de ter apenas 17 anos Victoria e uma adolescente muito madura para uma garota da sua idade ele saberia que ela ficaria a salvo mesmo com o seu pai saindo de madrugada , Will descia as escadas do elevador com uma certa pressa em seus passos ele passou pela recepção do prédio o porteiro lhe desejou uma boa noite mas com todos os problemas da cidade e sua preocupação com sua filha ele não escutou o que porteiro disse , ele só saiu indo em direção da garagem com suas chaves já em suas mãos ele abria rapidamente o carro onde ele o ligava e saia com bastante pressa mas para o detetive a lei sempre estaria ao seu lado mesmo com excessos de velocidade ele precisava de ajuda para saber o que estava acontecendo com Victoria , e para problemas sobrenaturais ele só poderia confiar numa pessoa seu grande amigo regente das bruxas Vincent Griffith  , Will passava com uma velocidade igual de uma bala disparada em poucos segundo ele avistou o cemitério de Nova Orleans estacionou seu carro bem rápido próximo ao cemitério bem abaixo de uma velha arvore e se dirigiu rápido até o cemitério , Will andava com uma pressa bastante rápida até mesmo para esclarecer apenas algumas dúvidas , ao se aproximar de algumas colunas bastante antigas e uma pequena igreja no final do cemitério ali ele sabia que era o santuário onde Vincent estaria Will foi entrando sentido cheiro de incenso por todo o lugar e um santuário a sua frente coberto por uma toalha com alguns desenhos em gravuras que ele não poderia entender e a sua frente estava Vincent ajoelhado a frente do santuário  segurando uma vela com seus olhos abertos ao sentir a presença do amigo Vincent se levantou virando para Will. –eu sabia que esse dia chegaria meu velho amigo –dizia o bruxo segurando uma velha branca passado seus dedos sobre a chama sem se queimar.

-Vin preciso de sua ajuda –dizia o policial

-Victoria?  –o bruxo perguntava se aproximando do policial.

-Sim eu preciso de respostas que nenhuma pessoa que entenda melhor do mundo sobrenatural que seja  você meu amigo  – dizia Will com a mesma expressão do apartamento preocupado.

-Então acho melhor preparamos um chá porque o que vamos conversar vai levar algumas horas meu amigo –dizia Vincent caminhado ate a lateral daquele santuário e o Will o acompanhado.

 

 

 

 


Notas Finais


É isso por hoje gente comentem e expressem sua opinião até a próxima .


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...