História Poderosa (HIATUS) - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Bordel, Cartel, Fanficsnaruhina, Fanficsnarutoshippers, Fnh, Fns, Gaalee, Jiratsu, Máfia, Naruhina, Naruhina4ever
Visualizações 215
Palavras 3.033
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ecchi, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olaaaaa, eu voltei! Boa leitura!

Capítulo 18 - Surpresa


Naruto

O-o-o que aconteceu aqui? Aquela desgraçada atirou em todo mundo e pegou o meu filho? Merda, merda! Pra piorar, a Hinata desmaiou no meu colo, toda suja de sangue, fraca…

— Boruto… - até desacordada e com dor ela pensa nele. Eu ouço muito barulho lá fora, infelizmente não deu tempo de eu correr até eles e tomar meu menino de volta, mas eles vão me pagar, eles vão me pagar muito caro. Meu pai acordou, por sorte ele e a mamãe estão bem, mas já levaram a Chiclete e a Hinata pra sala de cirurgia. - Boruto… - ELA TOCOU NO MEU FILHO! Mas isso não vai ficar assim! Eu peguei o fuzil da Hinata, na falta dela, eu mando nessa porra desse cartel. Eu tô completamente sem chão, mas se tem uma coisa que eu sei é que eu quero vingança. Chegou aqui um policial, aquele que a Ino falou que é padrinho do Boruto, ele vai me ajudar.

— Delegado Kiba, senhor Uzumaki, eu…

— Não me interessa o que você veio fazer aqui, o que me interessa é o que aconteceu aqui! - eu odeio policiais corruptos e essas caras de ofendidos quando não são tratados como deuses.

— Tá afim de ser preso por desacato, cara? Quem você acha que é?

— O pai do seu afilhado e aqueles dois baldes de merda com pernas pegaram o meu filho e tiraram ele da Poderosa! - ele engoliu em seco assim que eu mostrei o fuzil.

— É o fuzil que o Inseto… Como assim levaram o Boruto? - levando, porra, não me faz pergunta besta.

— A Adotada e o Lua entraram aqui, atiraram em meio corpo médico, acertaram a Chiclete e a Poderosa e levaram o meu filho, eu pago um milhão pra ter a cabeça dos dois na minha mesa! - ele pensa muito devagar, mas rapidinho foi embora falando no telefone.

— Inseto, não tem tempo, levaram o Boruto, vamos trazer o menino de volta! - é assim que eu gosto, todo mundo indo atrás do menino, mas eu tô aqui com o coração na mão. Por sorte a bala não acertou nenhum lugar vital, mas eu não quero deixar a Hinata aqui nesse quarto sozinha, assim como não queria deixar o Boruto sozinho com aquela louca, o que será que ela não tá fazendo com o meu filho? Tem uma hora e meia que eu não sei nada do meu menino e eu tô sentindo que eu vou ficar louco! Foram quase 4 anos esperando pra ver o meu filho, eu não admito que ela me tire o Boruto. Meu telefone tocou, número restrito, te dou um doce se acertar quem me ligou.

— Shion, sua…

— Papa! - B-b-boruto… Ele tá assustado, tá chorando, eu posso sentir, merda, eu quero ele de volta! - Papa, me tira daqui, essa mulher é feia é chata, eu quero você e a mama!

— O papai já vai te tirar daí, Boruto, passa pra moça! - ele é esperto, já passou o telefone e tá na hora de eu botar essa desgraçada no lugar dela. - Sua achada no lixo, tira as suas patas do meu filho!

— Ele não é seu filho, ele é um rato, filho daquela mulher que separou a gente… - ela é completamente maluca!

— Separar? Shion, você é maluca, eu nunca tive nada com você! - ela começou o show.

— Teve sim, você me salvou porque a gente nasceu pra ficar junto e ela estragou isso! - vai tomar no cu, eu não acredito que eu to falando com uma doida pelo telefone enquanto ela tem meu filho como refém e a minha mulher tá numa cama de hospital.

— M-me dá o telefone! - Hinata? Quando ela acordou? - Me dá essa merda, eu quero ouvir a voz do… - ela gemeu de dor e eu não tive nem escolha, pus o telefone no viva voz. - Eu vou te matar, sua piranha! - a Shion riu.

— Cuidado com o que fala, lembre que eu estou com o seu verme! - verme o caralho!

— Verme é o que vai ter na tua boca quando eu te acertar com o meu fuzil, eu não quero ver um arranhão no meu neném! - a Shion mexeu com a pessoa errada, com o filho do casal errado. - Se tu encostar no meu…

— Aí, aí, meu braço, para de apertar meu braço! - Boruto!

— Você não está em posição de mandar em mim, Poderosa! - filha da mãe!

— Solta ele agora! - até eu me assustaria com meu tom de voz, chegamos a ouvir ela engolindo seco.

— Papa, me tira daqui! - eu vou tirar!

— E-eu… Vocês ainda vão receber notícias minhas! - ela já vai desligar?

— Antes, eu recebo a sua cabeça em uma bandeja de prata! - assim que ouviu a ameaça da Hinata, a Shion desligou e então a “Poderosa” se desfez em fraqueza, impotência e lágrimas nos meus braços. - E-ela pegou o meu neném, o que que eu vou fazer se ela matar o meu menino, Naruto? - cheguei a me arrepiar de medo pensando no nosso filho morto, mas isso não vai acontecer, não, eu vou resgatar o Boruto.

— Fica calma, tá bom? Vai dar tudo certo! - nem eu tô calmo, ela vai estar? Calma como uma bomba, ela apertou meu rosto com os dedos.

— Eu não pari, não cuidei e não amei meu neném pra lazarenta da tua irmã me tirar ele, Naruto, eu quero ele inteiro no meu colo agora… - a força já sumiu de novo e ela voltou a chorar como criança. - O-o-o Boruto nunca ficou tanto tempo longe de mim, eu quero o meu filho! - eu também quero, mas antes a gente tem que pensar bem no que fazer. - Eu tenho que ir atrás…

— Você tem que descansar! - antes que ela tentasse levantar, eu deitei ela de novo, acalmando com o olhar.

— Mas o bordel, eu tenho que mandar todo mundo…

— Eu vou fazer isso, Hinata, agora você tem que se recuperar! - eu não queria deixar ela sozinha, mas eu tenho que ir pro bordel dela mesmo, lá deve ter alguém que me ajude. Fui no quarto da Chiclete, ela ainda tá dormindo porque a bala pegou em lugar difícil, a anestesia foi mais forte, meu pai, com quem eu tive uma longa conversa no mês passado, certamente pegou os homens que a minha mãe, que fingiu esse tempo todo estar doente, comanda e foi atrás do meu filho, assim como esses tais de Inseto e Cachorro, que tão aqui na porta do hospital.

— Já fomos em tudo quanto é esconderijo do Lua, o Boruto não tá lá! - eu não sei se esses caras são de confiança, mas eles estão ajudando a procurar o meu filho, então, por hora, são amigos.

— Eles estão no bordel! - eles me olharam como se eu fosse um louco.

— Por que eles estariam no bordel sabendo que a Poderosa invadiria lá? Fica muito óbvio…

— E é por isso que eles estão lá, porque eles estão contando que nós não vamos escolher o óbvio. - entenderam minha lógica? Pois é, a Shion tem uma forma tão simples de se pensar que parece complicado, mas não. Eu não vou ser louco de ir sozinho até um bordel cheio de homens armados e tentar tirar meu filho de lá, fora que eu tenho que falar com algumas pessoas. - Como assim o Tarado não está?

— Ele foi com a dona Mestra pegar a menina na escola! - droga! Ele ia poder me ajudar também, se bem que é capaz de estarem atrás delas, foi bom ele ir. Já que é assim, eu tenho que ir pro bordel da Hinata, tenho que ver quem me ajuda lá. Quando eu cheguei, tinha um grupo sentado perto do trono enquanto algumas mulheres ensaiavam, a Ino ficou muito assustada quando me viu, mas ficou na dela, o que é ótimo, não tenho tempo a perder.

— Ei, quem você é? - perguntou um cara ruivo que tá com um travesti no colo, deve ser o tal de Texugo que o Inseto tinha dito que tava aqui.

— Meu nome é Desenhista, mas, se quiser, pode me chamar de Poderoso!

×Naruto×

Autora

Na casa de Jiraya, o homem chegava acompanhado de Tsunade e Shizune, que agora admirava a residência, tendo fascínio em seus olhos.

— Essa é a sua casa, papai? - perguntou encantada olhando para todos os lados do lugar, enquanto seus pais se olhavam sorridentes.

— Essa é a nossa casa, minha menina! - disse acariciando o rosto da agora esposa, que lhe sorria boba, ainda encantada por seu sonho de ser retirada da vida de prostituta enfim estar se concretizando. - Essa é a casa da nossa família! - as íris em tom de mel tremeram emocionadas de ouvir aquilo, finalmente eram uma família, por isso o abraçou.

— Eu quero abraço também! - a morena correu para os braços dos dois que a abraçaram felizes e contentes como se fossem novamente jovens, como se fosse o primeiro dia que haviam se visto, naquela mesa de bar. Shizune os olhava encantada, mas também estava curiosa quanto a sua nova residência, por isso puxou a mãe pelo braço. - Vem, mamãe, vem! Eu quero conhecer tudo! - dizia animada novamente subindo as escadas, enquanto Tsunade ria.

— Não deixa ela mexer nos meus livros! - aconselhou risonho antes das duas sumirem de suas vistas, logo mirando os empregados. - Alguém me procurou?

— O seu afilhado, senhor Jiraya, esteve aqui nervoso, dizendo coisas sobre a irmã adotiva dele e um tal Lua… - engoliu em seco. Talvez ele quisesse lhe avisar de algo, por isso pensou em ligar, mas ele não o atendia, talvez estivesse ocupado. Protetor, tateou a arma com a qual andava, sentia o perigo e precisava estar pronto pra ele.

— Obrigado, Iruka, agora me faça um favor. Dê ordem à segurança pra não deixar minha esposa e nem minha filha saírem sozinhas e atirarem em qualquer estranho que ousar respirar perto delas.

×Autora×

Algo que eu nunca pensei em ver na vida era Kiba e Shino me fazendo companhia em um quarto de hospital, assim como nunca pensei que ia tá chorando na frente deles por causa do meu neném.

— Calma, Poderosa, a gente vai achar o seu neném! - eu quero meu filho de volta, essa sutura aqui não dói nada perto da dor de ter meu neném longe de mim.

— Eu tô com um ódio daquela mulher, porque eu não dei um tiro na cara dela? - tinha resolvido muita coisa. Ela desgraçou a minha vida toda, ela tirou o Naruto do país, ela tirou o pai do meu neném e agora tirou o meu neném, ela… - Ela tirou um pedaço de mim! - o Kiba me entende!

— Eu não quero nem pensar em como seria se fosse meu Akira nessa! - tá vendo?

— Eu preciso sair daqui pra ir atrás dele, o Naruto não é um bandido, é um desenhista, ele não sabe o que fazer… - eu dei um grito baixo de dor e o Shino me deu o remédio que tava em cima da cômoda. - Obrigada!

— Você ouviu isso, Cachorro? A Poderosa sabe agradecer… - babaca, isso é hora de piada. - Mas explica uma coisa, tu num odiava o pai do menino? Ele não tinha te largado de barriga e ido pra fora? - era o que eu pensava, né? Expliquei tudo pra eles e eles riram, não de mim, mas do babaca do Toneri.

— Você tá me dizendo que o Lua é pau mandado de uma louca passional? - essa é a parte engraçada, ele sempre falou que mulheres não deviam se envolver nesse tipo de negócio e, no fim, quem controla os negócios dele é uma mulher totalmente desequilibrada, mas foda-se o desequilíbrio emocional da Shion, o que eu não quero é que ela continue com o meu filho.

— É, e essa louca passional tá com o meu filho! - eu preciso sair daqui, eu não vou ficar mais dois dias de repouso nem fodendo. - Inseto, Cachorro, vocês têm que me ajudar a fugir daqui! - dito e feito! Quando deu 22:00, aquele bando de homens chegou, vindo resgatar a mim e à Sakura.

— No chão, no chão, ninguém se mexe! - ele estourou minha algema na bala, quase me acertou. - Desculpa, Poderosa! - tá, só deixo passar porque tô com pressa. - Você tem certeza que aguenta, Chiclete? - ela levantou, não levantou?

— Eu já falhei com a Poderosa uma vez, não posso falhar de novo! - até porque eu não pago a ela para ter falhas. O Kiba ficou o tempo todo se fazendo de rendido enquanto o Shino fez o trabalho sujo, quem é o médico que vai dizer que eu não posso sair?

— H-Hinata? - o Minato até tentou, mas ficou caladinho quando eu apontei a pistola pra ele. Apontar é um nome bonitinho, o que eu fiz foi colar o cano da arma na testa dele.

— Eu vou pegar o meu filho de volta, não tente me impedir! - foda-se que a sutura tá doendo, não ter o meu neném dói mais! Tomei uns remédios pra dor, pronto, o corpo já tá novinho em folha. Seguimos em bando pro meu bordel, preciso das minhas armas e preciso ver o Naruto, espero que ele não tenha surtado com as garotas…

— Era você, sua vagabunda? - eu tô vendo ele com o meu chicote? Segurando o rosto da Fuu, uma garota que tinha vindo… Do bordel do Lua! ELA TAVA INFILTRADA AQUI? A sorte dela foi que o Naruto jogou ela pros leões antes que eu arrancasse os olhos dela com as minhas mãos.

— Calma, Poderosa! - calma?

— CALMA? É O MEU FILHO, CHICLETE, ELE É TUDO O QUE EU TENHO! - só então o Naruto percebeu que eu estava aqui, mas eu não dei tempo dele me perguntar nada. - Eu vou atrás do nosso filho e você não tente me impedir. - tente e vai parar nos leões. O que esse monte de quenga tá me olhando? - PRO QUARTO, QUENGARAL! - elas correram e eu não vi mais nada, só joguei uma água no corpo, comi qualquer coisa que me mantenha em pé, recarreguei as armas… Cadê o Naruto?

— Lindinha! - o que eu tô vendo? Ele me apareceu vestido de palhaço, com uma pintura bem macabra no rosto, assusta qualquer um que não seja eu, que, apesar de toda a tensão, me acabei de rir.

— Naruto, nós vamos a um bordel e não a um circo! - tá, a risada dele me assustou agora, com ele pegando um dos fuzis, mirando na parede e então atirando, sem dó, só pra testar, me olhando bem sério depois.

— Eu sou o pior pesadelo da Shion! - hum… Então quer dizer que ela tem medo de palhaços? Se bem que o Naruto tá bem assustador e qualquer um teria medo. Num momento fofo em meio a esse caos, ele pegou o lápis de olho e pintou meu rosto, fazendo riscos em torno dos olhos e uma lágrima pequena, tô me sentindo esses palhaços de lenda de Carnaval, por isso eu ri pra ele, que ainda me pôs um nariz vermelho, mas vamos deixar isso de lado, eu vou botar aquele bordel abaixo! Fomos em bando, uma verdadeira carreata de homens armados, liderados pela minha pessoa, é claro, e então chegamos ao casarão, com o coração apertado e o nó de preocupação formado na garganta. Seguramos a mão um do outro, apesar das “máscaras” e de todo o resto, em nossos olhos podemos ver que ainda somos pais desesperados em busca de seu único filho e que estão com medo de algo mau acontecer com ele e que estão enxergando nesse banho de sangue a única saída pra ter seu bem mais precioso de volta. Não tem mais volta, não é nossa culpa, a culpa é dela por ter se metido na nossa família a gente veio cobrar. Fuzil preparado, na mão assim como tá o meu coração. Ou eu tenho meu filho de volta, ou esse casarão vai a baixo!

Autora

No interior bordel de Toneri, o Ootsutsuki estava irritado com Boruto, que ainda notava assustado e com saudade de Hinata. O clamor do pequeno, que a todo momento chamava pela mãe, também irritava Shion que se controlava pra não lhe machucar, precisava do menino inteiro para que pudesse ter o que queria, o que não diminuía seu incômodo.

— Mama…

— Para de chorar, moleque, você não viu que sua mãe não tá aqui? - indagou massageando as têmporas.

— É só você me levar até ela que eu paro! Eu quero a mama…

— Lua, porque você não amordaçou esse moleque ainda? - perguntou o jogando para o subordinado que puxou o cinto de sua calça e com ele amordaçou o pequeno loirinho que ficou a chorar abafado. - Garoto insuportável!

— Tem a quem puxar! - optou por amarrá-lo também, afinal, ele poderia tentar escapar, mas, enquanto isso, Shion se distraia admirando o bailado da bailarina de sua caixinha de música, da qual havia retirado uma foto-montagem, que ela mesma havia feito, que mostrava ela ao lado de Naruto, uma imagem igual à que ele tinha com Hinata, tendo apenas o rosto e os cabelos trocados.

— Você vai ser meu, Naruto… - acariciou seu rosto no retrato, sorrindo insanamente, assustando Boruto. - Você vai ser meu e ela vai pro inferno de onde nunca devia ter saído! - ela ameaçava sua mãe, por isso ele se assustou ainda mais, chegando a se urinar em suas vestes, irritando Toneri ao sujar seu tapete.

— SEU NOJENTO! - pegou outro cinto e se preparou para bater no pequeno loiro, que fechou os olhos esperando pela primeira pancada adulta que receberia em sua vida, mas então foram ouvidos barulhos. 


Notas Finais


Soltei essa bomba e sai correndo. SENTI SAUDADES, PORRA!

Bem vindos à FNS, onde todos os ships são respeitados: https://www.facebook.com/groups/122359598449326/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...