História Poison - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Tags Nalu, Romance
Exibições 187
Palavras 1.042
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Visual Novel
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Somos humanos no final das contas -__-
Desculpem pela demora enorme! LOL me ocupa muito ¬¬
Pra quem joga se quiser me add: Sugar Skull 01

_____ Boa Leitura ____

Capítulo 17 - Droga. Eu gostei desse beijo


___ Lucy ___

 

A cerração tocava o chão majestosamente enquanto era iluminada pelos primeiros raios de sol da manhã, Eve e eu dormíamos calmamente no banco traseiro do carro dela que estava parado na beira da estrada, Spirit é claro estava por perto.

- Bom dia – Ouço ela sussurrar suavemente.

- Bom dia Eve – Digo sorrindo – Vou ter dor nas costas por um tempo, mas vou ficar bem...

Ela sorri de um jeito gentil e pula para o bando do motorista enquanto eu pulo para fora do carro.

- Bom dia menino – Digo olhando Spirit que pastava ali perto de nós.

- Queria saber monta-lo – Resmunga Eve enquanto ligava seu carro, uma moto passa perto de nós e vejo-a ficar tensa - Conheci um cara enquanto eu procurava pelo meu noivo.... Seu nome era Erick...

Eu a olho enquanto ela tenta relaxar ao ligar o carro – O que claramente a deixou ainda mais nervosa já que ela levou um pequeno susto com o motor.

- A alguns meses quando Gajeel saiu de casa para essa estupida viagem, eu vivia de bar em bar – Começou ela enquanto segurava o volante com força – Conheci esse cara, o Erick.... Nós transamos, mas só por que ele era um gato e sabia muito bem tocar violão, quanto eu disse para ele que eu não queria vê-lo nunca mais ele ficou completamente louco, consegui fugir das garras daquele animal por tanto tempo.... Até pintei meu cabelo para não ser reconhecida por ele, mudei de nome de cidade.... Mas mesmo assim as vezes qualquer coisa estranha me assombra e me leva de volta para as memorias terríveis daquele cretino.

- Eve.... – Entrei no carro e a abraço. Quando a solto, ela me surpreende me puxando e me beijando.

Droga. Eu gostei desse beijo, necessitado e cheio de desejo. Me separo dela sentindo minhas bochechas vermelhas.

- Eve eu tenho o Natsu e eu realmente o amo – Digo e ela continua a me olhar de um jeito divertido.

- Eu também amo o Gajeel, vamos lá Lucy, ninguém vai saber – Ela sorri e coloca uma das mãos em meu rosto, e volto a me beijar. Quase automaticamente, uma de minhas mãos vai a seu rosto.

Como posso gostar da sensação de simplesmente estar com ela? Mesmo que eu esteja gostando muito disso, não vou abandonar meu sentimento por Natsu e substitui-lo pelo que sinto pela Eve, são sentimentos completamente diferentes. O que sinto por Natsu é inexplicável, as vezes me dá vontade de morrer, mas na maior parte me deixa anestesiada do mundo real, como se estivéssemos só nos dois em uma grande bolha, já o que sinto por Eve apenas me deixa, feliz e confortável de alguma forma.

Quando finalmente me separo dela, tomo folego e desço do carro e monto em Spirit em seguida.

- Vamos continuar nossa jornada parceira – Digo puxando o sotaque para alguém do interior.

- Você quem manda loirinha – Ela sorri e liga o carro, por alguns segundos meu coração pesa já que esse apelido é algo tão pessoal e particular, mas deixo essa sensação de lado e nós duas damos partida novamente a Nova Iorque, só mais um dia e estarei lá.

Mas tarde paramos em um bar de beira de estrada para beber e comer alguma coisa, ao fundo tocava uma música country lenta e romântica – O que eu particularmente amo – Acabo pedindo uma porção de fritas e um hambúrguer sem alface, Eve acaba pedindo a mesma coisa que eu, e claro de acompanhamento Coca.

- O que vai fazer quando encontra-lo? – Eve pergunta me observando enquanto leva uma batata a sua boca.

- Encontrar quem? – Pergunto como se já não soubesse sobre o que ela está falando, dou uma mordida no meu hambúrguer.

- Natsu – Ela diz e sinto um pouco de irônia em sua doce voz.

- Primeiro – Respiro fundo – Vou confirmar se ele ainda está vivo e bem.... Depois, vou me jogar aos braços dele e vou dizer que eu o amo, vou prometer a ele que ao lado dele eu jamais ficarei com medo e que eu irei protege-lo assim como ele quer me proteger apesar de tudo.

- Você fala isso tão facilmente – Ela diz e segura minha mão – Queria sentir esse tipo de amor pelo menos uma vez na vida sabe...

- Sim... Entendo... Mudando de assunto – Mordo meu hambúrguer – Não temos ideia de como entrar em Nova Iorque temos?

- Eu me esqueci dessa parte loirinha – Ela diz pensativa – Acho que vou ter que dizer adeus a meu lindo carro.

- O que está pensando Eve? – Pergunto sem perceber.

- Tudo a seu tempo minha cara loira – Ela sorri marota e eu acabo rindo também.

 

___ Natsu ___

Por sorte, consegui parar o sangramento de Levy e retirar a bala sem matá-la, foi difícil e ela quase não sobreviveu e ainda sim, ela está tendo que lutar pela vida dela.

- O que posso fazer para ajudar? – Gajeel pergunta preocupado pelo decima vez.

- Eu já disse e vou dizer de novo – Tiro meus olhos da televisão desligada e o olho – Nada, de tempo ao tempo, é o único jeito.

- Um contato meu disse que um cara tem subornado os militares – Gray começa a dizer, ele observa a cidade atualmente caótica e abandonada pela enorme janela do meu apartamento.

- Quem? – Gajeel pergunta – Qual o nome do homem?

- Acnologia – Fico surpreso no mesmo segundo – Algo me diz que você o conhece Natsu.

- Infelizmente conheço sim – Suspiro e me recosto no sofá e começo a fitar o teto – E você deve saber quem ele é também Gray, fiquei sabendo que a alguns meses ele pegou você.

- Sim... – Ele diz se afastando da janela – Já é dia vinte e três – Ele diz do nada.

- E o que que tem? – Pergunto sem querer ser ríspido.

- Depois de amanhã é natal – Gajeel diz pensativo e nós três nos mantemos em silêncio por um tempo.

- Nunca pensei que o natal acabaria sendo depressivo e triste desta forma – Solto.

- Nem eu – Dizem os dois juntos.

- Geralmente é uma data tão... Feliz e colorida, mas agora está simplesmente... Cinza – Gray diz tristemente, e ninguém pode culpa-lo, nós nos sentimos da mesma forma.


Notas Finais


Obrigada por ler ^^
Comentem por favorzinho <3 amo os comentários de vocês sério (●♡∀♡)(●♡∀♡)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...