História Pokémon - The Path to the Victory (Interativa) - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Visualizações 44
Palavras 2.674
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção, Luta, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Self Inserction, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Capítulo novo saindo do forno aqui!
Espero que gostem, mesmo não sendo o melhor da fanfiction, ficou bem legal na minha opinião, sabe? E o final ainda vai dar o que falar...
Boa leitura!

Capítulo 4 - O Sonho de Lyra


Fanfic / Fanfiction Pokémon - The Path to the Victory (Interativa) - Capítulo 4 - O Sonho de Lyra

— E o que você quer comigo? — Gustavo perguntou de imediato, franzindo o cenho para o recém-chegado. Qualquer um que passasse por ali ia perceber que o pré-adolescente não parecia nada feliz em ver aquele adolescente arrogante, em sua opinião.

 

— Ah, relaxa, eu só tava dando uma passada por aqui mesmo e vi você fazendo isso — Retrucou Miguel, como se aquilo não fosse nada, tanto que ele deu os ombros e fez uma expressão de pura arrogância que irritou Gustavo ainda mais.

 

— Então já pode ir vazando daqui — Pediu Gustavo, em um tom levemente mandão que demonstrava que ele não queria ficar conversando com aquele adolescente que praticamente esbanjava arrogância, pelo menos na opinião de Gustavo.

 

— Ah, mas eu estou indo para Cherrygrove City, não posso simplesmente vazar daqui, sabe? — Explicou Miguel, sorrindo de forma levemente arrogante. Gustavo escondeu as mãos nos bolsos da calça e cerrou os punhos lá.

 

— Então, eu sigo o meu caminho e você segue o seu, tá? — Retrucou Gustavo, imediatamente dando as costas para Miguel e começando a andar para longe do adolescente o mais rápido que ele conseguia, algo que não era muito.

 

— Mas só existe um caminho daqui até Cherrygrove City... — Explicou Miguel, que agora não parecia tão arrogante quanto tinha demonstrado ser quando falou aquilo de Gustavo e sua captura do Pidgey.

 

— Isso não significa que temos que ir juntos — Retrucou Gustavo, estranhando um pouco o fato de Miguel não estar parecendo tão arrogante como era minutos atrás. Ele parou de andar e então se virou para trás.

 

— Bom, eu concordo em partes — Concordou Miguel, balançando a cabeça positivamente e novamente dando de ombros — Mas sabe, eu acho que teríamos muito a aprender se nos tornássemos parceiros de jornada — Sugeriu, de repente, o que deixou Gustavo ainda mais surpreso do que já estava anteriormente.

 

— Por que diz isso? — Gustavo perguntou de imediato, e era notado um certo tom de interesse presente em sua voz levemente grossa.

 

— Porque eu posso perceber que você é um treinador novato — Explicou Miguel — Comigo, você poderia se tornar um treinador. Com você eu não sei o que eu poderia aprender, mas eu gostaria de te ajudar a crescer como treinador.

 

— Então você não é um novato como eu? — Gustavo perguntou muito surpreso para o adulto, pois jurava que ele era também um novato, apesar da idade aparente.

 

— Não — Respondeu Miguel. Um sorriso tinha surgido em seu rosto, afastando por completo toda a sua arrogância — Sabe, eu já tenho dezenove anos de idade, me sentiria um lixo se ainda fosse um novato com essa idade. Pra falar a verdade nem de Johto eu sou, vim do Povoado Vanitas que fica na região de Kalos. Sou um Coordenador e Criador Pokémon. Comecei minha jornada em Kalos aos 16 anos, mas acabei falhando na minha última apresentação e por isso decidi vir para cá, começar tudo de novo.

 

— Então você já tem três anos de experiência, que legal — Gustavo se surpreendeu com o que Miguel tinha contado a ele — Bom, então, que tal batalharmos em uma batalha de 2 x 2? O meu sonho é me tornar o treinador mais forte do mundo, mas primeiramente do continente, então vai ser meio difícil se eu não batalhar.

 

— Eu aceito — Miguel respondeu de imediato — Eu só trouxe dois Pokémon da minha jornada em Kalos, o resto eu deixei com o Professor Sycamore, então tem que ser 2 x 2 mesmo, já que ainda não capturei nenhum aqui — Explicou Miguel, enquanto tirava uma Pokébola de um dos bolsos de sua calça.

 

Gustavo olhou fixamente para o interior da Pokébola, apenas para saciar a sua curiosidade de saber qual era o Pokémon que estava lá dentro, mas ele não conseguiu reconhecer de imediato. Miguel, porém, logo jogou a Pokébola para cima. O objeto esférico se abriu, liberando um clarão branco que pouco a pouco começou a tomar forma. Foi só aí que Gustavo reconheceu o Pokémon. Era uma Florges, uma Pokémon muito graciosa que vinha da região de Kalos.

 

— Você está preparado, Gligar? — Perguntou Gustavo, tentando olhar para o seu Pokémon inicial, que estava em cima de seu ombro direito.

 

— Gli-gli! [Eu sempre estou!] — Respondeu Gligar, logo saltando do ombro de seu treinador e voando até a frente do mesmo.

 

— Pode começar a batalha — Permitiu Miguel — No fim o resultado vai ser o mesmo, mas como você é um treinador novato vou permitir que comece.

 

— O que quer dizer com "o resultado vai ser o mesmo"? — Perguntou Gustavo, franzindo o cenho e fazendo aspas com os dedos quando começou a dizer "o resultado vai ser o mesmo".

 

— Um treinador inexperiente como você nunca vai vencer um cara experiente como eu — Explicou Miguel, novamente falando com certa arrogância, assim como tinha sido quando ele conheceu Gustavo, apenas alguns minutos antes.

 

— Isso é o que nós veremos! — Retrucou Gustavo, novamente ficando irritado com o seu parceiro de jornada — Gligar, use o Swift! Vamos acabar com essa batalha antes mesmo que a Florges veja o que atingiu ela!

 

Miguel, por algum motivo, não comandou nada de início. Gligar foi rápido em girar e liberar tanto da ponta da sua cauda como de seus pés algumas estrelas brancas e brilhantes, que pareciam ser tão afiadas quanto navalhas. Foi aí que Miguel finalmente deu um comando a sua Pokémon, dizendo "Use o Psychic" pra devolver o ataque. Foi aí que os olhos de Florges começaram a se tornar cor de rosa, assim como o contorno das estrelas criadas por Gligar. De repente, o ataque do Pokémon Escorpião Voador simplesmente voltou para ele. Gligar foi pego de surpreso.

 

— Percebe o abismo de poder que está separando os seus Pokémon dos meus? — Perguntou Miguel, muito cheio de si.

 

— Só vejo você fazendo uma coisa que qualquer treinador conseguiria fazer — Retrucou Gustavo, irritado — Gligar, use o Guillotine, agora!

 

— Use o Vine Whip, Florges — Comandou Miguel, sem alterar o tom de sua voz por nem um segundo sequer.

 

 

Gligar então disparou a voar em direção a Florges, da forma mais rápida que podia. Ele realmente voava até que ligeiro. As suas duas patas dianteiras estavam se tornando não apenas brancas, mas também mais fortes e resistentes. Florges rapidamente fez grossas vinhas saírem de seus ombros e irem em direção a Gligar. Apesar disso, a Pokémon não estava preocupada, apenas demonstrava estar achando aquela situação tediosa. Gligar até que tentou atingir a sua oponente, mas recebeu dois fortes golpes de vinha na cara e foi jogado no chão, com tudo.

 

— GLIGAR, VOCÊ ESTÁ BEM? — Perguntou Gustavo, de imediato, correndo até o seu Pokémon e em seguida se ajoelhando perto dele.

 

— Gli... [Não...] — Foi a última coisa que Gligar murmurou antes de desmaiar, com a sua língua ainda fora da boca e seus olhos em forma de órbita.

 

— Você só tem mais um Pokémon agora — Observou Miguel, dessa vez sem fazer nenhum tipo de comentário arrogante para o seu companheiro de jornada e pelo menos naquela batalha, um oponente, que se fosse um pouco mais forte seria até um desafio.

 

— E é com ele que eu vou vencer — Avisou Gustavo, rapidamente se levantando após retornar Gligar, e logo em seguida pegando mais uma Pokébola — Pidgey, eu sei que nós nunca batalhamos juntos, mas podemos vencer!

 

Gustavo então jogou a Pokébola do seu mais recente Pokémon com toda a força que tinha para a frente. Estava realmente irritado. O objeto esférico logo se abriu e voltou para a sua mão. O pré-adolescente guardou-a em seu bolso. Assim que Pidgey se viu livre da Pokébola, olhou ao seu redor sem entender nada que estava acontecendo, afinal, nem tinha visto quando tinha sido capturado por Gustavo.

 

— Pid? Gey? [O que tá acontecendo?] — Perguntou em língua de Pokémon, olhando muito confuso para Gustavo.

 

— Eu sou seu novo treinador, Pidgey — Gustavo tentou explicar em poucas palavras para que pudesse seguir logo com a batalha — E estamos em uma batalha, por isso eu quero que use o Gust agora!

 

— Pid gey pid... [Eu não sou obrigado] — Pidgey disse, com desdém, enquanto calmamente voltava até a grama.

 

— Pidgey, você tem que me obedecer, eu sou seu treinador! — Mandou Gustavo, surpreso com a desobediência de seu Pokémon.

 

— Pid-gey-pi-pi [Eu não pedi pra você me capturar] — Retrucou Pidgey, olhando com certa raiva para o seu novo treinador, que estava a cada segundo se arrependendo de ter desafiado Miguel em uma batalha mesmo sabendo que tinha começado a sua jornada naquele mesmo dia.

 

— É isso que dá capturar um Pokémon pelas costas — Explicou Miguel, dessa vez não em um tom provocativo, mas como se realmente quisesse ajudar — Você terá que dar duro pra conquistar a confiança de Pidgey, mas isso fica pra depois. Florges, use o Hidden Power agora, vamos finalizar essa batalha.

 

 

Florges então uniu as suas duas mãos, e em questão de segundos, uma esfera de energia roxa e levemente ondulada começou a se formar lá. Pidgey não pareceu ligar, continuando parado no lugar em que estava. Florges rapidamente lançou a esfera, que voou até Pidgey em uma velocidade tão incrível que o Pokémon não teve tempo de desviar, sendo atingido com força. Uma pequena explosão aconteceu, fazendo uma cortina de fumaça também pequena surgir. Quando ela finalmente sumiu, Gustavo viu que seu Pidgey tinha ido a nocaute.

 

— Eu venci — Comemorou Miguel, e mesmo com isso, ele não fez nenhum comentário arrogante, o que foi estranho.

 

— Eu não consegui acertar ao menos um golpe na Florges... — Observou Gustavo, de repente caindo de joelhos no chão, muito decepcionado consigo mesmo. Os cantos de seus olhos se encheram de lágrimas e ele abaixou a cabeça.

 

— O que foi, Gustavo? — Perguntou Miguel, se aproximando do amigo, que ergueu a cabeça — Você pode ter perdido, mas nós poderemos batalhar mais vezes, quando você estiver mais forte. Anda, vamos, você não é fraco apenas por ter perdido para mim — O adulto estendeu a mão direita para o amigo.

 

— E-eu posso me tornar forte um dia? — Perguntou Gustavo, segurando a mão do amigo, que ajudou ele a se levantar.

 

— Talvez ainda mais forte que eu — Sugeriu Miguel, querendo deixar o seu mais novo amigo um pouco mais feliz, pois tinha realmente se afeiçoado a Gustavo, mesmo conhecendo ele a pouco tempo — Agora é cabeça erguida e rumo a Cherrygrove City!

 

Apesar de Miguel ter dito isso para Gustavo, demorou um pouquinho para que o pré-adolescente se animasse completamente, até porque ninguém conseguia mudar a sua personalidade em segundos sem ser bipolar. Os dois amigos, porém, só chegaram a Cherrygrove City a noite. Já eram quase 23:00 da noite. Os dois estavam cansados e suados, além de famintos, por isso, a primeira parada deles foi o Centro Pokémon da cidade.

 

Aquela hora, o Centro Pokémon estava começando a esvaziar, mas mesmo assim ainda haviam muitas pessoas lá.

 

— Eu vou reservar um quarto para cada um de nós, enquanto isso, vai pra o refeitório e me espera lá — Miguel disse isso para Gustavo assim que os dois entraram no Centro Pokémon do local. Claro que eles queriam comer antes de tomarem um banho para então finalmente se deitarem, já que planejavam acordar cedo no dia seguinte.

 

— Beleza — Concordou Gustavo, balançando a cabeça positivamente e então saindo de perto do amigo, que já estava indo em direção ao balcão.

 

— Posso ajudar? — Perguntou a Enfermeira Joy, assim que Miguel chegou perto do balcão, colocando os cotovelos lá em cima.

 

— Ainda tem algum quarto sobrando? Pra falar a verdade, tem dois sobrando? — Perguntou Miguel, curioso.

 

— Claro, muito mais que isso — Respondeu a Enfermeira Joy — Temos um quarto duplo com suíte e televisão, está interessado? O aluguel para uma noite é de apenas 85 Pokédolares, que só precisarão ser pagos amanhã.

 

— Bom, pra mim está ótimo — Concordou Miguel, dando de ombros, algo que já era costumeiro dele — Então, eu quero a chave do quarto, por favor — O adulto logo pediu, realmente curioso pra ver como era o quarto. Devia ser incrível, já que era duplo e tinha suíte, e também estava bem barato para uma noite.

 

A Enfermeira Joy logo se abaixou e começou a procurar a chave do quarto no balcão. Ela logo achou, pegou e entregou nas mãos de Miguel, que sorriu animado. A chave era a de número 502, um dos últimos quartos livres. Miguel então agradeceu e saiu dali, rumo ao refeitório, aonde Gustavo devia estar. Mas, o pré-adolescente estava lá? A resposta era sim, mas não sozinho. Miguel ficou surpreso ao ver o amigo sentado junto de uma garota: Lyra.

 

— Quem é essa aí, Gustavo? — Perguntou Miguel, surpreso. Estava com um sorriso maroto no rosto, e logo se sentou na cadeira à frente de Gustavo e Lyra.

 

— Eu sou a melhor amiga dele, Lyra — Se apresentou Lyra, respondendo Miguel no lugar do amigo — E você, quem é?

 

— Sou Miguel Vitale, parceiro de jornada do Gustavo — Se apresentou Miguel, com sinceridade e sem arrogância na voz.

 

— Eh, Miguel, a Lyra quer me contar algo importante em particular, tem como você sair daqui rapidinho? — Perguntou Gustavo, em som sugestivo. Até mesmo ele percebeu que tinha sido um pouco mal educado em falar aquilo, mas ele estava curioso para saber o que a sua melhor amiga iria falar para ele.

 

— Sem problemas — Concordou Miguel, balançando a cabeça positivamente. Ele ainda estava com um sorriso maroto no rosto, mas mesmo assim logo se levantou e ainda disse, antes de sair — Boa sorte com sua namorada — E saiu andando dali antes que Gustavo pudesse se levantar e tentar baer nele.

 

— Enfim, o que queria me dizer? — Perguntou Gustavo, de imediato olhando para a amiga. As bochechas do garoto estavam coradas e Lyra percebeu isso, mas não ficou nervosa, o que já era de se esperar dela.

 

— Eu vou direto ao ponto — Avisou a garota, dando um suspiro em seguida, o que mostrou que ela também estava um pouco nervoso — Eu estou gostando de vocês desde dois anos atrás e acho que esse é o momento perfeito para te contar isso.

 

Gustavo sentiu como se as suas entranhas estivesse revirando após ele escutar a sua melhor amiga contar isso a ele. Não podia ser verdade. Ele, o garoto nerd, estranho e anti-social da cidade, sendo o "crush" de uma garota popular, extrovertida e que socializava com todos facilmente desde a época da Escola Pokémon?

 

— V-você tá brincando, né? — Gaguejou Gustavo, corando ainda mais. A sua voz saiu muito mais baixa que o normal.

 

— Não! — Respondeu Lyra, de repente parecendo levemente impaciente, talvez até mesmo com raiva — Eu só quero saber se você sente o mesmo por mim.

 

— Olha, Lyra, eu não sei... — Respondeu Gustavo, e ele percebeu o sorriso no rosto da amiga vacilar — Sabe, eu nunca me apaixonei por ninguém na minha vida e você não acha que estamos muito novos pra namorar? Ainda vamos fazer quatorze anos, e afinal, eu acho que você merece alguém melhor que eu e tudo mais...

 

— Já somos quase adolescentes, Gustavo! — Retrucou Lyra, com impaciência — E francamente, não venha com essa de "eu mereço alguém melhor" se a única pessoa que eu quero é você!

 

— Lyra... — Gustavo não sabia o que falar, sinceramente, e ele também estava começando a ficar nervoso, e isso que fez ele fazer uma péssima de palavras em seguidas — Eu não gosto de você como mais que uma amiga.

 

Lyra abaixou a cabeça, e naquele momento, Gustavo já pressentia o que ia acontecer. Claro que sendo o melhor amigo de Lyra há muito tempo ele conhecia bem a garota, e sabia que ela era muito emotiva. Não foi surpresa para ele quando viu lágrimas escorrendo dos olhos da amiga, e ele não sabia 

— Lyra, não foi isso que eu quis dizer! — Gustavo se explicou de imediato, agora sim se sentindo muito maismais o que fazer. Miguel estava só observando tudo de longe.

 nervoso que o normal.

 

Mas já era tarde demais. Lyra estava saindo correndo dali, deixando um rastro de lágrimas no chão, por onde ela passava. Todas as poucas pessoas que estavam no refeitório naquela hora olharam para Gustavo, e ele percebeu isso. Pela primeira vez em sua vida, o pré-adolescente sentiu como se tivesse feito uma grande merda.


Notas Finais


Título do Próximo Capítulo: Resolvendo as Confusões
Número: 004
Data de Lançamento: 11 de Agosto de 2017
Temporada: Primeira
Arco: O Começo da Jornada
Sinopse: Depois da pequena briga e da quase batalha que Gustavo e Lyra tiveram, os dois seguem caminhos diferentes, com Gustavo seguindo para Violet City junto de Miguel e Lyra decidindo ficar mais um tempo em Cherrygrove, treinando para o Concurso Pokémon que acontecerá em Violet. No meio do caminho, eles se encontram com um treinador e uma treinadora batalhando muito sério e decidem assistir aquilo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...