História Pokémon Adventures - Episode F; - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Blue, Brock, Daisy, Giovanni, Leaf (Green), Misty, Pearl, Personagens Originais, Squirtle
Tags Aventura, Batalha, Blue, Drama, Green, Pearl, Pokémon, Red, Romance
Visualizações 32
Palavras 3.079
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Seinen, Shounen, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Depois da batalhas de Akira....

Capítulo 9 - Conheça seu trampo (vs. beedril)


Fanfic / Fanfiction Pokémon Adventures - Episode F; - Capítulo 9 - Conheça seu trampo (vs. beedril)

Nico, Iago, Erika e Tay estavam aguardando a meia hora quando uma garota vestindo um vestido e chapéu branco, com óculos escuros no rosto entrou na cafeteria.

— Ufa! Finalmente consegui escapar... – Disse Akira se largando em uma cadeira vazia e retirando os óculos.

— Deve ser difícil ser popular. – Comentou Nico.

— Excelente batalha Akira. – Elogiou Iago.

— Você estava brilhando Akira-sama!! – Disse Tay quase pulando sobre Akira.

— Fale baixo Tay, eles ainda podem estar me procurando! – Suplicou ela.

— Desculpe!

— Com licença. Senhoria Belomonte?...

Um homem fardado apareceu atrás de Akira.

— Oque a policia quer com você Akira? – Perguntou Nico.

Akira se virou.

— Senhor delegado!

O homem puxou uma cadeira de uma mesa próxima e a colocou ao lado da de Akira.

— Primeiramente eu gostaria de agradecer o convite que me fez hoje. – Disse ele sentando-se e fazendo um gesto para a garçonete. – Foi realmente uma batalha magnifica. Por isso permita-me pagar a conta, podem pedir o que quiserem.

— Tem certeza? – Disse Nico. – O Tay já pediu três pedaços de bolo.

— Qualé Nico! O bolo daqui é muito bom. – Retrucou ele. A garçonete sorriu a ouvir isso, mas seu sorriso murchou um pouco ao ver Tay. O gordinho não vale. Pensou Nico.

— Tudo bem é claro! Eu recomendei a Akira que nos encontrássemos aqui justamente por adorar esses bolos. – A garçonete voltou a sorrir.

— Então eu também vou quer. – Disse Akira.

— Agora eu também fique tentado a pegar um pedaço. – Emendou Iago.

— Eu também vou quer. – Anunciou Erika. – Você também né Nico? Você até já comeu um pedaço enquanto esperávamos.

— Eu achei bem mais ou menos, mas já que o delegado vai pagar eu aceito outro pedaço. – Disse Nico olhando a garçonete pelo espelho decorativo na parede.

— Mais ou menos?! É um dos melhores bolos que eu já comi! – Disse Tay indignado. A garçonete voltou a sorrir.

— Suponho que você não tenha visitado Saffron então. Os bolos de lá são incríveis. Esse daqui é só gostosinho.

A garçonete se afastou um pouco irritada. Nico e Akira compartilharam uma risadinha.

— Ela vai cuspir no seu bolo Nico. – Avisou Akira rindo.

— Crianças. – Disse Erika.

O delegado pareceu confuso por um momento, depois balançou a cabeça e disse sorrindo.

— Vocês parecem um grupo muito promissor. Escaparam dos rockets, e ainda um de vocês ganhou a insígnia com apenas um dia de experiência. Acho que eu posso acabar acompanhado o progresso de vocês.

— Então Akira convidou você pra assistir a batalha? – Perguntou Nico.

— Nico tenha educação, não se chama um delegado de “você”. – Disse Erika.

-—Desculpe, vou chamá-lo de Batata então.

— Bem, o você eu levo na boa. Mas se ficar me zuando eu te prendo por desacato.

— Desculpe senhor...

— Zueira, não se pode prender ninguém por desacato, apenas autuar! – Disse ele rindo. – O que foi? – Disse ao ver que os outros não o acompanharam. – Não foi boa?

A garçonete retornou com os pedaços de bolo.

—... É então, Batata, por que pediu que Akira o encontrasse aqui? Só queria pagar um pedaço de bolo pra ela?

— Ei você vai me chamar assim mesmo?

— Assim como?

— Bem, senhor Batata, o senhor que disse que não o prenderia. – Disse Akira.

— É, mas...

— Senhor batata, responda a pergunta! – Disse Nico.

— Ei moleque, você esta passando dos limites...

— Devo entender que o senhor queria se encontrar sozinho com uma garota menor de idade, senhor delegado Batata?

— Não, não era nada disso, eu pedi que ela chamasse vocês também...

— O que o senhor delegado Batata teria há dizer para cinco adolescentes?

— Quer parar de ser idiota Nico. – Disse Erika dando-lhe um puxão de orelha.

— Ai! Do que esta falando? Eu só estou chamando ele assim por que você pediu.

— Eu?

— Foi sim, não foi pessoal? O senhor Batata também estava aqui na hora, ele é testemunha.

— Desculpe senhor delegado, ele é muito infantil às vezes.

— Eu? E do delegado zueiro você não fala nada?

— Bem, vamos ao que importa. – Disse Iago cortando a conversa estupida. – Por que queria nos encontrar, senhor delegado... – Pela expressão de Iago ele havia feito força para não adicionar “Batata” a sua frase.

— Bem, hoje mais cedo, a amiga de vocês me convidou para assistir a batalha dela. Ela me disse que seria uma batalha ardente e inesquecível, e me convenceu a ir. Depois da batalha fiquei emocionado, fazia tempo que eu não via um treinador tão intenso quanto ela, por isso resolvi falar com vocês.

— Falar conosco sobre?

— Todos vocês vão desaviar os ginásios?

Eles concordaram.

— É né, é o que o manualzinho diz pra fazer. – Falou Nico com a voz cheia de sarcasmo.

— Então, eu gostaria muito de ver novas batalhas como aquela. – Continuou o delegado. – Hoje em dia, poucos treinadores são respeitáveis. As batalhas se tornaram um show, e os treinadores seus astros. Com a abertura de novos ginásios vários desses treinadores se tornaram lideres, e a patifaria teve inicio. Treinadores e lideres costumam fazer acordos do tipo, “Eu ganho, nós rachamos o lucro das entradas”. Por isso tantos treinadores medíocres chegam à liga. Poucos dos lideres de Kanto ainda tem honra como treinador. – Lamentou ele. — Eu gostaria que vocês fossem diferentes. Por isso, como um entusiasta que sonha em ver a liga brilhar de novo, eu queria lhes dizer, quais são os melhores lideres de ginásio de Kanto atualmente, em minha opinião é claro. – Disse pegando um pedaço de papel em seu bolso e mostrando a eles.

Iago pegou o papel e deu um sorriso.

— Brock esta no topo da lista.

— Deixa eu ver. – Disse Nico estendendo a mão.

— Janus não esta na lista. – Observou Iago. – Eu sempre o achei um grande treinador, apesar de ser também um grande convencido.

— Bá! – Disse o delegado fazendo um gesto de dispensa com a mão. – O Janus faz de suas batalhas um show pirotécnico. Tem tanta purpurina em volta dele que você quase fica cego se olhar diretamente.

— Isso é verdade. – Concordou Akira rindo.

— Pode ser, mas eu realmente gostaria de enfrentá-lo numa batalha.

— Bem como eu disse, esse dez são os meus preferidos. Vocês seguiram seus próprios caminhos, mas eu acho que se vocês querem ser grandes treinadores, deveriam enfrentar esses caras pelo menos uma vez. Bem, - Acrescentou ele. – É claro que, alguns deles como Sabrina e Rian são demais para novatos como vocês, mas acho que valeria a pena a experiência.

— Porque diz isso? – Perguntou Erika.

— Sabrina esta no nível da Elite. – Falou Nico.

— Exato. – Assentiu o delegado Batata. – O nosso Brock também fica pau-a-pau com a Elite se vai com tudo. Mas Sabrina, Rian e o Green também. Esses caras não sabem pegar leve. As pessoas quase não os desafiam, por que eles são muito fortes. Seus ginásios não dão lucro algum, permanecem associados à liga apenas por questões simbólicas.

— Nesse caso ainda tem seis nomes nessa lista que me darão suas insígnias. – Disse Akira examinando a lista. – Misty, de Cerulean; Janine, de Fuchsia; Erika, de Celadon; Aiden, de Laramie; Garm, de Daffodil; e Faren de Carmine.

— Parece que temos um roteiro então. – Disse Iago.

— Sabia que vocês ficariam animados. – Alegrou-se o delegado. — Vocês vão enfrentar Brock amanhã? – Perguntou esperançoso.

— Não vai rolar, não somos monstros como a Akira. – Falou Nico debochado como sempre.

— Sim, — Concordou Iago. – Akira fez uma excelente batalha, mas parte disso foi porque seu vibrava é muito forte e já esta com ela faz tempo.

— Entendo. Eu ficarei de olho no progresso de vocês garotos. Vocês têm um fã.

 

~#~

 

Eles entraram no centro pokémon e se encaminharam para o balcão. A enfermeira os reconheceu.

— Olá, ouvi disser que a batalha no ginásio foi incrível, realmente foi uma pena eu não poder estar lá para ver. – Disse ela.

— Obrigada. – Agradeceu Akira.

— Mas, - Começou a enfermeira fazendo uma careta. – Já faz mais de uma hora que a batalha acabou, por que você só apareceu agora em mocinha?

— Desculpe. Eu fique presa num tumulto na saída do ginásio... e tive um compromisso depois.

— Seu maior compromisso nessas horas deve ser com a saúde de seus pokémon! – Ralhou a enfermeira pegando as pokébolas que Akira lhe oferecia. – Os de vocês nós já terminamos de examinar.  – Disse ela se virando para os outros. – Qual é o Nico?

— Sou eu.

— Aquela beedrill que você trouxe, a doutora quer falar com você a respeito dela, vou avisá-la que você esta aqui.

 

~#~

 

— Você disse que a encontrou caída assim?

— Sim.

A beedrill estava sedada sobre uma maca.

— Você fez bem em pega-la, se continuasse lá ela iria morrer incapaz de conseguir alimento. — Elogiou a doutora. — Eu tenho duas coisas importantes para lhe falar. A primeira: observe bem a asa da beedrill, esta torta, mas sua ponta não esta ressecando o que significa que ela poderá voltar a voar se desentortarmos. A segunda: mesmo depois de desentortada ela devera tomar muito cuidado, esforço demais sobre suas asas poderá entortá-la de novo e talvez de uma maneira irrecuperável. Em outras palavras...

— Ela não poderá participar de batalhas. Eu já esperava por isso.

— Então, devo começar o procedimento?

— Claro e vou pagar.

— Pagar o tratamento de um Pokémon que acabou de pegar e que não poderá usar em batalhas. Você é uma peça rara entre os treinadores de hoje em dia sabia. – Disse a doutora sorrindo.

 

~#~

 

De volta ao saguão os outros viram ao seu encontro. Nico ficou surpreso ao ver que Brock estava com eles.

— Eai? – Perguntou Erika.

— Ela vai voltar a voar. Mas depois da cirurgia terá que ficar quatro dias em recuperação.

A garota sorriu.

— Quarto dias? Bem nós podemos esperar. Podemos usar a quadra nos fundos do centro para treinarmos nesse período.

— Sim, isso é bom porque podemos descansar um pouco estando na cidade. – Concordou Tay.

— Eu não. – Anunciou Iago.

— Por que não? – Perguntou Erika.

— Depois da batalha de Akira percebi que Saito estava certo. Nós não vamos desafiar os ginásios se permanecermos juntos. Acho que o caminho mais lógico a seguir até a liga é cada um seguir seu próprio caminho.

Eles ficaram pensativos por um tempo. Menos Akira.

— Tudo bem então! Até o nosso próximo encontro meu lindo.

Iago pareceu surpreso. Depois sorrio.

— Até lá.

— Você já esta indo? – Perguntou Nico.

— Sim, vou ver se alcanço o monte da lua ainda hoje.

— Mantenha contato.

— Vocês também, e você Nico fique longe de arvores.

— Não enche.

— Excelente. – Disse Brock observando a cena. – Cada um seguindo o caminho que acredita. Isso é ser um treinador. – Aprovou ele. - Se você vai seguir pela rota 3 aproveite para desafiar o velho dos magikarps ele é um bom oponente para treinadores iniciantes.

— Velho dos magikarps?

— Sim, entre Pewter e o Monte da Lua existe um lago lá você vai encontrar um velho que propõe desafios a todos os treinadores. Enfrenta-lo é quase uma tradição em Kanto.

— Se o senhor esta dizendo, então eu enfrentarei esse velho.

— Com certeza será bom pra você, ele é um homem muito sábio que pode ensinar uma ou duas lições a você, alias, acho que todos vocês deveriam se encontrar com ele se tiverem a oportunidade.

Iago assentiu se virou e seguiu para a saída.

— E pra nós que vamos ficar por aqui, - Disse Akira. – Eu encontrei um hotel ótimo.

— Se precisarem de ajuda com os cuidados de seus pokémon podem pedir minha ajuda a qualquer momento – Disse Brock. – Minha casa fica em frente ao ginásio não tem como errar.

— Obrigada senhor Brock. – Agradeceu Erika.

— Não é nada. Espero que venham me desafiar em breve. Até mais. – Disse se viram e seguindo para saída.

 

~#~

 

Depois de devidamente alojados no hotel que Akira havia sugerido. Akira, Erika e Tay saíram para ver a cidade. Nico usou a desculpa de que ainda sentia dores para ficar um pouco sozinho.

Ele pegou seu celular. Quatro chamadas perdidas e uma mensagem!! Ela devia estar furiosa.

O telefone chamou duas vezes. E a ligação foi atendida.

— Oi, como vão as coisas? – Ariscou.

Uma voz fria e sem compaixão lhe respondeu.

— Moleque, então você ainda está vivo... Você deve ter ficado muito ocupado nos últimos dois dias, não é?

— Na verdade sim, eu ia te ligar ontem à noite, mas aconteceu um problema e depois disso foi muita correria então...

— Realmente atender ao telefone iria te atrapalhar de mais, desculpe te incomodar.

— Não é isso é só que...

— Tanto faz, eu só liguei por que sou sua responsável legal. Se você desaparecer eu vou ter problemas, então avise se você morrer, para que eu não tenha que perder tempo te procurando.

— Olha na verdade, ontem na Floresta de Veridian eu fui pego pela equipe rocket...

— É mesmo? E como você escapou? Uma fada te tirou das garras deles?

— Não, é serio, eu fui espancado!

— Tanto faz. Quando você volta.

É a cara dela dizer isso.

— Eu vou ter que ficar um tempo em Pewter, depois planejo seguir a pé para ir me preparando.

— Vai desafiar o cérebro de pedra?

— Você é uma pessoa muito amargurada sabia?

— Você também seria se tiver que cuidar dos filhos do seu ex-namorado.

— Desculpe por isso.

— Sem problemas.

— Então, você não sabe nada sobre o que a equipe rocket esta tramando?

— Por que eu saberia?

— Hã... Sei lá eu pensei que...

— A atual equipe rocket só pensa em uma coisa: ganhar dinheiro. Seja lá o que estão fazendo é apenas pra isso.

— Ok.

— Não me de mais trabalho moleque.

E desligou.

Nico suspirou, retirou seu palmtop e seu netbook da mochila e plugou um cabo em seu Xtransfer. Era hora de brincar um pouco.

 

~#~

 

Saito olhou para baixo, a cidade de Cerulean o convidava sob a sombra do Monte da Lua. Mas ele tinha outros planos, passaria ao largo da cidade e seguiria para o norte para além do cabo, na parte mais norte de Kanto, rumo à cidade de Rutile.

Seu objetivo eram os pokémon que viviam próximo à cidade, mas ele poderia aproveitar para ganhar sua primeira insígnia.

 

~#~

 

O céu lá fora começava a escurecer, Nico guardou suas coisas, pensativo. Precisava tomar um ar. Saiu do hotel e começou a andar pelas ruas de Pewter. Logo alcançou uma praça e se sentou em um banco. Um grupo de jovens passou por ele fazendo barulho. Pessoas normais deviam morrer... Pensou.

 Alguém se sentou ao seu lado.

— Oque esta fazendo aqui? – Perguntou Akira.

— Pensando na vida. – Respondeu ele.

— Você vai ficar velho desse jeito.

— E você não estava com Erika e Tay?

— Eles voltaram pro hotel. Eu vi você andando e resolvi vir atrás.

— Por quê?

— Para saber, como você fez isso.

— Isso o que? – Perguntou Nico, nervoso.

— Você saber. Como você esta aqui? O que você fez?

— Não sei do que esta falando. – Evadiu-se Nico.

Mas Akira continuou pressionando.

— Tem certeza? Então eu vou te explicar. Assim que a lista de aprovados saiu, eu logo a abri e li todos os nomes nela. Saito Siance era o oitavo nome e Daniel Snow o nono.

Que garota demoníaca! Ela decorou a lista inteira olhando só uma vez!

— Olha com certeza eles cometeram um erro na primeira versão e corrigiram logo em seguida.

— Se você esta dizendo... – Ela deu de ombros – Eu pensei em avaliar você antes de te denunciar, mas você tem se mostrado um perfeito herói.

— Oque?

— Salvou aquela beedrill, salvou o Saito, tem talento como treinador... Eu não sei como você fez isso, mas talvez tenha sido melhor assim. Mas quando eu penso que talvez você tenha destruído o sonho daquele tal de Daniel eu...

— Não!! – Disse Nico de súbito. – Isso eu te garanto que não!!

Alguma coisa na expressão dele deve ter convencido Akira, por que ela acenou com a cabeça, sorriu e disse.

— Que bom, talvez você seja mesmo um herói então. – Então sua expressão mudou para a mesma feição distante que tinha mudado pela manhã. – Amanhã eu vou seguir minha jornada. Que bom que pude esclarecer isso antes.

— O que? Pensei que fosse ficar com a gente?

— É melhor não, eu e Erika não nos damos muito bem.

— Do que esta falando? É por causa da briga de mais cedo? Aposto que ela já esqueceu isso.

— Não ela não esqueceu. Na verdade eu também não. Eu e ela somos muito diferentes, acho que não podemos aceitar uma a outra.

— Eu não entendo.

— Ainda bem. Por que você é um herói.

— Do que está falando.

— Você já ouviu falar em Se7e. – Perguntou ela mudando de assunto.

— Já sim, eu costumava passar a maior parte do tempo na internet, então já ouvi falar muito dele.

Akira pegou seu smartfone.

— Há algumas horas atrás a pagina dele foi atualizada com as noticias sobre a equipe rocket na Floresta de Veridian. – Disse ela mostrando a página na tela do celular.

— Como...?!

— Ele é um hacker. Deve ter descoberto de algum jeito. E tem mais, a mais coisas aqui sobre a equipe rocket, uma lista de nomes, principais alvos de caça, possíveis compradores... E por ai vai.

— Hacker são incríveis. Sorte que esse é do bem.

— Do bem?

— É ele sempre desmascara políticos e empresários corruptos, não é?

— Acho que esse é um jeito de ver as coisas.

— Como assim?

— Não é nada... – Então voltou a ser a Akira habitual. – Vamos comer alguma coisa, eu sei de um lugar ótimo aqui em Pewter!!

 

~#~

 

No dia seguinte Akira seguiu sua viagem, deixando Nico, Tay e Erika. Pipa, como Nico havia decidido chamar sua beedrill, foi operada, mas teve que permanecer sedada e com a asa numa tala.

Ainda assim, decididos a aproveitar bem seu tempo parados em Pewter, os jovens passaram seus dias treinando e aproveitaram para pedir alguns concelhos para Brock.

Enquanto praticavam, descobriram que Erika era muito talentosa, seu treecko pagu e sua nidoran lilian, eram oponentes de treino formidáveis. Demorou um pouco, mas Nico finalmente conseguiu se entender com seu raticate que ele decidiu chamar de jerry.

E assim os dias se passaram e pipa finalmente foi liberada, com a recomendação de que não fizesse esforço por pelo menos uma semana. Brock apareceu para se despedir deles.

— Bem, voltem para me desafiar alguma hora.

— Com certeza senhor Brock. – Respondeu Nico.

— Eu tenho uma dica para vocês, em breve vai haver um torneio em Cerulean talvez seja uma boa para vocês praticarem.

— Parece legal! Acho que chegaremos a Cerulean em dois dias.

— Então até mais, e se cuidem!

— Até mais. – Responderam eles.

A verdade é que, naquele momento torneios eram a ultima coisa na qual Nico pensava.  Ainda sim era melhor seguir em frente por isso Nico sorria enquanto se virava para o caminho até o Monte da Lua.

 

Continua >>


Notas Finais


Pegaram todos os insigns? Deixe ai os que achou!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...