História Pokémon Adventures: Rumo a Liga Pokémon de Kanto! - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Agatha, Bill, Blaine, Blue, Brock, Bruno, Daisy, Erika, Giovanni, Koga, Lance, Leaf (Green), Lorelei, Lt. Surge, Misty, Personagens Originais, Professor Carvalho, Red, Sabrina (Natsume), Yellow
Tags Amizade, Amor, Batalhas, Pokémon, Rivalidade, Romance, Sonhos
Visualizações 86
Palavras 3.972
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoal, tudo bem? To de volta! E tenho alguns avisos para dar.
Primeiramente eu estou com uma fanfic nova, que relata uma romance. A escrita e a pegada dela são bem diferentes desta daqui, vocês vão levar só 5 minutos para ler o primeiro capitulo (os capítulos são bem curtinhos) e decidirem se gostam ou não, deixem seu comentários lá e favoritem, deem a mesma força que vocês me dão aqui! Vou deixar o link dela nas notas finais;
Ah... e nesse capitulo nós temos a citação de algumas bandas, a qual eu fiz trocadilhos com nomes de Pokémons! Me dei a liberdade de criar logos para essas bandas, então não deixem de conferir nas notas finais do capitulo o link desses logos ok?
Bom, na capa temos a aparência de Cristofer, baseada em um personagem da Disney, só que ele tem um pouco mais de sardas, é um pouco mais gordinho e tem olhos verdes.
Então é isso pessoal, o capitulo está bem parado, mas eu espero que vocês gostem. Boa leitra :3

Capítulo 37 - Esse é Cristofer Swann!


Fanfic / Fanfiction Pokémon Adventures: Rumo a Liga Pokémon de Kanto! - Capítulo 37 - Esse é Cristofer Swann!

< Por Yellow >

Nós estávamos dentro de um Camaro preto que era dirigido por Willlian, um médico que eu tinha acabado de conhecer. Ele dirigia calmamente pela agitada Celadon noturna, nos levando para a sua casa. Depois de sermos liberados pela policia, nós nos dirigimos para o hospital em que Will trabalhava e lá, juntamente com Ingro, entramos no carro.

Eu estava sentada ao lado de uma das janelas do banco de trás. Red estava ao meu lado, e sua mão pousava calmamente sobre a minha. Blue estava na outra janela, e dormia apoiando sua cabeça no ombro do Green que estava ao lado de Red. Ingro estava no banco do passageiro, tinha seu rosto muito inchado e seu braço estava atado por uma tipoia. Olhar para ele me fazia sentir remorso, pensando que ele tinha sido agredido em uma tentativa de me salvar, vê-lo no hospital pela primeira vez me fez chorar um pouco, e eu só consegui abraça-lo, enquanto me desculpava e agradecia deixando algumas lágrimas rolarem.

Eu olhava para as luzes da cidade que passavam velozes pela janela do carro. Desviei meu olhar da janela, e pousei meus olhos no rosto de Red, ele olhava distraído para frente, mas logo seu olhar se encontrou com o meu.

- Não tive tempo de te perguntar antes... acho que acabei esquecendo na verdade, mas.... o que houve com seu nariz? – ele fez uma careta logo que ouviu a pergunta.

- Acabei esquecendo de te perguntar também – falou Will, seus olhos verdes refletindo no retrovisor do carro – Estou tão acostumado a ver coisas assim que acabo perdendo a curiosidade de perguntar da onde os ferimentos vêm, só me preocupando em trata-los.

Red fez uma cara péssima e desviou seu olhar irritado para Green, que simplesmente o ignorou.

- Eu levei um soco – respondeu ele secamente – do Green.

- O que? – perguntei espantada – Por quê? Achei que vocês tinham dado uma trégua.

- E demos... – começou a dizer Green – Mas digamos que o seu sequestro mexeu com os nervos de todo mundo, e Red resolveu testar a minha paciência, então...

- Olha Green, vai ter volta – Red respondera amargo, encarando seu maior rival.

- Falando nisso Yellow... – voltou a dizer Green, ignorando Red por completo – Por que a Equipe Rocket te sequestrou?

- Por que são maus? – respondi a pergunta com outra, sentindo meu coração se acelerar. Eu não podia dizer o motivo, ainda não. Red apertou mais minha mão e se limitou a lançar um olhar aborrecido a Green.

- Ela acabou de passar por isso, acho que não quer falar disso agora – Red parecia prestes a soca-lo. Green nem respondeu.

E então todos ficaram em silêncio pelo resto da viagem. Eu estava pensativa, pensativa de mais para dizer a verdade. Como ficaria a minha relação com o Red? Será que eu realmente deveria tê-lo beijado e demonstrado o que eu sentia? Na hora, eu fui preenchida por diversas emoções e simplesmente não consegui controlar meus impulsos, me deixando me levar pelo calor do momento, eu não tinha pensado direito no que estava fazendo. Éramos mais que amigos? Devíamos ser, pois nunca vi amigos ficarem de mãos dadas por tanto tempo, mas será que ele sentia exatamente o mesmo que eu sentia por ele? Será que ele ainda gostava da Blue? Será que... suspirei. Eram muitas perguntas, que eu ia ter que esperar para receber as respostas.

Logo chegamos a grande mansão branca, a qual Will contornou e entrou pelos fundos. O portão automático deslizou abrindo espaço para o carro, este contornou a piscina e entro na garagem, que também abriu com um clique de um pequeno controle em suas mãos. Green acordou a Blue e descemos do carro, saindo da garagem e entrando na cozinha pelas portas do fundo.

Uma senhora gordinha e ruiva, a qual eu já sabia se chamar Elizabeth, veio correndo até nós. Ficou espantada com o estado em que estava Ingro, e preocupada começou a perguntar o que tinha acontecido. Nós contamos a ela sentados a mesa, enquanto ela servia o jantar. Comemos quase em silêncio e depois nós cinco subimos para os quartos. Eu até me daria ao trabalho de me sentir envergonhada, ou acanhada de estar me hospedando em uma casa de pessoas que eu mal conhecia, mas eu estava tão cansada que nem parei pra pensar nisso. Notei ao canto do hall de entrada os Eevees e suas evoluções dormindo nas caminhas. Red havia me contado sobre eles quando nos encontramos.

Subimos a escada de mogno, para o primeiro andar. Ingro ficou no quarto do filho do casal, que ainda não tinha voltado de viagem. Eu me despedi dos meninos a porta de nossos quartos, entrei no quarto juntamente com a Blue, me joguei sobre a cama macia e apaguei logo em seguida.

< Por Blue >

Acordei na manhã seguinte e fiquei encarando o teto do quarto. Que dia cheio fora ontem. Levantei-me devagar e vi que Yellow ainda dormia na cama ao lado, também se eu tivesse passado pelo que ela passou, dormiria por uns três dias.

Fui até o banheiro, fazendo minha higiene matinal, tirei o pijama e coloquei minhas roupas casuais. Ainda era cedo, muito cedo, mas eu sabia que os Swann tinham o habito de levantar todos os dias às 6 da manhã.

A casa estava silenciosa, mas assim que sai do quarto fora possível sentir o cheiro de café fresco vindo lá de baixo. Já estava imaginando a comida feita para um batalhão que Elizabeth teria preparado. Ao chegar à metade da escada que levava para o hall de entrada, me surpreendi ao ver que já tinha mais alguém acordado, além dos donos da casa e eu. Era Red, ele estava sentado no chão de madeira, a Eevee menor estava na sua frente e ele estava realizando o exercício que a Enfermeira Joy tinha ensinado, passando um pano em volta da barriga de Eevee e a auxiliando a andar.

- Bom dia – falei ao me aproximar.

- Bom dia – ele falou sorrindo para mim. Sentei-me no chão na frente dele e fiquei o observando trabalhar com a Eevee.

A raposinha grunhia de dor, mas Red a incentivava a prosseguir. Olhei para a cozinha e vi Will sentado à mesa, tomando café e lendo jornal.

- Não foi trabalhar hoje? – perguntei a ele.

- Hoje é meu dia de folga – respondeu, abaixando o jornal para olhar pra mim.

Voltei meu olhar a Red. Tinha algo que eu queria muito perguntar e ele desde ontem à noite, mas precisava esperar o momento certo.

- Red – ele voltou o olhar da Eevee para mim – Você e a Yellow estão...

Ele ficou extremamente vermelho e me cortou antes que eu pudesse completar minha pergunta.

- Não! Claro que não... – respondeu.

- Mas rolou algo entre vocês não é? – ele não respondeu – Ah qual é Red... achei que fossemos amigos.

- E somos, mas isso não quer dizer que eu tenha que responder perguntas que eu nem sei a resposta!  Bom... a gente se beijou e ficamos de mãos dadas, se é isso que quer saber – ok, ele estava super desconfortável e talvez eu estivesse sendo muito incisiva – e não falamos mais do assunto depois.

- Ah bom...  Já é um começo – lhe dei um sorriso, e ele me retribuiu com um meio sorriso nervoso. Eu estava muito feliz por Red e Yellow, porque eu sabia que ela gostava muito dele e ele também vinha demonstrando sentimentos por ela desde que a conheceu, só que ele sempre teve o pé atrás e eu não conseguia imaginar porque.

Alguns minutos depois Green se juntou a nós no hall. Uma das Eevees foi correndo para cima dele e ele começou a acariciar sua cabeça, o outro Eevee veio se sentar ao meu colo e ambos começaram a observar o processo de recuperação da irmã menor. Vaporeon e Jolteon não estavam a vista, assim como Elizabeth.

Não demorou para Elizabeth adentrar na cozinha pela porta dos fundos seguida de perto pelo casal de Eeveelutions, ela olhou para nós três sentados no chão e interagindo com os Eevees e sorriu, se postando ao lado do marido.

- Eu e o Will conversamos bastante durante a noite – falou ela, chamando a nossa atenção – e tomamos uma decisão.

- Qual? – perguntou Red, que já tinha parado de aplicar o exercício na pequena Eevee e esta repousava em seu colo.

- Nós decidimos dar os Eevees a vocês – dissera o Will, abrindo um largo sorriso. Eu fiquei pasma, encarando ele sem acreditar.

- Não... nós não podemos aceitar – falei exasperada – eles são seus.

- Eu sei que são nossos, e por isso podemos da-los a quem quisermos – Will voltou a falar.

- Nós achamos que vocês tem interagido muito bem com eles, apesar deles não gostarem muito das outras pessoas. Eles nem se quer estariam aqui se não fossem vocês, vocês os salvaram – explicou Elizabeth – E além do mais... Will e eu trabalhamos o tempo todo e por vezes nossos Pokémons nos acompanham – olhou para Vaporeon e Jolteon – então os Eevees iriam passar os dias inteiros sozinhos aqui em casa, e viveriam o resto de suas vidas aqui. Eu não quero isso para eles, pois acho que eles merecem uma vida de emoção e aventura, ao ar livre e viajar pelo mundo. Eu tinha em mente doa-los para treinadores de confiança desde que eles nasceram... então eles agora são seus – eu encarei os meninos sem acreditar, eles pareciam extremamente contentes – Poderíamos dar um deles para nosso Cris, mas ele já tem um time completo.

- Eu... nós... – comecei a falar se jeito.

- NÓS ACEITAMOS! – Red gritou. Se levantando alegre, com a sua mais nova Eevee no colo.

- Mas o que Vaporeon e Jolteon acham disso? – perguntei ainda muito relutante em aceitar.

- Ora... os pais sabem que os filhos vão embora um dia, mas vocês podem passar aqui para nos visitar e trazer os pequeninos sem problemas. Não é? – perguntou ela para o casal de Pokémons.

- Poo!

- Jol!

- Vocês concordam? – perguntei ao Eevee no meu colo – Gostariam de vir com a gente na nossa jornada?

- Vee! – ele assentiu positivamente, enquanto agitava a cauda felpuda.

- Aqui as Pokébolas deles – Elizabeth veio até nós e nos entregou as pequenas esferas. Acariciei o pequeno Eevee em meu colo contente, e até Green olhava para sua Eevee com um sorriso – Deixem-os soltos enquanto estiverem aqui, ok? – nós assentimos.

Então deixamos os Eevees brincarem, e o que ainda estava debilitado repousar e fomos tomar café. Yellow se juntou a gente um pouco depois, notei o olhar que ela e Red haviam trocado quando ela entrou na cozinha. Continuamos a tomar café com uma conversa rotineira e animada, contamos a Yellow sobre os Eevees, e ela pareceu animado pela gente. Will disse que tinha recomendado a Ingro fazer o mínimo de esforço possível, então teríamos que levar o café da manhã dele lá pra cima.

Elizabeth narrava uma história que viverá nos bastidores, quando a campainha tocou. Ela sorriu e foi até a porta.

- Ah, querido! Finalmente! – exclamou ela do hall de entrada. Era possível ver ela de costas, envolvendo alguém em um abraço, a pessoa era muito mais alta que ela e com um cabelo tão ruivo quanto – Estava com tanta saudade.

- Mãe... – resmungou a pessoa – eu também estava com saudades, mas não precisa me esmagar.

Ela desfez o abraço, e pegou a pessoa pela mão, enquanto fechava a porta. Voltou para a cozinha acompanhada de um garoto.

- Gente, esse aqui é meu filho Cris – cantarolou ela sorridente – Cris, esses são Red, Green, Blue e Yellow, e tem outro garoto lá em cima. Ambos são treinadores Pokémon e vão passar um tempo aqui com a gente.

- Olá – disse ele normalmente com uma voz rouca. Eu estava encarando ele de boca aberta.

< Por Yellow >

Eu só tinha olhos para o Red durante todo o café da manhã, até aquele garoto adentra a cozinha.

Ele era um rapaz alto e um pouco gordinho, mas não deixava de portar braços fortes que eram visíveis por conta da regata preta com o logo da banda Nido(Queen) que usava; tinha os cabelos ruivos, lisos e curtos despenteados; sua pele branca era coberta por algumas sardas no nariz e nas bochechas; seus olhos tão verdes quanto os do pai. Trajava um jeans desbotado e um coturno. Era um garoto muito bonito.

Fiquei encarando ele, enquanto este cumprimentava o pai. Blue também pareceu estar encantada com a aparência do rapaz e os meninos o olhavam normalmente..

- Não sabia que ia ter companhia extra quando chegasse em casa – falou Cristofer, puxando uma cadeira e se sentando na ponta da mesa.

- É que você não sabe o que tem acontecido nos últimos dias com esses jovens... – começou Elizabeth e narrou tudo para o filho, como os outros tinham salvado os Eevees e sobre o ocorrido com a Equipe Rocket. Ele ouviu tudo, enquanto comia. Parecia extremamente surpreso com a história.

- Nossa! Vocês são radicais! Devem ser ótimos treinadores mesmo, gostei – ele esboçou um sorriso para nós, e Blue chegou a corar – Quando tivermos tempo quero batalhar com um de vocês – falou dando uma mordida em seu pão.

- Por que demorou Cris? – perguntou o pai com a voz grave – Achei que chegaria mais cedo.

- Porque eu aproveitei para passar no ginásio – explicou Cristofer, colocando a mão no bolso do jeans e puxando um estojo que continha as quatro insígnias.

Então o café prosseguiu com a conversa, Cris perguntou quantas insígnias já tínhamos, de onde tínhamos vindo e como nos conhecemos, dizendo que queria batalhar com um de nós depois do almoço.

Quando terminamos de comer, Elizabeth começou a colocar alguns alimentos numa bandeja para Ingro, enquanto Will recolhia a mesa. Blue pegou a bandeja enquanto agradecia, e nós nos dirigimos para o andar de cima. Dois dos Eevees começaram a acompanhar de perto seus mais novos treinadores.

- Quero mostrar uma coisa pra vocês – falou Cris correndo na frente, parecia animado – Faz tempo que não tenho uma plateia para me ver tocando.

- Você toca o que? – perguntou Blue, que subia animada logo atrás dele. Green, que já tinha um semblante de emburrado naturalmente, estava com um cara pior ainda.

- Guitarra, bateria, baixo e estou aprendendo teclado – explicou.

- Legal – falou Red, que subia a escada ao meu lado. Nós não estávamos de mãos dadas e isso me incomodava um pouco, quer dizer, eu não achava que devíamos ficar sempre de mãos dadas, mas... não tínhamos falado sobre nós desde que tudo aconteceu. E, ao meu ver, uma conversa se fazia necessária para esclarecer as coisas.

Cris adentrou seu quarto, com a gente o seguindo bem de perto. O quarto dele tinha as paredes pintadas de azul escuro cobertas por diversos pôsteres, dentre eles um da banda Arctic Mankeys, que eu gostava bastante. O lugar estava mal iluminado, sendo que as únicas luzes vinham de um abajur de lava sobre o criado mudo ao lado da cama de solteiro e dos piscas-piscas que rodeavam as paredes. Uma estante com uma TV, diversos vídeo games e jogos de variados tipos, estava postada diante da cama, ao lado dela um enorme guarda roupa. Havia uma porta que levava para o banheiro e outra para a varanda, assim como nos outros quartos. Ao pé da cama, havia uma guitarra e um baixo, bem como um teclado encostado na parede.

A TV estava ligada, e Ingro estava sentado na cama assistindo descontraído.

- Então, você é o felizardo que ficou no meu quarto – disse Cristofer, se jogando sobre a cama despojadamente aos pés do garoto. Ingro, que não tinha notado nossa chegada até em então, se assustou na mesma hora.

- Me desculpe – falou ele para Cris, arregalando os olhos – Eu acordei e... não sabia se podia ligar a TV, estava entediado...

- Ei, relaxa – falou ele dando tapinhas na perna do catador de insetos – pode ficar a vontade – Ingro apenas assentiu um tanto constrangido.

- Seu café da manhã Ingro – falou Blue, depositando a bandeja sobre o colo do garoto.

- Ah... obrigado – ele esboçou um sorriso através de seu rosto inchado – Não precisava se preocupar.

- Sinto muito pelo que aconteceu com você – falou Cristofer lançando um olhar a Ingro.

- Obrigado – respondeu dando uma mordida na torrada – Valeu a pena no final, conseguimos trazer Yellow de volta – ele sorriu para mim, e eu retribui o sorriso.

- Que bom – Cristofer se levantou da cama e se dirigiu aos seus instrumentos – Vamos ter que nos ocupar até a hora do almoço, que tal se eu tocasse uma musica pra vocês?

- Eu adoraria – Blue esboçou um sorriso enorme.

- Tanto faz – disse Green sempre do seu jeito indiferente.

Então nos quatro nos sentamos na cama juntamente com o Ingro, e observamos Cristofer ligar sua guitarra em um pequeno amplificador que estava no chão. Os Eevees subiram na cama, se deitando também.

< Por Green >

Ótimo, ter que assistir a Blue toda animada vendo aquele garoto pegar a guitarra estava me tirando do sério. Eu não queria ficar aqui em Celadon nem mais um minuto, já tinha ganhado minha insígnia ontem e pensei que partiríamos logo de manhã, mas os outros estavam gostando tanto de ficar aqui e não pareciam ter pressa de conseguir suas insígnias ou de ir embora e eu provavelmente teria que ficar esperando por eles, acho que andarmos separados não era mais um opção depois de tudo que passamos juntos.

E agora tinha me surgido esse tal de Cristofer, outro rival e que estava chamando muita à atenção de ambas as garotas, mas ele não parecia dar muita bola pra elas, o que eu achava bom. Ele começou a tocar uma musica que disse ser da sua banda favorita, a mesma que estava estampada em sua regata. Eu diria que ele tocava e cantava bem até, nada de mais é claro. Mas os outros... pareciam estar adorando, Blue então não desviou os olhos dele nem uma vez, Red e Yellow se limitavam a balançar a cabeça no ritmo da musica, e Ingro assistia tudo enquanto tomava seu café esboçando um sorriso.

Quando ele finalizou a música, todos aplaudiram animados, eu me limitei a bater algumas palmas de má vontade. Ele fez uma reverencia e sorriu.

- Isso foi incrível – disse Blue animada para ele.

- Obrigado – agradeceu – Bora jogar um pouco? – gesticulou para os jogos, que tinha sobre a estante – quase nunca tenho companhia pra jogar.

Então ficamos jogando jogos de luta. Blue parecia ser imbatível em qualquer jogo que o garoto colocasse, ela pegava o jeito da coisa muito rápido e quando os jogos eram de jogar de dupla todos queriam ir com ela. Aquilo estava sendo uma tortura pra mim, eu queria ir embora logo, mas até mesmo Red que era super impulsivo, estava deveras distraído com os vídeo games de ultima geração do garoto.

Algumas horas depois, uma eternidade na verdade, a voz de Elizabeth gritou do andar de baixo dizendo que o almoço estava pronto. Cristofer desligou o vídeo game e começamos a nos dirigir para o corredor, mas não antes dele notar que Ingro não vinha.

- Não vai vir comer? – perguntou ele, para o catador de insetos que continuava sentado na cama.

- Seu pai me recomendou repouso e... – começou a responder, mas foi cortado.

- Não pretende ficar ai o dia todo né? Descer as escadas e se sentar para comer não vai te matar. Vamos logo – Ingro o encarou, e então se levantou com dificuldade, andando em direção à porta – Se meu pai chiar, eu resolvo.

Então descemos as escadas, acompanhados de perto por nossos Eevees. Eu fiquei contente de ter ganhado um desses Pokémons, apesar deles parecerem bem fofinhos e inexperientes em batalhas, eu já estava pensando qual das suas evoluções seria uma melhor adição para o meu time. Ao adentrarmos na cozinha Will realmente fez uma objeção sobre Ingro já estar fora da cama, mas Cristofer o respondeu dizendo que o garoto não devia ficar o dia todo trancado no quarto e Ingro explicou que se sentia um pouco melhor.

O almoço fora posto a mesa e todos nos sentamos para comer novamente, Elizabeth colocou ração para seus Pokémons antes de se sentar e fala sério... aquela coisa de família feliz comendo junta já estava de mais! Eu queria ir embora logo, ou sentia que ia enlouquecer.

- Está tudo pronto para sua festa de aniversário amanhã à noite querido – falou Elizabeth para o filho, enquanto cortava seu filé – A musica, o buffet, a decoração, a lista de convidados e o baile.

- Ah... que legal – falou ele normalmente, não parecia muito animado.

- Não é todo dia que alguém faz 17 anos, e dessa vez você tem gente da sua idade para convidar – Will gesticulou para nós – Ficaram até amanhã a noite, não é? – perguntou ele. Eu já estava pronto para dizer não, quando Blue pareceu perceber a minha cara e me deu um beliscão por de baixo da mesa.

- AI! – fiz uma baixa objeção.

- Claro que ficaremos. Red, eu e Ingro ainda temos que ganhar nossas insígnias, então não temos pressa. Será um prazer ir à festa – explicou ela sorrindo para o casal. Desde quando ela responde por todos nós?

 - Ah que ótimo, eu fico tão feliz. Finalmente Cris vai ter alguém pra interagir... A propósito – Elizabeth se dirigiu para o filho – Seu terno já está passado e pronto.

- Terno? – perguntou Red arqueando as sobrancelhas.

- É uma festa a rigor – explicou Cristofer enquanto mastigava - Vai ser um baile.

- Mas nós não temos roupa a rigor... – começou a dizer Yellow.

- Ah... que pena! Parece que não vamos poder comparecer... – comecei a dizer, tentando segurar um sorriso.

- Não seja bobo, eu posso emprestar alguns dos meus vestidos antigos às meninas. Apesar de não me servirem mais eu guardo todos, ainda estão em ótimo estado e vocês podem ficar a vontade para escolher qual quiserem usar, já fui magrinha igual a vocês... – explicou Elizabeth, sorrindo para as garotas.

- E o Cris pode emprestar alguns dos ternos dele a vocês, não precisam se preocupar – explicou Will para nós garotos.

FICAR AQUI ATÉ AMANHÃ A NOITE? Meus pensamentos gritaram na minha mente, e eu não conseguia deixar de ficar irritado. Eu deveria era me levantar, subir, pegar minhas coisas e vazar, mas a ideia de deixar Blue aqui sozinha com esse tal de Cris me incomodava muito... Por quê? E só de imaginar todo mundo de ternos e vestidos em uma festa chique me dava náuseas. Eu tinha uma jornada para terminar!

Quando terminamos de comer, ajudamos a tirar a mesa e o casal começou a lavar a louça. Cristofer se dirigiu para os quintais do fundo, e todos os outros começaram a segui-lo como se ele fosse um tipo de mestre ou algo assim. Ele se virou e nos encarou estreitando os olhos.

- Hey – começou Red, lá vem... – Você disse no café da manhã que gostaria de batalhar com um de nós, que tal comigo? – sacou uma de suas Pokébolas fazendo pose.

- Hum... vou passar dessa vez Red. Se tem alguém com quem eu quero batalhar é com ele! – gesticulou entusiasmado para Ingro.

- Comigo? Por quê? – perguntou o garoto confuso.

- Por que eu quero te conhecer melhor – respondeu Cris dando de ombros.

- E por quê? – voltou a perguntar.

- E por que não ué? – o garoto ruivo abriu um belo sorriso para o menino do chapéu de palha, que se limitou a estreitar seus olhos para ele – Topa?

- É claro – Ingro pegou uma de suas Pokébolas. Bom, ao menos eu poderia assistir uma batalha para animar aquele dia insuportável.


Notas Finais


LINK DA MINHA OUTRA FANFIC: https://spiritfanfics.com/historia/depressao-e-euforia-9880477 (por favor, deem uma passadinha lá).
Logo da banda "Nido(Queen)": http://data.whicdn.com/images/293991102/large.png
Logo da banda "Arctic Mankeys": http://data.whicdn.com/images/293991017/large.jpg
QUEM ENTENDEU A REFERENCIA?
Link da musica que Cristofer tocou, caso alguém tenha ficado curioso:https://www.youtube.com/watch?v=tXf5neOg5Y8


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...